Seguidores

quinta-feira, 8 de junho de 2017

“AS VESTES DOS ESPÍRITOS”

Inúmeros são os relatos daqueles que dizem ter visto anjos, santos. Ao longo da história, alguns desses videntes foram tidos como loucos ou alucinados.
Durante a Idade Média, eram tidos por bruxos e fogueiras foram alimentadas com seus corpos, toda vez que insistiam em afirmar a veracidade das suas visões.
Na França do século XV, uma menina de treze anos passou a ter visões. Chamava-se Joana e viria a se tornar a heroína da França.
De uma França destroçada pela ausência de amor patriótico, que ela bem soube reacender nas almas.
Joana d'Arc identificava especialmente três dos Espíritos que lhe apareciam como sendo Santa Catarina, Santa Margarida e São Miguel.
Sabe-se que São Miguel nunca declarou a ela se chamar assim. É ela que o denomina dessa forma.
Talvez por ele lhe aparecer trajado da forma que vira, na igreja de sua infância, onde ia orar diariamente, a imagem de pedra como sendo dessa personalidade.
Quanto à Santa Catarina e Santa Margarida, essas são designadas a Joana pelo próprio São Miguel.
Durante os interrogatórios a que foi submetida em seu processo de condenação, ela afirmou: Vi São Miguel e os anjos com os olhos do meu corpo, tão perfeitamente como vos vejo.
E, quando se afastavam de mim, eu chorava e bem quisera que me levassem consigo.
Mas ela não somente vê e ouve maravilhosamente essas criaturas, como também as sente pelo tato e pelo olfato.
Toquei em Santa Catarina, que me apareceu visivelmente. E, referindo-se às duas santas, continua: Abracei-as ambas. Rescendiam perfumes. É bom se saiba que rescendiam perfumes.
Certa feita, quando lhe perguntaram se esses santos da igreja lhe apareciam nus, de uma forma inteligente, ela contra-argumenta:
Por que me indagais isso? Acreditais que Deus não teria com que vesti-los?
Aqueles que têm visões se referem a indumentárias simples, desataviadas, como uma grande veste branca. Outros descrevem com detalhes roupas e adereços, próprios da época em que viveram os personagens que se lhes apresentam à visão.
Deveria transcorrer o tempo e revelações da própria Espiritualidade nos serem feitas, para que pudéssemos entender um pouco mais a respeito desse mundo espiritual, de onde viemos e para onde retornaremos.
Não existe o vácuo, o vazio em parte alguma. Tudo está cheio do hálito de Deus, fluido Universal.
E é desse fluido que, ao sabor da própria vontade, cada Espírito se serve para reproduzir as vestes que deseja, sobretudo, quando se mostra à visão mediúnica, a fim de ser identificado.
Bem tinha razão a jovem heroína em afirmar que Deus tinha com que vestir os Espíritos.
E, em palavras simples, nos ensinou que o mundo espiritual é de grande riqueza, superando em muito as tantas que conhecemos no planeta que habitamos.
É um mundo de ação, beleza, perfumes. Um mundo que nos cerca e que convive conosco, os que transitamos pela carne, temporariamente.
Um mundo povoado de seres que por nós velam e nos protegem.

Redação do Momento Espírita, com base nos caps. 4 e 11 do livro Joana d’Arc (médium), de Léon Denis, ed. Feb.

Em 28.04.2011.

"POEMA DA GRATIDÃO" DIVALDO FRANCO


"PRECE PELOS ENFERMOS"

Senhor dos Mundos, Excelso Criador de todas as coisas.
Venho à Tua soberana presença neste momento, para suplicar ajuda aos que estão sofrendo por doenças do corpo ou da mente.
Sabemos que as enfermidades nos favorecem momentos de reflexão, e de uma aproximação maior de Ti, pelos caminhos da dor e do silêncio.
Mas apelamos para tua misericórdia e pedimos:
Estende Tua luminosa mão sobre os que se encontram doentes, sofrendo limitações, dores e incertezas.
Faz a fé e a confiança brotarem fortes em seus corações.
Alivia suas dores e dá-lhes calma e paz.
Cura suas almas para que os corpos também se restabeleçam.
Dá-lhes alívio, consolação e acende a luz da esperança em seus corações, para que, amparados pela fé e a esperança, possam desenvolver o amor universal, porque esse é o caminho da felicidade e do bem-estar... é o caminho que nos leva a Ti.
Que a Tua paz esteja com todos nós.
Que assim seja!!

