Seguidores

terça-feira, 18 de abril de 2017

QUATRO DICAS IMPORTANTES PARA SE LIVRAR DE UM ESPÍRITO OBSESSOR"

Em existências anteriores você fez afetos e desafetos. Todos eles estão espalhados por aí, encarnados ou desencarnados. Nós podemos reencarnar junto com alguns deles; outros estão encarnados em outros meios; mas tem aqueles que estão desencarnados nesse momento.
E esse é o tipo mais comum de obsessão: a obsessão de desencarnado para encarnado. Podemos definir a obsessão como a ação maléfica e reiterada – ou seja, contínua, insistente – de um espírito sobre outro.
Temos que diferenciar o obsessor do encosto. O encosto é aquele espírito que é atraído por você. Ele não tem a intenção de lhe fazer mal, apenas sente-se bem na sua companhia e passa a prejudicar você pela troca de influências. A proximidade entre vocês faz com que ele sinta um pouco do que você sente e que você sinta um pouco do que ele sente. Mas isso é assunto para outra ocasião.
As dicas que eu vou dar servem para o encosto também – apenas temos que saber que as causas da obsessão e do encosto são diferentes. O obsessor age quase sempre por vingança. Você o prejudicou no passado, ele não perdoa, não se conforma, e quer ver você numa ruim…
Para nós vermos como agem os mecanismos da Lei: você pode ter prejudicado ele no passado – em tese, então, você é o culpado e ele é a vítima. Nós temos a tendência de ver a vítima como o coitadinho e o culpado como aquele que deve ser castigado.
Mas não é bem assim. Se você se arrependeu do seu erro e tomou o firme propósito de reparar de alguma forma o mal que você fez, você está bem. Ele, no entanto, só tinha que perdoar e tocar a vida. Mas não – ele ficou vibrando no ódio e só pensa em se vingar de você.
Quem está mal, então, na verdade, é ele! Quem precisa de tratamento, realmente, é ele! Você, bem ou mal, tem a sua vida, os seus compromissos, tem outras coisas com que se ocupar.
Mas vamos lá!
– 1º dica: leitura edificante.
Se você gosta de ler, tem o hábito da leitura e sente aquilo que está lendo, é altamente recomendável que você leia livros espíritas ou espiritualistas. Livro de autoajuda também é bom – desde que não seja voltado para coisas materiais.
Quando você está lendo coisas boas você está sintonizado com uma faixa de frequência elevada. Nenhum espírito que esteja numa vibração baixa pode ter acesso a você se você está numa vibração alta – isso é física, não tem nada de místico ou sobrenatural. Tudo no Universo vibra, inclusive as nossas mentes. Nossa mente emite e capta sinais o tempo todo. Se estamos emitindo uma baixa vibração, iremos captar vibrações baixas; se emitimos alta vibração, iremos captar vibrações altas.
O hábito da boa leitura nos ajuda a manter uma boa vibração não só enquanto estamos lendo, mas mesmo depois, quando refletimos sobre o que foi lido e permanecemos sob a influência da leitura.
Mas atenção! Quando eu falo de livros espíritas, estou falando de obras que contenham uma boa mensagem, uma leitura não muito pesada. Não vá ler sobre dragões, aventuras de magos negros, não é por aí. Essas leituras podem ser proveitosas para os trabalhadores dos centros espíritas experimentados no trabalho de desobsessão, mas não é indicada para o público em geral.
– 2º dica: oração.
A oração tem o poder de nos elevar rapidamente. Se você não sabe como orar ou quer conhecer uma maneira de orar que seja mais eficaz, leia o meu artigo Como orar e ser atendido.
A sua oração deve ser sentida, não apenas formulada em palavras. Se você sente que é vítima de obsessão, sugiro que ore todos os dias no mesmo horário. Se possível mais de uma vez por dia. Em oração, você deve perdoar e pedir perdão a todos os seres do Universo, por todo e qualquer mal, proposital ou não, em qualquer tempo.
