Seguidores

quarta-feira, 10 de maio de 2017

“TRATAMENTO ESPIRITUAL DO CÂNCER”

A problemática do câncer:
A cada minuto 30 pessoas recebem o diagnóstico de câncer ao redor do mundo. Isso representa mais de 15 milhões de casos novos da doença por ano. O peso que a palavra câncer carrega ainda é enorme, provavelmente porque antigamente equivalia a uma sentença de morte. Mas muita coisa mudou. A ciência traz resultados maravilhosos nos tratamentos atuais.
Ouvir de um profissional: - você tem câncer! - gera um turbilhão de emoções. Desespero, dor, sofrimento, tristeza, são alguns dos sentimentos que permeiam esse momento. A depender da personalidade do médico, mais fechado ou falante, mais compassivo ou seco, o impacto da noticia é atenuado ou aumentado. Sem exceção a regra, é um período onde a família interrompe a correria do dia a dia e obrigatoriamente reavalia a caminhada individual e coletiva.
O câncer é uma doença que precisa de muito conhecimento para ser tratada, e dessa forma, uma equipe multiprofissional com especialistas no assunto é a melhor forma de lidar com a situação. Não é incomum que diante desse diagnóstico, ocorra a procura por tratamentos complementares. A família se volta para a religião de base, e abre o coração para outras formas terapêuticas, muitas vezes chamadas de terapias alternativas, mas que na verdade não constituem de forma alguma uma alternativa para o tratamento médico e sim um complemento com efeitos variáveis, ou seja, funciona pra uns e não pra outros, exatamente como o protocolo médico.
Essa procura por caminhos mais leves não é infundada. Uma pesquisa (metanálise) publicada na prestigiosa revista americana Cancer, mostrou que quanto maior a religiosidade/espiritualidade do paciente, maior a associação com o bem estar físico durante o tratamento. O artigo ressalta também que uma abordagem religiosa/espiritual precisa fazer parte de um programa de cuidado holístico no paciente com câncer.
A visão espiritualista:
Na nossa prática mediúnica na Comunidade Espírita Ramatís, temos tentado estudar o efeito do câncer nos corpos espirituais e as formas de atenuar o sofrimento causado no doente e na família. Durante os mais de 25 anos em que atendemos esses pacientes já observamos respostas quase miraculosas e da mesma forma, desencarnes lamentáveis, de portadores do câncer que acabam se tornando amigos queridos.
A doutrina espírita nos fala que o câncer tem raízes profundas no nosso psiquismo, nas nossas atitudes pretéritas, e que a sua ocorrência poderia nos auxiliar a curar nossa alma, através de um processo que Ramatís chama de "verter para a carne", ou seja, a drenagem de uma energia espiritual adoecida para o corpo físico.
Obviamente que do ponto de vista médico, observamos a hereditariedade, a genética, as substâncias cancerígenas, os disruptores endócrinos, e tudo isso é muito importante, mas nossa abordagem hoje, diz respeito somente ao aspecto energético-espiritual da doença.
Um dado importante que nos foi passado pela espiritualidade maior e pela observação sistemática nos trabalhos mediúnicos é que o processo de drenagem dessa energia espiritual do períspirito para o corpo físico só acontece se o Duplo Etérico estiver lesado.
Definição de Duplo etérico:
O nobre Dr. José Lacerda ensina que o Duplo representa a vitalidade, a energia construtora que coordena as moléculas físicas e as reúne no organismo físico.
Ressaltamos que uma das características principais do câncer é justamente o crescimento desordenado, e isso ocorre porque o controle da forma física exercido pelo Duplo (comandado pelo corpo astral) está danificado.
A designação de "duplo etérico" exprime a natureza e a constituição da parte mais sutil do nosso corpo físico; esta designação é, pois, significativa e fácil de reter. Este elemento, o "duplo etérico", é formado por éteres variados, e duplo porque constitui uma duplicata no nosso corpo físico, sua sombra por assim dizer. Ele é formado na gestação e quando do desencarne, o Duplo, assim como o corpo físico se desintegra.
André Luiz, através da mediunidade de Chico Xavier nos mostra que o Duplo é constituído de eflúvios vitais que asseguram o equilíbrio entre a alma e o corpo de carne. Essas emanações neuropsíquicas revestem o perispírito.
No livro Mãos de luz, Bárbara Brennan revela a existência de um corpo ou campo de energia vital (Duplo etérico), que forma a matriz, a qual penetra o denso corpo físico como teia reluzente de raios de luz. Essa matriz energética é o modelo básico sobre o qual se afeiçoa e firma a matéria física dos tecidos, que só existem como tais por força do campo vital que os sustenta.
Funções do Duplo Etérico:
Ramatís nos explica que o corpo etéreo ou duplo etérico liga-se ao físico e ao perispírito (corpo astral), intermediando e transmitindo ao cérebro físico as manifestações vibratórias e impulsos do espírito e também de outros espíritos desencarnados.
