Vinhas de Luz

Vinhas de Luz

sexta-feira, 21 de abril de 2017

“O REMORSO NA VISÃO ESPÍRITA”

Muitas pessoas imaginam que não há grandes diferenças entre o remorso e o arrependimento. No livro Aborto à Luz do Espiritismo, Eliseu Florentino da Mota Jr., escreve que “dentre as causas determinantes das anomalias psíquicas, é indubitável que o remorso assume especial relevância, porquanto, ao contrário do arrependimento, que é o primeiro passo para a reabilitação diante de um erro cometido, ele determina o surgimento do complexo de culpa, levando a pessoa que eventualmente tenha errado a crises nervosas, chegando mesmo à loucura”.
Dessa forma, podemos entender claramente essa diferença, deixando para reflexão o quanto o remorso é prejudicial para o indivíduo.
No livro O Céu e o Inferno, capítulo VI, intitulado “Criminosos Arrependidos”, Allan Kardec descreve o contato feito com um jovem padre de nome Verger que havia assassinado em 3 de janeiro de 1857, Monsenhor Sibour, arcebispo de Paris, quando saia da Igreja de Saint-Étienne-du-Mont. Verger foi condenado à morte e em 30 de janeiro executado. Em nenhum momento mostrou-se arrependido do seu crime. Ele foi evocado no mesmo dia de sua execução e três dias depois. Nestes contatos, quando Verger foi indagado “Qual a vossa punição?”, ele respondeu: “sou punido por que tenho consciência da minha falta, e para ela peço perdão a Deus; sou punido porque reconheço a minha descrença nesse Deus, sabendo agora que não devemos abreviar os dias de vida de nossos irmãos; sou punido pelo remorso de haver adiado o meu progresso, enveredando por caminho errado, sem ouvir o grito da própria consciência que me dizia não ser pelo assassínio que alcançaria o meu desiderato. Deixei-me dominar pela inveja e pelo orgulho; enganei-me e arrependo-me, pois o homem deve esforçar-se sempre por dominar as más paixões – o que, aliás, não fiz”.
Quando tiramos a vida de alguém estamos retardando nossa evolução e a do outro, se ele não souber perdoar. Além do mais, é muito triste chegar ao Mundo Espiritual e sentir na consciência a dor e a vergonha de saber que mais uma oportunidade de crescimento foi perdida.
Apesar de tudo, de tantas e tantas quedas, Deus nos dá a oportunidade de reparação dos erros cometidos através das vidas sucessivas, porque Ele espera de nós, pacientemente, que aprendamos a colocar em prática os ensinamentos morais de Jesus. Esses ensinamentos se iniciam no lar, no seio da família, onde existem personalidades diversas, entendimentos diversos para um mesmo assunto, espíritos comprometidos com a lei de amor que solicitaram na espiritualidade a chance de reconciliação e reparação de faltas no aprendizado do perdão. Por fim, aprendemos a duras penas que todo ato indigno de nossa parte contra nossos irmãos termina sendo prejudicial a nós mesmos.
André Luiz no livro Nosso Lar, descreve as palavras de consolo do benfeitor Clarêncio: “Aproveita os tesouros do arrependimento, guarda a bênção do remorso, embora tardio, sem esquecer que a aflição não resolve problemas”.
Elizeu Florentino cita em seu livro que uma pessoa que cometeu aborto, por exemplo, e está profundamente arrependida desse ato, pode ser levada, pelo arrependimento, à ação benéfica de trabalhos beneficentes em prol de crianças carentes e até mesmo à adoção, o que faz com que melhore sua autoestima e sua situação junto à Lei divina, enquanto que o remorso, sem levar a criatura a agir, acaba por criar nela anomalias psíquicas graves.
No livro “Pensamento e Vida” (2), o Benfeitor Espiritual Emmanuel discorre sobre a Culpa, esclarecendo-nos: “Quando fugimos ao dever, precipitamo-nos no sentimento de culpa, do qual se origina o remorso, com múltiplas manifestações, impondo-nos brechas de sombra aos tecidos sutis da alma.”.
Quer dizer o Benfeitor que quando nos deixamos levar pelo erro e passamos a caminhar pelos descaminhos da vida infringimos as Leis Naturais, e como estas leis estão inscritas em nossa consciência, imediatamente nossa consciência se intranquiliza gerando desconforto espiritual proporcional ao nosso entendimento em relação à Justiça Divina.
