Seguidores

domingo, 23 de setembro de 2012

"NOSSA MISSÃO É SER FELIZ"


“A mais agradável, a mais desejada sensação do ser humano dentro de todas as suas emoções é a felicidade. Eu diria que nosso destino é praticar e gerar felicidade para as pessoas.” A afirmação é do psiquiatra Ururahy Barroso, idealizador e fundador da Academia da Felicidade, em Rio Preto. Afelicidade   é considerada por especialistas como a grande missão daqueles que habitam a Terra. Estudos realizados pela psicóloga Sonja Lyubomirsky, da Universidade da Califórnia, comprovam que é a felicidade que traz o sucesso - e não o contrário, como se pensava. Antigamente, acreditava-se que as nossas conquistas, esforços e realizações eram o que nos faziam felizes. Mas de acordo com Sonja, é a felicidade que determina as nossas conquistas. 
Segundo ela, pessoas felizes têm mais garra na busca pelos seus objetivos e mais disposição para adquirir os meios para conquistá-los. Sonja defende que a felicidade gera confiança, otimismo, energia e sociabilidade. Além disso, a psicóloga afirma que pessoas felizes são mais preparadas para enfrentar situações difíceis, tendem a ter relacionamentos mais longos, casamentos melhores, são mais saudáveis e vivem mais. Barroso, que também é dirigente espiritual, ensina que praticar a felicidade é fazer de cada momento uma oportunidade para vivenciar a felicidade. “Devemos acordar, a cada dia, não para trabalhar, mas para praticar a felicidade através de várias atividades, entre elas o trabalho”, observa. 
O promotor de Justiça e dirigente espiritual Marcos Antonio Lelis Moreira, de Rio Preto, diz que para ser feliz e gerar felicidade é preciso compreender que a distribuição de felicidade nasce da prática da regra áurea divulgada por Jesus: faça aos outros o que gostaria que os outros vos fizesse. “Se agirmos desta forma, estaremos fazendo o nosso próximo feliz, independentemente da sua afinidade conosco, se familiares, amigos verdadeiros, colegas de trabalho ou mesmo estranhos”, diz. Lelis ainda destaca a importância das pessoas aprenderem que felicidade é um estado d’alma e não uma conquista transitória de coisas, pessoas ou posições sociais. “Todos renascemos com a possibilidade da conquista da felicidade relativa, própria deste nosso plano terreno, e é preciso trabalhar para merecê-la, vencendo o nosso egoísmo e o orgulho. Não há, portanto, privilégios. 
A felicidade é conseqüência de aprimoramento espiritual de cada um de nós. Exige esforço contínuo”, explica. Para Lelis, a felicidade pode ser considerada como missão do processo evolutivo na Terra, já que o objetivo desta vivência é alcançar a perfeição. “Ensina-nos Jesus: sede perfeitos como o Pai Celestial é perfeito. Devemos, portanto, atentar para esta necessidade. Buscarmos o autoconhecimento e iniciarmos a aquisição de valores culturais, morais e espirituais. Este é o caminho que nos dará a perfeição, a plenitude, quando adquiriremos a real felicidade e faremos outros que convivem conosco felizes”, diz. 

Corrente de felicidade:

Para o idealizador da Academia da Felicidade, a partir do momento em que a pessoa aprende que é dona da própria felicidade, passa a ser fonte geradora de felicidade para os outros. “Quando a pessoa está em busca da felicidade plena, também alcançada pela combinação de realização nos campos da espiritualidade, afetividade, sexualidade, profissional e outras instâncias da existência, naturalmente, alcança as demais pessoas, criando uma corrente de felicidade”, diz. 
A teoria de Barroso é confirmada em estudo divulgado há um ano pela revista acadêmica British Medical Journal, realizado pelos americanos James Fowler, professor de ciência política da Universidade da Califórnia, e Nicholas Christakis, professor de sociologia da Universidade de Harvard. O estudo mostra que a felicidade é contagiosa, já que uma pessoa tem 15% mais chance de se sentir feliz se estiver em conexão direta com alguém feliz. A teoria poderá ser conferida no livro “The Surprising Power of Our Social Networks and How They Shape Our Lives”,  lançado  pela Editora Campus.

