Seguidores

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

"GAROTO APONTADO COMO REENCARNAÇÃO DE EMMANUEL DÁ A SUA VERSÃO"


"CHACRAS"

Somos criação de Deus, a ''maquina'' mais perfeita que jamais será copiada, e poucos tem o ''manual'' de funcionamento. (rsrs)
Acho que esse texto serve de manual para o equilíbrio.
Os chakras são pontos de energia responsáveis por manter mente e corpo interligados e em equilíbrio. A atitude e pensamento de cada indivíduo podem alterá-los. E, desalinhados, resultam em problemas. “É sempre um processo interno de raciocínio e sentimentos, nunca externo”, explica a professora de ioga Sandra Regina dos Santos Galvão, da Navrattna Yoga, em Curitiba, Paraná.
Quando você fica doente, significa que a mente e o espírito já estavam deteriorados bem antes, defendem especialistas. “Tudo começa no corpo mental. Quando se manifesta na parte física, que é a mais grosseira, esse é o último estágio do problema”, afirma. “Ninguém morre de repente. A doença já estava lá faz tempo, mas a pessoa nunca percebeu”, completou a professora.
Algo não vai bem? Está na hora de alinhar seus chakras! Conheça cada um deles:
Primeiro Chakra: Localizado na base da coluna, no cóccix. Equilibra coluna vertebral, ossos, dentes, unhas, construção celular, pernas, músculos e a estrutura física. Também controla o funcionamento das glândulas suprarrenais, que produzem a adrenalina e a noradrenalina – hormônios relacionados ao instinto, à parte de luta e fuga.
O que desequilibra: Medo.
Como equilibrar: “Procure relaxar de alguma maneira. Fazer exercícios físicos, ou outra atividade que libere a tensão do medo. Descontrair faz com que essa energia se altere”, indica Sandra.
Segundo Chakra: Localizado no osso sacro (bacia), corresponde aos órgãos de reprodução e glândulas sexuais (ovários, próstata e testículos), rins, bexiga, ao sangue, aos sucos digestivos e ao sistema imunológico.
O que desequilibra: Culpa.
Como alinhar: Perdoe-se. Não fique remoendo acontecimentos, analisando o que deixamos de fazer ou o que poderia ter feito melhor. Aconteceu? Paciência. “Naquele momento você fez o melhor que pôde. Ponto”, diz Sandra.
Terceiro Chakra: Localizado na coluna lombar, ele é responsável pela parte inferior das costas, cavidade abdominal, sistema digestivo (estômago, fígado, baço, vesícula biliar, etc) e sistema nervoso. A glândula principal é o pâncreas. “Tudo o que é combustível para o corpo é retirado desse ponto”, diz Sandra.
O que desequilibra: Vergonha. “A vergonha normalmente vem atrelada à raiva. Raiva de nós mesmos por não termos agido como queríamos”, afirma Sandra.
Como equilibrar: Expresse a raiva. “Pratique corrida, ande no sol, faça atividades desgastantes, que exijam energia do corpo e que possam te proporcionar momentos de reflexão. São atividades ótimas para diluir a raiva”, recomenda.
