Vinhas de Luz

Vinhas de Luz

segunda-feira, 17 de abril de 2017

“SEMPRE É HORA DE RELEMBRAR O COMPROMISSO ASSUMIDO ANTES DE REENCARNARMOS

A terapia de regressão a vivências passadas tem mostrado que quando nos preparamos para reencarnar, a complexidade desse momento é um pouco maior do que podemos supor com uma analise superficial.
Mentores amorosos, envolvidos conosco a um longo tempo, e preocupados com o nosso despertar e evoluir rumo ao Pai maior, fazem programações extensas que envolvem a genética, a escolha dos pais, as condições da gestação, predisposição a determinadas doenças, enfim, todo uma série de situações que irão interferir na nossa romagem física.
A grande questão levantada por Emmanuel, no livro Vinha de Luz, psicografado por Chico Xavier é que a nossa ótica de enxergar a vida está completamente invertida.
Somos cristãos de templos. Enquanto estamos no nosso templo religioso, seja o centro ou a Igreja, ali, naquele momento somos cristãos, mas com raríssimas exceções levamos essa postura para o nosso trabalho, para quando o assunto é dinheiro.
Emmanuel cita que o comerciante está em negócios de suprimento e fraternidade, mas em qual empresa, em qual revista especializada em negócios vamos encontrar isso? Claro, a mentalidade está mudando, as pessoas estão cada vez mais sendo o centro das atenções, mas no mundo atual o que é mais valorizado ainda é o sucesso financeiro, a produtividade, encher os bolsos da empresa continua sendo a meta principal.
Nada contra dinheiro, mas qual é o nosso foco? Como nos colocamos em nossos trabalhos?
Os que lidam com a área da saúde são ainda felizardos nessa seara, pois são a cada novo atendimento procurados por pessoas necessitadas de ajuda, ou seja a cada 30 minutos tem uma nova chance de ajuda, mas será que nos nossos consultórios adotamos essa postura espiritualista, ou ainda temos medo de "perder" pacientes que possam discordar da nossa visão?
Vivemos em meio a grande obra do Pai e somos usufrutuários de tudo o que pensamos ser nosso. É como se pegássemos emprestado tudo dos nossos filhos, e eles de nossos netos, numa cadeia que não tem fim. Essa visão, se colocada na prática nos pouparia e muito as coronárias, pois sem dúvida nenhuma o stress, oriundo da preocupação com grana e posses é um fator importante na gênese das doenças cardiovasculares.
A programação individual e intransferível que foi cuidadosamente planejada para cada um de nós, na maioria das vezes não é respeitada. Por mais que alguns sofram da Síndrome de super-homem ou mulher maravilha e achem que tem de salvar o mundo três vez ao dia, a verdade é que a nossa missão terrena diz respeito a coisas pontuais, a pequenos problemas de relacionamento, de caráter, de convivência harmoniosa com nossas famílias.
Porém, nos desviamos desse caminho, voltando a sustentar antigos padrões de comportamentos que tínhamos no passado, gerando a doença e a dor, que vem ao nosso alcance tentando nos mostrar o caminho de volta, o trieiro que nos leva a estrada principal. Mas nos revoltamos contra a dor, criando um ciclo vicioso que nos prende em bolsões de energia pesada, criando ressonância com o passado, com nossos erros e dúvidas, mágoas e decepções, nos fazendo assumir características dos personagens de vidas transatas, reagindo de forma inadequada a qualquer mínimo problema com as pessoas que convivemos, pois enxergamos neles os inimigos do passado e não os companheiros de hoje.
Tudo isso vai acumulando e trazendo para a ponta física, toda essa problemática mal resolvida de ontem, e se torna sem dúvida nenhuma uma das fontes geradoras das depressões, pânico, transtornos de ansiedade, que por mais pesquisados pelos cientistas modernos, não tem as causas identificadas, pois essas se encontram lá atrás.
Sempre é hora de relembrar o compromisso assumido antes de nascermos! Qual são nossas maiores dificuldades? Porque nos enrolamos em determinadas situações, que às vezes nos acompanham a vida inteira? É hora de mudar. Nossa saúde física, mental e espiritual depende dessa auto superação, que começa com a aceitação de quem somos de verdade, passa pelo perdão e continua na tentativa diária de mudança verdadeira e profunda.
Fonte: Medicina e Espiritualidade

