Vinhas de Luz

Vinhas de Luz

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

“MATERIALIZAÇÃO DE ESPÍRITOS”

Detalhes Imprescindíveis
Fator moral dos envolvidos: presente em todas as realizações espíritas;
¨Motivações superiores: razão de ser para os espíritos superiores se materializarem;
¨Nenhum espírito superior concorda em materializar-se para atender a caprichos e/ou curiosidades;
¨Todos os fenômenos de materialização são regidos e supervisionados por entidades elevadas por ser um trabalho importante, difícil e perigoso.
Conceito ¨Materialização ≠ Aparição;
¨Materialização = Corporificação dos espíritos que se tornam visíveis;
¨Não é preciso ser médium para ver o espírito materializado;
¨O materializado pode ser visto, sentido e tocado (temperatura, pulsações, conversa);
¨Materialização = Fenômeno objetivo, pois envolve elementos materiais pesados e permite exame direto, do ponto de vista científico. O Médium ¨O médium pode permanecer em transe ou desperto, sendo espectador;
¨Não é agente/produtor de fenômenos;
¨Médium = elemento de fornecimento parte dos fluidos necessários para a produção do fenômeno (ectoplasma);
¨Além disso, há necessidade de outros fluidos que o médium não possui (são retirados de outras fontes). Ectoplasma - Definição ¨“... neblina espessa e leitosa”;
¨“De aspecto viscoso, semilíquido e esbranquiçado, é uma substância básica e muito importante para os efeitos de materialização de objetos e espíritos”;
¨Matéria plástica e profundamente sensível às nossas criações mentais;
¨É moldável, utilizada nos efeitos físicos, mas é necessário conhecer as técnicas para isso;
¨Exterioriza-se através da boca, narinas e ouvidos (e outros orifícios) no aparelho mediúnico;
¨A luz branca (normalmente utilizada) interfere em sua vibração, por isso deve-se utilizar luz verde, azul ou meia luz durante os trabalhos;
¨“Nas materializações, não é utilizado diretamente o ectoplasma puro exalado pelo médium. É necessário combiná-lo com outros fluidos (espirituais, físicos), ou seja, utilizar nas materializações o ectoplasma elaborado”. A pureza do Ectoplasma ¨Fornecido pelo médium para a materialização do espírito;
¨É preciso ter disciplina espiritual e abstinência de certos alimentos, álcool, drogas, fumo, pensamentos inadequados (formas-pensa-mento inferiores);
¨Manter a pureza do ectoplasma para o trabalho e porque ele retorna ao médium após a desmaterialização para não afetar seu aparelhamento fisiológico. Importante Saber ¨Ocorre somente por motivos superiores:
¡Atendimento a sofredores encarnados – serviços de cura;
¡Facilitar investigações científicas respeitáveis – antes planejadas no Plano Superior.
¨Há esforço por parte dos espíritos para resguardar a organização mediúnica e garantir o bom êxito da materialização, espera-se o mesmo dos encarnados;
¨Perigo do processo = ausência de preparo dos encarnados (falta de elevação moral, deslumbramento, desatenção ao sacrifício de entidades e do médium). Primeiras providências ¨Exige trabalho intenso de encarnados e, principalmente, de desencarnados;
¨São três as principais providências:
Isolamento do local das sessões: círculo de aproximadamente 20 metros;
Ionização da atmosfera;
Destruição das larvas (ozonização). Isolamento do Local ¨Extenso cordão de obreiros esclarecidos;
¨Evita o acesso de entidades inferiores (perturbam e, também, afetam a pureza dos materiais utilizados:
fluidos, ectoplasma,...) Ionização da Atmosfera ¨Processo de eletrificação do ambiente;
¨Possibilitar a combinação de recursos para efeitos elétricos e magnéticos;
¨Por isso, pode-se observar lampejos, focos de luz. ¨Os plasmas possuem todas as propriedades dinâmicas dos fluidos, como turbulência, por exemplo. Como são formados de partículas carregadas livres, plasmas conduzem eletricidade. Eles tanto geram como sofrem a ação de campos eletromagnéticos, levando ao que se chama de efeito coletivo. Isto significa que o movimento de cada uma das partículas carregadas é influenciado pelo movimento de todas as demais. O comportamento coletivo é um conceito fundamental para a definição de plasmas.
Destruição das Larvas ¨É feita por aparelhos espirituais: aparelhos elétricos invisíveis - produção de ozônio (O3);
¨Evita-se, assim, que o ectoplasma (força nervosa do médium) sofra a intromissão de certos elementos microbianos, já que é matéria plástica e profundamente sensível às nossas criações mentais. Os elementos Nos fenômenos de Materialização os espíritos contam com três elementos essenciais: - Forças superiores e sutis das esferas elevadas:   São puras, contribuem para a sublimação do fenômeno;- Recursos ou energias do médium e dos seus companheiros (Ectoplasma):   Obstáculos são colocados por causa de formas pensamento, emanações viciosas (fumo, bebida, abuso de carnes), caprichos, incongruências;- Recursos ou energias tomadas da natureza terrestre, nas águas, nas plantas, etc. São dóceis, energias extremamente propícias à execução dos trabalhos. Últimas providências - Colocar o médium em condições fisiológicas e psicológicas para o trabalho;- Socorro magnético;   Incentivo aos processos digestivos(fluxo magnético projetado no estômago e fígado);- Limpeza do sistema nervoso, para as saídas de força (limpeza eficiente e enérgica - Extração de resíduos escuros);- Auxílio para o desdobramento do médium (Passes Magnéticos). Dois tipos de Materialização ¨Normal: o espírito incorpora o perispírito do médium colocado em transe;
