Seguidores

segunda-feira, 15 de maio de 2017

"SOMOS O QUE ATRAÍMOS"

“Você nasceu no lar que precisava nascer, vestiu o corpo físico que merecia, mora onde Deus melhor te proporcionou, de acordo com teu adiantamento. 
Você possui os recursos financeiros coerentes com as tuas necessidades, nem mais, nem menos, mas o justo para tuas lutas terrenas.
 Seu ambiente de trabalho é o que você elegeu espontaneamente para sua realização. 
Teus parentes e amigos são as almas que você mesmo atraiu, com tua própria afinidade, portanto, seu destino está constantemente sob teu controle. 
Você escolhe, recolhe, elege, atrai, busca, expulsa, modifica tudo aquilo que te rodeia a existência. 
Teus pensamentos e vontades são a chave de teus atos e atitudes. São as fontes de atração e repulsão na jornada da tua vivência. 
Não reclame nem se faça de vítima. Antes de tudo, analisa e observa, a mudança está em tuas mãos. Reprograma tua meta, busca o bem e você viverá melhor. 

Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim”. 
Chico Xavier

domingo, 14 de maio de 2017

“A INSPIRAÇÃO DA HUMANIDADE. ”

O Universo é projetado para ser reflexivo. Tudo o que você colocar para fora volta para você. Isso é chamado de Lei de Ação e Reação, a Lei do Karma, ou é simplesmente referido pela frase, "O que envia ao redor, volta ao seu redor."
No entanto, no trabalho espiritual, há uma maneira de aumentar o que chega ao seu redor. O que se passa pode realmente voltar como mais do que você deu, e isso envolve um paradoxo.
Em suas práticas espirituais, você pode gerar um profundo sentimento de paz e inspiração; o que traz um sentido maravilhoso de elevação espiritual. Por exemplo, em suas meditações, você pode se inspirar com uma visão de um mundo futuro cheio de paz e liberdade para todos.
Você pode ver, em sua mente, um futuro mundo onde todos no planeta estão seguros, e onde você pode viajar para qualquer lugar do planeta com facilidade. Neste futuro, você verá que todos estão conscientemente conscientes da conexão do seu coração com os corações de cada ser humano no planeta. Neste ambiente de apoio, todos têm plena liberdade para expressar sua criatividade única como sua contribuição para uma sociedade amorosa.
Ao respirar profundamente do ar limpo e fresco dessa visão do futuro, você sente sua conexão com a Mãe Terra e com o Sol que dá vida, que brilha incessantemente em nosso mundo. Então, você envia o seu Amor e gratidão à Terra e ao Sol, e espera em antecipação tranquila por aqueles grandes seres conscientes enviar seu Amor e inspiração para você em troca.
Enquanto nesse estado de profunda inspiração, ocorre a você que a maioria da humanidade precisa desesperadamente deste tipo de elevação; que a maioria das almas neste planeta hoje está morrendo de fome em um deserto auto-criado, espiritual. Isso leva-o a perceber que você tem a oportunidade de servir a humanidade através de um ato de auto-sacrifício; através de um ato de desistir do que você tem, a fim de ajudar os outros que não seriam ajudados de outra forma.
Enquanto neste estado, o sentido de Amor Incondicional que você tem para a humanidade praticamente pede que você ajude aqueles que ainda não estão equipados para fazer isso por si mesmos. Se você agora der esse estado, essa energia, esse sentimento de inspiração, e o enviar para a consciência de grupo da humanidade, então você criou um vácuo dentro de si mesmo.
Pela lei da ação e da reação, esse vácuo deve ser preenchido. No entanto, um ato de auto sacrifício no serviço aos outros tem um efeito colateral: Ele aumenta a frequência de sua consciência mais elevada, mais do que era antes. Assim, quando o vácuo se torna repleto de inspiração e elevação do Universo, ele é preenchido com uma frequência ainda maior de consciência do que antes.
Por causa disso, você se tornará mais inspirado e mais elevado do que nunca. Com o ato de sacrificar o que você tinha, você realmente ganhará mais do que antes. Tal é o paradoxo do Amor em ação.
É também a base do antigo caminho do Karma Yoga - o caminho para Deus através da ação e do serviço.
Ao dar energia espiritual à humanidade, você pisa um caminho de ação espiritual. Este caminho poderoso de dar o que você tem, a fim de inspirar os outros, é aquele que leva você a continuamente mais elevados estados de inspiração ao longo de seu próprio caminho espiritual.
Faça da sua vida - e do mundo - um lugar mais pacífico e satisfatório praticando a técnica do Amor e da Luz.
Owen K Waters
Website: http://www.lightmagic.us/inspiration/
Traduzido por Adriano Pereira