Você pode orar assim:
Eu (seu nome) perdoo todos os seres em todos os mundos que tenham me prejudicado de qualquer forma, de maneira proposital ou não, em qualquer tempo e em qualquer espaço. Eu também peço perdão a todos os seres em todos os mundos a quem eu tenha prejudicado, de maneira proposital ou não, em qualquer tempo e em qualquer espaço. Desejo que todos os seres em todos os mundos sejam felizes e bem aventurados. Que a paz e a harmonia reine sobre todos nós.
Você não precisa dizer muitas palavras, o importante é sentir. Para que você consiga sentir a sua oração é preciso algum preparo. Por isso sugiro novamente que leia o meu artigo Como orar e ser atendido.
A oração sincera pode ajudar o obsessor a compreender a sua nova situação (já que ele está parado no tempo, vibrando no antigo ódio) e perdoar. Se for um espírito muito endurecido, mesmo assim a oração eleva você. E, elevando você, protege você do assédio.
– 3º dica:               
A prática regular da caridade. Nós sabemos que a caridade pode ser feita das mais diversas formas, mas aqui eu me refiro a algo mais específico e regular. O ideal é fazer algum tipo de trabalho voluntário em que você se sinta bem. Isso, evidentemente, deve custar a você algum esforço e investimento de tempo. Reunir-se com amigos uma vez por semana para atender uma entidade qualquer pode não ser o mais indicado: não que isso não tenha valor; claro que tem. Mas o importante é que o trabalho exija esforço de você e que ocupe seu tempo, ou seja, que esteja bastante presente em sua vida. Uma horinha por semana é muito pouco.
De que modo a caridade pode ajudar você a se livrar do espírito obsessor?
De duas maneiras. Em primeiro lugar, quando nós fazemos o bem nós estamos nos tornando um pouco melhores, pois estamos desenvolvendo características nossas que permanecem dentro de nós. Imagine que você seja um programa de computador. Ao fazer o bem, você está programando coisas boas em você mesmo. Isso o protege naturalmente contra qualquer assédio.
Em segundo lugar, quando fazemos o bem de maneira metódica, regular, nós não estamos trabalhando sozinhos: sempre contamos com a participação de um ou mais espíritos interessados naquele tipo de trabalho ou mesmo naquela situação específica. Passamos a contar, então, com a parceria desses espíritos, o que também nos oferece alguma proteção.
– 4º dica: desobsessão.
Sem dúvida alguma é o meio mais direto. A desobsessão praticada em centros espíritas ou centros de Umbanda sérios é bastante eficaz.
Como reconhecer que um lugar é sério?        
Esse lugar não pode cobrar por esse tipo de atendimento; a casa deve dar importância ao estudo, tanto em relação aos frequentadores quanto em relação aos trabalhadores; a casa deve ter bastante procura; você deve sentir-se seguro nesse lugar.
Mas atenção: a desobsessão afasta o espírito de você e o encaminha para um lugar adequado para ele; geralmente um hospital numa colônia espiritual. Mas você precisa se ajudar. Você precisa colocar em prática alguma das dicas anteriores que eu citei – de preferência mais de uma. Se você permanece da mesma vibração baixa ou o obsessor volta, ou vem outro.
O atendimento espiritual é uma oportunidade de ouro para o encarnado e para o desencarnado: é um divisor de águas. É um momento de mudar a vida, de dar novo rumo para a vida. Se continuar com os mesmos hábitos, com o mesmo pessimismo, o mesmo azedume, mágoa, rancor – a oportunidade é desperdiçada.
O ideal, se você não tem muito conhecimento das coisas do espírito, é você procurar um centro espírita e participar de um grupo de estudos. Se você não se sente bem em centro espírita, vá a uma igreja – mas um lugar que ensine o bem, que faça você sair de lá leve, com vontade de fazer o bem.

