Vinhas de Luz

Vinhas de Luz

quinta-feira, 11 de maio de 2017

“A REENCARNAÇÃO E O CONCILIO DE CONSTANTINOPLA EM 553 D.C”

Até agora, quase todos os historiadores da igreja romana acreditam que a Doutrina da Reencarnação foi declarada herética durante o segundo Concílio de Constantinopla em 553 D.C, atual Istambul, na Turquia. No entanto, a condenação da Doutrina se deve a uma ferrenha oposição pessoal do finado imperador Justiniano, que nunca esteve ligado aos protocolos do Concílio. Segundo Procópio, uma mulher de nome Teodora, filha de um guardador de ursos do anfiteatro de Bizâncio, era a ambiciosa esposa de Justiniano, e na realidade, era quem manejava o poder. Ela, como cortesã, iniciou sua rápida ascensão ao Império. Para se libertar de um passado que a envergonhava, ordenou, mais tarde, a morte de quinhentas antigas "colegas" e, para não sofrer as consequências dessa ordem cruel em uma outra vida como preconiza a lei do Carma, empenhou-se em suprimir toda a magnífica Doutrina da Reencarnação. Estava confiante no sucesso dessa anulação, decretada por Justiniano " em nome de DEUS " !
Em 543 D.C, o déspota imperador Justiniano, sem levar em conta o ponto de vista clerical, declarou guerra frontal aos ensinamentos de Orígenes - exegeta e teólogo (185 - 235 D.C.), condenando tais ensinamentos através de um sínodo especial. Em suas obras: De Principiis e Contra Celsum, Orígenes tinha reconhecido, abertamente, a existência da alma antes do nascimento e sua dependência de ações passadas. Ele pensava que certas passagens do Novo Testamento poderiam ser explicadas somente à luz da Reencarnação.
Do Concílio convocado por Justiniano só participaram bispos do oriente (ortodoxos). Nenhum de Roma. E o próprio "Papa", que estava em Constantinopla nesta ocasião, deixou isso bem claro.
O Concílio de Constantinopla, o quinto dos Concílios, não passou de um encontro, mais ou menos em caráter privado, organizado por Justiniano, que, mancomunado com alguns vassalos, excomungou e maldisse a doutrina da preexistência da alma, com protestos do Papa Virgílio, e a publicação de seus anátemas. Embora estivesse em Roma naquela época, o Papa Virgílio sequestrado e mantido prisioneiro de Justiniano por oito anos, recusou-se a participar deste Concilio, quando Justiniano não assegurou o mesmo quórum de bispos representantes do leste e do oeste.
Uma vez convocado, o Concilio só incluiu 165 bispos da Cristandade em sua reunião final, dos quais 159 eram da Igreja oriental. Tal fato garantiu a Justiniano todos os votos de que precisava.
A conclusão oficial a que o Concílio chegou após uma discussão de quatro semanas teve que ser submetida ao "Papa" para ratificação. Na verdade, os documentos que lhe foram apresentados (os assim chamados "Três Capítulos") versavam apenas sobre a disputa a respeito de três eruditos que Justiniano, há quatro anos, havia por um edito (decreto) declarado heréticos. Nada continham sobre Orígenes. Os "papas" seguintes, Pelagio I (556 - 561 D.C.), Pelagio II (579 - 590 D.C.) e Gregório (590 - 604 D.C.), quando se referiram ao quinto Concílio, nunca tocaram no nome de Orígenes.
E a Igreja aceitou o edito de Justiniano - "Todo aquele que ensinar esta fantástica preexistência da alma e sua monstruosa renovação, será condenado" - como parte das conclusões do Concílio. Esta atitude da Igreja levou a reações tais como a do Cardeal Nicolau de Cusa que sustentou, em pleno Vaticano, a pluralidade das vidas e dos mundos habitados, com a concordância do Papa Eugênio IV (1431 -1447), embora isso provocasse descontentamento de influentes clérigos da Cúria Romana. Porém, havia e houve sempre o interesse em sepultar esse conhecimento. Então, ao invés de uma aceitação simples e clara da Reencarnação, a Igreja passou a rejeitá-la, justificando tal atitude com a criação de Dogmas que lançam obscuridade sobre os problemas da vida, revoltam a razão e impõem dominação, ignorância, apatia e graves entraves à autonomia da razão humana e ao desenvolvimento espiritual da humanidade.
FRATERLUZ-Fraternidade Espírita Luz do Cristianismo