No livro “O Consolador”, Emmanuel responde a pergunta acima dizendo que “O remorso é a força que prepara o arrependimento, como este é a energia que precede o esforço regenerador”, ou seja, o remorso é a primeira reação que se dá na mente do espírito, e por isso mesmo continua o Benfeitor: “Choque espiritual nas suas características profundas, o remorso é o interstício para a luz, através do qual recebe o homem a cooperação indireta de seus amigos do Invisível, a fim de retificar seus desvios e renovar seus valores morais, na jornada para Deus.”.
Esta reação produzirá um segundo sentimento, que é o Arrependimento, e Emmanuel, ainda em “Pensamento e Vida” nos diz que “o arrependimento, incessantemente fortalecido pelos reflexos de nossa lembrança amarga, transforma-se num abscesso mental, envenenando-nos, pouco a pouco, e expelindo, em torno, a corrente miasmática de nossa vida íntima, intoxicando o hausto espiritual de quem nos desfruta o convívio.”.
Depreende-se, das respostas do Benfeitor, que o choque espiritual, na condição de remorso, é benção para a renovação, que se dará com a ajuda dos amigos espirituais, mas a permanência no estado de remorso ou arrependimento pode aprofundar a crise deflagrada, produzindo efeitos funestos em nós e no entorno social.
Falando de arrependimento não poderíamos deixar de buscar a opinião dos espíritos encarregados da Codificação e em “O Livro dos Espíritos” encontramos, na questão de número novecentos e noventa, a seguinte indagação de Allan Kardec: “O arrependimento se dá na vida física ou na espiritual?” Ao que os Espíritos Superiores respondem: “Na vida espiritual; mas também pode ocorrer na física, quando chegais a compreender a diferença entre o bem e o mal.”.
O arrependimento, portanto, será mais ou menos profundo consoante o entendimento moral do espírito, esteja ele encarnado ou desencarnado.
Em sequência, na questão novecentos e noventa e um, o Codificador aprofunda o assunto: “Qual a consequência do arrependimento na vida espiritual?” e a resposta é a seguinte: “O desejo de uma nova encarnação para se purificar. O Espírito compreende as imperfeições que o impedem de ser feliz e por isso anseia por uma nova existência em que poderá reparar suas faltas.”.
Completando o assunto, Allan Kardec refere-se à vida física perguntando na questão novecentos e noventa e dois: “E o arrependimento ainda na vida física?” obtendo a seguinte resposta: “É um começo de progresso, já na vida presente, se houver tempo de reparar suas faltas. Quando a consciência aponta um erro e mostra uma imperfeição, sempre se pode melhorar.”.
O remorso pode ser entendido, então, como o primeiro sinal de que algo inadequado foi perpetrado. E, como a lei de ação e reação se encarrega de apresentar o resultado do erro ao seu produtor para que seja corrigido em todas as suas consequências, o melhor a se fazer é criar, de imediato, as condições de reparo enquanto se tem as possibilidades nas mãos, evitando-se a necessária corrigenda, em futuro indefinido, permanecendo na consciência a condição de devedor e a consequente intranquilidade íntima sempre traduzida por estado de infelicidade.
O tempo de que dispomos em uma existência não é eterno e amanhã pode ser muito tarde para tentarmos corrigir as faltas cometidas. Devemos ter em mente que o momento de agir é agora e que quanto mais tarde acordarmos para a necessidade do perdão, mais comprometidos com a Lei divina estaremos no futuro. Vitor Ronaldo Costa, em seu livro Gerenciando as Emoções, explica que “se alguém alimenta um sentimento de culpa, em decorrência de um mal cometido intencionalmente, o bom-senso recomenda que se busque a solução do impasse na prática inadiável de uma atitude enobrecida. A anulação do remorso sugere a tomada de duas providências essenciais: o cultivo da humildade e o pedido de perdão”.
Pensemos nisso
Antonio Carlos Navarro-.-Rede Amigo Espírita