¨Sublimada: O espírito organiza seu “corpo materializado” exclusivamente com os elementos essenciais às materializações (ectoplasma, forças sutis e da natureza), sem o concurso do perispírito do médium. Neste caso, elas podem ocorrer nos lares, ruas, campos, igrejas. É o próprio espírito, por si mesmo e com ajuda de supervisores espirituais (emtidades especializadas), que leva a efeito a sublima composição dos três elementos essenciais mencionados. Pedido de André Luíz¨ André Luiz mostra-se interessado sobre os fenômenos da materialização e o Instrutor Alexandre intervém a seu favor;
¨Explicação de Alexandre sobre a Materialização:
Exige todas as possibilidades do aparelho do médium;
Movimenta todos os elementos de colaboração dos companheiros encarnados presentes;
À falta de colaboradores encarnados nas condições espirituais necessárias, há grande risco para organização mediúnica, sendo necessário maior número de colaboradores espirituais. Seus Relatos¨50 minutos antes do início da sessão:
Alexandre e André Luiz se reuniram aos demais colaboradores das diversas funções preparatórias;
É apresentado o superintendente dos trabalhos Irmão Calimério.        
Descrição dos procedimentos ¨Fronteira vibratória: isolamento da residência onde ocorreria o trabalho por uma extensa corrente de trabalhadores espirituais.
Observa que não estavam presentes os sofredores (ocorrência comum nos demais casos);
Havia o máximo cuidado para que princípios mentais de origem inferior não afetassem a saúde física dos colaboradores encarnados nem a pureza do material necessário;
Não conseguiam impedir a entrada de entidades inferiores (obsessores de obsidiados, ambos muito ligados);
Os cuidados eram estendidos aos encarnados. Alteração na atmosfera ¨Ionização: 20 entidades, preparando o local, movimentaram o ar ambiente com gestos rítmicos a fim de ionizar a atmosfera;
¨Condensação do oxigênio: várias entidades colaboradoras, com aparelhos de grande potencial elétrico, realizaram a ozonização da atmosfera (O3) = extermínio de larvas e expressões microscópicas de atividade inferior (bactericida); Recursos ¨Recursos da Natureza: entidades entravam no local portando material luminoso = elementos de plantas e da água estruturados para reduzido número de vibrações e invisíveis a olhos humanos;
¨Outros Recursos: forças superiores e sutis das esferas elevadas; e ectoplasma (energias do médium e de seus companheiros) – este exige esforço da equipe de trabalhadores, em função das formas-pensamento absurdas e emanações viciosas. Participantes ¨Pessoas familiarizadas com a reunião;
¨A médium acompanhada de diversas entidades (destaque para Alencar – entidade de elevada condição, parecia chefiar o grupo de servidores);
¨Verônica, amiga do orientador, fora enfermeira em vida passada. Preparação da Médium ¨Verônica convida Alexandre para dar início aos procedimentos:
Ambos mais três colaboradores colocaram a mão em forma de coroa sobre a fronte da jovem, formando vigoroso fluxo magnético projetado no estômago e fígado. As forças concentraram-se sobre o plexo solar, espalhando-se sobre todo o sistema vegetativo e acelerando o processo químico da digestão; ¡Aplicaram fluxos magnéticos diferenciados para a preparação do sistema nervoso (saída de forças), Alexandre no cérebro e Verônica e os demais sobre o sistema nervoso central (nervos cervicais, dorsais, lombares e sacros).
limpeza eficiente e enérgica = saída de resíduos dos centros vitais ;
socorro do organismo nos processos de nutrição, circulação metabolismo e ações protoplasmáticas = equilíbrio fisiológico.
Quando Verônica inicia a aplicação de passes magnéticos a fim de processar o desdobramento...Surpresa desagradável ¨Sr. P. chega à sessão e causa perturbação:
Provocou choque de vibrações no recinto, pois havia bebido (mesmo estando bem disposto, sem traços de embriaguez);
Alencar ordenou aos colaboradores para insulá-lo (isolá-lo), para evitar maiores influenciações; ­Semelhantemente, a respiração emite venenos quando alguém bebe alcoólicos em abundância;
Os princípios etílicos são emanados pelos poros, nariz, boca, prejudicando os trabalhos;
Emanações do álcool de cana = nocivas aos delicados elementos de formação plástica, assim como às forças exteriorizadas do aparelho mediúnico. Desdobramento ¨A médium é levada a pequeno gabinete improvisado:
Calimério opera seu desdobramento projetando seu sublime potencial de energias;
Verônica e outras amigas amparavam a jovem parcialmente liberta dos veículos físicos;
O ectoplasma passou a exteriorizar-se como se fosse uma neblina espessa e leitosa. A Materialização ¨A assistência encarnada não conseguiu colaborar com os preparativos finais;
¨Alencar solicitou ajuda a Alexandre e André:
Prepararam uma garganta ectoplasmática;
Alexandre, através dela, conclamou a todos solicitando que cantasse, a fim de não mais interferirem no processo que acontecia;
Fez-se música no ambiente e Alencar, profundamente ligado à organização mediúnica, tomou forma, ao lado da médium que era sustentada por Calimério e assistida por numerosos trabalhadores.
Referências: ¨ARMOND, Edgar. Mediunidade. São Paulo: Aliança, 1992.
¨KULCHESKI, Edvaldo . O Ectoplasma. In: Revista Cristã de Espiritismo. Edição especial sobre Materialização. Fonte:http://www.rcespiritismo.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=28&Itemid=25 (acesso em 23/06/2009).
¨PERALVA, Martins. Estudando a Mediunidade. Rio de Janeiro: FEB, 1987. 12ª Edição.

