Seguidores

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

"CAMINHOS DA LUZ"

Enquanto as penosas transições do século XX se anunciam ao tinido
sinistro das armas, as forças espirituais se reúnem para as grandes
reconstruções do porvir.
Aproxima-se o momento em que se efetuará a aferição de todos os valores terrestres para o ressurgimento das energias criadoras de um mundo novo, e natural é que recordemos o ascendente místico de todas as civilizações que surgiram e desapareceram, evocando os grandes períodos evolutivos da Humanidade, com as suas misérias e com os seus esplendores, para afirmar as realidades espirituais acima de todos os
fenômenos transitórios da matéria.
Esse esforço de síntese será o da fé reclamando a sua posição em
face da ciência dos homens, e ante as religiões da separatividade, como a bússola da verdadeira sabedoria.
Diante dos nossos olhos de espírito passam os fantasmas das
civilizações mortas, como se permanecêssemos diante de um "écran"
maravilhoso. As almas mudam a indumentária carnal, no curso incessante dos séculos; constróem o edifício milenário da evolução humana com as suas lágrimas e sofrimentos, e até nossos ouvidos chegam os ecos dolorosos de suas aflições.
Passam as primeiras organizações do homem e passam as suas grandes cidades, transformadas em ossuários silenciosos.
O tempo, como patrimônio divino do espírito, renova as
inquietações e angústias de cada século, no sentido de aclarar o caminho
das experiências humanas. Passam as raças e as gerações, as línguas e
os povos, os países e as fronteiras, as ciências e as religiões. Um sopro
divino faz movimentar todas as coisas nesse torvelinho maravilhoso.
Estabelece-se, então, a ordem equilibrando todos os fenômenos e
movimentos do edifício planetário, vitalizando os laços eternos que
reúnem a sua grande família.
Vê-se, então, o fio inquebrantável que sustenta os séculos das
experiências terrestres, reunindo-as, harmoniosamente, umas às outras, a
fim de que constituam o tesouro imortal da alma humana em sua gloriosa
ascensão para o Infinito.
As raças são substituídas pelas almas e as gerações constituem
fases do seu aprendizado e aproveitamento; as línguas são formas de
expressão, caminhando para a expressão única da fraternidade e do amor, e os povos são os membros dispersos de uma grande família
balhando para o estabelecimento definitivo de sua comunidade universal.
Seus filhos mais eminentes, no plano dos valores espirituais, são
agraciados pela Justiça Suprema, que legisla no Alto para todos os
mundos do Universo, e podem visitar as outras pátrias siderais,
regressando ao orbe, no esforço abençoado de missões regeneradoras
dentro das igrejas e das academias terrenas.
Na tela mágica dos nossos estudos, destacam-se esses
missionários que o mundo muitas vezes crucificou na incompreensão das
almas vulgares, mas, em tudo e sobre todos, irradia-se a luz desse fio de
espiritualidade que diviniza a matéria, encadeando o trabalho das
civilizações, e, mais acima, ofuscando o "écran" das nossas observações
e dos nossos estudos, vemos a fonte de extraordinária luz, de onde parte o
primeiro ponto geométrico desse fio de vida e de harmonia, que equilibra e satura toda a Terra numa apoteose de movimento e divinas claridades.
Nossos pobres olhos não podem divisar particularidades nesse
deslumbramento, mas sabemos que o fio da luz e da vida está nas suas
mãos. É Ele quem sustenta todos os elementos ativos e passivos da
existência planetária. No seu coração augusto e misericordioso está o
Verbo do princípio. Um sopro de sua vontade pode renovar todas as
coisas, e um gesto seu pode transformar a fisionomia de todos os
horizontes terrestres.
Passaram as gerações de todos os tempos, com as suas
inquietações e angústias. As guerras ensangüentaram o roteiro dos povos nas suas peregrinações incessantes para o conhecimento superior.
Caíram os tronos dos reis e esfacelaram-se coroas milenárias. Os príncipes do mundo voltaram ao teatro de sua vaidade orgulhosa, no indumento humilde dos escravos, e, em vão, os ditadores conclamaram, e conclamam ainda, os povos da Terra para o morticínio e para a destruição.
O determinismo do amor e do bem é a lei de todo o Universo e a
alma humana emerge de todas as catástrofes em busca de uma vida
melhor.
Só Jesus não passou, na caminhada dolorosa das raças,
objetivando a dilaceração de todas as fronteiras para o amplexo universal.
Ele é a Luz do Principio e nas suas mãos misericordiosas repousam os
destinos do mundo. Seu coração magnânimo é a fonte da vida para toda a
Humanidade terrestre. Sua mensagem de amor, no Evangelho, é a eterna
palavra da ressurreição e da justiça, da fraternidade e da misericórdia.
Todas as coisas humanas passaram, todas as coisas humanas se
modificarão. Ele, porém, é a Luz de todas as vidas terrestres, inacessível
ao tempo e à destruição.
Enquanto falamos da missão do século XX, contemplando os
ditadores da atualidade, que se arvoram em verdugos das multidões,
cumpre-nos voltar os olhos súplices para a infinita misericórdia do Senhor, implorando-lhe paz e amor para todos os corações.



