Seguidores

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

"Á BÍBLIA E AS COMUNICAÇÕES COM OS ESPIRITOS'

A maioria das religiões cristãs dizem que a bíblia proibe a comunicação com os espíritos, (comunicação com os mortos) em razão de algumas passagens escritas no velho testamento. Mas analisando a fundo, estas passagens, vemos que tudo é questão de interpretação. Senão, vejamos:
No livro do deuteronômio; DT, 18:9 diz:
Quando entrares na terra que o Senhor teu Deus te dá, não aprenderás a fazer conforme as abominações daqueles povos. Não se achará no meio de ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro, nem encantador, nem quem consulte um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos; pois todo aquele que faz estas coisas é abominável ao Senhor, e é por causa destas abominações que o Senhor teu Deus os lança fora de diante de ti.
Analisemos: Não se proíbe algo que não existe. Se a bíblia proíbe a comunicação com os mortos é porque ela existe.
Em Deuteronômio vemos claramente: "não aprenderás a fazer conforme as abominações daqueles povos" referindo-se à
FORMA como consultavam os mortos, explicitamente colocado como "adivinhador", "mágico", entre outras coisas.
No caso do povo de Moisés, era utilizada de maneira errada, como adivinhações, para contato com Espíritos rasteiros, que nada iriam acrescentar-lhes. Vê-se claramente, que aquelas pessoas não entendiam tal fenômeno; não estavam preparadas para o uso da mediunidade, como ocorreu com a carne de porco mal lavada, Moisés a proibiu.
Se você ver uma criança de dois anos colocando o dedinho na tomada, certamente o repreenderá. Mas não conseguirá explicar a esta criança o porque desta proibição; pois ela não está preparada para tal conhecimento. Nada impede, porém, que esta criança quando crescer, seja um engenheiro elétrico, quando terá conhecimento suficiente para dominar a eletricidade.
O que é proibido numa época, pode não ser em outra. Tudo depende do grau de evolução de cada povo. Ao longo da história da humanidade quantas coisas que eram proibidas, hoje são liberadas escancaradamente.
A Bíblia também diz no livro do Êxodo: 20:4-6
"Não farás para ti escultura, nem imagem alguma daquilo que existe no alto, no céu, ou aqui em baixo, na terra, ou daquilo que existe debaixo da terra, nas águas. Não te prostrarás diante delas, nem as servirás." — Êxo. 20:4-6.
No entanto, vemos as igrejas católicas repletas de imagens e ninguém as questiona.
A outra citação polêmica é de Paulo de Tarso em sua epístola aos Hebreus, 9:27: E, como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo depois o juízo.
Paulo diz que após a morte - que, realmente só ocorre uma vez - há o juízo, a avaliação das próprias posturas. Isso é correto. Ao homem é dado morrer somente uma vez - em cada corpo. Hoje podemos entender a colocação de Paulo de acordo com a certeza da reencarnação. Era de se esperar que, pela forte formação judaica, Paulo ainda resistisse pessoalmente à reencarnação, até porque não conheceu o Cristo em vida quando disse a Nicodemos claramente que era necessário retornar ao ventre de sua mãe para ver a Deus. O Espiritismo mais uma vez, considera válido o pensamento inspirado de Paulo, situando-o no âmbito em que ele, Espírito, estava: no de uma vida física. Em cada vida física é dado ao homem morrer e depois disso vir o juízo, mais uma vez entendendo as escrituras de acordo com o contexto em que foram escritas.
No livro de Gênesis Capitulo; 1:1-31, está escrito que Deus fez o Mundo em seis dias e no sétimo dia descansou. Hoje, a ciência já comprovou que a terra desde o inicio da criação até a aparição do homem, foram seis períodos; ou eras geológicas. Não seriam estes os seis dias da criação? Na bíblia não está escrito que os dias do senhor eram dias de 24 horas. Um dia para Deus pode ser milhões de anos para nos seres humanos.
A bíblia deixa de ser verdadeira por isso? Perde sua credibilidade? Claro que não. O Homem que na sua ignorância, na sua pequenez, não consegue entender o pensamento divino.

Como vemos, a bíblia não erra; nos é que muitas vezes erramos ao interpreta-la.

