Vinhas de Luz

Vinhas de Luz

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

“O QUE SÃO TRABALHOS ESPIRITUAIS? PODEMOS PAGAR POR ELES? ”

Você sabe que existem trabalhos espirituais pagos. São trabalhos para os mais diversos fins, quase sempre de fundo egoístico, em que a pessoa que paga o trabalho espera um resultado imediato – sem pensar nas consequências.
São essas pessoas que fazem simpatias, que procuram consultas para tratar dos seus problemas pessoais, que buscam na religião um meio de resolver os seus caprichos, um meio de conquistar as coisas que querem, um atalho para saciar os seus desejos mundanos.
Tem muitas casas, geralmente dirigidas por um médium, que não têm nada a ver com a Doutrina Espírita. O mediunismo existe desde que o homem é homem; a Doutrina Espírita surgiu com Allan Kardec no século XIX.
Nessas casas geralmente há consultas. Consultas pagas. Joga-se búzios, joga-se cartas, essas casas que prometem trazer a pessoa amada em três dias, esse tipo de coisa.
Quem dirige essas casas geralmente é um médium com razoáveis condições de trabalho. É alguém que reencarnou com a tarefa de trabalhar em benefício do próximo e acabou se desviando. Muitos espíritos acumulam experiência com o mediunismo e com as próprias capacidades psíquicas. Infelizmente, ao longo de várias existências utilizam esse conhecimento de maneira egoísta – ou, pior ainda, voltados diretamente para o mal.
Em determinado momento da sua trajetória eles se arrependem do mal que vêm cometendo e se comprometem a trabalhar em benefício do próximo. São auxiliados por espíritos mais elevados a reencarnar em condições adequadas ao exercício da mediunidade. Mas, por uma série de motivos, sempre de natureza egoística, acabam se desviando do Bem novamente e trabalham por conta própria associados a espíritos desencarnados de baixa evolução: espíritos vampirizadores, técnicos das trevas detentores de grande conhecimento e às vezes com seres de grande poder absolutamente voltados para o mal.
Quem se envolve com esse tipo de espíritos está se metendo numa grande enrascada. Nós temos que ter bem claro que espíritos são espíritos, não há diferença, em termos morais, entre encarnados e desencarnados. 
Vamos pegar um exemplo dos mais comuns: basta ver nos jornais de grande circulação. Está cheio de anúncios como este; “trago a pessoa amada em três dias”.  Desfaço qualquer trabalho. A pessoa amada foi embora. Não quer mais nada com você. Você não se conforma e vai atrás de um desses anúncios. Lá eles dizem pra você que a pessoa foi amarrada, que fizeram um trabalho pra separar vocês. Pra desmanchar esse trabalho tem que fazer outro trabalho mais forte.
Pode ser verdade que foi feito um trabalho pra separar vocês. Mas isso não se resolve fazendo um outro trabalho do mesmo tipo. Isso é devolver o mal com o mal, é uma prática frontalmente contrária ao ensino de Jesus, que é o que deve nos nortear. O ensino de Jesus tem que ser o nosso guia, sempre.
A solução pra esse tipo de situação eu não posso tratar aqui. Isso é muito complexo, depende de uma série de fatores.
Mas pode ser que não haja trabalho nenhum para separar vocês. A pessoa amada foi embora porque não quer mais ficar com você, simples assim. Você talvez deva rever a sua maneira de ser e verificar porque não deu certo; não é o caso pra forçar a barra e querer trazer a pessoa amada de volta a qualquer custo.
Aí vem o trabalho. Pra começar, nós não temos garantia de que o trabalho vai ser feito. O que é certo é que nós estamos nos envolvendo com espíritos que, se estivessem encarnados e nós pudéssemos vê-los e conversar com eles, dificilmente nós iríamos solicitar os seus serviços.
Mas digamos que eles resolvam executar o trabalho. No que consiste esse trabalho?
Esses espíritos podem atrapalhar diretamente o novo relacionamento da tal pessoa amada, podem projetar imagens que provoquem desejo por você, podem “assoprar” determinadas frases incessantemente na mente da pessoa amada, podem fazer com que a pessoa amada sinta-se terrivelmente mal longe de você – então você provoca um encontro e o mal-estar passa como que por encanto…
Isso é o básico, isso qualquer espírito é capaz de fazer. Pior que isso é o uso da tecnologia por parte de técnicos das trevas, o que acaba afetando outras áreas da vida da pessoa; ou, pior ainda, o uso de magia – que quase nunca é detectada nos centros espíritas. 
Imagine que você, em vez de pagar um trabalho espiritual, resolva pagar alguém pra prejudicar outra pessoa: sequestrar, roubar, incendiar a casa, matar – quem você iria contratar? Que tipo de gente se presta a esse tipo de trabalho? Só bandido! Se você se envolve com um bandido você sabe que está sujeito a chantagens, a delação, a vingança…
É claro que às vezes nós passamos por momentos muito difíceis. Algumas pessoas se desesperam e recorrem a esses trabalhos espirituais pagos. Trabalhos para o amor, para a saúde, para os negócios.
É compreensível. Mas não é uma boa solução. É o mesmo que você estar muito apertado financeiramente e recorrer a um agiota. Você até pode resolver o seu problema imediato, mas arranja um problema muito maior do qual vai ser bem mais difícil de se livrar.
Esses trabalhos são uma tentativa de fugir da própria responsabilidade –  é o velho atalho, que quando vamos ver não é atalho coisa nenhuma; é um beco sem saída: nós vamos ter que fazer o caminho de volta e retomar a nossa caminhada de onde havíamos parado.
O único modo de avançar na vida (eu não me refiro exclusivamente a essa existência, eu me refiro à vida do espírito) é através do uso das nossas próprias energias.

Fonte: Espírito Imortal

"DIVALDO FRANCO NARRA UMA CIRURGIA ESPIRITAL."