Sérgio Vencio

“UM HOMEM MAU NO CÉU”

Um anjo estava recebendo as almas que acabavam de morrer. Uma fila foi formada e aos poucos foram separando aqueles que iriam para os planos elevados e aqueles que iriam as zonas inferiores.
Um homem, que estava na fila reservada aqueles que deveriam descer as zonas inferiores ficou revoltado e gritou: INJUSTIÇA!
Todos ouviram o grito e prestaram atenção ao homem. O anjo também olhou para ele. O homem prosseguiu:
– Isso nada mais é do que uma grande injustiça! Por que apenas os “escolhidos” podem ir a zonas celestes, e nós, os marginalizados, vamos para zonas inferiores? Somente por causa dos nossos erros na Terra Deus deixou de nos amar? Desafio os anjos de Deus a darem um tratamento igual a todos os seus filhos, aqueles que fizeram o bem e também aqueles que fizeram o mal! Onde está o perdão divino?
O anjo foi na direção do homem e disse:
– Meu filho, já que você está questionando isso, permitirei então que você vá aos planos celestes, você quer?
– Sim, respondeu o homem.
O anjo então deu a mão ao homem e o conduziu a um plano elevado do cosmos infinito, para onde vão as almas bondosas, caridosas, compassivas e humildes.
Assim que chegou lá, o anjo desapareceu. O homem pensou: “Puxa, consegui vir a um local melhor, sem que eu precise ficar sofrendo, que bom!”
Começou a caminhar pelo local. Sentiu uma energia muito calma, tranquila, pacífica. Ele estava acostumado com agitações, barulho, confusões, etc, e por isso começou a sentir um pouco de saudade dos bares, das boates e casas noturnas onde frequentava.
Continuou caminhando, e viu um homem tocando uma melodia belíssima, bem calma. Começou a ouvir um pouco da música, mas rapidamente achou aquela melodia muito chata e monótona. Saiu de lá e continuou caminhando.
Logo depois, viu um senhor ensinando filosofia a um grupo de almas. Parou para ouvir os ensinamentos: o mestre falava de amor, caridade, meditação, paz, e outros princípios sagrados da vida. O homem ficou muito entediado com aquela conversa, não concordava com quase nada do que era dito, sentiu uma certa ansiedade e saiu de lá rapidamente.
Continuou caminhando, mas dessa vez estava sentindo-se mal com toda aquela atmosfera benéfica. Viu a sua volta que se irradiavam pelo espaço correntes de luz branca, e todas as almas que passavam por lá eram transpassadas por aquela vibração divina. Assim que teve contato com essas correntes de pura bondade e harmonia, sentiu-se ainda pior do que antes. Não estava acostumado com energias boas, elevadas, pacíficas. Começou a sentir-se muito angustiado com tudo aquilo. Chegou num ponto em que não estava mais aguentando aquelas vibrações luminosas, aquela paz e bondade. Chegou ao seu limite e resolveu então clamar pelo anjo dizendo: “Ser agélico, por favor, estou me sentindo péssimo aqui. Suplico-te, leve-me para outro lugar!”
O anjo apareceu e o conduziu a uma zona inferior. Mostrou ao homem que lá havia sexualidade desregrada, prazeres, barulho, energias densas, pessoas tomando as coisas das outras, confusão, agitação, etc.
O homem olhou para o anjo e disse:
– Obrigado!
O anjo disse:
– O local onde vivemos e nos sentimos atraídos, tanto na vida física quanto na vida espiritual, tem total relação com nossos desejos, afinidades e nosso modo de ser. As almas vão para onde seus desejos, crenças e afinidades as guiem. Cada qual está no lugar que tem que estar, de acordo com a lei das afinidades e vibrações. Não há qualquer discriminação nem injustiça na perfeição do plano divino.

Autor: Hugo Lapa