Autor: Morel Felipe Wilkon-Espírito Imortal

"BRUNO JORGE- O JOVEM DESAPARECIDO NO ACRE-VISÃO ESPÍRITA"

Essa semana chamou a atenção o desaparecimento do Bruno Borges.
O Bruno é descrito pela família como um jovem com inteligência acima da média. No quarto dele foi encontrada uma estátua do Giordano Bruno, que foi condenado à morte pela Inquisição. O escultor da estátua acredita que Bruno seja a reencarnação de Giordano Bruno e que tenha completado a sua obra. Além da estátua, também forma encontrados 14 livros escritos à mão. Também há inscrições meticulosas no chão, nas paredes e no teto do quarto.
Não sabemos o que aconteceu com o Bruno, mas não acho que isso seja motivo de preocupação.
O fato inegável é que o Bruno quer nos passar uma mensagem. Ele chegou a algumas conclusões a respeito da vida e sente-se no dever de passar isso adiante.
Joseph Campbell foi um estudioso de mitologia e religião comparada.
Ao longo da sua vida de pesquisa ele encontrou alguns pontos em comum em todas as narrativas mitológicas.
Para você ter uma ideia, a saga Guerra nas Estrelas é toda ela inspirada na obra de Campbell.
Os mitos, os avatares das grandes religiões (incluindo Jesus), e, mais recentemente, os protagonistas de filmes, livros, seriados, todos eles repetem uma série de fases que Campbell chamou de “a jornada do herói”.
A jornada do herói possui 12 estágios principais:
1 – o mundo comum em que o herói vive antes da história começar;
2 – o chamado para a aventura, na forma de um problema ou desafio que se apresenta ao herói;
3 – a demora ou recusa do herói em atender ao chamado, quase sempre porque ele tem medo do desafio;
4 – o encontro do herói com o mentor ou alguma forma de ajuda sobrenatural, em que ele é informado sobre a sua aventura (desafio) e recebe treinamento para essa aventura;
5 – o cruzamento do primeiro portal, em que o herói abandona o mundo comum para entrar no mundo especial ou mundo mágico da sua aventura;
6 – as provações que o herói tem que enfrentar, os aliados e os inimigos que aparecem e o ajudam a aprender as regras do mundo mágico em que ele entrou;
7 – a aproximação do objetivo, uma fase em que o herói tem sucesso durante as provações;
8 – a provação mais difícil ou mesmo traumática, que é a maior crise da aventura, é o momento de vida ou morte da aventura;
9 – a recompensa: a fase em que o herói enfrentou a morte, venceu o seu medo e então ganha a sua recompensa;
(A recompensa, no casa do Bruno, é a divulgação do seu trabalho – o seu trabalho está sendo divulgado pela mídia; nesse primeiro momento, as pessoas sabem que ele se dedicava a um trabalho, apenas isso.)
10 – o caminho de volta: a fase em que o herói deve voltar para o mundo comum;
(Isso é o que se espera; é o que a família do Bruno espera, que ele reassuma a sua posição inicial de pessoa comum. A família do Bruno não está interessada, nesse momento, na sua aventura de herói. Eles estão interessados no filho, no irmão, no membro familiar. Mas para que isso ocorra o Bruno terá que abrir mão, temporariamente, do seu papel de herói.)
11 – a ressurreição do herói, que é um novo teste em que o herói deve enfrentar a morte, e deve usar tudo que aprendeu;
12 – o regresso do herói com a recompensa: nessa fase o herói volta para casa com a recompensa e usa essa recompensa para ajudar as pessoas no mundo comum.
Todas essas fases são repetidas por todas as pessoas que descobrem algo novo, descobrem um sentido maior para a vida e sentem a necessidade íntima de repartir a sua descoberta com as outras pessoas.
Nesse momento se faz muitas especulações sobre o que o Bruno escreveu. Muitas pessoas debocham, ironizam, mas as pessoas sérias se questionam sobre o que ele pode ter descoberto e anotado.
Ele leu a Bíblia, leu livros espíritas, e pelo jeito lia muito – falam em mais de mil livros.
Eu não quero desfazer do trabalho dele, que eu nem conheço; não quero ser desmancha prazeres; mas ele não deve ter descoberto nada que nós já não saibamos.
Talvez tenha encontrado uma maneira muito prática e racional de explicar aquilo que ele considera como verdade; talvez ofereça um novo ângulo de visão para segredos que já não são segredos…
A verdade da vida é tão clara para quem percebe ela! E ao mesmo tempo tão difícil de ser vivenciada!
– Você quer verdades mais claras que os ensinos de Jesus no Sermão da Montanha?
E, no entanto, nós estamos há dois milênios discutindo eles sem conseguir praticá-los efetivamente…
O mundo tem que melhorar muito. E está melhorando, a passos lentos.
Cada vez mais pessoas descobrem antigas verdades e cada vez mais pessoas se interessam em aprender sobre essas verdades.
Que o Bruno continue a sua jornada do herói. Ele já deu 9 passos. O próximo passo é o caminho de volta…
Autor: Morel Felipe Wilkon-Espírito imortal


