Vinhas de Luz

Vinhas de Luz

terça-feira, 1 de março de 2011

"COMPREENSÃO SEMPRE"


Para superar aflições e constrangimentos em qualquer circunstância, é preciso antes de tudo, compreender as pessoas e as situações difíceis que apareçam, capazes de inclinar-nos para a sombra da angustia.
Alcançar o entendimento, no entanto, demanda o exercício da fraternidade constante.
Quando a prova surgir à frente, asserena-te e reflete:
Se os empreiteiros da perturbação estivessem conscientizados, quanto as responsabilidades que assumem, fugiriam de qualquer indução ao desequilíbrio.
Se os perseguidores de qualquer procedência conseguissem perceber as dividas a que se enredam, renunciaria a isso ou aquilo, em favor daqueles aos quais pretendem impor sofrimento ou dominação.
Quando o agressor lança a palavra de injúria, se fosse previamente informado sobre as conseqüências de semelhantes resolução, decerto se recolheria ao silêncio.
Quando o delinqüente se dispõe a desferir o golpe destruidor sobre alguém, se pudesse prever quanto lhe doerão os resultados da ação infeliz, preferiria haver nascido sem os braços que lhe correspondem a periculosidade e ao furor.
Em qualquer momento de crise, pensa nos irmãos outros que te cercam- tão filhos de Deus quanto nós mesmos- e coopera na paz de todos.
Especialmente em auxilio daqueles que se façam instrumentos de inquietações e de lágrimas, ora sempre e ajusta, quanto possível, as ocorrências que os favoreçam para que não se agrave o peso da culpa.
Diante de todos os episódios constrangedores, silencia, onde não possas auxiliar.
E, perante os problemas de julgamento, onde estejas, usa a compreensão antes de tudo, por presença de caridade, porque o entendimento te suscitará compaixão e compadecendo-te, acertarás.
"Chico Xavier-Emmanuel."

"COMPREENSÃO SEMPRE"


Para superar aflições e constrangimentos em qualquer circunstância, é preciso antes de tudo, compreender as pessoas e as situações difíceis que apareçam, capazes de inclinar-nos para a sombra da angustia.
Alcançar o entendimento, no entanto, demanda o exercício da fraternidade constante.
Quando a prova surgir à frente, asserena-te e reflete:
Se os empreiteiros da perturbação estivessem conscientizados, quanto as responsabilidades que assumem, fugiriam de qualquer indução ao desequilíbrio.
Se os perseguidores de qualquer procedência conseguissem perceber as dividas a que se enredam, renunciaria a isso ou aquilo, em favor daqueles aos quais pretendem impor sofrimento ou dominação.
Quando o agressor lança a palavra de injúria, se fosse previamente informado sobre as conseqüências de semelhantes resolução, decerto se recolheria ao silêncio.
Quando o delinqüente se dispõe a desferir o golpe destruidor sobre alguém, se pudesse prever quanto lhe doerão os resultados da ação infeliz, preferiria haver nascido sem os braços que lhe correspondem a periculosidade e ao furor.
Em qualquer momento de crise, pensa nos irmãos outros que te cercam- tão filhos de Deus quanto nós mesmos- e coopera na paz de todos.
Especialmente em auxilio daqueles que se façam instrumentos de inquietações e de lágrimas, ora sempre e ajusta, quanto possível, as ocorrências que os favoreçam para que não se agrave o peso da culpa.
Diante de todos os episódios constrangedores, silencia, onde não possas auxiliar.
E, perante os problemas de julgamento, onde estejas, usa a compreensão antes de tudo, por presença de caridade, porque o entendimento te suscitará compaixão e compadecendo-te, acertarás.
"Chico Xavier-Emmanuel."