"OBESIDADE MENTAL"

Ao contrário do que  a designação "obesidade mental" possa sugerir, não trataremos aqui do aspecto do ganho de peso excessivo  causado por questões  emocionais, mas adotaremos a expressão  "obesidade mental " para enfocar o excesso de volume  ou "gordura desnecessária" de dados armazenados pelo nosso psiquismo.
Uma questão se impõe nos dias de hoje: o excesso de informações poderia trazer prejuízos ao  nosso psiquismo e a  nossa  espiritualização?
Sim, quando se fala em excesso, não há dúvida que  o agressivo  volume de informações, quando nos impacta e nos impregna, torna-se  acúmulo de dados  que não conseguimos processar de forma organizada e psiquicamente saudável. São partículas ou ondas de informação que promovem em cada um de nós um fenômeno  totalmente específico, pois cada um reage de forma diferente.
O excesso de informações  cria  reservas de energia em nossa intimidade psíquica, nosso inconsciente, e essas reservas pulsam, gerando  campos vibratórios em nossa mente com consequências imprevisíveis para cada pessoa.  Este volume de campos energéticos armazenados  seria a  "obesidade mental".
Atualmente, estamos sujeitos ao bombardeio energético de informações  através da internet, TV, telefone celular e outros veículos de informações. Cumpre a nós o bom senso de não nos alienarmos da vida moderna, não nos isolarmos, mas convivermos de forma equilibrada  com a tecnologia.
Em qualquer forma de obesidade, mais importante  do que o tratamento seria a profilaxia, ou seja, adotarmos um conjunto de medidas preventivas.
A medida preventiva mais eficaz seria, sem dúvida,  uma  dieta adequada. A dieta que sugerimos  teria itens na prescrição. Analogamente à dieta preventiva da obesidade física, onde a redução de determinados alimentos, tais como carboidratos é recomendável, além da diminuição  do volume de todos os alimentos,  deve-se adotar na "obesidade mental " uma dieta psíquica. Esta dieta psíquica prescreve, inicialmente, a  redução quantitativa de estímulos mentais como primeiro item de orientação médica.
Assim, já nos deparamos com  jovens que, simultaneamente,  veem  TV, digitam o teclado do computador,   conversam com a pessoa ao seu lado, observam pela janela o que ocorre lá  fora e pasmem: atendem o celular  ou mantem um fone de ouvido... Caberia  muito bem , neste caso,  uma boa  dieta. Uma redução na "ingestão" de alimentos psíquicos,  montar um prato com  uma montanha menor de  alimentos psíquicos.
O segundo item da nossa prescrição seria, além da dieta quantitativa, uma dieta qualitativa. Da mesma forma como,  na obesidade física, recomendamos reduzir a ingestão de carboidratos, e aumentar a ingestão de alimentos ricos em  vitaminas,  seria, de fundamental importância, selecionarmos os programas, adequar o gênero de informações que estamos captando, inúmeras vezes ao dia, de forma repetida, ( insisto: sistematicamente repetida), e preenchermos parte deste tempo com leitura, música suave e contato com a natureza.
O último item da nossa prescrição constaria de uma transfusão, não uma transfusão sanguínea, mas uma transfusão de energia afetiva, social e familiar. O amor é fundamental em nossas vidas.



Dr. Ricardo Di Bernardi é médico pediatra, homeopata. Fundador e presidente do ICEF em Florianópolis. Autor de vários livros entre eles - Gestação Sublime intercâmbio.