Texto original publicado na Revista Internacional de Espiritismo, edição nº 02, ano 2002.

“OBSESSÃO DURANTE O SONO”

Certa vez Chico Xavier disse: ”Os espíritos obsessores, muitos deles, são altamente treinados na técnica de hipnotizar: quase sempre eles hipnotizam as suas vítimas quando elas se retiram do corpo no momento do sono. Por este motivo, muita gente acorda mal humorada e violenta. Se soubéssemos o que nos espera no além, não dormiríamos sem recorrer aos benefícios da prece. Os espíritos que são nossos desafetos nos espreitam; se não tivermos defesa, eles farão conosco o que bem entenderem. Há obsessões terríveis que são programados durante o sono; toda noite é uma sessão de hipnose. De repente, é uma agressão violenta dentro de casa, um crime inexplicável.”
Observando cuidadosamente as palavras de Chico Xavier, podemos perceber a importância da prece, é como dizem “Orar e vigiar” a todo momento, é sempre importante entender que nada acontece por acaso, infelizmente, alguns espíritos não conseguem uma evolução pessoal, são movidos pela raiva, pelo ódio, egoísmo, e passam a eternidade espiritual a fim de atormentar os encarnados.
Todos nós que reencarnamos, temos uma história no passado, e que muitas vezes não foi tão bom assim, porque somos humanos e falhos, porém, temos a oportunidade de reparar nossos erros, quitar nossas dívidas do pretérito, no intuito de nos aperfeiçoarmos, contudo, as pessoas com quem tivemos desavenças no passado pode não ter superado os fatos, carregar consigo um ódio pela eternidade e assim virar “nosso obsessor particular”, eles fazem questão de se aperfeiçoarem nas técnicas do “submundo” para conseguirem saciar essa sede de vingança, que sabemos que pode durar por vários e vários anos, até que eles tenham a consciências de seus atos e procurem seu caminho dentro da luz. É como muitos espíritos bem feitores dizem, os seres de luz são muito inteligentes e tem todo suporte para nos auxiliar, mas, os espíritos de pouca luz também possuem inteligência para nos persuadir e nos obsidiar.
Como sabemos, os métodos para nos tornar alvo é por meio de uma vida desregrada, a falta de ética e caráter e moral do nosso corpo e mente, e a falta da prece, a prece é uma grande arma para fortalecer nossa alma e afastar as almas de vibração inferior, a prece nos conecta com o divino, e a luz espanta a sombra, parece até besteira por ser muito óbvio, mas como seres falhos que somos, esquecemos desse detalhe o tempo todo, por isso não é incomum ser “vítima” de obsessores e vampiros espirituais.
Pensando nisso, precisamos criar um hábito da prece antes de dormir, quando crianças, a maioria pelo menos aprende orações antes de dormir, e quando crescemos, infelizmente vamos perdendo esse hábito que é tão bonito.
Eu sempre digo que uma prece não precisa ser necessariamente decorada, ou seja, um Pai nosso, Ave Maria etc. Não estou dizendo que não deva praticar essas orações, ao contrário, se gostam orem dessa maneira, o que estou dizendo é que ela não é a única ferramenta de prece, algumas pessoas realmente não gostam de orar um pai nosso, até porque uma grande parte reza o pai nosso sem nem ao menos prestar atenção no que está dizendo, é tão automático que não captamos a essência da oração, nesses casos, uma conversa sincera com Deus, um minuto de gratidão vale muito mais do que rezar um pai nosso rapidinho sem prestar atenção nas palavras pronunciadas.
Felizmente, Deus com sua infinita bondade e sabedoria, nos deu a chance da escolha, o direito de decidir para onde queremos ir, por quanto tempo ficar e quando voltar, então meus queridos, façam a prece conforme for tocado em seus corações, e lembrem-se sempre, uma conversa com Deus, a gratidão também é uma prece e das boas, pois expõem nossos sentimentos mais profundos.
E, se caso queira uma oração antes de dormir, deixo essas como sugestão:
Prece 1: – Minha alma vai estar por alguns instantes com os outros Espíritos. Venham os bons ajudar-me com seus conselhos. Faze, meu anjo guardião, que, ao despertar, eu conserve durável e salutar impressão desse convívio.
Prece 2: Para afastar os maus espíritos.
Em nome de Deus Todo-Poderoso, afastem-se de mim os maus Espíritos, servindo-me os bons de antemural contra eles. Espíritos malfazejos, que inspirais maus pensamentos aos homens; Espíritos velhacos e mentirosos, que os enganais; Espíritos zombeteiros, que vos divertis com a credulidade deles, eu vos repilo com todas as forças de minha alma e fecho os ouvidos às vossas sugestões; mas, imploro para vós a misericórdia de Deus.