Mensagem tirada do livro:’Caminhos da Luz” Chico Xavier. Pelo Espírito:

“Emmanuel”

"CAMINHOS DA LUZ"

Enquanto as penosas transições do século XX se anunciam ao tinido
sinistro das armas, as forças espirituais se reúnem para as grandes
reconstruções do porvir.
Aproxima-se o momento em que se efetuará a aferição de todos os valores terrestres para o ressurgimento das energias criadoras de um mundo novo, e natural é que recordemos o ascendente místico de todas as civilizações que surgiram e desapareceram, evocando os grandes períodos evolutivos da Humanidade, com as suas misérias e com os seus esplendores, para afirmar as realidades espirituais acima de todos os
fenômenos transitórios da matéria.
Esse esforço de síntese será o da fé reclamando a sua posição em
face da ciência dos homens, e ante as religiões da separatividade, como a bússola da verdadeira sabedoria.
Diante dos nossos olhos de espírito passam os fantasmas das
civilizações mortas, como se permanecêssemos diante de um "écran"
maravilhoso. As almas mudam a indumentária carnal, no curso incessante dos séculos; constróem o edifício milenário da evolução humana com as suas lágrimas e sofrimentos, e até nossos ouvidos chegam os ecos dolorosos de suas aflições.
Passam as primeiras organizações do homem e passam as suas grandes cidades, transformadas em ossuários silenciosos.
O tempo, como patrimônio divino do espírito, renova as
inquietações e angústias de cada século, no sentido de aclarar o caminho
das experiências humanas. Passam as raças e as gerações, as línguas e
os povos, os países e as fronteiras, as ciências e as religiões. Um sopro
divino faz movimentar todas as coisas nesse torvelinho maravilhoso.
Estabelece-se, então, a ordem equilibrando todos os fenômenos e
movimentos do edifício planetário, vitalizando os laços eternos que
reúnem a sua grande família.
Vê-se, então, o fio inquebrantável que sustenta os séculos das
experiências terrestres, reunindo-as, harmoniosamente, umas às outras, a
fim de que constituam o tesouro imortal da alma humana em sua gloriosa
ascensão para o Infinito.
As raças são substituídas pelas almas e as gerações constituem
fases do seu aprendizado e aproveitamento; as línguas são formas de
expressão, caminhando para a expressão única da fraternidade e do amor, e os povos são os membros dispersos de uma grande família
balhando para o estabelecimento definitivo de sua comunidade universal.
Seus filhos mais eminentes, no plano dos valores espirituais, são
agraciados pela Justiça Suprema, que legisla no Alto para todos os
mundos do Universo, e podem visitar as outras pátrias siderais,
regressando ao orbe, no esforço abençoado de missões regeneradoras
dentro das igrejas e das academias terrenas.
Na tela mágica dos nossos estudos, destacam-se esses
missionários que o mundo muitas vezes crucificou na incompreensão das
almas vulgares, mas, em tudo e sobre todos, irradia-se a luz desse fio de
espiritualidade que diviniza a matéria, encadeando o trabalho das
civilizações, e, mais acima, ofuscando o "écran" das nossas observações
e dos nossos estudos, vemos a fonte de extraordinária luz, de onde parte o
primeiro ponto geométrico desse fio de vida e de harmonia, que equilibra e satura toda a Terra numa apoteose de movimento e divinas claridades.
Nossos pobres olhos não podem divisar particularidades nesse
deslumbramento, mas sabemos que o fio da luz e da vida está nas suas
mãos. É Ele quem sustenta todos os elementos ativos e passivos da
existência planetária. No seu coração augusto e misericordioso está o
Verbo do princípio. Um sopro de sua vontade pode renovar todas as
coisas, e um gesto seu pode transformar a fisionomia de todos os
horizontes terrestres.
Passaram as gerações de todos os tempos, com as suas
inquietações e angústias. As guerras ensangüentaram o roteiro dos povos nas suas peregrinações incessantes para o conhecimento superior.
Caíram os tronos dos reis e esfacelaram-se coroas milenárias. Os príncipes do mundo voltaram ao teatro de sua vaidade orgulhosa, no indumento humilde dos escravos, e, em vão, os ditadores conclamaram, e conclamam ainda, os povos da Terra para o morticínio e para a destruição.
O determinismo do amor e do bem é a lei de todo o Universo e a
alma humana emerge de todas as catástrofes em busca de uma vida
melhor.
Só Jesus não passou, na caminhada dolorosa das raças,
objetivando a dilaceração de todas as fronteiras para o amplexo universal.
Ele é a Luz do Principio e nas suas mãos misericordiosas repousam os
destinos do mundo. Seu coração magnânimo é a fonte da vida para toda a
Humanidade terrestre. Sua mensagem de amor, no Evangelho, é a eterna
palavra da ressurreição e da justiça, da fraternidade e da misericórdia.
Todas as coisas humanas passaram, todas as coisas humanas se
modificarão. Ele, porém, é a Luz de todas as vidas terrestres, inacessível
ao tempo e à destruição.
Enquanto falamos da missão do século XX, contemplando os
ditadores da atualidade, que se arvoram em verdugos das multidões,
cumpre-nos voltar os olhos súplices para a infinita misericórdia do Senhor, implorando-lhe paz e amor para todos os corações.