"A DOR PARTILHADA"

Dois homens, ambos gravemente doentes, estavam no mesmo quarto de hospital. Um deles podia sentar-se na sua cama durante uma hora todas as tardes para conseguir drenar o líquido de seus pulmões.
Sua cama estava junto da única janela do quarto. O outro homem tinha de ficar sempre deitado de costas para a janela. Os homens conversavam horas a fio.
Falavam das suas mulheres e famílias, das suas casas, seus empregos, seu envolvimento no serviço militar, locais onde eles passava as férias.
Todas as tardes, quando o homem da cama perto da janela se sentava, ele passava o tempo descrevendo ao seu companheiro todas as coisas que ele podia ver do lado de fora da janela. O homem da cama do lado começou a viver para aqueles períodos de uma hora, em que o seu mundo era alargado e animado por toda a atividade e cor do mundo do lado de fora. A janela dava para um parque com um lindo lago de patos e cisnes brincavam na água enquanto crianças com os seus barquinhos. Jovens namorados caminhavam de braços dados por entre as flores de todas as cores e uma bela vista da silhueta da cidade podia ser visto na distância. Quando o homem perto da janela descrevia isto tudo com detalhes requintados , o homem no outro lado do quarto fechava os seus olhos e imaginava esta cena pitoresca . Uma tarde quente, o homem perto da janela descreveu um desfile que passava. Embora o outro homem não conseguisse ouvir a banda - ele podia vê-lo no olho da sua mente como o senhor a retratava através de palavras descritivas . Dias , semanas e meses se passaram. Uma manhã , a enfermeira chegou ao quarto trazendo água para os seus banhos, e encontrou o corpo sem vida do homem perto da janela , que tinha morrido tranquilamente em seu sono . Ela ficou muito triste e chamou o atendentes para que levassem o corpo . Logo que lhe pareceu apropriado, o outro homem perguntou se podia ser colocado na cama perto da janela. A enfermeira ficou feliz em fazer a troca , e depois de ter certeza que ele estava confortável , ela deixou ele sozinho. Vagarosamente, pacientemente , ele se apoiou em um cotovelo para tomar o seu primeiro olhar para o mundo real. Fez um grande esforço e lentamente a olhar para fora da janela além da cama . Ele enfrentou uma parede em branco . O homem perguntou à enfermeira o que poderia ter levado seu companheiro falecido, que tinha descrito coisas tão maravilhosas fora dessa janela. A enfermeira respondeu que o homem era cego e nem sequer conseguia ver a parede. Ela disse: Talvez ele só queria encorajar você.
Há uma felicidade tremenda em fazer os outros felizes, apesar dos nossos próprios problemas . A dor partilhada é metade da tristeza, mas a felicidade quando partilhada, é dobrada.
Se você quer se sentir rico, conta todas as coisas você tem que o dinheiro não pode comprar.
"Hoje é uma dádiva, é por isso que é chamado de O PRESENTE".


Autor desconhecido

“A ALMA APÓS A MORTE”