Bons Espíritos que vos dignais de assistir-me, dai-me a força de resistir à influência dos Espíritos maus e as luzes de que necessito para não ser vítima de suas tramas. Preservai-me do orgulho e da presunção; isentai o meu coração do ciúme, do ódio, da malevolência, de todo sentimento contrário à caridade, que são outras tantas portas abertas ao Espírito do mal.

“A TAREFA DA REGENERAÇÃO DA TERRA. ”

Os benfeitores espirituais fazem questão de deixar bem claro, que a terra já se encontra na fase de renovação, ou seja, ela já abriga muitos espíritos dedicados ao bem, que vieram para promover a reforma moral e espiritual em nosso planeta, a fim de que ele se transforme no mundo regenerado que todos desejam, onde possa reinar a boa-vontade em detrimento de tanto desamor dos dias atuais. Mas eles também nos advertem que, enquanto não houver a transformação da maioria da população de nosso planeta , vivenciando uma verdadeira fraternidade e livres das influências negativas dos espíritos perturbadores ou recalcitrantes no mal, ele sofrerá por um certo tempo as consequências nefastas dessa violência e desamor, e não poderá ser considerado ainda, mundo de regeneração. Eles nos dizem que os espíritos recalcitrantes só serão transferidos totalmente da terra para outros mundos mais compatíveis com o atraso moral em que se encontram, quando os homens de bem e de boa vontade se constituírem a maioria da população de nosso planeta.
A vinda de Jesus, considerado o Governador de nosso Orbe, teve como finalidade principal o despertar da consciência humana, mostrando-nos qual era o caminho a seguir para que pudéssemos chegar mais perto de Deus, já que na época em que ele aqui esteve, os homens andavam imersos na ignorância espiritual. Antes de sua vinda, alguns emissários aqui tinham estado para o início de tão importante missão que seria desenvolvida plenamente pelo nosso mestre maior, Jesus Cristo. O breve período em que o Cristo aqui esteve conosco foi um período fértil para o desenvolvimento moral e espiritual do homem. Seus ensinamentos, exemplos e atitudes estavam sempre revestidos pela Lei Universal do Amor, lei essa que vigora com toda a sua força em mundos mais adiantados que o nosso e que se constitui e constituirá sempre no elo de ligação entre todos os seres do universo. A vivência de seu Evangelho de luz ajuda o homem a subir menos penosamente os degraus de sua evolução. Muitos séculos após a sua vinda, a vida na terra já obteve um grande impulso moral e espiritual e o homem já começa a vivenciar conceitos mais elevados sobre o amor e a fraternidade. Mas, ainda não se constituem em maioria para que ocorra uma modificação expressiva das energias deletérias que ainda cercam nosso planeta, e nos façam respirar uma atmosfera mais amena e benéfica para todos.