Mensagem tirada do livro:’Caminhos da Luz” Chico Xavier. Pelo Espírito:

“Emmanuel”

sábado, 16 de outubro de 2010

"NÃO PODEMOS MUDAR O MUNDO...MAS PODEMOS MUDAR O NOSSO MUNDO"

Muitas vezes me sinto revoltado ao ver tantas coisas erradas que acontecem. Quantas desigualdades existem entres os seres humanos. Enquanto uns se esbaldam no luxo, na fartura, outros em filas intermináveis de hospitais e asilos mendigam um médico para socorre-los ou um pedaço de pão para matar a fome.

E o pior, é que não vemos possibilidades de mudança; pois as pessoas que detém o poder, que poderiam fazer alguma coisa, não tem o menor interesse em fazer absolutamente nada. Nossos poderes constituídos estão falidos. Às pessoas formadoras de opinião que deveriam dar exemplos, são os primeiros a se lambuzarem no lamaçal da corrupção e, de escândalos em escândalos vão se atolando cada vez mais.
Nossa sociedade é hipócrita e mesquinha. Vivemos num mundo selvagem; cada um para si, Deus para ninguém.
Mas, porque estou aqui a dizer estas coisas?. Com que direito ergo minha voz contra os nossos governantes.? Será que se eu estivesse no lugar deles, não faria a mesma coisa??? Eis a pergunta que não quer calar! Porque critico esta sociedade da qual também faço parte. Também sou um cidadão deste pais. Também tenho às minhas obrigações; ou será que a parte que me toca é pequena demais que me isenta de qualquer culpa.?
Somos uns ignorantes e mal agradecidos. Fazemos parte de uma minoria privilegiada. Temos um monte de coisas que a maioria das pessoas não tem, e não sabemos agradecer. Nos habituamos a reclamar de tudo.
Temos saúde. Temos uma família maravilhosa. Temos trabalho. Temos convênio médico. Temos carro. Temos um montão de amigos, e ao invés de agradecer a Deus por tudo isso, transformamos estas coisas em problemas.
Reclamamos dos nossos filhos, do nosso trabalho, do nosso chefe, dos nossos amigos, reclamamos até do alimento que é servido em nossa mesa. O telefone é chato, a gravata incomoda, o trânsito é caótico, reclamamos pelo dia de hoje, pelo dia de ontem, reclamamos até pelo dia de amanhã que ainda não chegou.
Habituamo-nos a dizer que somos escravos. Só esquecemos de lembrar que somos escravos invejados por muitos; pois existem milhões de pessoas que dariam tudo para estar em nosso lugar.
Nos fechamos numa redoma, em nosso mundinho particular sem se importar com mais ninguém. Se encontramos alguém caído na rua, mudamos de calçada; afinal, pode ser um bêbedo. Mas pode ser também um epilético. Pode ser alguém do nosso convívio; mas só vamos saber se inteirarmos da situação. Mas já temos problemas demais e não vamos poder consertar o mundo. Acalmamos assim à nossa consciência com desculpas esfarrapadas que não convencem nem a nós mesmos.
É como disse o poeta: “É preciso amor para poder pulsar”. Nenhum coração pulsa sem amor. Nenhum coração amolece sem Deus dentro dele.
Que tal começarmos a rever nossos princípios? Como vai o nosso relacionamento, em casa, com nossos filhos, com nosso cônjuge, com nossos vizinhos em nosso meio social?.
Que tal desmanchar esta testa franzida. Mostrar os dentes quando você sorrir. Deixar de lado aquelas picuinhas que não levam a nada. Que tal dar aquele abraço gostoso, mas não aquele abraço de lado como que esta com medo de alguma coisa; aquele abraço forte que faz sentir o calor da pessoa abraçada .
Que tal começarmos a ser um pouco mais humanos...um pouco mais gente? Que tal colocarmos um pouco mais de” Deus” em nossas vidas. ?