blogluzevida@gmail.com

“AS APARIÇÕES DE NOSSA SENHORA NA VISÃO ESPÍRITA

Você certamente já ouviu falar nas aparições de Nossa Senhora – ou Maria, a mãe de Jesus. Aqui vai a minha opinião a respeito do assunto. Assista o vídeo ou, se preferir, leia o artigo logo abaixo.
Uma das dificuldades que um espírita tem quando estuda a Bíblia (na verdade o Novo Testamento) é explicar o que é o espírito santo. Nos meus estudos sobre o Evangelho de Lucas e o Evangelho de João, no Youtube, eu demonstrei que na maior parte das vezes a melhor tradução é um espírito santo, e não o espírito santo. Não vou discutir isso agora.
Nós não sabemos exatamente qual era a visão que os evangelistas tinham do espírito santo, o que eles queriam dizer com espírito santo. Muitas vezes parece se referir a um espírito, como nós entendemos hoje, mas nem sempre.
A verdade é que eles não tinham o conhecimento que nós temos hoje. Os seus conceitos não eram bem estabelecidos, não eram bem definidos.
A Igreja resolveu esse problema inventando a santíssima trindade: pai, filho e espírito santo.
Mas o que passa despercebido por quase todo mundo é que até nisso o machismo imperou. O machismo vigente tanto entre os israelitas no tempo de Jesus quanto entre os primeiros cristãos – e mantido até hoje – não deixou espaço para a mulher.
Tem o pai, tem o filho, e tem o espírito santo. Mas cadê a mãe? Não tem mãe na divindade. A divindade é masculina, a ideia de Deus que nos foi passada é masculina. Até hoje, quase todos nós, que tivemos uma orientação religiosa tradicional na primeira infância, inconscientemente formamos uma ideia antropomórfica de Deus, imaginamos um velho barbudo com cara de brabo.
Os israelitas viviam um regime patriarcal onde a mulher não tinha vez. Jesus tentou mudar isso. Jesus tratou a mulher como igual, mas os seus discípulos não souberam manter isso. Logo depois da morte de Jesus já houve disputa entre os discípulos homens e Maria Madalena, que era muito próxima de Jesus. A prova de que Maria Madalena era especial para Jesus é que mesmo nos quatro Evangelhos aceitos tradicionalmente a primeira pessoa a ver Jesus ressuscitado é Maria Madalena.
Mas os homens na época não podiam aceitar isso. O apóstolo Paulo chega a proibir a mulher de falar na Igreja, porque era uma vergonha uma mulher falar em público – se ela quisesse perguntar alguma coisa devia ficar quieta na Igreja e esperar chegar em casa para perguntar para o seu marido.
Mais tarde, quando a Igreja foi adotada por Roma, muitas antigas religiões pagãs foram absorvidas pelo Cristianismo. Os povos pagãos foram sendo cristianizados, só que eles tinham vários deuses e deusas, havia a crença na deusa mãe, na mãe divina. O jeito de resolver essa questão foi dar um papel de destaque para a mãe de Jesus.
Então criaram uma figura feminina próxima de Deus – já que Jesus para eles também é Deus. Mas nós não vemos esse protagonismo de Maria nos Evangelhos. Dizem que Maria intercede por nós junto ao seu filho Jesus. Mas não há nada disso no Evangelho. Maria aparece pouco no Evangelho e não é muito lisonjeada por Jesus.
Nada contra a devoção a Maria – a figura de Maria se tornou um importante arquétipo, essa figura resume em si importantes qualidades femininas, maternais. Quando uma pessoa ora fervorosamente a Maria essa pessoa está sintonizando com essas qualidades maternais, protetoras, que ela atribui a Maria.
A oração é, antes de mais nada, uma concentração do pensamento.
Como orar e ser atendido
Se concentramos o nosso pensamento em Jesus, nós vamos sintonizar com as forças que nós atribuímos a Jesus – por que cada um de nós vê Jesus de forma ligeiramente diferente. Quanto mais alto for o nosso pensamento, quanto mais elevado, quanto mais grandiosas forem as qualidades que nós atribuímos a um ser (a Maria, por exemplo) mais nós nos elevamos – e nós colhemos das forças com que nós sintonizamos.
