Vinhas de Luz

Vinhas de Luz

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

"TRANSMITA O VÍRUS DA FELICIDADE"


 “A felicidade é contagiante”, é mais que uma simples expressão de alegria. É uma verdade cientificamente comprovada, segundo os americanos James Fowler, professor de ciência política da Universidade da Califórnia, e Nicholas Christakis, professor de sociologia na Universidade de Harvard. Juntos, Fowler e Christakis comandaram um estudo entre 1983 e 2003, com 4.739 pessoas, conforme artigo publicado na revista acadêmica British Medical Journal em novembro passado. O resultado é que, como um vírus, a felicidade é transmitida por até três graus de separação. Dessa forma, você pode se contagiar com a felicidade do amigo do amigo do seu amigo, e vice-versa. Com o objetivo de comprovar a importância das redes de relacionamento na propagação e manutenção da alegria, os pesquisadores constataram que o contentamento se espalha pela comunicação entre parceiros, irmãos e vizinhos próximos. 
“A pessoa tem 42% mais chances de ser feliz se um amigo que vive a menos de 800 metros de distância tornar-se feliz”, afirmam no estudo. “Em contrapartida, o efeito é apenas 22% para os amigos que vivem a menos de 3,2 quilômetros de distância, e tende a diminuir e deixar de ser significativo em distâncias maiores”, concluem. De acordo com o levantamento, uma pessoa tem 15% mais chances de usufruir da sensação se estiver em conexão direta com alguém feliz. As chances reduzem para 10% se um amigo do amigo estiver alegre e para 6% se a felicidade é gerada por um amigo do amigo do amigo. Mas os pesquisadores destacam que os efeitos não foram avaliados entre colegas de trabalho. 
E a teoria dos americanos não para por aí. Para eles, a qualidade do relacionamento é muito mais importante que a quantidade de pessoas que formam essa rede. “O estado emocional das relações sociais de uma pessoa é mais importante para o próprio estado emocional do que o número total desses relacionamentos”, dizem na pesquisa. Portanto, quem é rodeado por pessoas felizes é mais propenso a viver melhor. Outra boa notícia é que a infelicidade tem uma capacidade bem menor de se expandir nas redes de relacionamento. Você será mais influenciado pela felicidade do que pela infelicidade do amigo, e vice-versa. “O número de amigos felizes parece ter um efeito mais confiável sobre a sua felicidade, do que o número de amigos infelizes”, dizem. 
Contagie 
Transmitir felicidade a alguém é muito fácil e recompensador, além de ser a nossa grande missão na Terra. O segredo está em fazer de cada momento uma oportunidade para vivenciar esse sentimento e, conseqüentemente, contagiar alguém. O primeiro passo está em respeitar a individualidade e as escolhas do outro. Deixe de condenar as atitudes das pessoas e passe a vibrar pela felicidade delas, mesmo que vocês não tenham afinidade. Lembre-se que o fato de você não querer conviver com o outro, não significa que deva hostilizá-lo. Em casa, faça com que seus familiares sejam felizes com a sua presença, e não com a sua ausência. Para aqueles familiares mais distantes, transmita seu amor através do seu interesse e preocupação junto a cada um deles. 
Já no ambiente de trabalho, dê a sua contribuição por meio de cooperação, solidariedade e bom humor. Caso tenha prestadores de serviços, trate-os com respeito, admiração e igualdade. A um amigo ou parente doente, transmita-lhe a certeza de que ele pode, se quiser, curar a si mesmo. E não se esqueça de manifestar amor também aos desconhecidos, ajudando sempre que possível em causas sociais. Para gerar felicidade, você precisa ter em mente que a felicidade é possível, sempre acreditando que este sentimento é um estado natural do ser humano e que você está destinado a ele. Acima de tudo, acredite que ao se sentir amado pela inteligência suprema do universo, manifestará auto-amor e amará ao outro como a si mesmo.