No livro "elucidações do além", Ramatís esclarece que o Duplo absorve o Prana ou a vitalidade do mundo oculto, emanada do Sol, conjugando-a com as forças exaladas no meio físico; e em seguida as distribui pelo sistema nervoso e por todas as partes do organismo físico do homem.
Não é um veículo consciente, pois é incapaz de atuar por si ou de modo inteligente, mesmo quando desligado do homem. Embora realize certos ajustes e tome providências defensivas, isto sucede pelo automatismo instintivo e biológico do próprio organismo carnal, pois este, quando se move independentemente do comando direto do espírito imortal, revela um sentido fisiológico inteligente e disciplinado, nutrindo e reparando as células gastas ou enfermas, substituindo-as por outras, sadias, de modo a recuperar-se de todas as perdas materiais.
Em resumo, o Duplo tem a função de nutrir e reparar as células físicas. Ele faz a comunicação entre o perispírito e o sistema nervoso do corpo físico. Exerce as suas funções de forma automática.
Tratamento do câncer através do Duplo Etérico:
Dentro da filosofia espírita aprendemos que nossas atitudes pretéritas equivocadas plasmaram energias desarmonizadas no nosso perispírito. A harmonização desse importante corpo sutil é uma das prioridades no nosso processo de evolução. Isso poderia e preferencialmente deveria acontecer de forma leve através da nossa mudança íntima.
Porém, a maioria de nós prefere o caminho mais doloroso, repetindo padrões de comportamentos equivocados e sofrendo as consequências danosas da nossa teimosia.
Fosse outra a nossa atitude e a misericórdia divina encontraria formas positivas de agir em nosso coração. Mas mesmo que o diagnóstico tenha sido firmado e você ou algum familiar esteja nesse momento passando por essa dificuldade, temos observado nos trabalhos mediúnicos que os espíritos superiores estão sempre presentes na assistência, e coisas maravilhosas acontecem nas vidas das pessoas.
Uma das formas que o espírito imortal encontra para se livrar dessas energias adoecidas é drenando para o corpo físico. Entretanto, o Duplo tem justamente a função de proteger essa comunicação bilateral, físico-astral. Chega um momento onde a persistência dessa doença energética se mostra intolerável para o espírito, e essa energia lesa o Duplo e atinge o corpo físico, causando a doença.
Esse é exatamente o retrato que vemos nos pacientes que atendemos em nossa casa espírita na assistência mediúnica. Em 100% dos portadores de câncer o Duplo está completamente lesado. A tela etérica, espécie de pele (na falta de terminologia mais adequada) que reveste o Duplo perdeu completamente a integridade e os chacras estão deformados e muito comprometidos.
A lesão na tela etérica faz com que o paciente perca muita energia vital. Os estudiosos do magnetismo relatam há muito tempo que os portadores de câncer são sugadores de energia. Com o Duplo lesado, não existe possibilidade de reter a energia vital curativa. É como querer reter o calor deixando a tampa da panela aberta.
Reconstruir o duplo etérico é uma parte importante no tratamento complementar do câncer. Isso pode ser feito pela acupuntura, pela homeopatia, Reiki e outras terapias, mas uma das formas mais eficazes é através da doação consciente de ectoplasma.
O excelente André Luiz esclarece que o ectoplasma é o fluido animalizado produzido no duplo etérico e decorrente do metabolismo biológico do equipo físico. Em médiuns treinados, o ectoplasma abundante exalado pelo duplo etérico durante o desdobramento consciente contribui para a revitalização e o retorno à forma original do perispírito e do duplo do atendido (portador de câncer).
Na nossa Comunidade Espírita, ao atender um assistido portador de câncer, o primeiro tratamento realizado é no Duplo. Com os médiuns em desdobramento consciente, intencionamos a exsudação do ectoplasma com a finalidade de reconstruir o Duplo etérico do assistido, realinhando e harmonizando os chacras, refazendo a tela etérica e implantando um molde energético que ficará no Duplo do assistido durante uma semana.
É importante esclarecer que esse é somente um dos aspectos do tratamento espiritual. Quando comparamos com o tratamento médico, é como pensar na cirurgia, na quimioterapia e na radioterapia. Um complementa o outro e todos são importantes a depender da indicação.
Dentro da abordagem espiritual temos vários fatores que precisam ser tratados, e que detalharemos posteriormente em outros artigos, mas a título de informação, é fundamental a terapia psicológica para aceitação e entendimento tanto do paciente como da família. Da mesma forma, devemos observar o tratamento espiritual do perispírito, o modelo organizador biológico e do corpo mental, que envolve as memorias negativas que originaram o processo em primeira instância.
Se ficarmos somente no Duplo, não atingiremos a causa-raiz do problema. Mas qualquer outro tratamento sem a reconstituição do Duplo não surtirá o mesmo efeito. Visão holística acolhedora. Esse é o caminho.
Paz e luz!