Que sucede à ama após a morte?
Volta a ser Espírito, isto é, volve ao mundo dos Espíritos, donde se apartara momentaneamente." (Questão 149, de “ O Livro dos Espíritos” – Allan Kardec)
Quando nos debruçamos sobre as obras básicas, entendemos a real dimensão do ser humano. Dentre os mistérios da humanidade, sem dúvida o destino de cada um após o que se convencionou chamar de Morte, é o que mais nos intriga.
O Pentateuco nos ensina que a alma, depois da morte, volta ao plano espiritual de onde veio. A doutrina, didaticamente, coloca a nossa existência corpórea como se estivéssemos em uma universidade, em contínuo aprendizado e, que ao terminar o curso, voltaremos ao campo de trabalho maior, a fim de praticar toda a teoria e os ensinamentos recebidos. Ao contrário das definições que colocam a vida na Terra como castigo ou tormentos, a nossa passagem pela vida terrestre é uma benção de Deus, que nos compete aproveitar como sendo das experiências a mais valiosa.
Os livros, principalmente os ditados por André Luiz, são pródigos em relatos daqueles que desprezaram essa oportunidade no mundo e praticaram toda sorte de equívocos. Os depoimentos apontam para espíritos amargurados, tomados de um arrependimento constrangedor e que imploram pelo retorno à vida na esfera carnal, reconhecendo aqui como uma grande oficina de ajuste moral.
Ao estudarmos a Reencarnação, deparamo-nos com algumas constatações. A primeira, que é sumamente impossível atingir-se um grau de perfeição em apenas uma única existência e, a segunda, em se comparando com a eternidade da alma, que o corpo humano é uma prisão, uma espécie de reformatório, no qual nossas faculdades estão temporariamente oprimidas. Vai depender do nosso esforço, de nossa perseverança no bem, iniciarmos o processo da libertação, na luz do tempo e com as bênçãos de Deus.
Se o Evangelho de Jesus é um código que favorece a iluminação dos nossos sentimentos, a luz não pode atingir quem não se decidir em buscar sua melhoria. Ninguém poderá fazer a nossa parte, e, tal qual Jesus na subida do Gólgota, precisamos superar as barreiras, vencer todos os obstáculos e vivenciar a mensagem que o Mestre nos deixou.
Mesmo que isso leve um bom número de reencarnações. Olhemos ao nosso redor, existem muito mais oportunidades para se fazer o bem do que o mal. Deus, o Pai Maior, criou tudo o que existe para o nosso bem, esperando como retribuição nosso desejo renovado de buscar conhecimentos no avanço em prol da nossa libertação. Entretanto, são tantas as tentações da porta larga que, muitas vezes, nos perdemos no caminho e nos distanciamos do objetivo.
Confúcio disse “aprenda viver e saberás morrer bem”. Uma sábia verdade, pois estudamos que, no instante da morte a alma volta a ser Espírito, retornando ao estado espiritual, seu lugar de origem, conservando a sua individualidade e seu perispírito, e guardando este o aspecto que tinha na sua última encarnação, já que assim se mentaliza. Na chamada “morte”, o encarnado leva consigo deste mundo apenas as lembranças doces ou amargas, conforme a maneira como se conduziu. Além disso, a sua bagagem é constituída pelos valores morais que conquistou. Ao expor essa verdade de maneira tão clara, a Doutrina Espírita transforma completamente a perspectiva do futuro.
A vida futura deixa de ser uma hipótese para ser realidade. O estado das almas depois da morte não é mais um sistema, porém o resultado da observação. Os oradores espíritas gostam de referir-se a este tema dizendo que “ergueu-se o véu”. É a realidade. Ao entendermos a pluralidade das existências; o mundo espiritual aparece-nos na plenitude de uma realidade prática. E isso, não foi Kardec quem descobriu; numa concepção engenhosa, foram os próprios Espíritos que vieram descrever a sua situação. Contaram-nos dos vários graus da escala espiritual, todas as fases da felicidade e da desgraça, que eles mesmos assistiram, em suas epopeias de além-túmulo.
Ao aprender o real sentido da resposta à pergunta 149, os espíritas passam a encarar a morte calmamente, pois que não alimentam mais somente a esperança, mas experimentam uma certeza reconfortante: a vida futura é a continuação da vida terrena em melhores condições. Assim, não enxergam a morte como o fim de tudo, mas comparam-na ao nascer do Sol depois de uma noite de tempestade.
O próprio conceito de família muda, pois passamos a compreender que eles não são almas penadas que nada falam ao pensamento, e sim, seres que existem sob uma forma concreta. O Espiritismo apresenta-se como o Consolador Prometido, quando sinaliza claramente que já não é a esperança que nos guia, mas a certeza. Ele nos faz saber que, apesar de nossos erros e acertos, temos a convicção que estamos no caminho e que não haverá uma condenação eterna e nem a separação dos entes queridos.
Orlando Ribeiro
FRATERLUZ-Fraternidade Espírita Luz do Cristianismo



"...E CONHECEREIS A VERDADE E ELA VOS LIBERTARÁ"