A disseminação dos temas relativos a evolução e ao crescimento do ser é importante para conscientizar o homem de que os ensinamentos atuais e que visam a sua transformação individual, nos estão sendo repassados desde a vinda do Cristo, mas, até hoje, ainda relutamos em aceitá-los plenamente. É claro que, pela intercessão das forças do bem, que há muito batalham em nosso planeta para promover sua ascensão para um mundo melhor, nós já conseguimos realizar, com mais resignação e coragem, nossa escalada evolutiva, amparados pela Luz divina do Cristo a nos guiar, através de seu evangelho de amor. Segundo o que nos diz Chico Xavier: “Toda essa eclosão de notícias, de mensagens, de avisos da vida espiritual, devem significar para o homem, domiciliado na Terra do presente século, a urgência do aproveitamento das lições de Jesus. Elas deverão ser apreciadas em si mesmas, e examinadas igualmente no exemplo e no ensinamento de todos aqueles que, em variados setores culturais, políticos e filosóficos do globo – lhe traduzem a vontade divina, que na essência é sempre a nossa jornada para o Supremo Bem.”(Revista Boa Vontade -Outubro de 1956).
A evolução de nosso mundo ensejou para a sociedade atual um grande desenvolvimento material e social , proporcionando para todos uma melhor qualidade de vida. Porém, essa evolução, como não veio acompanhada na mesma intensidade pela evolução moral e espiritual do ser, impediu que a terra tivesse, na mesma proporção, uma melhoria na condição moral de seus habitantes. Por sermos seres constituídos de Espírito e Matéria, com a prevalência e subsistência do Espírito, enquanto não cuidarmos da parte essencial de nosso ser, que é nosso Espírito imortal, não poderemos alavancar o crescimento mais harmônico de nosso planeta e desfrutarmos de um mundo mais justo e menos sofrido para todos. Até que se complete a regeneração verdadeira do mundo em que vivemos, haveremos de passar ainda por várias transformações materiais, sociais, morais e espirituais. Os ensinamentos repassados pelos espíritos nos dizem que, todo aquele que conseguir superar as injustiças e inferioridades do mundo atual, no esforço incessante do autoburilamento, procurando melhorar-se a cada dia, serão poupados de muitos resgates reparadores e poderão ascender mais facilmente a mundos mais compatíveis com seu desenvolvimento espiritual. Não terão mais que travar lutas acérrimas para vencer sentimentos como a inveja, o ciúme, o orgulho e tantos outros sentimentos prejudiciais que ainda imperam em nosso mundo.
Os Espíritos nos dizem que o mundo de regeneração ainda não será totalmente isento das paixões humanas, mas, elas não terão mais o poder destruidor que hoje ainda possuem. Embora sujeitos às leis materiais, elas não serão mais tão preponderantes e destrutivas como as atuais. Haverá uma reformulação geral dos princípios básicos, com leis mais justas e de respeito ao direito de cada um, em detrimento de interesses individualistas e mesquinhos. Uma das preocupações essenciais será com a educação, que será encarada por todos como fundamental para a evolução individual do ser, inclusive não só em relação ao aprendizado intelectual, mas principalmente, no aperfeiçoamento moral dos indivíduos, preparando-os para exercerem uma moral mais elevada de respeito e amor pelo próximo. Esse mundo, que aos poucos vem sendo implantado em nosso planeta, se constituirá num oásis de paz para a renovação de nosso ser, sem as aflições e a violência que açoita diariamente nossa vida no mundo atual, e nele, poderemos mais eficazmente, nos prepararmos melhor para ascendermos a mundos cada vez mais ditosos.
Paz e Luz a todos.

Autor: Guilhermina Batista Cruz