¨XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da Luz. Pelo espírito de André Luiz. Rio de Janeiro: FEB, 2003. 37ª Edição. Pesquisa realizada por Paula da Silva Soares

“ESTRUTURA DO CORPO ESPIRITUAL E DEFORMIDADES ESPIRITUAIS. ”

Inicialmente, para que tenhamos uma visão mais clara do mecanismo da encarnação, faz-se necessário reportarmos ao estudo do corpo espiritual.
Quando as entidades espirituais se nos tornam visíveis, seja pela simples vidência mediúnica, seja pelo fenômeno de materialização ectoplasmática, observamos que elas possuem um corpo semelhante ao nosso corpo físico. No fenômeno da materialização, tão estudado pelo famoso físico inglês Willian Crookes[1] e pelo prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia, Charles Richet, os espíritos tornam-se visíveis e palpáveis a todos os presentes à sessão de estudos. São percebidos e tocados em seus corpos espirituais.
Inegável é, sem dúvida, que existem alhures, fraudes conscientes e inconscientes; no entanto a grande frequência dos fenômenos e o elevado nível cultural e ético das pessoas, seriamente envolvidas em determinados casos, atestam a sua realidade.
Embora a essência espiritual não tenha forma, pois é o princípio inteligente, os espíritos de mediana evolução, ou seja, aqueles relacionados ao nosso planeta, possuem um corpo espiritual anatomicamente definido e com uma fisiologia própria da dimensão extrafísica.
Dos planos espirituais temos notícia, por inúmeros médiuns confiáveis, como Francisco Cândido Xavier (Chico) e Divaldo Pereira Franco, da organização de comunidades sociais que os espíritos constituem, comunidades essas às vezes semelhantes às terrestres.
A energia cósmica universal ou fluido cósmico que permeia todo o universo é a matéria-prima que o comando mental dos espíritos utiliza para a construção dos objetos por eles manuseados. As primeiras informações mais detalhadas foram dadas a Kardec em O Livro dos Médiuns[2], no capítulo: “Do Laboratório do Mundo Invisível”.
O corpo dos espíritos, já mencionado pelo apóstolo Paulo e conhecido nas diferentes religiões com os mais diferentes nomes, como perispírito, corpo astral, psicossoma  e outros, é também constituído de um tipo de matéria derivada do fluido cósmico universal. Assim nos informam as entidades espirituais.
O corpo espiritual apresenta-se moldável conforme as emanações mentais do espírito. Cada espírito apresenta seu perispírito com aspecto correspondente ao seu estado psíquico. A maior elevação intelecto-moral vai determinar como consequência uma sutilização do próprio corpo espiritual. Em contrapartida, os espíritos, cujas vibrações mentais são mais inferiores, determinam inconscientemente que seu corpo espiritual se apresente mais denso e obscurecido, não tendo a irradiação luminosa dos primeiros.
Conforme se tem notícia por meio de inúmeros autores espirituais, o perispírito apresenta-se estruturado por aparelhos ou sistemas que se constituem de órgãos; esses órgãos são formados por tecidos que, por sua vez, são constituídos por células.
As células do corpo espiritual, em nível mais profundo, são formadas por moléculas constituídas de átomos. Os átomos do perispírito são formados por elementos químicos nossos conhecidos, além de outros desconhecidos do homem encarnado. Elementos aquém do Hidrogênio e além do Urânio, que na Terra representam os limites da matéria atômica conhecida.
Nas obras de Gustave Geley[3] e Jorge Andréa, encontramos referências a essas afirmações.
Os átomos e moléculas que constituem as células do perispírito possuem uma energia cinética própria que é a força determinante de sua vibração constante. Quanto mais evoluída a entidade espiritual, maior a velocidade com que vibram os átomos do perispírito.
Da mesma forma, conforme o adiantamento moral do espírito, maior o afastamento entre as moléculas que compõem o perispírito, por sua vibração, daí a menor densidade de seu corpo espiritual.
