Seguidores

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

“E SE A VIDA FOSSE UMA ESTRADA? ”

Cada um de nós caminha pela vida como se fosse um viajante que percorre uma estrada.
Há os que passam pouco tempo caminhando e os que ficam por longos anos.
Há os que veem margens floridas e os que somente enxergam paisagens desertas.
Há os que pisam em macia grama e os que ferem os pés em pedras pontudas e espinhos.
Há os que viajam em companhias amigas, assinaladas por risos e alegria. E há os que caminham com gente indiferente, egoísta e má.
Há os que caminham sozinhos – inclusive crianças - e os que vão em grandes grupos.
Há os que viajam com pai e mãe. E os que estão apenas com os irmãos. Há quem tenha por companhia marido ou esposa.
Muitos levam filhos. Outros carregam sobrinhos, primos, tios. Alguns andam apenas com os amigos.
Há quem caminhe com os olhos cheios de lágrimas e há os que se vão sorridentes.
Mas, mesmo os que riem, mais adiante poderão chorar. Nessa estrada, nunca se conheceu alguém que a percorresse inteira sem derramar uma lágrima.
Pela estrada dessa nossa vida, muitos caminham com seus próprios pés. Outros são carregados por empregados ou parentes.
Alguns vão em carros de luxo, outros em veículos bem simples. E há os que viajam de bicicleta ou a pé.
Há gente branca, negra, amarela. Mas se olharmos a estrada bem do alto, veremos que não dá para distinguir ninguém: todos são iguais.
Há gente magra e gente gorda. Os magros podem ser assim por elegância e dieta ou porque não têm o que comer.
Alguns trazem bolsas cheias de comida. Outros levam pedacinhos de pão amanhecido.
Muitos gostam de repartir o que têm. Outros dão apenas o que lhes sobra. Mas muita gente da estrada nem olha para os viajantes famintos.
Há pessoas que percorrem a estrada sempre vestidas de seda e cobertas de joias. Outros vestem farrapos e seguem descalços.
Há crianças, velhos, jovens e casais, mas quase todos olham para lugares diferentes.
Uns olham para o próprio umbigo, outros contemplam as estrelas, alguns gostam de espiar os vizinhos para fofocar depois.
Uma boa parte conta o dinheiro que leva e há os que sonham que um dia todos da estrada serão como irmãos.
Entre os sonhadores há os que se dedicam a dar água e pão, abrigo e remédio aos viajantes que precisam.
Há pessoas cultas na estrada e há gente muito tola. Alguns sabem dizer coisas difíceis e outros nem sabem falar direito.
Em geral, os sabichões não gostam muito da companhia dos analfabetos.
O que é certo mesmo é que quase ninguém na estrada está satisfeito. A maioria dos viajantes acha que o vizinho é mais bonito ou viaja de forma bem mais confortável.
É que na longa estrada da vida, esquecemos que a estrada terá fim.
E, quando ela acabar, o que teremos?
Carregaremos, sim, a experiência aprendida durante o tempo de estrada e estaremos muito mais sábios, porque todas as outras pessoas que vimos no caminho nos ensinaram algo.
A estrada de nossa existência pode ser bela, simples, rica, tortuosa. Seja como for, ela é o melhor caminho para o nosso aprendizado.
Deus nos ofereceu essa estrada porque nela se encontram as pessoas e situações mais adequadas para nós.
Assim, siga pela estrada ensolarada. Procure ver mais flores. Valorize os companheiros de jornada, reparta as provisões com quem tem fome.
E, sobretudo, não deixe de caminhar feliz, com o coração em festa, agradecido a Deus por ter lhe dado a chance de percorrer esse caminho de sabedoria.