segunda-feira, 17 de abril de 2017

“SEMPRE É HORA DE RELEMBRAR O COMPROMISSO ASSUMIDO ANTES DE REENCARNARMOS

A terapia de regressão a vivências passadas tem mostrado que quando nos preparamos para reencarnar, a complexidade desse momento é um pouco maior do que podemos supor com uma analise superficial.
Mentores amorosos, envolvidos conosco a um longo tempo, e preocupados com o nosso despertar e evoluir rumo ao Pai maior, fazem programações extensas que envolvem a genética, a escolha dos pais, as condições da gestação, predisposição a determinadas doenças, enfim, todo uma série de situações que irão interferir na nossa romagem física.
A grande questão levantada por Emmanuel, no livro Vinha de Luz, psicografado por Chico Xavier é que a nossa ótica de enxergar a vida está completamente invertida.
Somos cristãos de templos. Enquanto estamos no nosso templo religioso, seja o centro ou a Igreja, ali, naquele momento somos cristãos, mas com raríssimas exceções levamos essa postura para o nosso trabalho, para quando o assunto é dinheiro.
Emmanuel cita que o comerciante está em negócios de suprimento e fraternidade, mas em qual empresa, em qual revista especializada em negócios vamos encontrar isso? Claro, a mentalidade está mudando, as pessoas estão cada vez mais sendo o centro das atenções, mas no mundo atual o que é mais valorizado ainda é o sucesso financeiro, a produtividade, encher os bolsos da empresa continua sendo a meta principal.
Nada contra dinheiro, mas qual é o nosso foco? Como nos colocamos em nossos trabalhos?
Os que lidam com a área da saúde são ainda felizardos nessa seara, pois são a cada novo atendimento procurados por pessoas necessitadas de ajuda, ou seja a cada 30 minutos tem uma nova chance de ajuda, mas será que nos nossos consultórios adotamos essa postura espiritualista, ou ainda temos medo de "perder" pacientes que possam discordar da nossa visão?
Vivemos em meio a grande obra do Pai e somos usufrutuários de tudo o que pensamos ser nosso. É como se pegássemos emprestado tudo dos nossos filhos, e eles de nossos netos, numa cadeia que não tem fim. Essa visão, se colocada na prática nos pouparia e muito as coronárias, pois sem dúvida nenhuma o stress, oriundo da preocupação com grana e posses é um fator importante na gênese das doenças cardiovasculares.
A programação individual e intransferível que foi cuidadosamente planejada para cada um de nós, na maioria das vezes não é respeitada. Por mais que alguns sofram da Síndrome de super-homem ou mulher maravilha e achem que tem de salvar o mundo três vez ao dia, a verdade é que a nossa missão terrena diz respeito a coisas pontuais, a pequenos problemas de relacionamento, de caráter, de convivência harmoniosa com nossas famílias.
Porém, nos desviamos desse caminho, voltando a sustentar antigos padrões de comportamentos que tínhamos no passado, gerando a doença e a dor, que vem ao nosso alcance tentando nos mostrar o caminho de volta, o trieiro que nos leva a estrada principal. Mas nos revoltamos contra a dor, criando um ciclo vicioso que nos prende em bolsões de energia pesada, criando ressonância com o passado, com nossos erros e dúvidas, mágoas e decepções, nos fazendo assumir características dos personagens de vidas transatas, reagindo de forma inadequada a qualquer mínimo problema com as pessoas que convivemos, pois enxergamos neles os inimigos do passado e não os companheiros de hoje.
Tudo isso vai acumulando e trazendo para a ponta física, toda essa problemática mal resolvida de ontem, e se torna sem dúvida nenhuma uma das fontes geradoras das depressões, pânico, transtornos de ansiedade, que por mais pesquisados pelos cientistas modernos, não tem as causas identificadas, pois essas se encontram lá atrás.
Sempre é hora de relembrar o compromisso assumido antes de nascermos! Qual são nossas maiores dificuldades? Porque nos enrolamos em determinadas situações, que às vezes nos acompanham a vida inteira? É hora de mudar. Nossa saúde física, mental e espiritual depende dessa auto superação, que começa com a aceitação de quem somos de verdade, passa pelo perdão e continua na tentativa diária de mudança verdadeira e profunda.
Fonte: Medicina e Espiritualidade