“ACOLHIDA AOS ABORTADOS NO PLANO ESPIRITUAL. ” PARA ONDE VÃO OS ESPÍRITOS ABORTADOS? ”

Qual foi a intenção daquela criatura quando praticou o aborto? Que valores entraram em consideração naquele momento? O que aconteceu naquela hora? Quando a gente pensa nisso a gente diz assim: “Meu Deus do céu!”. Mas, aconteceu, o que vai seguir-se a isso?
Vamos trazer a literatura espírita, para todos nós pensarmos um pouco em como vem a ser o tratamento dos espíritos abortados. Qual é a situação de um espírito abortado?
Quando nós interrompemos a vida de alguém, interrompemos primeiramente, uma programação estabelecida, previamente estabelecida. Essa programação, geralmente, é acompanhada, como qualquer programação, por um interesse por parte daqueles que vão voltar. Eles têm um projeto, eles têm uma vontade. Eles desenvolvem toda uma expectativa.
Quando, por qualquer razão, nós interrompemos a gravidez, o que acontece? Nós rompemos com a expectativa da pessoa. E, rompendo com essa expectativa, nós teremos duas respostas dos espíritos: primeira, a situação de rejeição, por termos interrompido a vida; a segunda resposta: com o tempo, eles analisam o porquê foram rejeitados.
Num primeiro momento, eles nos rejeitam, a nós que praticamos o aborto. No segundo momento, eles começam a pensar em por que é que foi com eles que aconteceu aquilo e não com outro.
No momento em que eles começam a pensar no por que aconteceu com eles, estão na fase da compreensão, já passaram para o momento de dizerem assim: “Meu Deus do céu! Aconteceu por isso, por aquilo outro, agora o resultado é esse.”
Nesse momento, os espíritos esquecem um pouco a sensação de frustração, não esquecem totalmente não, e começam a dizer para eles próprios: “Deixa eu trabalhar a minha mente, para eu retornar.” Nós temos visto isto, na espiritualidade, o raciocínio dos espíritos que desejam retornar começa da seguinte maneira: “Não deu certo com A nem com B. Então, eu vou tentar C ou D.”
Eu começo a ver nesses espíritos, às vezes, até pelas respostas que o plano espiritual dá, que não é que eles tenham perdido a confiança nos que praticaram o aborto, é que não querem ficar sem expectativas. Porque, se fez uma vez, eles ficam com medo de fazer outra vez. É muito comum esta situação.
Às vezes as pessoas perguntam ao Dr. Hermann: “Eu tive que interromper uma gravidez, onde é que está esse espírito?” E o Dr. Hermann responde: “Ele já voltou”. E eu percebo que o espírito não voltou naquele lar.
Uma vez eu perguntei ao Dr. Hermann, o porquê não voltar naquele lar? Por que não voltou nela que fez o aborto? Afinal de contas, não é ela que está devendo? E ele disse: “Alguém que te deve um dinheiro e não te paga, você torna a emprestar?”. É fica difícil de emprestar. “Então não fique esperando dos outros o que eles não podem dar.”
Então, é mais fácil o espírito tentar a sua vida num outro ambiente, do que tentar naquele que já está devendo a ele, que já tem aquele débito. Isso é a maioria dos casos, não significa que todos os casos sejam exatamente assim.
Qual é a situação desses espíritos no momento, por exemplo, do rompimento da vida? O que se passa com eles? Eu tenho visto vários episódios. Aborto inicial. Naqueles primeiros dias, primeiros momentos, a pílula do dia seguinte, por exemplo, eu tenho visto que os espíritos sentem muita frustração, mas a dor que acontece com eles é totalmente moral.
Na medida que o feto está se formando, eles passam a ter a dor física, do rompimento da vida. Então, alguns deles sentem uma situação de rompimento, de se sentirem rasgados, atormentados, com muito mal estar, como se tivessem sido atingidos profundamente na sua natureza íntima. Eles se sentem como assassinados mesmo, como se fossem atropelados.
Uma vez, conversando com o Dr. Hermann sobre uma pessoa que tinha praticado o aborto numa situação emergencial, não por vontade dela, mas numa situação emergencial de saúde. O médico disse que a criança estava com um problema qualquer e aconselhou o aborto. Eu ainda disse para a moça que ela deveria arriscar, mas ela não quis.
