Vinhas de Luz

Vinhas de Luz

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

"REFLEXÃO DE NATAL"

Neste Natal, por algum momento, pacifica a tua alma para receber as vibrações de amor que te falam de um tempo excepcionalmente afortunado à Humanidade.
Distante de formalidades e comemorações exteriores, medita no significado real desta data e começa a trabalhar na renovação da forma que te é própria de saudar o Natal.
Esquece, por momentos, acepipes e licores, vestes e presentes, sons e ornamentos, e interiorizando-te, deixa que uma luz maior te banhe o entendimento te levando para um lugar à parte, distante de todas frivolidades, para falar de alegrias que realmente importam ao teu progresso espiritual.
Como te encontras, desde o último Natal?
Olhando em torno sentirás tristeza, por certo, porque o mundo prossegue envolto em sombras, malgrado todas as esperanças de um tempo mais íntegro, melhor.
Isso porque não bastam súplicas e desejos; necessário é trabalhar na edificação da paz almejada.
Renova, por esta razão, teu modo de apresentar-se à grande festa da Luz.
Envolve-te ricamente, porém nas vestes do amor e do bem; alimenta-te fartamente, mas de bom ânimo e coragem; bebe em abundância apenas do licor da alegria e da esperança; presenteia sem erro paz e harmonia ao teu próximo e roga para ti os mimos imorredouros do aperfeiçoamento, como lembrança preciosa e definitiva.
Paciência - para as dificuldades.
Tolerância - para as diferenças.
Benevolência - para os equívocos.
Misericórdia - para os erros.
Perdão - para as ofensas.
Prudência - para as ilusões.
Equilíbrio - para os desejos.
Sensatez - para as escolhas.
Sensibilidade - para os olhos.
Delicadeza - para as palavras.
Discernimento - para os ouvidos.
Resignação - para a escassez.
Responsabilidade - para a fartura.
Coragem - para as provas.
Fé - para as conquistas.
Amor - para todas as ocasiões.
Somente assim viveremos de Natal a Natal conforme a orientação cristã do Espiritismo, que nos recomenda raciocinar para compreender, amar para engrandecer e trabalhar para realizar".
(Mensagem ditada por André Luiz em reunião do Instituto André Luiz, em 22/12/2002.) 
Autor-André Luiz

"BUSCAI E ACHAREIS"

Há uma passagem no Evangelho na Jesus afirma: Buscai e achareis. 
É interessante notar que a atividade consistente em buscar pressupõe um certo esforço. 
Quem procura alguma coisa movimenta os recursos de que dispõe para encontrá-la.
 A promessa do Cristo é que quem procura acha. 
Assim, resta a cada um analisar qual é a sua busca pessoal. 
A liberdade rege o Universo e cada alma decide o caminho que deseja trilhar. 
Caso a criatura se encante pelas ilusões mundanas, terminará por vivê-las, em alguma medida. 
O resultado varia conforme os meios de que estiver disposta a lançar mão e o esforço que despender. 
Tudo tem um custo na vida, inclusive a preguiça e a inércia. 
Quem opta pelo comodismo arca com o elevado preço das oportunidades desperdiçadas. 
Considerando a efemeridade da vida humana, convém refletir bem a respeito do que se elege por meta. 
O que realmente compensa buscar com afinco? 
Alguns gastam suas energias para enriquecer. 
Contudo, as incertezas do mundo dos negócios por vezes causam dolorosas surpresas. 
Ainda que um homem logre enriquecer, ele não poderá levar a própria fortuna ao morrer. 
Fatalmente deixará seus haveres para trás, ao retornar para a pátria espiritual. 
Assim, conquanto nobres e necessárias, as atividades econômicas não constituem a razão do existir. 
A vida é triunfante e jamais se acaba, mas a experiência do corpo físico não dura mais do que algumas décadas. 
Justamente por isso, tudo o que se liga à matéria constitui apenas instrumento para realizações maiores. 
Não é sensato confundir os meios com os fins, sob pena de preparar amargas surpresas para si próprio. 
Constitui desatino comprometer a própria dignidade em troca de gozos fugazes. 
Os valores e os êxitos mundanos ficam no caminho. 
Entretanto, a consciência o Espírito leva consigo aonde quer que vá. 
Na carne ou fora dela, não pode se livrar de si próprio. 
Ciente disso, reflita sobre suas opções. 
O que você incessantemente busca, com quais objetivos gasta suas energias? 
Dentro de cem anos, suas metas atuais terão alguma relevância? 
Sem olvidar suas responsabilidades humanas, não seria mais sensato cuidar de seus interesses imortais? 
Você achará o que procurar, assevera o Evangelho. 
Pode ser que o salário de suas buscas sejam roupas caras, passeios e gozos os mais diversos. 
Nessa hipótese retornará ao plano espiritual na condição de um mendigo. 
Mas pode optar por ser alguém generoso e de hábitos puros, um autêntico alento para seus irmãos de jornada. 
Se resolver buscar com afinco sua libertação de vícios e mediocridades, fatalmente atingirá essa meta. 
O resultado será uma dignidade espiritual que o acompanhará para sempre.
 Pense nisso.