A ideia da reencarnação tem encontrado enorme resistência entre os cristãos de todo o mundo, apesar da sua profunda lógica e justiça. Muitas pessoas acreditam em vida após a morte mas não acreditam na Reencarnação.
Sabe-se que nos primórdios do cristianismo a ideia da reencarnação, era aceita, e chegou a ser ensinada por alguns “pais da Igreja  como Orígenes, Plotino e Clemente de Alexandria. Até mesmo Santo Agostinho, em (Confissões, I, cap. VI), escreveu: “Não teria eu vivido em outro corpo, ou em outra parte qualquer, antes de entrar para o ventre de minha mãe?”
Mas quando o cristianismo instituiu-se, assumindo o formato da Igreja Católica, acomodando-se ao paganismo de Roma, adotando e adaptando algumas das suas práticas, tais como os rituais, a hierarquia, as imagens, etc., afastando-se do modelo ensinado por Jesus que era o da simplicidade, da pobreza e do amor acima de tudo, precisou eliminar aquela ideia. Se não o fizesse, acabaria desestruturando seu edifício e perdendo o bastão do próprio poder, porque a reencarnação é um conhecimento que liberta. Já não seria a Igreja a detentora das chaves do Céu. Seu poder se esvairia como fumaça se os fiéis não mais pudessem ser atemorizados com as ameaças das chamas do inferno, ou atraídos pelas glórias e delícias do Céu.
Então, todos os cristão, sob pena de serem tachados de hereges, foram forçados a acreditar no dogma que afirma ser o espírito criado na concepção.
Quem não acreditasse, quem discordasse da Igreja era passado a fio de espada ou jogado nas fogueiras da inquisição.
Tal crença, incutida no psiquismo dos fiéis ao longo dos séculos (sempre acompanhada do medo de pecar e sofrer por isso terríveis castigos e conseqüências) criou poderosas algemas do pensamento, que foram se cristalizando mais e mais a cada nova encarnação ocorrida num meio cristão. Tanto que, hoje, o simples fato de tentar questionar algum dogma da Igreja católica ou das evangélicas deixa o fiel apavorado, pelo medo de estar cometendo terrível pecado e ter de pagar por ele. Pois colocaram na mente das pessoas que todos os dogmas da Igreja foram criados sob orientação de Deus.
Mas Jesus disse: “Conhecereis a verdade e ela vos libertará.”
A qual verdade estaria o Mestre se referindo? Certamente a nada que Ele ensinara, porque disse “conhecereis”, ou seja, no futuro. E nem Ele, nem seus seguidores apresentaram algum novo conhecimento que poderia representar tal verdade.
Isto está cristalinamente claro.
Quando disse “A verdade vos libertará”, deixou claro que seus seguidores se encontravam e continuariam se encontrando prisioneiros de algum engano, até que o conhecimento da verdade, no futuro, viesse libertá-los. Isto, porque, seus seguidores não estavam preparados para conhecer toda a verdade.
Em Mat.11:14, essa assertiva é confirmada por Jesus, quando, referindo-se a João Batista, diz: “Se puderdes compreender, ele mesmo é Elias que devia vir”. Observe-se que o Mestre tinha dúvidas sobre a capacidade de entendimento dos discípulos, porque disse: “Se puderdes compreender...”
Não há qualquer arranjo teológico que possa mostrar outra verdade libertadora que veio depois de Jesus, a não ser o conhecimento da reencarnação e da lei de causa e efeito, trazida pelo espírito que se assinou como A Verdade, apresentando na seqüência todo um universo de informações que foram magnificamente codificadas por Allan Kardec. (V. O Livro dos Espíritos)
Convém observar também que as verdades que o Mestre ensinou não eram de molde a libertar alguém. Uns dirão que elas libertam do pecado, mas o mundo cristão continua tão “pecador” como sempre. Portanto, se alguém analisar estas questões em profundidade e sem as amarras do condicionamento psicológico a que nos referimos anteriormente, acaba ficando maravilhado com tamanha lógica e tal demonstração da sabedoria e de amor do nosso Criador, ao criar a lei que determina a evolução dos seres através das vidas sucessivas.