Quarto Chakra: Encontra-se no centro do peito. É responsável pelas energias emanadas para o coração, para a área inferior dos pulmões, para a circulação sanguínea e para a pele. Equilibrado, cuida do sistema linfático. A glândula correspondente é o timo. “Durante a infância, o timo tem relação direta com a imunidade. Nos adultos não se sabe ao certo a função dela no corpo material”, diz a professora. Já na área esotérica, o timo está diretamente ligado à emoção, ao sentimento de amor incondicional.
O que desequilibra esse chakra: Pesar (sentimentos de dó, de pena).
Como equilibrar: Libere a tristeza, substituindo-a por amor. Está difícil de extravasar esse sentimento? “Leia um livro, assista um filme, ouça uma música que te emocione e que faça você colocar tudo pra fora”, aconselha Sandra. Ficar perto de pessoas queridas, animais de estimação e evitar o isolamento também são ótimos remédios.
Quinto Chakra: Localizado na depressão embaixo do pescoço. Ele está ligado à parte da garganta, nuca e queixo, traqueia, brônquios, da região pulmonar superior, esôfago e braços. A glândula correspondente é a tireoide.
O que desequilibra esse chakra: Mentir para nós mesmos. “Há situações em que não podemos ser sinceros o tempo todo, como no trabalho. Então esse chakra é influenciado por questões externas”.
Como equilibrar: Mantenha a mente em harmonia com o coração. “Seja sempre verdadeiro. Mas cuidado, sinceridade demais pode machucar outras pessoas. Aprenda a trabalhar essa expressão.”
Sexto Chakra: Entre as sobrancelhas. Cuida de toda a parte cognitiva do organismo, como o raciocínio e a memória, este ponto está diretamente ligado aos órgãos dos sentidos, como olhos, boca e ouvidos.
O que desequilibra esse chakra: Ilusão. “Temos o hábito de ficar remoendo o passado ou projetando futuro e nunca nos focamos no presente”, diz a especialista.
Como equilibrar: Aprenda a focar no agora. “Sentar e ficar um minuto para relaxar a mente, não pensar em nada e focar em um ponto. Se concentrar, por exemplo, no ar entrando e saindo dos pulmões. Esse é um ótimo exercício de treino de concentração”, indica Sandra.
Sétimo Chakra: Localizado no espaço entre os hemisférios cerebrais, dentro da cabeça. É ele quem faz a ligação do cérebro físico com o corpo espiritual. Por isso está diretamente ligado à materialidade.
Como equilibrar: Desprendimento. Pratique atividades que trabalhem o lado espiritual. “Você só conseguirá deixar esse chakra harmônico quando você conseguir ter o equilíbrio dos outros chakras, quando você se entender plenamente”, explica Sandra.
Aprenda a prestar atenção em você de maneira geral. “Como sempre estamos nos preocupando com outras coisas, os sentimentos de medo, culpa, vergonha vão acontecendo e a gente não percebe”, afirma Sandra. Além disso, tenha em mente que chakras trabalham em conjunto. Se você desenvolver um, todos estarão em harmonia. O mesmo acontece quando você desarmoniza um chakra: “em breve, todos os outros estarão desequilibrados”, encerra.