A criança estava perto de 4 meses e o Dr. Hermann disse: “Deu errado, o projeto não era esse”. A criança não nasceria com defeito, mas ela foi envolvida pelo raciocínio do médico. Agora nós temos que levar este espírito para um lugar e adormecê-lo, deixá-lo dormir por algumas semanas, para que ele esqueça o que aconteceu.
Eu perguntei qual era a vantagem de adormecer para esses espíritos? E ele respondeu: “Você não sabe que quando a gente está doente, o melhor para nós é dormimos, descansarmos”. É um ato totalmente físico, depois o espírito vai pensar exatamente nas consequências morais do ato que a pessoa praticou. No momento, ele só precisa descansar.
Então, eu entendi que há momentos na vida do espírito abortado, em que ele só precisa de repouso físico mesmo. Ele só precisa de reparação orgânica, de oportunidade de repousar a sua mente e o seu corpo espiritual. Sabemos que o corpo espiritual é ligado estreitamente ao corpo físico, recebe todas aquelas informações.
Ele disse assim: “No momento, esse espírito só precisa de repouso físico mesmo, não precisa de mais nada, só precisa repousar fisicamente. Posteriormente, ele vai raciocinar sobre o acontecimento em si.”
Li uma notícia de uma pessoa que tinha morrido num desastre de carro e estava grávida. A criança morreu junto com a mãe. A mãe teve o ventre rasgado e a criança foi posta para fora e morreu ali no ato. Nessa ocasião, eu perguntei ao Dr. Hermann: “O que aconteceu com este espírito?”. Não quero saber da mãe, porque ela foi uma pessoa que passou por uma prova dupla, de ter morrido e ter perdido o filho.
Naturalmente, deve ser uma prova grave para ela. Mas esse espírito, o que é que ele fez para merecer esse tipo de desencarnação tão dolorosa e tão sofrida assim. Rompendo expectativas, rompendo dores, rompendo tudo, o que aconteceu com esse espírito? Ele me disse que tinha sido um médico dedicado ao aborto.
Tinha feito muitos abortos. Naquele momento, ele tinha tido uma desencarnação extremamente dolorosa, porque era uma pessoa que tinha praticado o aborto, mas tinha se arrependido no plano espiritual. Precisava de um tipo de desencarnação extremamente dolorosa, para que sentisse no próprio corpo, tudo aquilo que ele tinha provocado nos outros.
Dr. Hermann disse: “Esse espírito sofreu realmente a pena de talião, foi olho por olho, dente por dente. Foi um sofrimento provocado pela Lei de Deus que fez com que ele passasse por aquele trauma tão violento assim.”
O tratamento desse espírito como vai ser? “Ah! Meu filho, não há noção do que vai acontecer aí.” Eu fiquei espantado: como não se pode ter a noção do que vai acontecer com uma pessoa que está pagando um erro que cometeu? Ele concluiu:
Muito simples, quando uma pessoa se arrepende, ela pede a Deus uma prova para pagar os seus débitos. Mas você não esqueça que há arrependimentos fundamentados na convicção absoluta: eu errei, eu preciso pagar. E há arrependimentos que são motivados pelo impacto do desejo de corrigir o erro feito. Esse espírito ainda vai ser analisado, para ver qual é realmente, a posição mental dele.
Ele estava vendo o caso pelas notícias do jornal, não tinha conhecimento do caso com profundidade. Disse que só iria saber disso depois de algum tempo. Eu perguntei como seria a reação de um e de outro? Ele respondeu:
“O que pede aquelas mil dores em cima, para pagar logo o seu débito, tem um tipo de resistência moral e é provável que não tenha muito equilíbrio na hora da morte. Mas o outro, que já está fundamentado, sabe resistir à pressão psicológica, física e moral na hora do desencarne.”
A frustração, é a moral; a física, que é o próprio rompimento da vida é a psicológica. Porque qualquer espírito que reencarna (isso foi o Dr. Hermann que me falou), tem a expectativa de levar adiante a sua reencarnação.
Não tem essa de espírito forte, achando que se perder a reencarnação está tudo bem. Não existe isso não. O máximo que acontece com os espíritos, é aqueles que sabem que vão ter pouco tempo de vida.
Os que sabem que vão ter uma vida curta, 5, 10 anos, esses estão preparados. Mas, ninguém pensa que a morte vai se dar durante a gravidez. Todo mundo pensa quer vai ter um tempo de vida determinado na Terra.