Redação do Momento Espírita

“ANJO ISMAEL O GUIA ESPIRITUAL DO BRASIL"

Os Evangelhos estão repletos de alusões a anjos. A Bíblia inteira fala neles. Todas as religiões, de diferentes maneiras, se referem a essas entidades.
O Brasil tem como protetor um anjo chamado Ismael, de tão grande poder e sabedoria que trabalha diretamente com Jesus. À frente da formação e consolidação da nação brasileira, ele conduziu o Descobrimento, a Inconfidência Mineira, a Independência e a Proclamação da República. Quando Tiradentes foi enforcado, a 21 de abril de 1792, no clímax da missão que culminaria, três décadas depois, com a libertação definitiva do Brasil de Portugal, o anjo Ismael pessoalmente o recepcionou no retorno à espiritualidade.
Muito do que sabemos sobre Ismael está contado pelo espírito Humberto de Campos e por Francisco Cândido Xavier no livro Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho, cuja primeira edição saiu em 1938, publicada pela Federação Espírita Brasileira.
Ismael e suas falanges receberam no século XV essa designação de Jesus, segundo consta do Brasil, Coração do Mundo, Patria do Evangelho:
– Ismael, manda o meu coração que doravante sejas o zelador dos patrimônios imortais que constituem a Terra do Cruzeiro. Recebe nos teus braços de trabalhador devotado da minha seara, como a recebi no coração, obedecendo a sagradas inspirações do Nosso Pai. Reúne as incansáveis falanges do Infinito, que cooperam nos ideais sacrossantos da minha doutrina e inicia, desde já, a construção da pátria do meu ensinamento.
E o emissário de Jesus desceu à Terra, onde montou a sua oficina, nela trabalhando até hoje. Complementa Humberto de Campos que primeiramente foram escolhidos os índios, que eram os simples de coração; em segundo lugar, chegariam os sedentos da justiça divina, que eram os escravos, como a expressão dos humildes e dos aflitos, para formação da alma coletiva de um povo bem-aventurado por sua mansidão e fraternidade.
No livro Chico Xavier, Mandato de Amor, da União Espírita Mineira, é descrita a grandeza de Ismael quando perguntaram ao médium de Uberaba se Emmanuel, o extraordinário instrutor espiritual do século XX, tinha contato direto com aquela entidade angelical. A resposta foi positiva. 
Que são os anjos, crença de todos os povos? Não são seres privilegiados na criação, porque na sua justiça perfeita Deus concede a todos os filhos as mesmas oportunidades de crescimento. Todos os espíritos são criados simples e ignorantes, quer dizer, sem conhecimento e sem consciência do bem e do mal, mas aptos a adquirirem por mérito próprio tudo que lhes falta para a perfeição. Muitos anjos, os mais próximos do Pai Celestial, são anteriores à própria humanidade. Os que surgiram dela são almas dos homens que alcançaram o grau de perfeição e gozam assim da plenitude da felicidade. A humanidade não está limitada à Terra, mas ocupa incontáveis esferas que circulam no espaço, já tendo povoado aquelas que desapareceram e estando, com certeza, destinada a povoar as que se formarão.
Em O Céu e o Inferno, Allan Kardec ensina que muito tempo antes que a Terra existisse, por mais antiga que a suponhamos, viveram, em outros mundos, espíritos encarnados que percorreram as mesmas etapas que nós, espíritos mais recentes, desenvolvemos atualmente, e que atingiram seu objetivo antes mesmo que tivéssemos saído das mãos do Criador. Em toda a eternidade houve, portanto, anjos ou espíritos puros. Sua existência humana se perdendo no infinito do passado é, para nós, como se tivessem sempre sido anjos.
Deus jamais esteve inativo, dispondo sempre de espíritos experimentados e esclarecidos para execução de suas ordens e para direção do Universo inteiro, no governo dos mundos ou na realização dos seus mais íntimos detalhes. 
Diante das grandes transformações pelas quais o planeta vai passar, nos próximos anos, as perguntas são inevitáveis: O que acontecerá ao Brasil? Qual o seu papel no futuro dos povos?
Muitas revelações foram feitas a respeito da missão espiritual da nossa pátria, neste terceiro milênio, especialmente nos livros, "Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho" e "Falando à Terra". Aceitas por muitos que as consideram como indicações preciosas, em meio às incertezas do presente, rejeitadas por alguns que se mostram descrentes e mesmo irônicos, o fato é que, muito em breve, teremos a oportunidade de constatar se são verdadeiras ou não.
Para os que duvidam, Robert Southey, historiador inglês, falando através de Chico Xavier, lembra que há uma “crítica inconsistente dos pessimistas intransigentes que só vêem a falência espiritual de que são possuidores” e acentua que “não adianta o progresso material de uma nação, se ele não é acompanhado de alicerces morais efetivos”.  