Essa sim é uma verdade realmente libertadora. Quem acredita na reencarnação e na lei de causa e efeito sente-se realmente livre, dono de si mesmo e único responsável pelos próprios passos, sabendo, no entanto, que tudo que semear, terá de colher.
Jesus nunca disse que alguém vai para o inferno porque acredita nisso ou naquilo, mas sempre ensinou a vivência dos valores da alma.
À ideia da reencarnação, é também encontrada em quase todos os sistemas religiosos do mundo, mesmo entre as tribos selvagens mais afastadas umas das outras; em todos os continentes da Terra e desde os povos mais antigos. Isto mostra que essa ideia não foi inventada. É como se ela tivesse surgido junto com o ser humano, um conhecimento do próprio espírito.
Grandes pensadores como Pitágoras, Sócrates e Platão, tinham-na como fundamento filosófico.
Mas as idéias da reencarnação e da lei de causa e efeito (carma) também estão expressas em vários momentos na própria Bíblia.
No episódio da transfiguração, depois que Jesus conversou com Moisés e Elias na presença de Pedro, Tiago e João, estes lhe perguntaram: “Por que dizem os escribas ser necessário que Elias venha primeiro? Ao que o Mestre respondeu dizendo: Elias certamente a de vir e restabelecerá todas as coisas: digo-vos, porém,  que Elias já veio, mas eles não o conheceram. Antes fizeram dele quanto quiseram. Então os discípulos entenderam que Ele falava de João Batista” (Mateus 17:12 e 13).
Ora, se Elias foi também João Batista, isto só pode ter se dado mediante a reencarnação, porque diante de Jesus no momento da transfiguração ele apresentou-se em sua antiga forma, quando fora profeta do Velho Testamento.
Em Mat. 16:13 e 14 se diz: “E Jesus perguntou aos seus discípulos: Quem dizem os homens que eu sou? E responderam: uns, João Batista; outros, Elias; outros, Jeremias ou algum dos profetas”.
Ora, como poderia ser Jesus algum desses profetas do Antigo Testamento, a não ser pela reencarnação?
O pensamento de que João Batista era Elias reencarnado e que os Profetas podiam reviver na terra, encontra-se em muitas passagens dos Evangelhos.  Se essa crença fosse um erro, Jesus não teria deixado de combatê-la , como combateu tantas outras. Longe disso, Jesus a confirmou com toda a sua autoridade e colocou-a como ensinamento e como uma condição necessária quando disse: Ninguém pode ver o reino de Deus se não nascer de novo . E insistiu. Não vos espantei se vos digo que é preciso que  nasçais de novo.
Já com Nicodemus, que era doutor da lei ,um intelectual da  época o Mestre foi mais explícito, mais claro:
Nicodemos  perguntou a  Jesus: Como pode renascer um homem que já está velho? Pode ele entrar no ventre de sua mãe para nascer uma segunda vez??
Jesus respondeu : Em verdade, em verdade vos digo: Se um homem não renascer da água e do espírito, não pode entrar no reino de Deus. O que nasceu da carne é carne.  O  que nasceu do espírito é espírito não te admires de eu dizer: “Necessário vos é nascer de novo” (João 3:6).
Estas palavras: “Se um homem não renascer da água e do espírito”, foram interpretadas pelas religiões no sentido  da regeneração pela água do batismo.   Porém os textos primitivos traziam simplesmente: “Não renascer  da água e do espírito“, enquanto em algumas  traduções, a expressão do espírito foi substituída por do espírito santo, o que não corresponde mais ao mesmo pensamento.
A mesma interpretação; aliás, é confirmada por Jesus quando disse: O que nasceu da carne é carne e o que nasceu do espírito é espírito, as quais dão a exata diferença entre o espírito e o corpo. Indica claramente que só o corpo procede do corpo e que o espírito é  independente dele.
Portanto, o conhecimento da reencarnação é a verdade que liberta.