Uma informação muito interessante que ele me deu: nenhum espírito reencarna pensando que vai morrer no ventre materno. Ele sempre tem a expectativa de passar alguns anos no corpo físico.
Quando vamos ouvindo essas informações todas, nós vamos perguntando cada vez mais ao plano espiritual, o porquê dos casos daquelas pessoas que têm filhos que já sabem que vão nascer mortos.
Como é que fica? Será que esse espírito não vê que vai nascer morto? Ele me deu uma informação muito interessante: nem todos os espíritos percebem isso. Eles percebem na hora do nascimento. Porque eles são adormecidos para renascer naqueles corpos.
Ele mostrou um caso de uma amiga que eu tenho. Ela engravidou e começou a ter uns problemas muito graves. Naquela ocasião, não havia os exames que existem hoje, para detectar logo se a criança está normal ou não. Ele foi dar o passe na moça e ela estava se sentindo muito mal.
Então ele falou para um espírito qualquer: “Traga a ficha dele aqui”. Quando olhou a ficha disse assim: “Está morto, não tem jeito não”. Nasceu uma criança deformada. Viveu só algumas horas. Os médicos não deixaram a mãe ver o filho, tal a deformidade da criança. A criança morreu horas depois. Nesse dia eu perguntei ao Dr. Hermann: “O espírito não viu que ia renascer assim?”.
Ele respondeu: “Não, porque ele também adormece, porque ele não aguentaria se ver num corpo assim. Ele adormece e sonha com um corpo perfeito. A dor para ele vai acontecer depois que ele despertar na espiritualidade.”
Vocês estão vendo que reencarnar é extremamente difícil. Muito mais fácil é morrer. Porque você sabe que tem um fim programado. Não se sabe se é daqui a um mês, um ano, daqui a dez anos, mas renascer nessas situações, ninguém sabe realmente o que vai acontecer. Então, renascer é muito mais difícil do que morrer.
Todos vocês sabem que o fluido do médium se desgasta com o tempo. Quando nós começamos o trabalho da desobsessão, nós tínhamos um grupo de médiuns de incorporação, extremamente potente, extremamente forte, muito determinado e com uma grande quota de fluidos.
Éramos uns quatro ou cinco e durante uns dez anos trabalhamos nessa sala aqui ao lado e, praticamente, num trabalho que ninguém tomava conhecimento, porque era um trabalho de consolidação da Casa.
Os trabalhos eram feitos para limpar o psiquismo em volta, para criar uma ambientação melhor para Casa, era um trabalho muito consistente. O trabalho da desobsessão hoje é mais de esclarecimento, naquela época era um trabalho de luta com os espíritos. Era um trabalho de fixação do local. O terreno estava sendo fixado como local de trabalho espiritual.
Então, nós vimos muitos fenômenos interessantes. E um desses, foi um grupo de espíritos que chegaram aqui na Casa trazidos pela mão do Dr. Hermann, pareciam pequenos macacos. E cada vez que o Dr. Hermann trazia um espírito daqueles, ele chegava junto ao médium e acoplava o espírito no corpo do médium e este adotava gestos simiescos, se dobrava todo, ficava como macaco.
Os médiuns não sabiam que eu estava vendo. Ele trouxe um por um. Quando ele colocou o último disse assim: “Não vai ter doutrinação. Vocês não sabem nem doutrinar esse tipo de espírito. Deixe que eu trabalho com eles.” Ele colocava a mão na cabeça dos espíritos e começava a fazer um trabalho de alongamento do corpo deles.
Os espíritos iam perdendo a forma de macaco e iam se acomodando dentro do corpo. Ele falava para cada médium: “Vocês vão doar a esses espíritos a formação do corpo, porque eles perderam a capacidade de se imaginar como seres humanos.”
Então, o trabalho dos médiuns não era trabalho de doutrinação nem de mentalização, era de fornecer material, para que os espíritos novamente, como que vestissem uma capa e se sentissem encarnados num corpo humano, porque já estavam com corpo animalizado. Nessa ocasião, perguntei ao Dr. Hermann: “E os abortados?”
Aí ele me deu a explicação: “Há espíritos abortados que perdem a forma, porque ficam frustrados com a morte. Você imagina a pessoa que entra em depressão profunda. Você consegue fazer um depressivo raciocinar?”. Eu disse: “É meio difícil”. Depressivo quando está na crise, raciocina logicamente, não há quem faça a pessoa pensar corretamente.