Energia

O pesquisador espiritualista, projetor extra físico e autor Wagner Borges, de São Paulo, diz que a felicidade é fundamental para a nossa energia, especialmente após a morte. “Nossas energias se apresentam como uma espécie de atmosfera psíquica multicolorida, uma aura que se irradia em torno de nossos corpos e reflete justamente o clima do que pensamos, sentimos e fazemos na vida. Logo, a média de nossas energias revela o que somos realmente, e não aquilo que muitas vezes queremos aparentar”, explica. De acordo com Borges, a energia de quem está de bem com a vida e com a auto-estima elevada é brilhante e cheia de viço. “E o contrário também é real: se a pessoa não está bem com ela mesma e nem com a vida, suas energias se mostrarão confusas e opacas, sem vitalidade”, diz. 
Borges explica que o corpo espiritual reflete a energia e a maneira de ser da pessoa, ou seja, o espírito sempre apresenta a energia correspondente ao nível psíquico do que ela pensa e sente. Além disso, a pessoa feliz está sempre com pensamentos positivos, focados na atitude de amor pela existência. A felicidade - que reflete a auto estima e a forma como a pessoa manifesta na vida - possibilita maior integração com espíritos elevados. “Uma pessoa feliz apresenta uma aura irradiante, e isso naturalmente a protege de seres astrais negativos, que não suportam vibrações elevadas e se afastam por eles mesmos”, garante Borges. 
Lelis destaca ainda o poder do pensamento. “Ele é o reflexo de nossa alma e a expansão do nosso ser. É energia pura e através dele nós nos relacionamos (encarnados e desencarnados) refletindo a nossa sintonia”, diz. “Pensamentos felizes e nobres nos ligam aos seres espirituais superiores. Assim devemos cultuar as idéias dignas, com boas leituras e estudos permanentes, para alcançar o nosso aperfeiçoamento e, ainda, planejar conquistas espirituais, buscando concretizá-las, conscientes que não estaremos sozinhos nesta empreitada, porque entidades espirituais superiores estão solidárias e nos auxiliarão nestas conquistas”, afirma o promotor. 

 Por :Rita Fernandjes
Reportagem publicada na Revista Bem Estar em
São José do Rio Preto, 4 de outubro de 2009

"NOSSA MISSÃO É SER FELIZ"


“A mais agradável, a mais desejada sensação do ser humano dentro de todas as suas emoções é a felicidade. Eu diria que nosso destino é praticar e gerar felicidade para as pessoas.” A afirmação é do psiquiatra Ururahy Barroso, idealizador e fundador da Academia da Felicidade, em Rio Preto. A felicidade   é considerada por especialistas como a grande missão daqueles que habitam a Terra. Estudos realizados pela psicóloga Sonja Lyubomirsky, da Universidade da Califórnia, comprovam que é a felicidade que traz o sucesso - e não o contrário, como se pensava. Antigamente, acreditava-se que as nossas conquistas, esforços e realizações eram o que nos faziam felizes. Mas de acordo com Sonja, é a felicidade que determina as nossas conquistas. 
Segundo ela, pessoas felizes têm mais garra na busca pelos seus objetivos e mais disposição para adquirir os meios para conquistá-los. Sonja defende que a felicidade gera confiança, otimismo, energia e sociabilidade. Além disso, a psicóloga afirma que pessoas felizes são mais preparadas para enfrentar situações difíceis, tendem a ter relacionamentos mais longos, casamentos melhores, são mais saudáveis e vivem mais. Barroso, que também é dirigente espiritual, ensina que praticar a felicidade é fazer de cada momento uma oportunidade para vivenciar a felicidade. “Devemos acordar, a cada dia, não para trabalhar, mas para praticar a felicidade através de várias atividades, entre elas o trabalho”, observa. 
O promotor de Justiça e dirigente espiritual Marcos Antonio Lelis Moreira, de Rio Preto, diz que para ser feliz e gerar felicidade é preciso compreender que a distribuição de felicidade nasce da prática da regra áurea divulgada por Jesus: faça aos outros o que gostaria que os outros vos fizesse. “Se agirmos desta forma, estaremos fazendo o nosso próximo feliz, independentemente da sua afinidade conosco, se familiares, amigos verdadeiros, colegas de trabalho ou mesmo estranhos”, diz. Lelis ainda destaca a importância das pessoas aprenderem que felicidade é um estado d’alma e não uma conquista transitória de coisas, pessoas ou posições sociais. “Todos renascemos com a possibilidade da conquista da felicidade relativa, própria deste nosso plano terreno, e é preciso trabalhar para merecê-la, vencendo o nosso egoísmo e o orgulho. Não há, portanto, privilégios. 
A felicidade é conseqüência de aprimoramento espiritual de cada um de nós. Exige esforço contínuo”, explica. Para Lelis, a felicidade pode ser considerada como missão do processo evolutivo na Terra, já que o objetivo desta vivência é alcançar a perfeição. “Ensina-nos Jesus: sede perfeitos como o Pai Celestial é perfeito. Devemos, portanto, atentar para esta necessidade. Buscarmos o autoconhecimento e iniciarmos a aquisição de valores culturais, morais e espirituais. Este é o caminho que nos dará a perfeição, a plenitude, quando adquiriremos a real felicidade e faremos outros que convivem conosco felizes”, diz. 