Realmente não podemos consertar o mundo. Mas podemos melhorar o nosso mundo.

Se cada um melhorar um pouco o seu “MUNDO”, com certeza um dia o mundo de todos será bem melhor.

"NÃO PODEMOS MUDAR O MUNDO...MAS PODEMOS MUDAR O NOSSO MUNDO"

Muitas vezes me sinto revoltado ao ver tantas coisas erradas que acontecem. Quantas desigualdades existem entres os seres humanos. Enquanto uns se esbaldam no luxo, na fartura, outros em filas intermináveis de hospitais e asilos mendigam um médico para socorre-los ou um pedaço de pão para matar a fome.

E o pior, é que não vemos possibilidades de mudança; pois as pessoas que detém o poder, que poderiam fazer alguma coisa, não tem o menor interesse em fazer absolutamente nada. Nossos poderes constituídos estão falidos. Às pessoas formadoras de opinião que deveriam dar exemplos, são os primeiros a se lambuzarem no lamaçal da corrupção e, de escândalos em escândalos vão se atolando cada vez mais.
Nossa sociedade é hipócrita e mesquinha. Vivemos num mundo selvagem; cada um para si, Deus para ninguém.
Mas, porque estou aqui a dizer estas coisas?. Com que direito ergo minha voz contra os nossos governantes.? Será que se eu estivesse no lugar deles, não faria a mesma coisa??? Eis a pergunta que não quer calar! Porque critico esta sociedade da qual também faço parte. Também sou um cidadão deste pais. Também tenho às minhas obrigações; ou será que a parte que me toca é pequena demais que me isenta de qualquer culpa.?
Somos uns ignorantes e mal agradecidos. Fazemos parte de uma minoria privilegiada. Temos um monte de coisas que a maioria das pessoas não tem, e não sabemos agradecer. Nos habituamos a reclamar de tudo.
Temos saúde. Temos uma família maravilhosa. Temos trabalho. Temos convênio médico. Temos carro. Temos um montão de amigos, e ao invés de agradecer a Deus por tudo isso, transformamos estas coisas em problemas.
Reclamamos dos nossos filhos, do nosso trabalho, do nosso chefe, dos nossos amigos, reclamamos até do alimento que é servido em nossa mesa. O telefone é chato, a gravata incomoda, o trânsito é caótico, reclamamos pelo dia de hoje, pelo dia de ontem, reclamamos até pelo dia de amanhã que ainda não chegou.
Habituamo-nos a dizer que somos escravos. Só esquecemos de lembrar que somos escravos invejados por muitos; pois existem milhões de pessoas que dariam tudo para estar em nosso lugar.
Nos fechamos numa redoma, em nosso mundinho particular sem se importar com mais ninguém. Se encontramos alguém caído na rua, mudamos de calçada; afinal, pode ser um bêbedo. Mas pode ser também um epilético. Pode ser alguém do nosso convívio; mas só vamos saber se inteirarmos da situação. Mas já temos problemas demais e não vamos poder consertar o mundo. Acalmamos assim à nossa consciência com desculpas esfarrapadas que não convencem nem a nós mesmos.
É como disse o poeta: “É preciso amor para poder pulsar”. Nenhum coração pulsa sem amor. Nenhum coração amolece sem Deus dentro dele.
Que tal começarmos a rever nossos princípios? Como vai o nosso relacionamento, em casa, com nossos filhos, com nosso cônjuge, com nossos vizinhos em nosso meio social?.
Que tal desmanchar esta testa franzida. Mostrar os dentes quando você sorrir. Deixar de lado aquelas picuinhas que não levam a nada. Que tal dar aquele abraço gostoso, mas não aquele abraço de lado como que esta com medo de alguma coisa; aquele abraço forte que faz sentir o calor da pessoa abraçada .
Que tal começarmos a ser um pouco mais humanos...um pouco mais gente? Que tal colocarmos um pouco mais de” Deus” em nossas vidas. ?

