Vinhas de Luz

Vinhas de Luz

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

"O MAL EXISTE?"

 Inicio do século 20, durante uma conferência com vários universitários, um professor da Universidade de Berlim desafiou seus alunos com esta pergunta:
“Deus criou tudo o que existe?”
Um aluno respondeu valentemente:
“Sim, Ele criou.”
“Deus criou tudo?”
Perguntou novamente o professor.
“Sim senhor”, respondeu o jovem.
O professor respondeu,
“Se Deus criou tudo, então Deus fez o mal? Pois o mal existe, e partindo do preceito de que nossas obras são um reflexo de nós mesmos, então Deus é mau?”
O jovem ficou calado diante de tal resposta e o professor, feliz, se regozijava de ter provado mais uma vez que a fé era um mito.
Outro estudante levantou a mão e disse:
“Posso fazer uma pergunta, professor?”
“Lógico.” Foi a resposta do professor.
O jovem ficou de pé e perguntou:
“Professor, o frio existe?”
“Que pergunta é essa? Lógico que existe, ou por acaso você nunca sentiu frio?”
O rapaz respondeu:
“De fato, senhor, o frio não existe. Segundo as leis da Física, o que consideramos frio, na realidade é a ausência de calor. Todo corpo ou objeto é susceptível de estudo quando possui ou transmite energia, o calor é o que faz com que este corpo tenha ou transmita energia.
O zero absoluto é a ausência total e absoluta de calor, todos os corpos ficam inertes, incapazes de reagir, mas o frio não existe. Nós criamos essa definição para descrever como nos sentimos se não temos calor”
“E, existe a escuridão?”
Continuou o estudante.
O professor respondeu: “Existe.”
O estudante respondeu:
“Novamente comete um erro, senhor, a escuridão também não existe. A escuridão na realidade é a ausência de luz.
A luz pode-se estudar, a escuridão não!
Até existe o prisma de Nichols para decompor a luz branca nas várias cores de que está composta, com suas diferentes longitudes de ondas.
A escuridão não!
Um simples raio de luz atravessa as trevas e ilumina a superfície onde termina o raio de luz.
Como pode saber quão escuro está um espaço determinado? Com base na quantidade de luz presente nesse espaço, não é assim?
Escuridão é uma definição que o homem desenvolveu para descrever o que acontece quando não há luz presente”
Finalmente, o jovem perguntou ao professor:
“Senhor, o mal existe?”
O professor respondeu:
“Claro que sim, lógico que existe, como disse desde o começo, vemos estupros, crimes e violência no mundo todo, essas coisas são do mal.”
E o estudante respondeu:
“O mal não existe, senhor, pelo menos não existe por si mesmo. O mal é simplesmente a ausência do bem, é o mesmo dos casos anteriores, o mal é uma definição que o homem criou para descrever a ausência de Deus.
Deus não criou o mal.
Não é como a fé ou como o amor, que existem como existem o calor e a luz.
O mal é o resultado da humanidade não ter Deus presente em seus corações.
É como acontece com o frio quando não há calor, ou a escuridão quando não há luz.”
Por volta dos anos 1900, este jovem foi aplaudido de pé, e o professor apenas balançou a cabeça permanecendo calado…
Imediatamente o diretor dirigiu-se àquele jovem e perguntou qual era seu nome?
E ele respondeu: “ALBERT EINSTEIN.”


“ALGUNS CASOS QUE PODEM PROVAR QUE A REENCARNAÇÃO EXISTE.”

Independentemente das várias religiões que pregam a existência da reencarnação, investigadores paranormais rotineiramente analisam incidentes de almas velhas que possivelmente reaparecem em novos corpos. As histórias a seguir não passaram por qualquer controle científico, e os contos relacionados não foram todos verificados, mas elas contêm evidências supostamente inexplicáveis que podem fazer até mesmo a mente mais cética parar para pensar.
10. Marcas de nascimento transferidas
Em partes da Ásia, a tradição dita que, quando uma pessoa morre, os parentes marcam o seu corpo, muitas vezes usando fuligem, com a esperança de que a alma do falecido reencarne dentro da mesma família. O sinal é usado para se tornar tanto uma marca de nascença quanto uma evidência de que a alma renasceu.