Ele disse: “Há espíritos que, quando passam para o plano espiritual, frustrados pela morte não esperada, perdem completamente a noção de voltar para si mesmos e para o equilíbrio da sua mente”. Porque é a nossa mente que estabelece o nosso corpo perispiritual novamente. É a nossa mente que reequilibra o nosso organismo.
Ele disse: “Há espíritos que chegam aqui tão revoltados, tão complicados e tão frustrados, que nós temos que colocá-los na mesa mediúnica, junto ao médium, para que ele novamente aprenda a saber o que é corpo humano.”
Eu perguntei: “Quando é que o médium vai saber disso?”. Ele disse: “Nunca. Porque se o médium souber isso ele fica assustado”. Pelo que acompanhei desses trabalhos com espíritos em forma de macaco, o médium pouco usava a sua mente.
Acabado o trabalho, eu perguntei a todos eles (porque a gente sempre fez a avaliação do trabalho), como se sentiram e eles responderam: “Bem, mas parece que só houve incorporação no corpo não houve incorporação na mente”. Porque não podiam receber o impacto daqueles espíritos que tinham perdido o aspecto físico. Vocês imaginem que mentalidade esses espíritos podiam ter? Nenhuma.
Um outro detalhe interessante no trabalho do tratamento espiritual, é a prece. Perguntei ao Dr. Hermann por que a prece funciona e em que a prece pode funcionar junto a esses espíritos?
Ele me disse que a prece é sempre um impacto de forças generosas. É como se chegasse perto de alguém que estivesse muito nervoso e conseguisse acalmar. A prece, para eles, só funciona nesse sentido. Eles sentem-se acalmados pela força da oração.
Quanto mais tivermos generosidade na oração, uma oração sincera, mais vamos atingir o espírito. A prece, para esses espíritos, precisa ser uma prece sentida, pôr o coração no nosso sentimento.
Vocês vão me perguntar se existe no plano espiritual algum lugar aonde se recolham esses espíritos, especificamente? Não, não existe, tanto quanto eu sei. Existem enfermarias apropriadas para esses espíritos. Não locais. Normalmente, nós não temos acesso, pela dor que as pessoas têm.
Eu não visitei nenhuma enfermaria, sei que existe porque vi de longe. Mas eu perguntei ao Dr. Hermann que tipo de enfermaria era aquela? Ele disse assim: “Você seria capaz de imaginar o que seria uma enfermaria de guerra?”. Não, mas a gente pode imaginar o que seja. Todo mundo arrebentado”. É mais ou menos assim que você vai ver, mas não dá para vocês verem isso não.
Saibam que existem departamentos nos hospitais do plano espiritual, onde existem socorro específico para essas pessoas, mas o encarnado, por qualquer razão, não visita esse tipo de enfermaria, principalmente, nesse casos de pessoas tão arrebentadas, machucadas, sofridas, sem recursos.
O arrependimento de quem praticou o aborto, provoca no organismo do homem e da mulher, um estado mental muito interessante. Não é estado físico não, é estado mental. No nível físico: a mulher é muito mais receptiva à maternidade. Ela pode continuar não tendo filhos, porque hoje em dia, graças a Deus, nós temos a pílula, podemos planejar a família.
Mas, há uma modificação mental, psicológica na mulher, porque ela é muito mais voltada para a gravidez. Ela passa a amar a gravidez, o renascimento, a maternidade. O outro estado que existe, é o estado aumentado, dilatado da compreensão humana. É interessante quando nós vemos as senhoras que já participaram desse processo de aborto, como a visão que elas têm da vida, é maior.
Porque elas compreendem que a dor da perda só atinge a elas, não atinge ao homem. O homem nunca sente a dor, mas a mulher sente. Então, a visão que elas passam a ter da maternidade é muitíssimo dilata.
Esse estado de ânimo da mulher é um estado muito especial e percebemos as pessoas que tiveram essa prática, têm uma visão da vida, da maternidade, muito ampliada.
Alguns médiuns sensitivos têm a capacidade de ver e sentir que as pessoas já passaram por aquela experiência e que estão arrependidas. Porque elas demonstram, no perispírito, como se dissessem assim: “Se eu tivesse outra visão, não teria esse tipo de comportamento.” Aquilo está dentro delas, parece que explode dentro delas.