Realmente não podemos consertar o mundo. Mas podemos melhorar o nosso mundo.

Se cada um melhorar um pouco o seu “MUNDO”, com certeza um dia o mundo de todos será bem melhor.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

"O PLÂNTIO É OPCIONAL... MAS A COLHEITA É OBRIGATÓRIA".

Todas as religiões cristãs afirmam que não devemos fazer o mal. O Espiritismo concorda e vai mais longe; não basta não fazer o mal, é preciso fazer o bem. Um dia seremos julgados por todo o mal que praticamos ou provocamos e também pelo bem que não fizemos ou deixamos de fazer.
Não há ninguém que não possa fazer o bem.
Somente o egoísta nunca encontra ocasião. Bastam as relações sociais com outras pessoas para encontrar ocasião para fazer o bem.
E cada dia da vida da a oportunidade a quem não esteja cego pelo egoísmo, porque fazer o bem não é somente ser caridoso, é ser útil na medida certa todas as vezes que vossa ajuda se fizer necessária.
De que adianta uma vida de oração sem nenhuma obra? O próprio nome já diz: “Oração”.ORAI + AÇÃO. De que adianta ficar 24 horas trancado num mosteiro rezando enquanto lá fora milhões de seres humanos necessitam de ajuda?
Bendita era a Madre Tereza e Calcutá. Onde houvesse alguém necessitando de ajuda...lá estava ela. Terremotos...epidemias...guerras...ajudava somente por amor ao ser humano. Se quisesse, nem precisava rezar , sua rotina diária já era uma oração aos olhos de Deus.
Às religiões também afirmam que devemos nos arrepender dos pecados ainda em vida para alcançarmos a salvação;
A doutrina espírita nos ensina que não basta arrepender-se dos pecados: é preciso sofrer tudo o que fizemos os outros sofrerem. Se fomos duros e desumanos, poderemos ser tratados duramente e com desumanidade. Se fomos orgulhosos, poderemos nascer numa condição humilhante; se fomos avarentos, egoístas, ou se fizemos mau uso dos nossos bens, poderemos ser privados até do necessário. Se fomos maus filhos, poderemos sofrer com nossos próprios filhos.
Nem sempre seremos punidos ou completamente punidos nesta encarnação. Mas não escaparemos das conseqüências de nossas faltas. A prosperidade do mal é apenas momentânea; se não formos punido hoje, seremos amanhã; e, sendo assim, todo aquele que sofre está expiando os erros do seu passado.
Algumas pessoas menos esclarecidas com relação a Doutrina espírita ficará pensando então: Quando encontramos alguém sofrendo devemos ignorar.? Afinal ele está pagando os erros de outra encarnação.
Parece óbvio! Mas não é bem assim.
Ninguém cruza o nosso caminho por acaso. Esta pessoa que hoje está necessitando da sua ajuda, com certeza esta expiando os erros do passado, mas com certeza também você foi a pessoa que ela fez sofrer no passado e, esta situação, hoje, seria a oportunidade de pedir perdão a você pelo erros cometidos, e mais, dar a você a oportunidade de não cometer os mesmos erros e ter que pagar numa próxima encarnação. Pense nisso!

O plantio é opcional...mas a colheita é obrigatória. É a LEI DA SEMEADURA.


Quem planta vento colhe tempestade...quem planta amor colhe amor nos caminhos da vida.

"O PLÂNTIO É OPCIONAL... MAS A COLHEITA É OBRIGATÓRIA".