Em 2012, o professor e psiquiatra da Escola de Medicina da Universidade da Virgínia Jim Tucker, juntamente com Jurgen Keil, professor emérito e psicólogo da Universidade da Tasmânia, na Austrália, apresentaram um documento para o The Journal of Scientific Exploration (um jornal revisto por pares destinado ao estudo de áreas misteriosas da ciência, desde a medicina alternativa até extraterrestres). O estudo detalhava famílias com crianças que nasceram com marcas correspondentes a seus parentes mortos.
Em um caso, K. H., um menino de Myanmar, tinha uma marca de nascença no braço esquerdo no mesmo lugar onde o corpo de seu avô tinha sido marcado. O homem tinha morrido 11 meses antes do nascimento de K. H. Muitas pessoas, incluindo membros da família, alegam ter visto a marca sendo feita por um vizinho com carvão vegetal.
Com pouco mais de dois anos de idade, K. H. teria chamado sua avó e sua mãe por nomes apenas usados pelo falecido avô. Outra “prova” seria um sonho que a mãe do menino teve quando estava grávida. Ela sonhou com o pai dizendo: “Eu quero viver com você”. A marca de nascença e os nomes da criança para os seus entes queridos fazem sua família achar que o sonho se tornou realidade.
9. A criança que nasceu com ferimentos de bala
Ian Stevenson era um professor de psiquiatria da Universidade de Virgínia (EUA) cuja pesquisa era focada em reencarnação. Em 1993, ele publicou um artigo no Journal of Scientific Exploration detalhando marcas de nascença e defeitos de nascimento aparentemente ligados a memórias de vidas passadas. De acordo com os resultados, supõe-se que a maioria dos defeitos de nascença têm “causas desconhecidas”.
Em um caso, uma criança na Turquia lembrava a vida de um homem que foi morto por uma espingarda. Os registros hospitalares falavam de um homem que morreu após seis dias no hospital através de ferimentos causados por uma explosão no lado direito de seu crânio. O garoto em questão nasceu com microtia unilateral – má formação da orelha – e microsomia hemifacial, que é o subdesenvolvimento do lado direito de seu rosto. A microtia ocorre em cerca de 1 em cada 6.000 bebês, enquanto a microsomia é estimada em 1 a cada 3.500 bebês.
8. A paciente que matou e se casou com o próprio filho
Brian Weiss, o presidente do departamento de psiquiatria do Mt. Sinai Medical Center, em Miami (EUA), afirma ter visto um paciente ter um episódio de regressão espontânea a vidas passadas durante um tratamento. Mesmo que tenha sido um psiquiatra de formação clássica com uma prática regular por muitos anos, ele agora é um líder em terapia de regressão a vidas passadas.
Em seu livro “Messages from the Masters: Tapping into the Power of Love” (Mensagens dos Mestres: explorando o Poder do Amor, em tradução livre), o Dr. Weiss conta a história de uma paciente chamada Diane, que trabalhava como enfermeira-chefe em um centro de atendimento de urgência. Durante uma sessão de regressão a vidas passadas, Diane supostamente voltou à vida de uma jovem mulher na América do Norte durante os primeiros anos de conflito com os nativos americanos. Ela especificamente falou sobre se esconder de um grupo de caça com seu filho em um compartimento secreto, enquanto o marido estava fora.
Ela descreveu uma marca de nascença em forma de meia lua ou espada curvada sob o ombro direito do bebê. Enquanto se escondia, o filho gritou. Temendo por suas vidas, e em um esforço para acalmá-lo, a mulher acidentalmente sufocou a criança ao cobrir sua boca.
Meses depois da experiência de regressão, Diane sentiu-se atraída por um paciente que tinha sido admitido por causa de ataques de asma. O paciente também sentiu uma conexão ou familiaridade com Diane. Diane ficou chocada quando notou uma marca de nascença em forma de meia-lua no mesmo local do bebê da regressão no paciente. Dr. Weiss afirma ter visto casos de asma em pessoas cuja morte em vidas anteriores envolvia asfixia.
