Vinhas de Luz

Vinhas de Luz

segunda-feira, 11 de junho de 2012

"SEJAMOS IRMÃOS".

Guarda a luz divina nos olhos do entendimento, porque, no lar, na sociedade ou no mundo, somos sempre a grande família humana, cujos membros – sempre nós mesmos – se integram indissoluvelmente entre si. 
Quando a reprovação ou a crítica te assomarem ao pensamento inquieto, recorda que somente vemos nos outros as imagens que conservamos dentro de nós e cada homem julga o próximo pelas medidas que estabeleceu para si mesmo. 
Encontrarás o mau, quando a maldade ocultar-se em teu coração, à maneira de serpe invisível. 
Ouvirás a irreverência, quando os teus ouvidos permanecerem tocados pela sombra espessa da desconfiança. 
Identificaremos o procedimento censurável, quando ainda alimentamos em nós os motivos de tentação degradante, induzindo-nos às mesmas quedas que observamos naqueles que se tornaram passíveis de nossa crítica. 
Quando nos irritamos, vemos a nossa própria má vontade naqueles que nos cercam. 
Quando desanimados, encontraremos razões para o desalento nas mais belas notas de alegria em nosso ambiente. 
“Amai-vos uns aos outros” – aconselhou o Divino Mestre. 
Amando fraternalmente, seremos, em verdade, irmãos do ignorante e do infeliz, do aleijado e do enfermo, de modo a ser-lhes efetivamente úteis. 
Jesus, no Evangelho, não pede censores; aguarda companheiros de boa vontade que, olvidando todo o mal e surpreendendo o bem celeste em todos os escaninhos da Terra, com Ele colabore para que o mundo se faça mais feliz e para que o homem se faça realmente melhor.
Emmanuel-Chico Chavier


"SEJAMOS IRMÃOS".

Guarda a luz divina nos olhos do entendimento, porque, no lar, na sociedade ou no mundo, somos sempre a grande família humana, cujos membros – sempre nós mesmos – se integram indissoluvelmente entre si. 
Quando a reprovação ou a crítica te assomarem ao pensamento inquieto, recorda que somente vemos nos outros as imagens que conservamos dentro de nós e cada homem julga o próximo pelas medidas que estabeleceu para si mesmo. 
Encontrarás o mau, quando a maldade ocultar-se em teu coração, à maneira de serpe invisível. 
Ouvirás a irreverência, quando os teus ouvidos permanecerem tocados pela sombra espessa da desconfiança. 
Identificaremos o procedimento censurável, quando ainda alimentamos em nós os motivos de tentação degradante, induzindo-nos às mesmas quedas que observamos naqueles que se tornaram passíveis de nossa crítica. 
Quando nos irritamos, vemos a nossa própria má vontade naqueles que nos cercam. 
Quando desanimados, encontraremos razões para o desalento nas mais belas notas de alegria em nosso ambiente. 
“Amai-vos uns aos outros” – aconselhou o Divino Mestre. 
Amando fraternalmente, seremos, em verdade, irmãos do ignorante e do infeliz, do aleijado e do enfermo, de modo a ser-lhes efetivamente úteis. 
Jesus, no Evangelho, não pede censores; aguarda companheiros de boa vontade que, olvidando todo o mal e surpreendendo o bem celeste em todos os escaninhos da Terra, com Ele colabore para que o mundo se faça mais feliz e para que o homem se faça realmente melhor.
Emmanuel-Chico Chavier