Todas as religiões cristãs afirmam que não devemos fazer o mal. O Espiritismo concorda e vai mais longe; não basta não fazer o mal, é preciso fazer o bem. Um dia seremos julgados por todo o mal que praticamos ou provocamos e também pelo bem que não fizemos ou deixamos de fazer.
Não há ninguém que não possa fazer o bem.
Somente o egoísta nunca encontra ocasião. Bastam as relações sociais com outras pessoas para encontrar ocasião para fazer o bem.
E cada dia da vida da a oportunidade a quem não esteja cego pelo egoísmo, porque fazer o bem não é somente ser caridoso, é ser útil na medida certa todas as vezes que vossa ajuda se fizer necessária.
De que adianta uma vida de oração sem nenhuma obra? O próprio nome já diz: “Oração”.ORAI + AÇÃO. De que adianta ficar 24 horas trancado num mosteiro rezando enquanto lá fora milhões de seres humanos necessitam de ajuda?
Bendita era a Madre Tereza e Calcutá. Onde houvesse alguém necessitando de ajuda...lá estava ela. Terremotos...epidemias...guerras...ajudava somente por amor ao ser humano. Se quisesse, nem precisava rezar , sua rotina diária já era uma oração aos olhos de Deus.
Às religiões também afirmam que devemos nos arrepender dos pecados ainda em vida para alcançarmos a salvação;
A doutrina espírita nos ensina que não basta arrepender-se dos pecados: é preciso sofrer tudo o que fizemos os outros sofrerem. Se fomos duros e desumanos, poderemos ser tratados duramente e com desumanidade. Se fomos orgulhosos, poderemos nascer numa condição humilhante; se fomos avarentos, egoístas, ou se fizemos mau uso dos nossos bens, poderemos ser privados até do necessário. Se fomos maus filhos, poderemos sofrer com nossos próprios filhos.
Nem sempre seremos punidos ou completamente punidos nesta encarnação. Mas não escaparemos das conseqüências de nossas faltas. A prosperidade do mal é apenas momentânea; se não formos punido hoje, seremos amanhã; e, sendo assim, todo aquele que sofre está expiando os erros do seu passado.
Algumas pessoas menos esclarecidas com relação a Doutrina espírita ficará pensando então: Quando encontramos alguém sofrendo devemos ignorar.? Afinal ele está pagando os erros de outra encarnação.
Parece óbvio! Mas não é bem assim.
Ninguém cruza o nosso caminho por acaso. Esta pessoa que hoje está necessitando da sua ajuda, com certeza esta expiando os erros do passado, mas com certeza também você foi a pessoa que ela fez sofrer no passado e, esta situação, hoje, seria a oportunidade de pedir perdão a você pelo erros cometidos, e mais, dar a você a oportunidade de não cometer os mesmos erros e ter que pagar numa próxima encarnação. Pense nisso!

O plantio é opcional...mas a colheita é obrigatória. É a LEI DA SEMEADURA.


Quem planta vento colhe tempestade...quem planta amor colhe amor nos caminhos da vida.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

"NASCER...MORRER...RENASCER NOVAMENTE...ESTA É A LEI"

Todas as religiões inclusive o espiritismo acreditam na existência de um único Deus. Um ser que não teve principio nem terá fim. Criador de tudo que existe no Universo. Material ou imaterial. Visível ou invisível.