-fonte: blog/Mundo Walmart-

"A ATRIZ ANA ROSA FALA SOBRE A MENSAGEM QUE RECEBEU DE SUA FILHA DESENCARNADA".


"PACTOS COM ESPÍRITOS"

Existem diversos tipos de pactos espirituais que uma pessoa pode fazer. Há os pactos do encarnado com outro encarnado, como, por exemplo, o pacto de sangue com finalidades amorosas, que é o mais conhecido. Há também os pactos realizados de encarnados com desencarnados. Esses pactos também podem envolver sangue, rituais, matança de animais, símbolos mágicos, etc. O pacto é um compromisso firmado com um ou mais espíritos que nos ligam a eles karmicamente, e servem, na maioria das vezes, para se obter conquistas mundanas. Vamos entender melhor o que é um pacto, suas consequências e como podemos nos libertar deles.
Quando Jesus passou pelas provações no deserto, em uma das tentações o “diabo” o levou ao alto de um monte. Daquele ponto mostrou-lhe todos os reinos da Terra e depois disse: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares”. Dizem que essa foi a tentação mais difícil para Jesus. O tentador ofereceu o poder sobre o mundo inteiro, todos os reinos e pessoas. Jesus teria o poder sobre tudo e seria o homem mais rico e mais poderoso da Terra. No entanto, o diabo foi bem claro quando disse: “Dar-te-ei tudo isto se, prostrado, me adorares.” O tentador colocou uma condição: Jesus deveria servir o diabo; servir o mundo material e deixar de lado sua alma, seu espírito, seu interior.
Aqui reside a matéria prima de qualquer pacto firmado com o mal. Se Jesus tivesse aceitado a oferta do diabo, ele teria, nesse momento, constituído um pacto com o diabo, com as trevas, com o poder mundano. O que é o diabo na verdade? O diabo é o poder do mundo, as riquezas materiais, as seduções da vida corpórea, tudo aquilo que é parte do mundo externo e que nos gera satisfação, poder e conforto. Jesus teria esquecido de Deus e teria ficado preso ao mundo e ao poder mundano, caso tivesse aceitado a oferta do senhor do mundo. Mas como o próprio Jesus ensinou posteriormente aos seus discípulos: “De nada adianta uma pessoa ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma”. Assim, Jesus recusou o mundo e todo o seu poder e prazer, tornando-se um espírito mais puro, feliz, em paz e elevado.
Por isso dizemos que o pacto com uma entidade espiritual é sempre realizado quando a pessoa deseja algum beneficio no mundo. Aqueles que desejam ganhar no mundo podem utilizar os espíritos para realizar seu intento. Seja a cura de uma doença, um emprego, trazer a pessoa amada, poder, status, prejudicar uma pessoa, etc. A pessoa pode pedir também aos espíritos ganhos de conhecimento, pois conhecimento é poder. É comum que algumas pessoas invoquem entidades negativas para adquirir certos conhecimentos sobre magia e que lhe confiram mais poder. A sabedoria popular fala em “vender a alma ao diabo”. Vender a alma nada mais é do que firmar um pacto com o mundo material onde vamos estar tão ligados e apegados ao poder mundano e aos desejos materiais que isso trará como consequência a perda de nossa alma. Isso ocorre porque aqueles que ganham o mundo, perdem sua alma, abandonam sua essência e acabam perdendo a si mesmos… Por outro lado, aqueles que perdem o mundo, ganham sua alma e restituem a si mesmos. Assim, fazer um pacto com o diabo é desejar obter o mundo, algo que não pode ser obtido sem que a pessoa venha a perder aquilo que é mais importante e essencial em nossa vida… nossa alma, nosso espírito, ou seja, nós mesmos.
O pacto com espíritos segue essa mesma lógica. A pessoa firma um compromisso espiritual com entidades sombrias a fim de conquistar coisas, pessoas e poder. Geralmente não são feitos pactos com apenas um espírito, mas sim com vários. É comum se firmar pactos de compromisso, de sangue, ou de acesso a comunidades espirituais trevosas, onde existe toda uma hierarquia de poder. Esse grupo de espíritos pode, de fato, ajudar uma pessoa a conseguir algo num dado momento de sua encarnação. A pessoa fica feliz por ter obtido aquilo que desejava e permanece bem por um tempo. Uma mulher pode, por exemplo, pedir que seu marido volte para ela. O marido retornando ela vai ficar feliz , vai acreditar que o pacto deu certo e que ela tomou a melhor decisão. No entanto, com o passar do tempo, ela começará a sentir os duros efeitos do compromisso firmado.