Diane se casou com o paciente.
7. Caligrafia reencarnada
Aos seis anos, Taranjit Singh morava na aldeia Alluna Miana na Índia. O rapaz afirmava desde os dois anos que seu nome verdadeiro era Satnam Singh e que ele nasceu na aldeia Chakkchela em Jalandhar, a cerca de 60 km de distância.
Taranjit alegava ser um estudante da Classe 9 (com cerca de 15 ou 16 anos de idade) e que o nome de seu pai era Jeet Singh. Um homem em uma scooter havia colidido com Satnam, que estava em uma bicicleta, e matou-o, em 10 de setembro de 1992. Taranjit dizia que os livros que ele estava carregando no dia do acidente foram embebidos em seu sangue, e que tinha 30 rúpias na carteira. A criança era tão insistente, e a história era tão detalhada, que seu pai, Ranjit, decidiu investigar.
Um professor em Jalandhar disse a Ranjit que um menino chamado Satnam Singh realmente tinha morrido em um acidente, e que o pai deste menino se chamava Jeet Singh. Ranjit conversou com a família de Satnam, que confirmou os livros encharcados de sangue e os detalhes sobre o dinheiro. Quando Taranjit e membros da família de Satnam se encontraram cara a cara, Taranjit foi capaz de identificar corretamente Satnam nas fotos.

O cientista forense Vikram Raj Chauhan leu sobre Taranjit no jornal e decidiu investigar a história. Ele pegou amostras de caligrafia de Satnam tiradas de um caderno velho e comparou com as de Taranjit. Mesmo que o jovem “não estivesse acostumado a escrever”, a letra era bem parecida. O Dr. Chauhan compartilhou suas descobertas com os colegas, que também encontraram similaridades nas amostras.
6. A americana que nasceu sabendo sueco
O professor Ian Stevenson investigou inúmeros casos do fenômeno de xenoglossia, que é definido como “falar uma linguagem real totalmente desconhecida para o falante em seu estado normal”. A definição foi cunhada originalmente por Charles Richet entre 1905 e 1907. Richet foi um médico ganhador do Prêmio Nobel, cujos interesses e investigações abrangeram muitas áreas, incluindo a parapsicologia.
Stevenson investigou uma mulher americana de 37 anos a quem chamou de T. E. Ela nasceu e foi criada na Filadélfia, filha de pais imigrantes que falavam inglês, polonês, iídiche e russo em casa enquanto ela estava crescendo. Ela estudou francês na escola. Sua única exposição à língua sueca foram algumas frases faladas em um programa de televisão sobre a vida dos suecos americanos. No entanto, durante oito sessões de regressão com hipnose diferentes, T. E. tornou-se Jensen Jacoby, um camponês sueco.
Como Jensen, T. E. respondeu perguntas feitas em sueco, com respostas em sueco, usando cerca de 60 palavras não ditas primeiro pelo entrevistador. T. E. como Jensen também foi capaz de responder a perguntas em inglês com respostas em inglês.
Stevenson deu a T. E. dois testes de polígrafo, um teste de associação de palavras, e uma prova de aptidão para línguas, as quais ela respondeu como sueca. Ele também perguntou a seu marido, familiares e conhecidos sobre sua aptidão ou exposição a línguas escandinavas. Todos concordaram que ela não tinha nenhuma. Nenhuma língua escandinava foi ensinada nas escolas que T. E. esteve.
Dito isto, T. E. como Jensen não era fluente. A transcrição da sessão mostra que ela tinha um vocabulário de cerca de apenas 100 palavras e raramente falava com frases completas. Na verdade, não houve frases complexas, apesar de Jensen ser supostamente um homem adulto. O sotaque foi elogiado, no entanto, por consultores de Stevenson. Em uma adição ainda mais estranha para a história, vários especialistas apontaram que a linguagem foi misturada com o norueguês.