 Fonte: “O Evangelho Segundo o Espiritismo” O Livro dos Espíritos”.

Allan Kardec

"DIVALDO ABRE O JOGO SOBRE CHICO XAVIER "


quarta-feira, 10 de maio de 2017

“TRATAMENTO ESPIRITUAL DO CÂNCER”

A problemática do câncer:
A cada minuto 30 pessoas recebem o diagnóstico de câncer ao redor do mundo. Isso representa mais de 15 milhões de casos novos da doença por ano. O peso que a palavra câncer carrega ainda é enorme, provavelmente porque antigamente equivalia a uma sentença de morte. Mas muita coisa mudou. A ciência traz resultados maravilhosos nos tratamentos atuais.
Ouvir de um profissional: - você tem câncer! - gera um turbilhão de emoções. Desespero, dor, sofrimento, tristeza, são alguns dos sentimentos que permeiam esse momento. A depender da personalidade do médico, mais fechado ou falante, mais compassivo ou seco, o impacto da noticia é atenuado ou aumentado. Sem exceção a regra, é um período onde a família interrompe a correria do dia a dia e obrigatoriamente reavalia a caminhada individual e coletiva.
O câncer é uma doença que precisa de muito conhecimento para ser tratada, e dessa forma, uma equipe multiprofissional com especialistas no assunto é a melhor forma de lidar com a situação. Não é incomum que diante desse diagnóstico, ocorra a procura por tratamentos complementares. A família se volta para a religião de base, e abre o coração para outras formas terapêuticas, muitas vezes chamadas de terapias alternativas, mas que na verdade não constituem de forma alguma uma alternativa para o tratamento médico e sim um complemento com efeitos variáveis, ou seja, funciona pra uns e não pra outros, exatamente como o protocolo médico.
Essa procura por caminhos mais leves não é infundada. Uma pesquisa (metanálise) publicada na prestigiosa revista americana Cancer, mostrou que quanto maior a religiosidade/espiritualidade do paciente, maior a associação com o bem estar físico durante o tratamento. O artigo ressalta também que uma abordagem religiosa/espiritual precisa fazer parte de um programa de cuidado holístico no paciente com câncer.
A visão espiritualista:
Na nossa prática mediúnica na Comunidade Espírita Ramatís, temos tentado estudar o efeito do câncer nos corpos espirituais e as formas de atenuar o sofrimento causado no doente e na família. Durante os mais de 25 anos em que atendemos esses pacientes já observamos respostas quase miraculosas e da mesma forma, desencarnes lamentáveis, de portadores do câncer que acabam se tornando amigos queridos.
A doutrina espírita nos fala que o câncer tem raízes profundas no nosso psiquismo, nas nossas atitudes pretéritas, e que a sua ocorrência poderia nos auxiliar a curar nossa alma, através de um processo que Ramatís chama de "verter para a carne", ou seja, a drenagem de uma energia espiritual adoecida para o corpo físico.
Obviamente que do ponto de vista médico, observamos a hereditariedade, a genética, as substâncias cancerígenas, os disruptores endócrinos, e tudo isso é muito importante, mas nossa abordagem hoje, diz respeito somente ao aspecto energético-espiritual da doença.
Um dado importante que nos foi passado pela espiritualidade maior e pela observação sistemática nos trabalhos mediúnicos é que o processo de drenagem dessa energia espiritual do períspirito para o corpo físico só acontece se o Duplo Etérico estiver lesado.
Definição de Duplo etérico:
O nobre Dr. José Lacerda ensina que o Duplo representa a vitalidade, a energia construtora que coordena as moléculas físicas e as reúne no organismo físico.
Ressaltamos que uma das características principais do câncer é justamente o crescimento desordenado, e isso ocorre porque o controle da forma física exercido pelo Duplo (comandado pelo corpo astral) está danificado.
A designação de "duplo etérico" exprime a natureza e a constituição da parte mais sutil do nosso corpo físico; esta designação é, pois, significativa e fácil de reter. Este elemento, o "duplo etérico", é formado por éteres variados, e duplo porque constitui uma duplicata no nosso corpo físico, sua sombra por assim dizer. Ele é formado na gestação e quando do desencarne, o Duplo, assim como o corpo físico se desintegra.
André Luiz, através da mediunidade de Chico Xavier nos mostra que o Duplo é constituído de eflúvios vitais que asseguram o equilíbrio entre a alma e o corpo de carne. Essas emanações neuropsíquicas revestem o perispírito.
No livro Mãos de luz, Bárbara Brennan revela a existência de um corpo ou campo de energia vital (Duplo etérico), que forma a matriz, a qual penetra o denso corpo físico como teia reluzente de raios de luz. Essa matriz energética é o modelo básico sobre o qual se afeiçoa e firma a matéria física dos tecidos, que só existem como tais por força do campo vital que os sustenta.
Funções do Duplo Etérico:
Ramatís nos explica que o corpo etéreo ou duplo etérico liga-se ao físico e ao perispírito (corpo astral), intermediando e transmitindo ao cérebro físico as manifestações vibratórias e impulsos do espírito e também de outros espíritos desencarnados.