Afirma Ismael, o protetor do Brasil, que “a civilização armada terá que perecer, para que os homens se amem como irmãos”. Isto é o que esperamos que aconteça nos próximos oito anos, para que venhamos a ter um desenvolvimento inimaginável em nosso planeta.   
O País visto pelos espíritos
Em livro psicografado na década de 1930, Brasil Coração do Mundo, Pátria do Evangelho, Humberto de Campos ressalta o fato de que Jesus transportou da Palestina para o Brasil a árvore do seu Evangelho, buscando a preservação de suas lições, relegadas ao descaso pela humanidade. A medida impunha-se, tendo em vista as filosofias complicadas e as teorias salvacionistas extravagantes, que foram enxertadas aos seus ensinamentos, desfigurando-os a tal ponto que algumas guerras sangrentas foram patrocinadas, em nome Dele, o Mestre  que se imolou pela paz.
O fato é que o próprio Cristo, em uma de suas excursões pelo globo, no último quartel do século XIV, escolheu o lugar onde o Brasil seria erigido, na esperança de que, em suas terras dadivosas, o seu Evangelho fosse vivido em profundidade. Durante essa visita, o Mestre conversou com os componentes da luminosa caravana que o acompanhava, sobre as características da futura nação: “A região do Cruzeiro, onde se realizará a epopeia do meu Evangelho, estará, antes de tudo, ligada eternamente ao meu coração. As injunções políticas terão nela atividades secundárias, porque, acima de todas as coisas, em seu solo santificado e exuberante estará o sinal da fraternidade universal, unindo todos os espíritos”.
Assim tem sido. A unidade territorial do Brasil, com seus oito milhões e meio de quilômetros quadrados e oito mil quilômetros de costa marítima, tem sido preservada ao longo de cinco séculos de sua história. Nunca houve exemplo como esse, em todo o mundo. Basta olharmos ao nosso redor para ver as possessões espanholas fragmentadas em vinte repúblicas diversas. Mas é claro que as vitórias não virão sem muita luta e sofrimento, erros e acertos, que são frutos do próprio aperfeiçoamento.
Jesus havia determinado que a Terra do Cruzeiro se povoasse de raças humildes do planeta, inclusive que tivesse a colaboração dos povos sofredores do continente africano. Essa cooperação, todavia, deveria ser efetuada sem atrito, para tanto, havia aproximado Portugal daquelas raças sofredoras, sem violência de qualquer natureza. Lamentavelmente, porém, os homens brancos, esparsos pelos latifúndios da nação nascente, na sua sede de dominação, escolheram o pior caminho, trazendo negros de Luanda, da Guiné e de Angola, na triste condição de escravos.
Ismael, o anjo a quem Jesus entregou a direção do Brasil, consultando o Mestre quanto a essa escravização indébita, obteve como resposta: “Não nos compete cercear os atos e intenções dos nossos semelhantes, considerando que cada um será justiçado na pauta de suas obras” e acrescentou: “Se não nos é possível cercear o arbítrio livre das almas, poderemos mudar o curso dos acontecimentos, a fim de que o povo lusitano aprenda, na dor e na miséria, as lições sagradas da experiência de vida”. Depois disso, o que se viu foi o desaparecimento, para sempre, da Casa de Avis, a mesma sob cujo reinado se iniciou o tráfico hediondo dos homens livres. 
O Brasil cumprirá a sua predestinação histórica, a de Pátria do Evangelho. Quem viver, verá. “O País escreverá a sua epopeia de realizações morais, em favor do mundo”, confirma Humberto de Campos. Mas nada se fará sem esforço coletivo. Todos os brasileiros, independentemente de raça, classe social e religião, deverão trabalhar pela paz, cultivando a oração e buscando cumprir a regra áurea: “Ama a teu próximo como a ti mesmo”.
A hora está próxima, deixemos as conquistas ilusórias da carne e batalhemos, com humildade, pelos princípios do Mestre Inolvidável, a fim de sermos fiéis aos compromissos assumidos.  
Estão sendo esperados desfechos sombrios para este final de século, consoante os processos cármicos de todas as nações do mundo. Milhões de espíritos acreditam no potencial espiritual do Brasil. O novo renascimento virá e o Brasil será o patrono da Nova Era. Os espíritos não pactuam com o julgamento apressado dos homens. Eles aprenderam a esperar. 
Pagamento coletivo
No momento, ainda estamos em pagamento coletivo de dois erros graves cometidos no passado: o período de 300 anos de escravidão dos irmãos africanos e a Guerra do Paraguai, mesmo porque não adianta avançar, em conquistas materiais, sem os fundamentos morais consolidados. Felizmente, não temos dívidas, nas demais áreas, como a maioria das outras nações, tais como a pena de morte, o aborto, as guerras civis, etc. Nossa história tem sido feita sem derramamento de sangue, nossa bandeira está limpa.