5. Memórias dos mosteiros
Em seu livro “Your Past Lives And The Healing Processs” (“Suas vidas passadas e o processo de cura”, em tradução livre), o psiquiatra Adrian Finkelstein descreve um rapaz chamado Robin Hull, que muitas vezes falava em uma linguagem que sua mãe não conseguia entender. Ele entrou em contato com um professor de línguas asiáticas, que identificou a linguagem como um dialeto falado especificamente na região norte do Tibete.
Robin afirma que ele foi para a escola há muitos anos em um mosteiro, e foi aí que ele aprendeu a falar esse idioma. No entanto, a verdade é que Robin não tinha ainda a idade escolar e nunca tinha colocado os pés em uma sala de aula.
O professor investigou com base nas descrições de Robin e acabou encontrando um mosteiro nas montanhas de Kunlun que batiam com as informações que o menino era capaz de transmitir. A história de Robin inspirou o professor de fato a viajar para o Tibete, onde ele localizou o mosteiro.
4. O soldado japonês queimado
Outra investigação de Stevenson gira em torno de uma menina birmanesa chamada Ma Win Tar. Ma Win Tar nasceu em 1962. Com cerca de três anos de idade, ela começou a fazer referência a uma vida como um soldado japonês. O soldado tinha sido capturado por aldeões birmaneses e queimado vivo enquanto estava amarrado a uma árvore.
A vida específica não foi identificada, mas, como ressalta Stevenson, as circunstâncias eram plausíveis. Em 1945, os aldeões birmaneses capturavam todos os retardatários do exército japonês que recuavam, e às vezes os queimavam vivos.
Ma Win Tar mostrou traços que eram incongruentes com a sua vida como uma garota birmanesa. Ela gostava de seu cabelo cortado curto e gostava de se vestir com roupas de menino (algo que sua família proibiu). Ela não comia os alimentos picantes típicos da cozinha birmanesa, mostrando uma preferência por alimentos doces e por carne de porco. Ela também mostrava um “traço de crueldade”, incluindo o hábito de golpear os rostos de seus companheiros. Stevenson afirma que os soldados japoneses “muitas vezes” davam tapas em aldeões birmaneses e que a prática não é culturalmente natural na área. Ma Win Tar resistiu ao budismo de sua família e até mesmo chegou ao ponto de considerar-se “uma estrangeira”. Ela declarou os membros visitantes da Comissão de Guerra japoneses que estavam na sua cidade como “cidadãos”.
O mais estranho de tudo é que Ma Win Tar tinha nascido com defeitos congênitos graves em ambas as mãos. Seus dedos médio e anular da mão direita estavam “frouxamente ligados” com o resto de sua mão. Eles foram amputados quando ela tinha apenas alguns dias de vida. Vários outros dedos estavam faltando ou tinham anéis de “constrição”. Um anel em seu pulso esquerdo tinha três depressões separadas. Houve também, de acordo com sua mãe, uma marca semelhante em seu pulso direito que havia desaparecido. As marcas eram estranhamente similares a queimaduras causadas por uma corda – algo que um soldado japonês que havia sido queimado vivo enquanto estava amarrado a uma árvore poderia ter adquirido durante seu calvário.
3. As cicatrizes do irmão
Em 1979, Kevin Christenson morreu com dois anos de idade. Uma perna quebrada aos 18 meses havia revelado um câncer metastático. A quimioterapia foi administrada através do lado direito do seu pescoço para combater os danos provocados pela doença, incluindo um tumor que fez seu olho esquerdo se projetar e um nódulo acima da orelha direita.
Doze anos mais tarde, a mãe de Kevin, que havia se divorciado de seu pai e se casado novamente, teve outro filho chamado Patrick. Desde o início, havia semelhanças entre os meio-irmãos. Patrick nasceu com uma marca de nascença que parecia um pequeno corte no lado direito do pescoço. Ainda mais estranho, havia um nódulo no couro cabeludo de Patrick no mesmo lugar que Kevin tinha. Como Kevin, Patrick teve um problema com seu olho esquerdo, que acabou sendo diagnosticado como um leucoma corneano (felizmente, não um tumor).
