Vinhas de Luz

Vinhas de Luz

quinta-feira, 2 de junho de 2011

"OS INSTRUMENTOS DA PERFEIÇÃO"

As pessoas com as quais nascemos e vivemos na terra são os primeiros e mais importantes instrumentos que recebemos do Pai para edificação do Reino do Céu em nos mesmos. Quando falhamos no aproveitamento deles, que constituem elementos de nossa melhoria, é quase impossível triunfar com recursos alheios, porque o Pai nos concede os problemas da vida de acordo com a nossa capacidade de lhes dar solução.
A ave é obrigada a fazer o ninho, mas não lhe reclama outro serviço. A ovelha dará lã ao pastor; no entanto, ninguém lhe exige o trabalho pronto.
Ao homem foram concedidas outras tarefas, quais sejam as do amor e da humildade, na ação inteligente e constante para o bem comum, a fim de que a paz e a felicidade não sejam mitos na terra.
Os parentes próximos, na maioria das vezes, são o martelo ou o serrote que podemos utilizar no beneficio da construção do templo vivo e sublime, por intermédio do qual o Céu se manifestará em nossa alma. Enquanto o marceneiro usa as suas ferramentas, por fora, cabe-nos aproveitar as nossas por dentro. Em todas as ocasiões, o ignorantes representam para nós um campo de benemerência espiritual; o mau é desafio que nos põe a bondade a prova; o ingrato é um meio de exercitarmos o perdão; o doente é uma lição à nossa capacidade de socorrer. Aquele que bem se conduz, em nome do Pai, junto de familiares endurecidos ou indiferentes, prepara-se com rapidez para a glória do serviço à humanidade, porque, se a paciência aprimora a vida, o tempo tudo transforma.
Se não ajudamos ao necessitado de perto, como auxiliaremos aos aflitos de longe?
Se não amamos o irmão que respira conosco os mesmos ares, como nos consagramos ao Pai que se encontra no Céu.
Chico Xavier. Pelo Espírito:”Neio Lúcio”.




"OS INSTRUMENTOS DA PERFEIÇÃO"

As pessoas com as quais nascemos e vivemos na terra são os primeiros e mais importantes instrumentos que recebemos do Pai para edificação do Reino do Céu em nos mesmos. Quando falhamos no aproveitamento deles, que constituem elementos de nossa melhoria, é quase impossível triunfar com recursos alheios, porque o Pai nos concede os problemas da vida de acordo com a nossa capacidade de lhes dar solução.
A ave é obrigada a fazer o ninho, mas não lhe reclama outro serviço. A ovelha dará lã ao pastor; no entanto, ninguém lhe exige o trabalho pronto.
Ao homem foram concedidas outras tarefas, quais sejam as do amor e da humildade, na ação inteligente e constante para o bem comum, a fim de que a paz e a felicidade não sejam mitos na terra.
Os parentes próximos, na maioria das vezes, são o martelo ou o serrote que podemos utilizar no beneficio da construção do templo vivo e sublime, por intermédio do qual o Céu se manifestará em nossa alma. Enquanto o marceneiro usa as suas ferramentas, por fora, cabe-nos aproveitar as nossas por dentro. Em todas as ocasiões, o ignorantes representam para nós um campo de benemerência espiritual; o mau é desafio que nos põe a bondade a prova; o ingrato é um meio de exercitarmos o perdão; o doente é uma lição à nossa capacidade de socorrer. Aquele que bem se conduz, em nome do Pai, junto de familiares endurecidos ou indiferentes, prepara-se com rapidez para a glória do serviço à humanidade, porque, se a paciência aprimora a vida, o tempo tudo transforma.
Se não ajudamos ao necessitado de perto, como auxiliaremos aos aflitos de longe?
Se não amamos o irmão que respira conosco os mesmos ares, como nos consagramos ao Pai que se encontra no Céu.
Chico Xavier. Pelo Espírito:”Neio Lúcio”.