Sérgio Vencio

“UM HOMEM MAU NO CÉU”

Um anjo estava recebendo as almas que acabavam de morrer. Uma fila foi formada e aos poucos foram separando aqueles que iriam para os planos elevados e aqueles que iriam as zonas inferiores.
Um homem, que estava na fila reservada aqueles que deveriam descer as zonas inferiores ficou revoltado e gritou: INJUSTIÇA!
Todos ouviram o grito e prestaram atenção ao homem. O anjo também olhou para ele. O homem prosseguiu:
– Isso nada mais é do que uma grande injustiça! Por que apenas os “escolhidos” podem ir a zonas celestes, e nós, os marginalizados, vamos para zonas inferiores? Somente por causa dos nossos erros na Terra Deus deixou de nos amar? Desafio os anjos de Deus a darem um tratamento igual a todos os seus filhos, aqueles que fizeram o bem e também aqueles que fizeram o mal! Onde está o perdão divino?
O anjo foi na direção do homem e disse:
– Meu filho, já que você está questionando isso, permitirei então que você vá aos planos celestes, você quer?
– Sim, respondeu o homem.
O anjo então deu a mão ao homem e o conduziu a um plano elevado do cosmos infinito, para onde vão as almas bondosas, caridosas, compassivas e humildes.
Assim que chegou lá, o anjo desapareceu. O homem pensou: “Puxa, consegui vir a um local melhor, sem que eu precise ficar sofrendo, que bom!”
Começou a caminhar pelo local. Sentiu uma energia muito calma, tranquila, pacífica. Ele estava acostumado com agitações, barulho, confusões, etc, e por isso começou a sentir um pouco de saudade dos bares, das boates e casas noturnas onde frequentava.
Continuou caminhando, e viu um homem tocando uma melodia belíssima, bem calma. Começou a ouvir um pouco da música, mas rapidamente achou aquela melodia muito chata e monótona. Saiu de lá e continuou caminhando.
Logo depois, viu um senhor ensinando filosofia a um grupo de almas. Parou para ouvir os ensinamentos: o mestre falava de amor, caridade, meditação, paz, e outros princípios sagrados da vida. O homem ficou muito entediado com aquela conversa, não concordava com quase nada do que era dito, sentiu uma certa ansiedade e saiu de lá rapidamente.
Continuou caminhando, mas dessa vez estava sentindo-se mal com toda aquela atmosfera benéfica. Viu a sua volta que se irradiavam pelo espaço correntes de luz branca, e todas as almas que passavam por lá eram transpassadas por aquela vibração divina. Assim que teve contato com essas correntes de pura bondade e harmonia, sentiu-se ainda pior do que antes. Não estava acostumado com energias boas, elevadas, pacíficas. Começou a sentir-se muito angustiado com tudo aquilo. Chegou num ponto em que não estava mais aguentando aquelas vibrações luminosas, aquela paz e bondade. Chegou ao seu limite e resolveu então clamar pelo anjo dizendo: “Ser agélico, por favor, estou me sentindo péssimo aqui. Suplico-te, leve-me para outro lugar!”
O anjo apareceu e o conduziu a uma zona inferior. Mostrou ao homem que lá havia sexualidade desregrada, prazeres, barulho, energias densas, pessoas tomando as coisas das outras, confusão, agitação, etc.
O homem olhou para o anjo e disse:
– Obrigado!
O anjo disse:
– O local onde vivemos e nos sentimos atraídos, tanto na vida física quanto na vida espiritual, tem total relação com nossos desejos, afinidades e nosso modo de ser. As almas vão para onde seus desejos, crenças e afinidades as guiem. Cada qual está no lugar que tem que estar, de acordo com a lei das afinidades e vibrações. Não há qualquer discriminação nem injustiça na perfeição do plano divino.