Quando Patrick começou a andar, ele mancava, mesmo que não houvesse nenhuma razão médica para isso. Ele alegou ter a memória de uma cirurgia. Quando sua mãe lhe perguntou onde em seu corpo, Patrick apontou para a área acima da orelha direita, o mesmo lugar que seu meio-irmão tinha um nódulo.
Com cerca de quatro anos de idade, Patrick começou a perguntar sobre sua “velha casa”, mesmo que ele nunca tivesse vivido em qualquer outra casa. Ele a descreveu como sendo laranja e marrom. Se você já deduziu que Kevin tinha vivido em uma casa laranja e marrom, ganhou uma estrelinha. Os pesquisadores que investigaram a situação realmente levaram Patrick para a casa antiga, mas o menino não identificou qualquer coisa que os convenceu de que estava realmente familiarizado com a casa.
Embora Patrick fosse capaz de lembrar em detalhes a vida de sua mãe com seu marido anterior e o filho falecido, as conexões biológicas são difíceis de explicar.
2. Memórias felinas
Quando John McConnell foi morto por seis tiros em 1992, ele deixou para trás uma filha chamada Doreen. Doreen deu à luz um filho, William, em 1997. William foi diagnosticado com atresia pulmonar valvar, uma condição congênita em que uma válvula defeituosa direciona o sangue do coração para os pulmões. O ventrículo direito do coração dele também era deformado. A condição de William melhorou após inúmeras cirurgias e tratamentos.
Quando John foi baleado, uma das balas entrou em suas costas, atingindo seu pulmão esquerdo e a artéria pulmonar principal em seu coração. A lesão de John e condição de William afetavam o coração e os pulmões de uma maneira muito similar.
Um dia, ao tentar evitar uma bronca, William disse a Doreen, “Quando você era uma menina, e eu era o seu pai, você era ruim um monte de vezes, e eu nunca bati em você!”. Declarações semelhantes excessivamente familiares se seguiram. William perguntou a Doreen sobre um gato que ela tinha tido quando menina e mencionou que ele o chamava de “Boss”. Surpreendentemente, apenas John chamava o gato assim – seu nome era Boston. William também foi capaz de diferenciar entre Boss e outro gato da família chamado Maniac.
William foi capaz de indicar o dia em que nasceu (uma terça-feira) e o dia em que John morreu (quinta-feira) antes mesmo de saber os dias da semana. Ele disse que tinha sido dito em uma terça-feira por “Deus” que ele estava pronto para “voltar”.
1. O estado “intermediário”
O Dr. Brian Weiss se envolveu com regressão a vidas passadas através de uma paciente chamada Catherine. Durante uma sessão de regressão, Catherine chocou o Dr. Weiss quando mencionou que estava em um estado “intermediário” e que tanto o pai do Dr. Weiss quanto seu filho estavam presentes. Catherine passou a dizer:
“Seu pai está aqui, e seu filho, que é uma criança pequena. Seu pai diz que você vai conhecê-lo porque seu nome é Avrom, e sua filha é nomeada em homenagem a ele. Além disso, sua morte foi devido ao seu coração. O coração de seu filho também foi importante, pois foi para trás, assim como o de uma galinha. Ele queria mostrar-lhe que a medicina só poderia ir até aí, que o seu alcance é muito limitado”.
Dr. Weiss ficou chocado, pois sua paciente sabia muito pouco sobre sua vida pessoal. Fotos de seu filho vivo, Jordan, bem como de uma filha estavam em sua mesa, mas Catherine parecia estar falando de Adam, o primogênito do médico que tinha morrido com apenas 23 dias de idade. Adam tinha sido diagnosticado com drenagem venosa pulmonar totalmente anômala: as veias pulmonares tinham crescido no lado errado do coração, efetivamente para trás. Além disso, o pai do Dr. Weiss era chamado de “Alvin”, mas seu nome hebraico era Avrom, assim como Catherine tinha sugerido. A filha do Dr. Weiss, Amy, foi efetivamente nomeada em homenagem a seu avô. A revelação convenceu Dr. Weiss da veracidade das alegações de regressão de Catherine e mudou o curso de sua carreira.