Vinhas de Luz

Vinhas de Luz

sexta-feira, 13 de abril de 2012

"JESUS E O MUNDO"

Se Jesus não tivesse confiança na regeneração dos homens
e no aprimoramento do mundo, naturalmente, não teria vindo ao encontro
das criaturas e nem teria jornadeado
nos escuros caminhos da Terra.
Não podemos, por isso, perder a esperança
e nem nos cabe o desânimo, diante das
pequenas e abençoadas lutas que o Céu
nos concedeu, entre as sombras
das humanas experiências.
Da escola do mundo saíram, diplomados
em santificação, espíritos sublimes,
que hoje se constituem abençoados
patronos da evolução terrestre.
Não nos compete menosprezar o plano
de aprendizagem que nos alimenta e nos
agasalha, que nos instrui e aperfeiçoa.
Se o melhor não auxilia o pior, debalde aguardaremos a melhoria da vida.
Se o bom desampara o mau a fraternidade
não passaria de mera ilusão.
Se o sábio não ajuda ao ignorante,
a educação redundaria em mentira perigosa.
Se o humilde foge ao orgulhoso,
surgiria o amor por vocábulo inútil.
Se o aprendiz da gentileza menoscaba
o prisioneiro da impulsidade,
o desequilíbrio comandaria a existência.
Se a virtude não socorre as vitimas do vicio
e se o bem não se dispõem a salvar quantos
se arrojam aos despenhadeiros do mal,
de cousa alguma serviria a predicação evangélica no campo de trabalho que a Providência Divina nos confiou.
O Divino Mestre não era deste mundo.
Mas veio até nós para a redenção do mundo.
Sabia que seus discípulos não pertenciam ao acervo moral da Terra, mas enviou-nos ao convívio com homens que se transformaram em servidores devotados do bem, convertendo o Planeta em seu reino de luz.
O cristão que foge ao contato com o mundo a pretexto de garantir-se contra o pecado, é uma flor parasitária e improdutiva na árvore do Evangelho, e o Senhor longe de solicitar ornamentos a sua obra, espera trabalhadores abnegados e fiéis que se disponham a remover o solo com paciência, boa vontade e coragem, a fim de que a Terra se habilite para a sementeira renovadora do Grande Amanhã.

Emmanuel


"JESUS E O MUNDO"

Se Jesus não tivesse confiança na regeneração dos homens
e no aprimoramento do mundo, naturalmente, não teria vindo ao encontro
das criaturas e nem teria jornadeado
nos escuros caminhos da Terra.
Não podemos, por isso, perder a esperança
e nem nos cabe o desânimo, diante das
pequenas e abençoadas lutas que o Céu
nos concedeu, entre as sombras
das humanas experiências.
Da escola do mundo saíram, diplomados
em santificação, espíritos sublimes,
que hoje se constituem abençoados
patronos da evolução terrestre.
Não nos compete menosprezar o plano
de aprendizagem que nos alimenta e nos
agasalha, que nos instrui e aperfeiçoa.
Se o melhor não auxilia o pior, debalde aguardaremos a melhoria da vida.
Se o bom desampara o mau a fraternidade
não passaria de mera ilusão.
Se o sábio não ajuda ao ignorante,
a educação redundaria em mentira perigosa.
Se o humilde foge ao orgulhoso,
surgiria o amor por vocábulo inútil.
Se o aprendiz da gentileza menoscaba
o prisioneiro da impulsidade,
o desequilíbrio comandaria a existência.
Se a virtude não socorre as vitimas do vicio
e se o bem não se dispõem a salvar quantos
se arrojam aos despenhadeiros do mal,
de cousa alguma serviria a predicação evangélica no campo de trabalho que a Providência Divina nos confiou.
O Divino Mestre não era deste mundo.
Mas veio até nós para a redenção do mundo.
Sabia que seus discípulos não pertenciam ao acervo moral da Terra, mas enviou-nos ao convívio com homens que se transformaram em servidores devotados do bem, convertendo o Planeta em seu reino de luz.
O cristão que foge ao contato com o mundo a pretexto de garantir-se contra o pecado, é uma flor parasitária e improdutiva na árvore do Evangelho, e o Senhor longe de solicitar ornamentos a sua obra, espera trabalhadores abnegados e fiéis que se disponham a remover o solo com paciência, boa vontade e coragem, a fim de que a Terra se habilite para a sementeira renovadora do Grande Amanhã.

Emmanuel