No livro "elucidações do além", Ramatís esclarece que o Duplo absorve o Prana ou a vitalidade do mundo oculto, emanada do Sol, conjugando-a com as forças exaladas no meio físico; e em seguida as distribui pelo sistema nervoso e por todas as partes do organismo físico do homem.
Não é um veículo consciente, pois é incapaz de atuar por si ou de modo inteligente, mesmo quando desligado do homem. Embora realize certos ajustes e tome providências defensivas, isto sucede pelo automatismo instintivo e biológico do próprio organismo carnal, pois este, quando se move independentemente do comando direto do espírito imortal, revela um sentido fisiológico inteligente e disciplinado, nutrindo e reparando as células gastas ou enfermas, substituindo-as por outras, sadias, de modo a recuperar-se de todas as perdas materiais.
Em resumo, o Duplo tem a função de nutrir e reparar as células físicas. Ele faz a comunicação entre o perispírito e o sistema nervoso do corpo físico. Exerce as suas funções de forma automática.
Tratamento do câncer através do Duplo Etérico:
Dentro da filosofia espírita aprendemos que nossas atitudes pretéritas equivocadas plasmaram energias desarmonizadas no nosso perispírito. A harmonização desse importante corpo sutil é uma das prioridades no nosso processo de evolução. Isso poderia e preferencialmente deveria acontecer de forma leve através da nossa mudança íntima.
Porém, a maioria de nós prefere o caminho mais doloroso, repetindo padrões de comportamentos equivocados e sofrendo as consequências danosas da nossa teimosia.
Fosse outra a nossa atitude e a misericórdia divina encontraria formas positivas de agir em nosso coração. Mas mesmo que o diagnóstico tenha sido firmado e você ou algum familiar esteja nesse momento passando por essa dificuldade, temos observado nos trabalhos mediúnicos que os espíritos superiores estão sempre presentes na assistência, e coisas maravilhosas acontecem nas vidas das pessoas.
Uma das formas que o espírito imortal encontra para se livrar dessas energias adoecidas é drenando para o corpo físico. Entretanto, o Duplo tem justamente a função de proteger essa comunicação bilateral, físico-astral. Chega um momento onde a persistência dessa doença energética se mostra intolerável para o espírito, e essa energia lesa o Duplo e atinge o corpo físico, causando a doença.
Esse é exatamente o retrato que vemos nos pacientes que atendemos em nossa casa espírita na assistência mediúnica. Em 100% dos portadores de câncer o Duplo está completamente lesado. A tela etérica, espécie de pele (na falta de terminologia mais adequada) que reveste o Duplo perdeu completamente a integridade e os chacras estão deformados e muito comprometidos.
A lesão na tela etérica faz com que o paciente perca muita energia vital. Os estudiosos do magnetismo relatam há muito tempo que os portadores de câncer são sugadores de energia. Com o Duplo lesado, não existe possibilidade de reter a energia vital curativa. É como querer reter o calor deixando a tampa da panela aberta.
Reconstruir o duplo etérico é uma parte importante no tratamento complementar do câncer. Isso pode ser feito pela acupuntura, pela homeopatia, Reiki e outras terapias, mas uma das formas mais eficazes é através da doação consciente de ectoplasma.
O excelente André Luiz esclarece que o ectoplasma é o fluido animalizado produzido no duplo etérico e decorrente do metabolismo biológico do equipo físico. Em médiuns treinados, o ectoplasma abundante exalado pelo duplo etérico durante o desdobramento consciente contribui para a revitalização e o retorno à forma original do perispírito e do duplo do atendido (portador de câncer).
Na nossa Comunidade Espírita, ao atender um assistido portador de câncer, o primeiro tratamento realizado é no Duplo. Com os médiuns em desdobramento consciente, intencionamos a exsudação do ectoplasma com a finalidade de reconstruir o Duplo etérico do assistido, realinhando e harmonizando os chacras, refazendo a tela etérica e implantando um molde energético que ficará no Duplo do assistido durante uma semana.
É importante esclarecer que esse é somente um dos aspectos do tratamento espiritual. Quando comparamos com o tratamento médico, é como pensar na cirurgia, na quimioterapia e na radioterapia. Um complementa o outro e todos são importantes a depender da indicação.
Dentro da abordagem espiritual temos vários fatores que precisam ser tratados, e que detalharemos posteriormente em outros artigos, mas a título de informação, é fundamental a terapia psicológica para aceitação e entendimento tanto do paciente como da família. Da mesma forma, devemos observar o tratamento espiritual do perispírito, o modelo organizador biológico e do corpo mental, que envolve as memorias negativas que originaram o processo em primeira instância.
Se ficarmos somente no Duplo, não atingiremos a causa-raiz do problema. Mas qualquer outro tratamento sem a reconstituição do Duplo não surtirá o mesmo efeito. Visão holística acolhedora. Esse é o caminho.
Paz e luz!

Sérgio Vencio- Medicina e Espiritualidade