Existem muitos casos de aparições de Maria. Em várias partes do mundo. Em várias épocas. Existem livros e escritos sobre isso, estudos foram feitos sobre isso.
Um dos casos mais famosos da atualidade, aqui no Brasil, é o do advogado carioca Pedro Siqueira, uma pessoa que transpira credibilidade. Ele afirma ver e se comunicar com Maria desde que nasceu. Se analisamos os relatos dele, encontramos todas as evidências de um fenômeno mediúnico. Particularmente não tenho a menor dúvida em relação a isso.
É a própria Maria mãe de Jesus que se comunica com ele? Particularmente, eu tenho convicção que não.
Por que? Por que ele não é o único a afirmar que se comunica com Maria. Tem outros no Brasil, e se pesquisarmos, deve haver centenas de pessoas no mundo, atualmente, que afirmam a mesma coisa. Maria é um espírito assim como nós, é uma individualidade. Um espírito não pode se apresentar em mais de um lugar ao mesmo tempo – e por mais dinâmico que seja um espírito, ele não terá condições de se apresentar pessoalmente a tantas pessoas pelo mundo todo praticamente a toda hora – somando todos os relatos, ela apareceria praticamente a toda hora.
Uma coisa que eu não entendia na adolescência é como uma determinada entidade – se vê muito isso na Umbanda – como um preto velho que se apresenta como Pai José, por exemplo, pode se apresentar em vários centros de Umbanda ao mesmo tempo. Eu pensava que podia ter alguma fraude ali.
Mais tarde eu fui entender que os pretos velhos – só pra ficarmos nesse exemplo – são ordens de trabalho. Existem algumas centenas ou milhares de espíritos que atendem pelo nome de preto velho Pai José. São espíritos humildes, uns bastante sábios, outros apenas bem intencionados, se esforçando para ajudar – espíritos que trabalham em nome de uma causa, abnegadamente, anonimamente, não se apresentam com o nome que usaram em alguma existência física.
Acontece algo semelhante no caso de Maria. Possivelmente o próprio espírito que foi Maria comande uma força de trabalho com o objetivo de ajudar os espíritos encarnados e os desencarnados no seu processo de espiritualização. Mas isso não quer dizer que seja ela mesma a se comunicar.
Temos que compreender que as nossas crenças são limitadoras. No próprio meio espírita nós temos uma série de crenças limitadoras.
E no caso de quem é católico, que não conhece o Espiritismo, não conhece ou não acredita em mediunidade – se um espírito se apresenta para ele, ele vai achar ou que está louco ou que é o demônio. Por que ele não acredita na comunicação com os espíritos. Quem pode se comunicar são os santos, a virgem Maria e os demônios. O que eles não percebem é que mesmo isso são fenômenos mediúnicos.
Se um espírita tem uma tarefa a realizar o seu mentor ou o seu guia se comunica com ele . No caso de um católico esse espírito vai ter que assumir uma personalidade conhecida, vai ter que congregar uma ordem de trabalho e se apresentar, como é o caso que estamos tratando, como a virgem Maria.
É comum casos de pessoas que têm uma experiência mística, ou uma experiência de desdobramento, ou quando se aproxima o momento do desencarne, e que dizem ter visto Jesus ou a virgem Maria. Elas estão vendo um espírito amigo, talvez o mentor do seu grupo familiar – mas o próprio mentor se apresenta daquela forma para ser aceito, para tranquilizar a pessoa.
O trabalho é o mesmo. O trabalho exercido pelos espíritos é o mesmo. Quem faz essas distinções somos nós, que vivemos muito iludidos neste mundo de aparências e rótulos.