Nessa hora que aparece nas pessoas sinceramente arrependidas, nessa hora é que os bons espíritos trabalham para que a pessoa tenha outro filho. Entramos, agora, no terreno da formação da família. Vocês reparem que tem pessoas que têm filhos e dizem assim: “Não estava na hora de ter, mas eu queria ter o meu filho.”
Hoje em dia, há a possibilidade de se ter filho sem casar, ninguém está ligando muito para isso, ou, se liga, o sentimento da maternidade é muito maior, ninguém está se importando com o que os outros estão pensando. Isso significa que estamos raciocinando melhor, estamos corrigindo hábitos nossos.
Que hábitos nós estamos corrigindo? O hábito de acusar, de dizer que está feio, que está errado. Quando a gente vê uma pessoa agindo desse modo dizemos assim: Puxa vida, essa pessoa já tirou da cabeça dela aquele negócio, o que vão pensar de mim, o que vão dizer de mim.
Ela está com a idéia dela formada, não está se importando com o que vão dizer dela, ela quer prosseguir com sua vida. Nesta hora, isso não é um incentivo, um estímulo a se ter filhos de qualquer jeito, é apenas o reconhecimento de que estamos tendo de planejar a nossa família.
A esse respeito vamos lembrar que esse momento de planejamento, significa que a espiritualidade, que Deus, está dando a todos nós a liberdade de conduzir os nossos próprios destinos. Isso tem outro nome, responsabilidade. Você conduz a sua vida, você é responsável pela sua vida. Antigamente não se tinha essa liberdade, hoje cada um decide se tem um ou dez filhos.
Então, a pílula é uma liberdade, um acréscimo da bondade de Deus, que deu a todos nós, a possibilidade de escolhermos o nosso próprio destino. Ninguém vai dizer que a pílula não é uma providência divina, ao contrário, é o resultado da providência divina. Deus está deixando na nossa mão. Ninguém mais vai escolher por nós, somos nós que vamos escolher.
Essa responsabilidade está sendo dada a nós para que evitemos fazer o aborto, porque já temos como planejar o nosso próprio destino, porque já planejamos a nossa vida. A mulher tem aquele sentimento de ter filhos, mas ela vai ver que já não tem mais condições físicas, já não tem condições orgânicas ou sociais para ter um filho.
Estes sentimentos serão exercidos numa próxima encarnação. Aí a gente começa a pensar na vida futura. A vida futura é uma coisa que o espírita tem que colocar na sua mente com nitidez. A vida futura tem que fazer parte do nosso imaginário e do nosso planejamento: Eu vou renascer. Não sei quando, nem em que condições, mas eu preciso fazer isso ou aquilo no renascimento. Tenho que me programar para isso.
Imaginem se vocês todos que estão aqui, recebendo a Doutrina Espírita, se vão se imaginar renascer numa religião que não seja a espírita? Imaginem vocês, as senhoras, renascendo no Afeganistão, usando a burca. Vocês vão rejeitar, não vão querer nunca isso. Vocês têm que pensar com muita nitidez na vida futura, com clareza. “Isto não vai acontecer comigo”.
Se for uma prova não será uma prova dessas, será um outro tipo de prova. Eu tenho que pagar meus débitos, mas não numa situação dessas, porque o meu coração rejeita.
É assim que a gente vai rejeitar nascer em certos ambientes e rejeitar nascer de certos pais. Porque nós já temos condição de analisar a vida futura e escolher mais ou menos, o que planejamos para os nossos passos.
Então, o renascer para ter filhos, também é um projeto que o espírito deve ter para a vida futura. Tem que renascer pensando no que vai fazer da sua existência. Que tipo de espíritos ele vai querer, que tipo de pessoas pode trazer para junto de si. Essa visão precisa ser clara para nós.
Porque tal seja a nossa visão, tal será a programação que vamos estabelecer para nós mesmos. Então, quando você diz assim: “mas se eu não pude nessa encarnação por isso ou por aquilo, como será minha próxima encarnação?”.
Não vai ser dolorosa, não. Não fiquem pensando que por fazer aborto vai ter uma reencarnação terrível! Não vai ter isso, não.
Vocês vão ter oportunidade de trazer o espírito de volta. Só isso. Deus não vai punir ninguém por isso, não. O que vai acontecer é que vamos ter que acertar o passo com a Lei Divina.
Fonte-Harmonia Espíritual-Centro Espírita Léon Denis

Núcleo de Valorização da Gravidez