Autor: Hugo Lapa

domingo, 16 de abril de 2017

“DOIS ESPÍRITOS MISSIONÁRIOS - JOSÉ E MARIA”

Nunca podemos esquecer que a Providência Divina confiou a José da Galileia as vidas de Maria e Jesus, desde a estrebaria, em Belém, onde Maria deu à luz a seu filho em segurança. Depois disso, na fuga para o Egito, para salvar o pequeno Jesus da morte ordenada por Herodes. Embora honrado duas vezes pela solicitação de um anjo, José nunca se vangloriou dessa dádiva em sua vida, por ter sido de fato uma pessoa muito humilde.
A primeira solicitação foi quando Maria estava grávida, antes de o casal coabitar, ocasião em que ele resolveu afastar-se secretamente de sua futura esposa, na intenção de evitar a sua difamação. Ao pensar nisso, eis que o anjo lhe apareceu em sonho, dizendo-lhe: "José, filho de Davi, não temas receber a Maria, porque o que nela foi concebido é obra do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, ao qual porás o nome de Jesus".
Já a segunda solicitação ocorreu quando José foi avisado, outra vez em sonho, por um Emissário Celestial, para que fugisse com sua família em direção ao Egito. Nesse país, ele poderia ficar com a família em segurança. Foi exatamente pela sua grandeza espiritual que José mereceu a confiança das Forças Divinas que presidiram a vinda de Jesus à Terra.
O EXEMPLO DE PAI
José também não tirou qualquer vantagem do fato de ser o pai de Jesus, ao constatar a grande admiração das autoridades do Templo pelo filho, dada a facilidade de argumentação com que o menino, de apenas 12 anos, elucidando diversas questões apresentadas pelos Doutores da Lei. Depois desse memorável acontecimento, no qual ficaram evidenciadas a sabedoria e a genialidade precoce de Jesus, José permaneceu à frente de sua carpintaria, na qual o Messias trabalhou até os 30 anos de idade.
José deu a Jesus tudo o que um pai podia dar a um filho - o seu exemplo. Ele passou no mundo dentro do silêncio de Deus, exemplificando a humildade, a dedicação ao trabalho e o amor à família.
MARIA DE NAZARÉ
Para o Espiritismo, Jesus é "o Caminho, a Verdade e a Vida", conduzindo a humanidade para Deus. É também o modelo de perfeição moral, cujos ensinos vivenciados por Ele e registrados no Evangelho asseguram a todos que os seguirem a conquista da evolução espiritual. No entanto, Jesus, mesmo na condição de Governador Espiritual do nosso planeta, precisou de um coração materno para recebê-lo como filho. Foi justamente à Maria de Nazaré que Deus confiou essa missão, pelas qualidades do elevado Espírito que era, sobretudo a humildade e o acendrado amor ao próximo.
Maria, desde o nascimento de Jesus em plena estrebaria, até a sua morte na cruz, deu sempre testemunho da sua fé em Deus, e da sua renúncia sem limites. Ainda no final de sua existência, após a desencarnação do Mestre, Maria foi residir em Éfeso a convite de João, o discípulo mais moço de Jesus. Na humilde choupana em que passou a habitar, conhecida por "Casa da Santíssima", muitos sofredores receberam conforto para as suas grandes dores.
Certo dia, um dos mais aflitos pede sua ajuda, dizendo:
- "Minha mãe, como vencer as minhas dificuldades? Sinto-me abandonado na estrada escura da vida". Maria enviou-lhe o olhar amoroso da sua bondade, deixando nele transparecer toda a dedicação enternecida de seu espírito maternal, e disse carinhosamente:
- Isso também passa! Só o Reino de Deus é bastante forte para nunca passar de nossas almas, como eterna realização do amor celestial".
JESUS VEM RECEBÊ-LA
Ao final desses fatos, relatados no livro Boa Nova, no capítulo dedicado à Maria, o Espírito Humberto de Campos, pelo médium Chico Xavier, relata que ela, orando a Deus por todos os seguidores do Cristo, que sofriam tremenda perseguição e serviam de alimento a feras insaciáveis nos circos romanos, viu aproximar-se o vulto de um pedinte, que lhe implorou: - "Minha mãe, venho fazer-te companhia e receber a tua bênção".