Morel Felipe Wilkon

sábado, 13 de maio de 2017

“O PODER DO PENSAMENTO”

A força do pensamento é de vital importância para o nosso dia-a-dia, pois podemos ser felizes ou infelizes, alegres ou tristes, vencer obstáculos ou ser derrotados por eles, obter grandes realizações ou cair em profunda depressão.
Para que possa ter uma ideia dessa energia emanada pelo pensamento, iremos descrever um texto de Allan Kardec, em A Gênese:.
"Há mais: criando imagens fluídicas, o pensamento se reflete no envoltório perispirítico, como num espelho; toma nele corpo e aí de certo modo se fotografa. Tenha um homem, por exemplo, a idéia de matar a outro: embora o corpo material se lhe conserve impassível, seu corpo fluídico é posto em ação pelo pensamento e reproduz todos os matizes deste último; executa fluidicamente o gesto, o ato que intentou praticar. O pensamento cria a imagem da vítima e a cena inteira é pintada, como num quadro, tal qual se lhe desenrola no espírito. Desse modo é que os mais secretos movimentos da alma repercutem no envoltório fluídico; que uma alma pode ler noutra alma como num livro e ver o que não é perceptível aos olhos do corpo. Contudo, vendo a intenção, pode ela pressentir a execução do ato que lhe será a consequência, mas não pode determinar o instante em que o mesmo ato será executado, nem lhe assinalar os pormenores, nem, ainda, afirmar que ele se dê, porque circunstâncias ulteriores poderão modificar os planos assentados e mudar as disposições. Ele não pode ver o que ainda não esteja no pensamento do outro; o que vê é a preocupação habitual do indivíduo, seus desejos, seus projetos, seus desígnios bons ou maus".
Veja o quanto é importante o estado de vigília, pois podemos nos enganar uns aos outros no mundo material, mas não podemos enganar as entidades do mundo espiritual. A partir do momento que pensamos algo errôneo, criam-se as imagens fluídicas e, mesmo que não venhamos a praticá-las, fica registrado nossos mais íntimos sentimentos e segredos.
O que pensamos durante o dia será fruto de nossos atos durante o momento do sono. Assim, ao mentalizarmos coisas boas, ouvirmos boa música, termos conversas sadias, astral positivo, iremos durante o sono encontrar com espíritos ou encarnados que estejam na mesma sintonia. Da mesma forma serão os pensamentos viciosos, como a maledicência, o ódio, a ira, as injúrias, o negativismo etc. Além de reverter para si mesmo a energia destes pensamentos, iremos nos encontrar no momento do sono com outros que estão na mesma frequência.
É através dos pensamentos que iremos atrair espíritos elevados ou obsessores que venham agravar a mente de seu emissor. No mundo espiritual existem falanges que pretendem fazer o mau, muitas vezes, pelo prazer de praticar tal ato. A válvula de escape que eles precisam são os nossos pensamentos. Joanna de Angelis, em Dias Gloriosos, psicografado por Divaldo Pereira Franco, descreve que "muitas vezes enfrentarás campos psíquicos minados por cargas viciadas e perigosas, imantadas por seres espirituais perversos e doentios que se utilizam de outras pessoas para te alcançar e prejudicar. Somente poderás conduzir-te nessas batalhas com os recursos morais que provêm das tuas energias psíquicas. Como não temem outros recursos, será através das tuas vigorosas emissões vibratórias que a eles escaparás".