 A civilização armada terá que perecer, para que os homens se amem como irmãos”.  
Fonte:Fraternidade Universais.

“SAIBA COMO IDENTIFICAR E PROTEGER-SE DOS 10 PRINCIPAIS LADRÕES DE SUAS ENERGIAS.

Existem ladrões de suas energias. Abaixo estão listadas as 10 principais características de ladrões de sua energia.
1. Afaste-se daquelas pessoas que só chegam para compartilhar queixas, problemas, histórias desastrosas, medo e julgamento dos outros. Se alguém procura uma lata para jogar o lixo que tem dentro, que não seja na sua mente.
2. Pague as suas contas a tempo. Ao mesmo tempo, cobre aqueles que te devem ou escolha deixar para lá, se você já percebeu que é impossível receber.
3. Cumpra as suas promessas. Se você não cumpriu alguma, pergunte-se o porquê desta resistência. Sempre você tem o direito de mudar de opinião, de se desculpar, de compensar, de renegociar e de oferecer outra alternativa diante de uma promessa não cumprida, mesmo que já um costume. A forma mais fácil de evitar o não cumprimento de algo que você não quer fazer é dizer “NÃO” desde o começo.
4. Elimine, dentro do possível, e delegue aquelas tarefas que você prefere não fazer, dedicando o seu tempo àquilo que, sim, você desfruta fazer.
5. Dê permissão a você mesmo para um descanso, quando você estiver em um momento que o necessite e dê permissão a você mesmo para agir quando estiver em um momento de oportunidade.
6. Jogue fora, recolha e organize… nada te tira mais energia que um espaço desordenado e cheio de coisas do passado que você já não necessita.
7. Dê prioridade à sua saúde, sem a máquina do corpo trabalhando ao máximo, você não pode fazer muito. Tome tempo para perceber o que seu corpo está te dizendo.
8. Enfrente as situações tóxicas que você está tolerando, desde resgatar um amigo ou um familiar, até tolerar ações negativas de um companheiro ou um grupo. Tome a ação necessária.
9. Aceite. Não é resignação, mas nada te faz perder mais energia que o resistir e brigar contra uma situação que você não pode mudar.
10. Perdoe… deixe ir uma situação que está te causando dor… você sempre pode escolher deixar ir a dor da recordação.
Ensinamentos de Dalai Lama

Autor: Dalai Lama

"QUEM É O GUIA ESPIRITUAL DO BRASIL? O BRASIL AINDA SERÁ A PÁTRIA DO EVANGELHO? VISÃO ESPÍRITA."