São José do Rio Preto, 4 de outubro de 2009
Por: Rita Fernandjes "REVISTA BEM-ESTAR




"TRANSMITA O VÍRUS DA FELICIDADE"


 “A felicidade é contagiante”, é mais que uma simples expressão de alegria. É uma verdade cientificamente comprovada, segundo os americanos James Fowler, professor de ciência política da Universidade da Califórnia, e Nicholas Christakis, professor de sociologia na Universidade de Harvard. Juntos, Fowler e Christakis comandaram um estudo entre 1983 e 2003, com 4.739 pessoas, conforme artigo publicado na revista acadêmica British Medical Journal em novembro passado. O resultado é que, como um vírus, a felicidade é transmitida por até três graus de separação. Dessa forma, você pode se contagiar com a felicidade do amigo do amigo do seu amigo, e vice-versa. Com o objetivo de comprovar a importância das redes de relacionamento na propagação e manutenção da alegria, os pesquisadores constataram que o contentamento se espalha pela comunicação entre parceiros, irmãos e vizinhos próximos. 
“A pessoa tem 42% mais chances de ser feliz se um amigo que vive a menos de 800 metros de distância tornar-se feliz”, afirmam no estudo. “Em contrapartida, o efeito é apenas 22% para os amigos que vivem a menos de 3,2 quilômetros de distância, e tende a diminuir e deixar de ser significativo em distâncias maiores”, concluem. De acordo com o levantamento, uma pessoa tem 15% mais chances de usufruir da sensação se estiver em conexão direta com alguém feliz. As chances reduzem para 10% se um amigo do amigo estiver alegre e para 6% se a felicidade é gerada por um amigo do amigo do amigo. Mas os pesquisadores destacam que os efeitos não foram avaliados entre colegas de trabalho. 
E a teoria dos americanos não para por aí. Para eles, a qualidade do relacionamento é muito mais importante que a quantidade de pessoas que formam essa rede. “O estado emocional das relações sociais de uma pessoa é mais importante para o próprio estado emocional do que o número total desses relacionamentos”, dizem na pesquisa. Portanto, quem é rodeado por pessoas felizes é mais propenso a viver melhor. Outra boa notícia é que a infelicidade tem uma capacidade bem menor de se expandir nas redes de relacionamento. Você será mais influenciado pela felicidade do que pela infelicidade do amigo, e vice-versa. “O número de amigos felizes parece ter um efeito mais confiável sobre a sua felicidade, do que o número de amigos infelizes”, dizem. 
Contagie 
Transmitir felicidade a alguém é muito fácil e recompensador, além de ser a nossa grande missão na Terra. O segredo está em fazer de cada momento uma oportunidade para vivenciar esse sentimento e, conseqüentemente, contagiar alguém. O primeiro passo está em respeitar a individualidade e as escolhas do outro. Deixe de condenar as atitudes das pessoas e passe a vibrar pela felicidade delas, mesmo que vocês não tenham afinidade. Lembre-se que o fato de você não querer conviver com o outro, não significa que deva hostilizá-lo. Em casa, faça com que seus familiares sejam felizes com a sua presença, e não com a sua ausência. Para aqueles familiares mais distantes, transmita seu amor através do seu interesse e preocupação junto a cada um deles. 
Já no ambiente de trabalho, dê a sua contribuição por meio de cooperação, solidariedade e bom humor. Caso tenha prestadores de serviços, trate-os com respeito, admiração e igualdade. A um amigo ou parente doente, transmita-lhe a certeza de que ele pode, se quiser, curar a si mesmo. E não se esqueça de manifestar amor também aos desconhecidos, ajudando sempre que possível em causas sociais. Para gerar felicidade, você precisa ter em mente que a felicidade é possível, sempre acreditando que este sentimento é um estado natural do ser humano e que você está destinado a ele. Acima de tudo, acredite que ao se sentir amado pela inteligência suprema do universo, manifestará auto-amor e amará ao outro como a si mesmo.

São José do Rio Preto, 4 de outubro de 2009
Por: Rita Fernandjes "REVISTA BEM-ESTAR