A televisão e seus programas sensacionalistas são uma fonte inesgotável para o indivíduo se deixar levar pelas más notícias, criando em sua mente imagens fluídicas que irão provocar alguns distúrbios, entre eles, doenças. Muitas vezes, após ir ao médico, fazer alguns exames, não será diagnosticado a raiz do problema. Por isto, a importância de uma programação sadia, alegre, descontraída.
Conforme Joanna de Ângelis, "a sementeira do ódio, do ciúme, da inveja, da ira e de outros anestésicos do espírito, produz vírus e vibriões psíquicos que atacam o próprio, como o organismo daquele que, desprevenido, inspirou a produção dessas ondas devastadoras que a mente produz e direciona conforme a sua estrutura moral. Ao mesmo tempo, ideoplastias sustentadas pelo pensamento fixo em ideias perturbadoras e agressivas, contribuem para o surgimento de toxinas que invadem o organismo desarticulando-lhe a estrutura vibratória, enfermando-o, e trabalhando para matar-lhe as defesas, os fatores imunológicos".
Sintonia mental:
A inércia é algo que venha a fortalecer os maus pensamentos. Quando não estamos ativos, sem uma determinada atividade, a mente cria indagações e pensamentos diversos que não levará a nada, pelo contrário, conforme a sintonia poderá trazer vários problemas psíquicos que poderão prejudicar seu emocional, sua vida familiar e social.
Alguns estudos revelam que temos em média 50 mil pensamentos por dia. Assim, devemos utilizar a imaginação criativa a todo instante. O terapeuta transpessoal, Todashi Kadomoto, em seu livro Ninguém Tropeça em Montanha, comenta sobre uma pesquisa feita nos Estados Unidos sobre o tema e revela dados importantes: 40% de nossas preocupações dizem respeito a fatos que jamais acontecerão; 30% relacionam-se com coisas que já aconteceram; 12% referem-se a questões de saúde; 10% são sobre assuntos insignificantes; 8% das preocupações têm base real. São dados realmente impressionantes, afinal constata que dos 50 mil pensamentos diários, apenas 8% são relevantes, por isto, devemos utilizá-lo melhor, reeducá-lo, diariamente, para que possamos cada vez mais aproveitá-los de uma forma útil e prazerosa para nós e todos os que nos cercam.
Grandes cientistas usaram seus pensamentos em prol da humanidade. Graças à forma de seus pensamentos chegamos ao progresso atual e para o futuro ainda iremos progredir muito.
Hoje temos todo tipo de informação que precisamos, seja pelos livros, internet, televisão, podemos literalmente conhecer o mundo sem sair do lugar. Usemos essas informações para um aprendizado e conhecimento que venham a engrandecer nosso ser. Assim, criamos em nossa volta uma energia coesa com nossos pensamentos e nossa conduta moral. Estando em estado de vigília constante saberemos destinar melhor a mente para pensamentos relevantes.
Prece e caridade:
E não devemos esquecer que a melhor forma de nos manter em sintonia com a espiritualidade Maior é através da prece, da reforma íntima, da pratica da caridade, pois assim, estaremos criando sempre bons pensamentos
Grupo de Estudos André Luiz.

