Vinhas de Luz

Vinhas de Luz

sábado, 27 de agosto de 2011

"AGRADECE"

Agradece as mãos que te constróem a existência, decorando-a com as
tintas da alegria e da esperança, mas endereça os teus pensamentos de
gratidão àquelas outras que te ferem com os espinhos da incompreensão,
ensinando-te a conviver e a servir.
Agradece as vozes que te embalam os anseios, entretecendo hinos de paz
e amor com que te inspiram as melhores realizações, no entanto, envia
as tuas vibrações de reconhecimento àquelas outras que te exageram
essa ou aquela falha, induzindo-te a compreender e a perdoar.
Agradece aos amigos que te proporcionam mesa farta, impulsionando-te a
pensar na abastança da Terra, mas não recuses respeito àqueles que, em
algum tempo, te sonegaram o pão, levando-te a prestigiar a
fraternidade e a beneficência.
Agradece aos irmãos que te reconhecem a nobreza de sentimentos,
louvando-te o trabalho, entretanto, não olvides o apreço que se deve
àqueles outros que te menosprezam, auxiliando-te a descobrir os
tesouros da humildade e da tolerância.
Certa feita, um pedaço de carbono sumido no monturo pediu a Deus o
levasse para a superfície da Terra, a fim de ser mais útil. O Supremo
Senhor ouviu-lhe a súplica e determinou fosse ele detido no subsolo
para a devida maturação.
O minério humilde aceitou a resposta e permaneceu na clausura, por
séculos e séculos, suportando a química da natureza com o assalto
constante dos vermes que habitavam o chão.
Chegou, por fim, o tempo em que o Criador mandou arrancá-lo para
atender-lhe aos ideais. Instrumentos de perfuração exumaram-no a
golpes desapiedados e o lapidário cortou-lhe o corpo, de vários modos,
em minucioso burilamento.
Mas quando o carbono sublimado surgiu, de todo, aos olhos do mundo,
Deus o havia transformado no brilhante, que passou a brilhar, entre os
homens, parecendo uma flor do arco-íris com o fulgor das estrelas.

"Francisco Candido Xavier"

"AGRADECE"

Agradece as mãos que te constróem a existência, decorando-a com as
tintas da alegria e da esperança, mas endereça os teus pensamentos de
gratidão àquelas outras que te ferem com os espinhos da incompreensão,
ensinando-te a conviver e a servir.
Agradece as vozes que te embalam os anseios, entretecendo hinos de paz
e amor com que te inspiram as melhores realizações, no entanto, envia
as tuas vibrações de reconhecimento àquelas outras que te exageram
essa ou aquela falha, induzindo-te a compreender e a perdoar.
Agradece aos amigos que te proporcionam mesa farta, impulsionando-te a
pensar na abastança da Terra, mas não recuses respeito àqueles que, em
algum tempo, te sonegaram o pão, levando-te a prestigiar a
fraternidade e a beneficência.
Agradece aos irmãos que te reconhecem a nobreza de sentimentos,
louvando-te o trabalho, entretanto, não olvides o apreço que se deve
àqueles outros que te menosprezam, auxiliando-te a descobrir os
tesouros da humildade e da tolerância.
Certa feita, um pedaço de carbono sumido no monturo pediu a Deus o
levasse para a superfície da Terra, a fim de ser mais útil. O Supremo
Senhor ouviu-lhe a súplica e determinou fosse ele detido no subsolo
para a devida maturação.
O minério humilde aceitou a resposta e permaneceu na clausura, por
séculos e séculos, suportando a química da natureza com o assalto
constante dos vermes que habitavam o chão.
Chegou, por fim, o tempo em que o Criador mandou arrancá-lo para
atender-lhe aos ideais. Instrumentos de perfuração exumaram-no a
golpes desapiedados e o lapidário cortou-lhe o corpo, de vários modos,
em minucioso burilamento.
Mas quando o carbono sublimado surgiu, de todo, aos olhos do mundo,
Deus o havia transformado no brilhante, que passou a brilhar, entre os
homens, parecendo uma flor do arco-íris com o fulgor das estrelas.

"Francisco Candido Xavier"