Maternalmente, Maria convidou-o a entrar, impressionada com aquela voz que lhe inspirava profunda simpatia. O peregrino comentou as bem-aventuranças divinas que aguardam a todos os devotados e sinceros filhos de Deus.
Empolgada com aquele mendigo que lhe acalmava as dores secretas da alma saudosa, ela sentiu seus olhos umedecerem de ventura, sem que conseguisse explicar a razão de sua terna emotividade. Foi quando o hóspede anônimo lhe estendeu as mãos generosas com as marcas de duas chagas e lhe falou com profundo amor: "Minha mãe, vem aos meus braços!".
- Meu filho! Meu filho! - as úlceras que te fizeram! - respondeu emocionada, ao reconhecer que era o próprio Jesus que ali estava.
- Sim, sou eu. Venho buscar-te porque meu Pai quer que sejas no meu reino a Rainha dos Anjos.
VELANDO PELOS AFLITOS
Por tudo isso é que Maria, nos planos siderais, continua a velar pelos aflitos e sofredores deste mundo, bem como pelas filhas do calvário, principalmente as que prosseguem pregadas na cruz da ingratidão daqueles que geraram; as que carregam nas entranhas da alma a vergonha dos filhos entregues ao crime e às drogas; e as que renunciam à felicidade de uma vida conjugal, apagando sorrisos e derramando lágrimas para manter a existência de um lar.
A essas mães, Maria jamais faltou com o seu afeto, consolando-as através de seus enviados, como Celina, Bezerra de Menezes e tantos outros, que distribuem o suave perfume de seu infinito amor, em nome de Jesus e de Deus.
O ENCONTRO DE MARIA COM JUDAS NO ALÉM
De forma resumida, apresentamos o poema Retrato de Mãe, da poetisa Maria Dolores, pelo médium Chico Xavier, do livro Momentos de Ouro, no qual o espírito de Judas, passado muito tempo da morte de Jesus, cego no além, errava solitário... Cansado pelo remorso, sentara-se a chorar... Nisso, nobre mulher, nimbada de celestes esplendores, afaga a cabeça do infeliz. Em seguida, num tom de carinho, ela lhe diz: "Meu filho, por que choras?".
- Acaso não sabeis? - replica Judas, claramente agressivo - sou um morto e estou vivo. Matei-me e novamente estou de pé, sem consolo, sem lar, sem amor e sem fé... Não ouvistes falar em Judas, o traidor? Sou eu que aniquilei a vida do Senhor... A princípio, julguei poder fazê-Lo rei, mas apenas lhe impus sacrifício, martírio, sangue e cruz. Afastai-vos de mim... Nunca penetrais minha dor infinita... O assunto que lastimo é unicamente meu...
No entanto, a dama, calma, respondeu:
- Meu filho, sei que sofres, sei que lutas, sei a dor que te causa o remorso que escutas, venho apenas falar-te que Deus é sempre amor em toda parte... Venho por mãe a ti, buscando um filho amado. Sofre com paciência a dor e a prova; terás, em breve, uma existência nova... Não te sintas sozinho ou desprezado.
Judas interrompeu-a e bradou, rude e pasmo:
- Mãe? Não me venhais aqui com mentira e sarcasmo. Depois de me enforcar, fui procurar consolo e força de viver ao pé da pobre mãe que me forjara o ser!... Ela me viu chorando e escutou meus lamentos, mas teve medo e expulsou-me a esconjuros. Não me faleis de mães, sou apenas um monstro sofredor...
- Ainda assim - disse a dama docemente - por mais que me recuses, não me altero; amo-te, filho meu, amo-te e quero ver-te, de novo, a vida maravilhosamente revestida de paz e luz, de fé e elevação... Virás comigo a Terra, perderás, pouco a pouco, o ânimo violento, terás o coração nas águas de bendito esquecimento. Numa nova existência de esperança, levar-te-ei comigo a remansoso abrigo, dar-te-ei outra mãe! Pensa e descansa!...
E Judas perguntou:
- Quem sois vós? Que me falais assim, sabendo-me traidor?
No entanto, ela a fitá-lo, respondeu simplesmente:
- Meu filho, eu sou Maria, sou a mãe de Jesus.
Fonte: Correio Espírita