Este artigo foi publicado na Revista Cristã de Espiritismo, edição 24

“PODEMOS PLANEJAR A NOSSA PRÓXIMA REENCARNAÇÃO? ”

O planejamento reencarnatório realiza-se durante o período de intermissão, muito embora as correções de rumo possam ocorrer após o espírito ter reencarnado. O planejamento da próxima encarnação, enquanto se está encarnado, propicia a conclusão ou a interrupção de processos em curso que tenderiam a prejudicar o espírito. Se, desde agora, ele vê que determinado processo o prejudicará nesta e, principalmente, na próxima encarnação, retoma o controle da situação, reprogramando ações para esta e para a outra. Não conseguindo realizar algumas aspirações nesta, ele as adia para a próxima.
É claro que, após a morte do corpo, quando estará o espírito liberto de suas contingências, e tendo uma visão melhor a respeito de sua própria evolução, poderá alterar tudo que planejou. Começando a planejar desde agora, o espírito se prepara melhor para uma possível alteração no futuro.
O planejamento antecipado servirá também como marcador para a próxima encarnação. O espírito poderá, desde já, determinar-se a realizações benéficas no futuro. Seu processo de reaprendizagem, comum na infância e adolescência, poderá ser menor e mais fácil, se, desde já ele se programar a não esquecer ou a relembrar o que já sabe..
Um indivíduo, que já passou dos cinquenta anos, tendo uma profissão estável, sem outros recursos para o sustento de sua família além dos dela provenientes, sentindo-se inclinado a dedicar-se a outra atividade, que lhe desperte o interesse, para a qual, porém, não possui a necessária qualificação; reconhecerá, por isso, que qualquer aventura em mudar de profissão resultará na falência de recursos para a família, o que poria em risco sua atual encarnação. Após reflexões, ele deve adiar tal desejo para a próxima encarnação, quando, numa época mais propícia, atenderá seu anseio. Ou então se esforçará para capacitar-se de forma mais tranquila em prazo mais dilatado. Caso resolva adiar, não deverá haver nenhuma frustração para o espírito que, conscientemente, tomou a decisão.
Não é incomum encontrar-se pessoas que mudaram suas vidas a partir de decisões abruptas, cujas consequências puseram, desde já, em risco sua encarnação futura. Qualquer um de nós tem esse direito, o qual se finda quando atingimos o do outro, o que nos exige reflexão. É necessário planejar a atual (correção de rumo) e a próxima encarnação, desde agora. É como fazer uma análise e balanço da atual encarnação. Para se alcançar tal estágio são necessárias algumas reflexões básicas. Em primeiro lugar deve-se fazer um retrato de si mesmo quanto a certos aspectos fundamentais de sua própria vida, nesta encarnação. A começar pelas qualidades que se tem. Enumere tudo aquilo que você sabe fazer, isto é, o que tem aptidão. Coloque todas as habilidades que possui.
Verifique as mínimas coisas que é capaz de realizar. Se você não conseguir enumerar todas ou acha que está faltando alguma, peça auxílio a alguém que conheça sua personalidade o suficiente para ajudá-lo nessa tarefa. Depois disso, descreva sua personalidade. Fale de você. Do que você gosta, de suas emoções, de seus sentimentos, dos seus conflitos e problemas. Fale das pessoas que têm influência em sua vida. De seus pensamentos, de suas emoções mais íntimas. Fale de sua infância, de seus pais, de sua convivência com os outros. Faça um breve relato de sua vida até hoje. Descreva seus planos para o futuro. Fale do que você não realizou, mas que ainda pensa em realizar.
O ideal seria você escrever tudo isso. Não sendo possível, procure alguém em quem você confie. Diga-lhe seus objetivos e fale tudo o que você quer. Não é tarefa fácil. Mas é necessário desabafar tais conteúdos conscientes. Preferencialmente procure alguém que saiba das instâncias sucessivas a que estamos sujeitos.

Fonte: Grupo de Estudos André Luiz

" A CURA ATRAVÉS DAS CIRURGIAS ESPIRITUAIS. CONHEÇA O MÉDIUM QUE OPEROU REYNALDO GIANECCHINI"