 Uma analogia: a água em estado líquido, quando fervida, transforma-se em vapor pela maior energia cinética de suas moléculas, determinando um afastamento entre elas decorrente da vibração mais intensa que passa a ter. Neste exemplo simples nós mentalizamos o porquê da leveza do corpo espiritual das entidades cujo padrão vibratório é mais elevado.
No livro Mecanismos da Mediunidade[4], de André Luiz, psicografado por Francisco Cândido Xavier, encontramos elementos complementares a respeito dessa informação. Espíritos de alta hierarquia moral possuem vibrações de alta frequência. Isto é, as ondas que emitem ou irradiam são “finas”, ou de pequeno comprimento de onda.
As energias emanadas pelas vibrações das moléculas perispirituais se traduzem também por uma irradiação luminosa com cores típicas. Os espíritos são vistos pelos videntes ou descritos nas obras psicografadas emitindo cores e tons bastante peculiares ao seu grau de adiantamento.
Quanto mais primitivas forem as entidades espirituais, mais escuros os tons das cores e mais opacos se apresentam. À medida que galgam mais degraus na escada do progresso, mais sábios e amorosos, as entidades espirituais passam a emitir uma luminosidade mais clara e cada vez mais brilhante.
  Salientamos, no entanto, que transitoriamente pela postura mental adotada, decorrente de situações momentâneas, as vibrações se aceleram ou se desaceleram, determinando modificações na estrutura do corpo espiritual, e todo o conjunto se altera. São descritos casos de zoantropia ou licantropia[5], em que as formas perispirituais tornam-se profundamente modificadas. 
Exemplos práticos de modificações profundas e graves, no capítulo das patologias do corpo astral, seriam os casos descritos como os de zoantropia ou licantropia. Nessas situações as formas perispirituais se animalizam pela postura de ódio recalcitrante ou outros sentimentos inferiores, sentimentos que se tornam agentes deformantes do corpo espiritual. 
  Denomina-se zoantropia (zôo=animal e anthropos=homem) aos casos em que o corpo espiritual, pela deformação progressiva, passa a se assemelhar a um animal. Licantropia (lican=lobo e anthropos=homem) aos casos em que o corpo espiritual, pela alteração degenerativa da forma, lembra a figura de um lobo, o que nos remete à lenda do lobisomem que, talvez, tenha sua origem no fato de que, pelo fenômeno da vidência mediúnica, tenham sido vistos espíritos com esse tipo de deformidade anatômica no seu corpo astral.
Naturalmente, que essas deformidades são transitórias e relativas ao tempo em que a entidade espiritual ainda se mantém na atitude mental de ódio.
O tratamento reparador dessas deformidades efetua-se por meio de uma energização adequada dos Espíritos, de acordo com o que temos observado nas lides mediúnicas em que participamos.
Ousamos, inclusive, a criar o verbeteperispiritoplastia para nos referir ao processo de recuperação anatômica observado nas entidades tratadas e recuperadas, em seu aspecto morfológico, nos grupos mediúnicos. Tanto energias do plano extrafísico, bem como energias extraídas da natureza, além de ectoplasma dos médiuns, fizeram parte da matéria-prima utilizada por nós, nessa restauração anatômica do perispírito licantropizado das entidades tratadas. Todavia, lembramos que nesse trabalho nós estamos, constantemente, sendo assistidos pelos mentores espirituais que nos amparam.
Ricardo Di Bernardi
FONTE; Medicina e Espiritualidade.

[1] William Crookes – químico e físico inglês.
[2] KARDEC, Allan. O Livro dos Médiuns. FEB, 1960, p.413.
[3] Gustave Geley – médico e pesquisador espírita francês.
[4] XAVIER, Francisco Cândido. Mecanismos da Mediunidade. FEB, 1959, p.188.
[5] Tipo de deformidade presente no corpo espiritual em que a forma chega a parecer não-humana.

Postado por Sérgio Vencio às sexta-feira, dezembro 02, 2011