Um ser infinitamente sábio, justo, bom e misericordioso.
Porém as religiões afirmam que existe um Céu e um inferno. Lugares destinados as almas quando deixam este mundo. Quem foi bom, gozará eternamente as delicias do Céu ou paraíso. Quem foi mau queimará eternamente nas labaredas do Inferno.
O Espiritismo não nega a existência do Céu ou inferno, mas não concorda com a forma como as religiões ensinam. Vejamos:
Se tudo que existe é obra de Deus, então o inferno também é obra dele, de outra forma Deus não seria único. Um Deus bom. Um Deus de amor não poderia ter criado um lugar tão ruim assim. E mais. Se após a morte vamos viver eternamente em algum lugar é porque somos eterno. Aí eu pergunto: “ O QUE É A VIDA DIANTE DA ETERNIDADE”????. Alguns segundos talvez? 50, 100 anos não significam nada diante da eternidade.
Lógico que não podemos mandar para o Céu alguém que cometeu graves desvios de conduta durante sua vida terrena. Mas também não é justo castiga-lo para toda a eternidade por alguns segundos de bobeira, alguns segundos de imprevidência em razão da ignorância humana. Logo concluímos que Céu e inferno não são lugares definitivos, mas sim; transitórios. Se assim fosse; Deus não seria justo. Pois quando nos criou sabia exatamente como seria nossa vida na terra. Pois ele conhece o nosso passado, presente e futuro; de outra forma não seria infinitamente sábio. Sabia que se nos desse o livre arbítrio poderíamos nos perdes nos caminhos da vida. Mesmo assim ele não fez nada para impedir. Deixou que nos afastássemos dele para depois nos mandar para o inferno para sempre.
Este não me parece um Deus justo e misericordioso.
Mas as religiões contestam! A palavra de Deus está aí para todos. Quem não segue a palavra de Deus merece mesmo ser castigado.
Se assim fosse, Deus seria um ditador. Ou você me obedece ou será castigado! Ou está do meu lado ou está contra mim.
Jesus disse a Pedro que deveríamos perdoar setenta vezes sete. E disse também: “O bom pastor conhece suas ovelhas e nenhuma das minhas ovelhas se perderão”.
Quer dizer: Deus também nos perdoará e nos dará tantas quantas forem as oportunidades para nos redimir. Não fomos criados para sermos eternamente maus, nem predestinados a sofrer eternamente.
Por mais turrão, por mais teimoso que seja o doente, um dia ele percebe que se não tomar remédio, se não procurar a cura poderá morrer; assim também um dia sentiremos necessidade de melhorarmos, de evoluirmos espiritualmente. Se não melhorarmos por amor...melhoraremos pela dor. E quando o arrependimento nos tocar... bater à nossa porta...quando sentirmos o firme propósito de mudança...onde quer que estejamos...”inferno ...purgatório...umbral..”.seremos arrebatados pelos anjos de Deus; espíritos de luz que nos levarão para planos intermediário, onde seremos tratados e preparados para uma nova encarrnação; pois é na matéria que vamos saldar os débitos passados para podermos evoluir e um dia alcançarmos o Céu.
Mas o Céu também pode não ser um lugar definitivo.
Embora os santos, os espíritos de luz não tenham mais necessidades de se encanarem, nem sempre é isto que acontece.
Nas nossas várias encarnações, tivemos pai...mãe...filhos...irmãos...fizemos vários amigos; e se um dia conseguirmos evoluir e nos tornamos santos, não quer dizer que estes espíritos a quem aprendemos a amar também conseguirão.Muitos ficaram para traz...não conseguiram acompanhar a nossa evolução.
Assim, não nos sentiríamos felizes no céu vendo estes nossos irmãos sofrendo aqui no planeta ou perambulando pelo Umbral.
Com certeza pediremos ao Pai uma nova oportunidade. Uma oportunidade de reencarnar novamente entre estes espíritos queridos para ajuda-los a evoluir espiritualmente.
É por isso que de vez em quando aparecem um..São Francisco de Assis...Uma sta Rita de Cássia. Uma madre Tereza de Calcutá...uma irmã Dulce...um Chico Xavier... outro dia um programa de televisão mostrou uma viúva já de certa idade que tem 25 filhos adotivos. Trata todos com igual carinho, só com ajuda da comunidade. Não recebe nenhuma ajuda governamental. Porque será que ela faz isso?
CRISTO, nosso irmão maior, nosso mestre; apiedando-se da nossa ignorância, fez-se humano e se encarnou entre nós. Sofreu todas as dores possíveis. Após cruxificado e morto apareceu para os seus amigos com o seu corpo intacto. Quis mostrar a eles que a vida não termina na sepultura...vai muito além da noite do tumulo.
“NASCER...MORRER...RENASCER NOVAMENTE...ESTA É A LEI”

"NASCER...MORRER...RENASCER NOVAMENTE...ESTA É A LEI"

Todas as religiões inclusive o espiritismo acreditam na existência de um único Deus. Um ser que não teve principio nem terá fim. Criador de tudo que existe no Universo. Material ou imaterial. Visível ou invisível.