Corrente de felicidade:

Para o idealizador da Academia da Felicidade, a partir do momento em que a pessoa aprende que é dona da própria felicidade, passa a ser fonte geradora de felicidade para os outros. “Quando a pessoa está em busca da felicidade plena, também alcançada pela combinação de realização nos campos da espiritualidade, afetividade, sexualidade, profissional e outras instâncias da existência, naturalmente, alcança as demais pessoas, criando uma corrente de felicidade”, diz. 
A teoria de Barroso é confirmada em estudo divulgado há um ano pela revista acadêmica British Medical Journal, realizado pelos americanos James Fowler, professor de ciência política da Universidade da Califórnia, e Nicholas Christakis, professor de sociologia da Universidade de Harvard. O estudo mostra que a felicidade é contagiosa, já que uma pessoa tem 15% mais chance de se sentir feliz se estiver em conexão direta com alguém feliz. A teoria poderá ser conferida no livro “The Surprising Power of Our Social Networks and How They Shape Our Lives”,  lançado  pela Editora Campus.

Energia

O pesquisador espiritualista, projetor extra físico e autor Wagner Borges, de São Paulo, diz que a felicidade é fundamental para a nossa energia, especialmente após a morte. “Nossas energias se apresentam como uma espécie de atmosfera psíquica multicolorida, uma aura que se irradia em torno de nossos corpos e reflete justamente o clima do que pensamos, sentimos e fazemos na vida. Logo, a média de nossas energias revela o que somos realmente, e não aquilo que muitas vezes queremos aparentar”, explica. De acordo com Borges, a energia de quem está de bem com a vida e com a auto-estima elevada é brilhante e cheia de viço. “E o contrário também é real: se a pessoa não está bem com ela mesma e nem com a vida, suas energias se mostrarão confusas e opacas, sem vitalidade”, diz. 
Borges explica que o corpo espiritual reflete a energia e a maneira de ser da pessoa, ou seja, o espírito sempre apresenta a energia correspondente ao nível psíquico do que ela pensa e sente. Além disso, a pessoa feliz está sempre com pensamentos positivos, focados na atitude de amor pela existência. A felicidade - que reflete a auto estima e a forma como a pessoa manifesta na vida - possibilita maior integração com espíritos elevados. “Uma pessoa feliz apresenta uma aura irradiante, e isso naturalmente a protege de seres astrais negativos, que não suportam vibrações elevadas e se afastam por eles mesmos”, garante Borges. 
Lelis destaca ainda o poder do pensamento. “Ele é o reflexo de nossa alma e a expansão do nosso ser. É energia pura e através dele nós nos relacionamos (encarnados e desencarnados) refletindo a nossa sintonia”, diz. “Pensamentos felizes e nobres nos ligam aos seres espirituais superiores. Assim devemos cultuar as idéias dignas, com boas leituras e estudos permanentes, para alcançar o nosso aperfeiçoamento e, ainda, planejar conquistas espirituais, buscando concretizá-las, conscientes que não estaremos sozinhos nesta empreitada, porque entidades espirituais superiores estão solidárias e nos auxiliarão nestas conquistas”, afirma o promotor. 

 Por :Rita Fernandjes
Reportagem publicada na Revista Bem Estar em
São José do Rio Preto, 4 de outubro de 2009