Que efeitos são esses? É preciso esclarecer que pacto sempre tem como consequência principal o nosso aprisionamento psíquico ao grupo de espíritos no qual foi consolidado o compromisso espiritual. Ficamos conectados a energia deles, ligados a sua egrégora, submetidos a sua energia. Assim, eles podem começar a nos influenciar, nos controlar e nos usar de diversas formas. Muitas pessoas, a princípio, não percebem essa influência e acreditam que estão no controle. No entanto, com o passar do tempo, os efeitos se fazem mais presentes, a influência dessas entidades se torna mais forte, e quem fez o pacto acaba se tornando nada mais do que um vassalo dessas entidades. Ele passa a integrar esse grupo de espíritos e eles o usam de diversas formas. Mesmo que você dê muitas coisas aos espíritos, eles depois sempre vem pedir mais e mais. Eles nunca estão satisfeitos com o que você os ofereceu e pedem que você faça mais coisas. É como o ser humano comum que mesmo ganhando 500 mil reais, deseja ganhar 1 milhão. Mesmo ganhando 5 milhões, deseja depois ganhar 10 milhões. Mesmo tendo 500 milhões, não está satisfeito, e depois quer 1 bilhão. Os espíritos nada mais são do que seres humanos sem corpo físico, e, assim, seguem os mesmos padrões que nós.
Dessa forma, pacto firmado cria um elo entre a pessoa e o grupo de espíritos. Esse elo nada mais é do que uma ligação kármica, e assim pode permitir o livre acesso desses espíritos a nossa energia. Eles entram e saem de nossa mente à vontade. Para o encarnado se torna uma tarefa bastante difícil resistir a essa influência por causa do elo criado a partir do pacto. O encarnado pode tentar se libertar, mas não consegue, pois o pacto é uma força viva dentro dele e os espíritos agora podem não apenas controla-lo, como também constantemente roubam as suas energias. É curioso observar que muitas pessoas que fizeram o pacto acreditam que estão no controle total de suas vidas, quando na verdade eles estão sendo arrastados por forças que são maiores e mais letais do que ele imagina.
É muito comum o pacto gerar uma forte depressão na pessoa. Somente a mera presença dessas entidades nas proximidades da pessoa, rondando sua residência, seus aposentos, já é suficiente para se criar um clima negativo no local. Os pactos não são firmados apenas na vida atual. Há também pactos de vidas passadas e que subsistem até hoje. Várias pessoas que hoje desenvolvem quadros depressivos são indivíduos que, em vidas passadas, consolidaram pactos mágicos de diversos tipos com entidades sombrias. A magia na antiguidade era abundantemente praticada e muitos de nós a realizamos. A pessoa que se valeu dessas práticas em vidas passadas hoje pode se encontrar submissa aos espíritos e não conseguir dar continuidade a sua vida. Uma forte depressão pode se abater sobre ela. Podem surgir também doenças físicas, assim como pânico, ansiedade, estafa, desânimo generalizado, e outros sintomas.
Mas o que pode ser feito para se quebrar um pacto? Isso não é algo simples de ser feito e pode demorar um tempo, até mesmo uma vida inteira. Muitas pessoas entram em desespero ao sentirem os efeitos deletérios que o pacto gerou sobre elas, e assim recorrem a pessoas que supostamente os “desfazem”. Podemos afirmar que a maioria destas pessoas não faz exatamente o que promete e muitas vezes pode até mesmo agravar o problema. Não se desfaz um trabalho com outro trabalho de mesmo nível. Ao contrário, um pacto com as trevas só pode ser desfeito com nossa entrada no reino da luz, do bem e do amor. Não poderia ser de outra forma, pois a escuridão não destrói a escuridão; somente a luz pode dissipar a trevas.
A primeira coisa que a pessoa deve fazer para se livrar do pacto é mentalizar que o compromisso firmado foi encerrado e que não deseja mais servir as trevas, mas que agora inicia sua jornada no bem, no amor, na paz e serve unicamente a Deus. A pessoa pode pedir aos espíritos puros para desfazerem qualquer tipo de ligação espiritual produzida pelo pacto. Depois, a pessoa deve se desfazer de tudo aquilo que foi conseguido por intermédio das entidades. Se a pessoa, por exemplo, pediu aos espíritos um emprego e o conseguiu , ela deve largar esse emprego. Se a pessoa pediu que os espíritos trouxessem a pessoa amada de volta, ela deve contar a pessoa o que fez, pedir perdão a ela, arrepender-se do seu ato e terminar o relacionamento. Se a pessoa pediu a cura de uma doença, obviamente ela não poderá produzir novamente sua doença, mas deverá iniciar algum trabalho, projeto social ou terapia espiritual para ajudar outras pessoas a se libertarem de doenças semelhantes.
Isso nos remete a outra parte do ato de desfazer um pacto. A pessoa deve iniciar trabalhos no bem, de auxílio as outras pessoas, de preferência na área em que ela é mais sensível ou na área em que ela desejou algum ganho mundano. Se a pessoa pediu ao espírito para gerar uma doença em outra pessoa, ela deve pedir perdão a essa pessoa e tentar auxilia-la de alguma forma. Deve fazer de tudo para melhorar a vida do outro e dar-lhe condições dignas de vida. Algumas pessoas podem rechaçar essa ajuda. Se isso ocorrer, respeite o livre arbítrio do outro e não force nada. Comece um trabalho de caridade, de ajuda aos necessitados; faça o bem que você acredita ser bem para o outro. Isso vai te ajudar a gradualmente ir queimando o karma negativo criado pelo pacto. Use a luz para iluminar as trevas e tudo ficará bem.

(Hugo Lapa)