Um ser infinitamente sábio, justo, bom e misericordioso.
Porém as religiões afirmam que existe um Céu e um inferno. Lugares destinados as almas quando deixam este mundo. Quem foi bom, gozará eternamente as delicias do Céu ou paraíso. Quem foi mau queimará eternamente nas labaredas do Inferno.
O Espiritismo não nega a existência do Céu ou inferno, mas não concorda com a forma como as religiões ensinam. Vejamos:
Se tudo que existe é obra de Deus, então o inferno também é obra dele, de outra forma Deus não seria único. Um Deus bom. Um Deus de amor não poderia ter criado um lugar tão ruim assim. E mais. Se após a morte vamos viver eternamente em algum lugar é porque somos eterno. Aí eu pergunto: “ O QUE É A VIDA DIANTE DA ETERNIDADE”????. Alguns segundos talvez? 50, 100 anos não significam nada diante da eternidade.
Lógico que não podemos mandar para o Céu alguém que cometeu graves desvios de conduta durante sua vida terrena. Mas também não é justo castiga-lo para toda a eternidade por alguns segundos de bobeira, alguns segundos de imprevidência em razão da ignorância humana. Logo concluímos que Céu e inferno não são lugares definitivos, mas sim; transitórios. Se assim fosse; Deus não seria justo. Pois quando nos criou sabia exatamente como seria nossa vida na terra. Pois ele conhece o nosso passado, presente e futuro; de outra forma não seria infinitamente sábio. Sabia que se nos desse o livre arbítrio poderíamos nos perdes nos caminhos da vida. Mesmo assim ele não fez nada para impedir. Deixou que nos afastássemos dele para depois nos mandar para o inferno para sempre.
Este não me parece um Deus justo e misericordioso.
Mas as religiões contestam! A palavra de Deus está aí para todos. Quem não segue a palavra de Deus merece mesmo ser castigado.
Se assim fosse, Deus seria um ditador. Ou você me obedece ou será castigado! Ou está do meu lado ou está contra mim.
Jesus disse a Pedro que deveríamos perdoar setenta vezes sete. E disse também: “O bom pastor conhece suas ovelhas e nenhuma das minhas ovelhas se perderão”.
Quer dizer: Deus também nos perdoará e nos dará tantas quantas forem as oportunidades para nos redimir. Não fomos criados para sermos eternamente maus, nem predestinados a sofrer eternamente.
Por mais turrão, por mais teimoso que seja o doente, um dia ele percebe que se não tomar remédio, se não procurar a cura poderá morrer; assim também um dia sentiremos necessidade de melhorarmos, de evoluirmos espiritualmente. Se não melhorarmos por amor...melhoraremos pela dor. E quando o arrependimento nos tocar... bater à nossa porta...quando sentirmos o firme propósito de mudança...onde quer que estejamos...”inferno ...purgatório...umbral..”.seremos arrebatados pelos anjos de Deus; espíritos de luz que nos levarão para planos intermediário, onde seremos tratados e preparados para uma nova encarrnação; pois é na matéria que vamos saldar os débitos passados para podermos evoluir e um dia alcançarmos o Céu.
Mas o Céu também pode não ser um lugar definitivo.
Embora os santos, os espíritos de luz não tenham mais necessidades de se encanarem, nem sempre é isto que acontece.
Nas nossas várias encarnações, tivemos pai...mãe...filhos...irmãos...fizemos vários amigos; e se um dia conseguirmos evoluir e nos tornamos santos, não quer dizer que estes espíritos a quem aprendemos a amar também conseguirão.Muitos ficaram para traz...não conseguiram acompanhar a nossa evolução.
Assim, não nos sentiríamos felizes no céu vendo estes nossos irmãos sofrendo aqui no planeta ou perambulando pelo Umbral.
Com certeza pediremos ao Pai uma nova oportunidade. Uma oportunidade de reencarnar novamente entre estes espíritos queridos para ajuda-los a evoluir espiritualmente.
É por isso que de vez em quando aparecem um..São Francisco de Assis...Uma sta Rita de Cássia. Uma madre Tereza de Calcutá...uma irmã Dulce...um Chico Xavier... outro dia um programa de televisão mostrou uma viúva já de certa idade que tem 25 filhos adotivos. Trata todos com igual carinho, só com ajuda da comunidade. Não recebe nenhuma ajuda governamental. Porque será que ela faz isso?
CRISTO, nosso irmão maior, nosso mestre; apiedando-se da nossa ignorância, fez-se humano e se encarnou entre nós. Sofreu todas as dores possíveis. Após cruxificado e morto apareceu para os seus amigos com o seu corpo intacto. Quis mostrar a eles que a vida não termina na sepultura...vai muito além da noite do tumulo.
“NASCER...MORRER...RENASCER NOVAMENTE...ESTA É A LEI”