Gerson Simões Monteiro

“O OFICIAL NAZISTA REENCARNADO”

Ele chegou ao Centro Espírita muito doente. O desequilíbrio atingira o ápice e, embora não fosse espírita, os recursos que a Doutrina poderia lhe oferecer era sua “última chance”.
Não conseguia dormir. Sentia a presença de “pessoas” dentro da sua casa e passou a ter crises de pânico. Não conseguia entrar na piscina de sua casa porque “percebia” que estava repleta de sangue. Seu quarto se transformou num quartel-general e ele percebia a presença de “oficiais militares” em movimentação constante. Queria se matar, pois não via saída para seu sofrimento.
Podemos dizer que o caso de Carlos (nome fictício)  foi um tratamento espiritual emblemático para nós em 38 anos de sala mediúnica.
Tratava-se de um ex-oficial nazista, que participou diretamente das fileiras de Hitler na segunda guerra mundial. Suas vítimas, hoje transformadas em perseguidores espirituais, eram, na sua maioria, judeus desencarnados. Conseguiram localizá-lo reencarnado aqui no Brasil e a partir daí montaram um verdadeiro cerco para “destruí-lo”.
Criaram, com o poder da mente e graças a fluidez da matéria primitiva (Fluido Cósmico Universal), bem como a plasticidade com que responde ao poder criativo do pensamento, um verdadeiro quartel-general na residência de Carlos.
Para os médiuns videntes, sua casa física não “mais existia”, dado que fora totalmente sobreposta por uma outra construção – fluídica – onde centenas de judeus faziam guarda no seu entorno bem como nas duas torres erguidas para “vigilância”. Para eles, Carlos não poderia escapar. Tinham que destruí-lo fazendo justiça aos desmandos de que participou na guerra estúpida, destruindo suas casas, famílias e país.
O caso para nós, pequenos e imperfeitos servidores, era desafiador. Mas insistimos no Bem, eis que tudo podemos Naquele que nos fortalece, e movidos, também, pela compaixão que nos envolveu seu caso delicado. Tínhamos que fazer algo por aquele jovem de 23 anos.
A orientação doutrinária como o mais eficaz medicamento para amenizar seu sofrimento foi-lhe ministrada: passes, palestras, Evangelho no Lar, preces e vigilância, bem como reforma íntima com mudanças de hábitos e costumes.
As entidades comunicavam-se revoltadas. O desequilíbrio causado pelo ódio e desejo de desforço levaram-nas, em alguns casos, à lincantropia.
Foi um trabalho que durou mais de um ano. Até que, graças a misericórdia do Pai e dedicados trabalhadores da seara do Bem desencarnados, um dia o destino desses irmãos mudou para sempre.
Grupos de judeus desencarnados, alguns deles parentes e amigos daqueles irmãos infortunados, construíram uma grande barraca hospitalar no ambiente espiritual da nossa Casa Espírita, para recebê-los em tratamento naquela noite inesquecível. Era comovedora a visão espiritual desses irmãos em fila, ingressando, um a um, no pronto-socorro montado pelos trabalhadores de Cristo.
Na reunião mediúnica, parentes da metade do século passado se acercaram dos judeus perseguidores e os acalmaram, envolvendo-os amorosamente, com a promessa que de após recolhidos e receberem os primeiros socorros, seriam “repatriados”, podendo retornar aos seus países de onde foram retirados cruelmente durante a segunda guerra mundial. E mais: nossos irmãos judeus poderiam reencarnar nas famílias que “perderam”, reencontrando parentes e afetos queridos.
Trabalhadores espirituais, especializados em manipulação fluídica, se encarregaram de desfazer a construção assustadora que fora criada pelos nossos irmãos vítimas da guerra.
A reunião mediúnica durou cerca de uma hora e meia….
Ao final da comovedora experiência que nosso grupo mediúnico teve a alegria de participar, agradecemos ao Senhor da Vida e a Jesus, o fiel Amigo nas provações e sofrimentos por que passamos na Terra.
Carlos, a partir daquela noite memorável, obteve melhora significativa. Aos poucos todos os sintomas desapareceram e retornou ao equilíbrio. Hoje está liberto das injunções obsessivas daquela época.
Casou-se e tem um filho. Enviou-me uma foto onde aparece ele, a esposa e o filho, sorridentes e felizes aproveitando a refrescante água da piscina nesses dias de calor.

  • Fonte: Kardec Rio Preto-Fernando Rossit-
  •  Fernando Rossit é funcionário público e reside em São José do Rio Preto. Espírita desde 1978, atua como doutrinador, médium psicofônico, orador e instrutor de Doutrina Espírita.