Redação do Momento Espírita.


"NOSSOS AMIGOS INVISÍVEIS."

O regresso ao mundo físico ensejou o planejamento meticuloso e a participação direta de inúmeros amigos invisíveis que no seu papel de sustentador de nossos objetivos, na meta essencial de nossa transformação, prometeram vigiar-nos, e nos alertar de todos os riscos a que nossos antigos vícios, contra os quais prometemos lutar, nos exporiam.
Planejadores Espirituais sábios, técnicos da reencarnação,  engenheiros das formas biológicas, modeladores do corpo períspiritual, instrutores da alma, professores do sentimento, mestres da vontade, todos os componentes dos departamentos especializados se envolvem nos processos reencarnatórios, buscando fazer daquela a experiência decisiva na vida da pessoa que regressa ao mundo físico.
Por isso, uma vida é muito preciosa para ser tratada com desdém pelos espíritos que sabem quanto custa retornar ao corpo carnal o espírito endividado.
Quando o ser humano entender a imensa gama de amigos invisíveis que possui no bem, mas do que se entregar aos comportamentos impulsivos e tresloucados, caprichosos e imaturos, que representam sempre a sintonia com outro tipo de espíritos, tão ou mais imperfeitos que os próprios homens, interromperá por instantes a sua conduta e, em homenagem a todos estes luminosos anjos tutelares, endereçar-lhes-ás uma prece sincera, pedindo inspiração, pedindo a boa companhia, solicitando a intuição clara para que não cometa o equívoco que sua impulsividade, manipulada por espíritos inferiores como ele próprio, facilmente cometeria.  
Nossos passos diários seriam dados à sombra da meditação elevada, nossas escolhas seriam frutos de um período de reflexões sinceras, nas quais buscaríamos sempre entender qual seria a vontade de DEUS e qual seria a conduta de Jesus, se ele estivesse em nosso lugar.
Com isso, não querendo dizer que deveríamos transformar nossas horas diárias em uma constante, formal e repetitiva oração, nossos espíritos estariam abertos às forças luminosas que, com mais facilidade nos orientariam a mente e o coração, através de conselhos e alertas que nos chegariam de maneira mais direta e que poderiam servir como baliza para nossas condutas.
Aprendamos a orar trabalhando, a fim de que nossas boas obras possam ser o testemunho verdadeiro da nossa ligação com o bem. Aprendamos a servir, para que nossos atos, palavras, sentimentos e pensamentos se transformem, naturalmente, na mais doce e elevada oração que produzirá perfume e envolverá todos os que estiverem à nossa volta.
‘ANDRÉ LUIZ RUIZ”. Pelo Espírito:”LÚCIOS”.

Da obra:” A FORÇA DA BONDADE”.