"Á BÍBLIA E AS COMUNICAÇÕES COM OS ESPIRITOS'

A maioria das religiões cristãs dizem que a bíblia proibe a comunicação com os espíritos, (comunicação com os mortos) em razão de algumas passagens escritas no velho testamento. Mas analisando a fundo, estas passagens, vemos que tudo é questão de interpretação. Senão, vejamos:
No livro do deuteronômio; DT, 18:9 diz:
Quando entrares na terra que o Senhor teu Deus te dá, não aprenderás a fazer conforme as abominações daqueles povos. Não se achará no meio de ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro, nem encantador, nem quem consulte um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos; pois todo aquele que faz estas coisas é abominável ao Senhor, e é por causa destas abominações que o Senhor teu Deus os lança fora de diante de ti.
Analisemos: Não se proíbe algo que não existe. Se a bíblia proíbe a comunicação com os mortos é porque ela existe.
Em Deuteronômio vemos claramente: "não aprenderás a fazer conforme as abominações daqueles povos" referindo-se à
FORMA como consultavam os mortos, explicitamente colocado como "adivinhador", "mágico", entre outras coisas.
No caso do povo de Moisés, era utilizada de maneira errada, como adivinhações, para contato com Espíritos rasteiros, que nada iriam acrescentar-lhes. Vê-se claramente, que aquelas pessoas não entendiam tal fenômeno; não estavam preparadas para o uso da mediunidade, como ocorreu com a carne de porco mal lavada, Moisés a proibiu.
Se você ver uma criança de dois anos colocando o dedinho na tomada, certamente o repreenderá. Mas não conseguirá explicar a esta criança o porque desta proibição; pois ela não está preparada para tal conhecimento. Nada impede, porém, que esta criança quando crescer, seja um engenheiro elétrico, quando terá conhecimento suficiente para dominar a eletricidade.
O que é proibido numa época, pode não ser em outra. Tudo depende do grau de evolução de cada povo. Ao longo da história da humanidade quantas coisas que eram proibidas, hoje são liberadas escancaradamente.
A Bíblia também diz no livro do Êxodo: 20:4-6
"Não farás para ti escultura, nem imagem alguma daquilo que existe no alto, no céu, ou aqui em baixo, na terra, ou daquilo que existe debaixo da terra, nas águas. Não te prostrarás diante delas, nem as servirás." — Êxo. 20:4-6.
No entanto, vemos as igrejas católicas repletas de imagens e ninguém as questiona.
A outra citação polêmica é de Paulo de Tarso em sua epístola aos Hebreus, 9:27: E, como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo depois o juízo.
Paulo diz que após a morte - que, realmente só ocorre uma vez - há o juízo, a avaliação das próprias posturas. Isso é correto. Ao homem é dado morrer somente uma vez - em cada corpo. Hoje podemos entender a colocação de Paulo de acordo com a certeza da reencarnação. Era de se esperar que, pela forte formação judaica, Paulo ainda resistisse pessoalmente à reencarnação, até porque não conheceu o Cristo em vida quando disse a Nicodemos claramente que era necessário retornar ao ventre de sua mãe para ver a Deus. O Espiritismo mais uma vez, considera válido o pensamento inspirado de Paulo, situando-o no âmbito em que ele, Espírito, estava: no de uma vida física. Em cada vida física é dado ao homem morrer e depois disso vir o juízo, mais uma vez entendendo as escrituras de acordo com o contexto em que foram escritas.
No livro de Gênesis Capitulo; 1:1-31, está escrito que Deus fez o Mundo em seis dias e no sétimo dia descansou. Hoje, a ciência já comprovou que a terra desde o inicio da criação até a aparição do homem, foram seis períodos; ou eras geológicas. Não seriam estes os seis dias da criação? Na bíblia não está escrito que os dias do senhor eram dias de 24 horas. Um dia para Deus pode ser milhões de anos para nos seres humanos.
A bíblia deixa de ser verdadeira por isso? Perde sua credibilidade? Claro que não. O Homem que na sua ignorância, na sua pequenez, não consegue entender o pensamento divino.

Como vemos, a bíblia não erra; nos é que muitas vezes erramos ao interpreta-la.