Sérgio Vencio- Medicina e Espiritualidade

“CARMA, DESTINO E LIVRE-ARBÍTRIO NA VISÃO ESPÍRITA. ”

As palavras “carma”, “destino”, “livre-arbítrio”, sempre provocam no ser humano, em geral, algumas dúvidas, questionamentos de natureza existencial, porque ainda que não tenhamos qualquer crença religiosa, mesmo sendo o mais “convicto” materialista, nossas dores morais e físicas, nossa felicidade e desditas, os acidentes de percurso da vida, despertam-nos para as realidades da alma humana.
- Ah, esse é meu destino, meu carma ! – Muitas e muitas vezes temos ouvido afirmativas como essa, de pessoas de diferentes classes sociais, cultura, profissão, religião, orientação sexual, e outros indicadores, conferindo às palavras carma e destino o mesmo significado: errado!
CONCEITOS DE CARMA, DESTINO E LIVRE-ARBÍTRIO
Segundo o “Novo Minidicionário Escolar – Língua Portuguesa” de Dormival Ribeiro Rios as palavras carma, destino e livre-arbítrio, possuem a seguinte definição:
Carma - as primeiras noções da lei de causa e efeito, segundo a qual a cada ação corresponderá, no plano moral ou físico, uma reação, revelando as causas do destino do destino do homem. Peso do destino que uma pessoa carrega (grifo nosso).
Destino - encadeamento de fatos determinados por leis necessárias ou fatais. Fatalidade. Fado. Sorte(grifo nosso).
Livre-arbítrio – opção que o homem tem para decidir e escolher o que lhe convém (grifo nosso).
Primeiramente, na definição da palavra “carma” existe explícito, segundo observamos em nosso grifo, a ideia de carma=peso do destino a ser carregado por uma pessoa, ou seja, todo carma é um peso.
Quanto ao “destino”, a noção clara de que os acontecimentos em nossas vidas estão predeterminados, e de que ficamos ao “sabor da sorte”, é cristalina como água pura.
Diante de conceitos tão fechados, rígidos, como pode valer em nossas vidas de espíritos imortais, ainda que atualmente encarnados, o tão almejado e necessário livre-arbítrio? Afinal, podemos ou não, decidir e escolher o que nos convém?
Nossa reflexão é no sentido de harmonizarmos os conceitos de carma, destino e livre-arbítrio, retirando-lhes os conteúdos deterministas, para uma visão ampla e transcendente, mais adequada com os aspectos educacionais e retificadores da reencarnação. A doutrina codificada por Alan Kardec trouxe uma compreensão profunda sobre a alma humana, abrindo horizontes ao homem, ao considera-lo um ser em franca evolução.
Na pergunta nº 132 do Livro dos Espíritos, Kardec questiona sobre qual seria o objetivo da encarnação? A resposta cristalina é : “- A lei de Deus lhes impõe a encarnação com o objetivo de faze-los chegar à perfeição ...”. Em nenhum momento aparece a palavra sofrimento, fado, dor, ou qualquer outro termo, que signifique “FATALIDADE”.
A palavra “carma” não é mencionada em nenhum momento por Kardec, ou pelos espíritos comunicantes das obras básicas, entretanto, como sinônimo de ação, a cada nova existência o homem progredirá inexoravelmente, até atingir a perfeição, como estipulado no penúltimo parágrafo do RESUMO DOS PRINCIPAIS PONTOS DA DOUTRINA ESPÍRITA: “Mas também nos ensinam que não há faltas imperdoáveis, que não possam ser apagadas pela expiação. Pela reencarnação, nas sucessivas existências, mediante seus esforços e desejos de melhoria no caminho do progresso, o homem avança sempre e alcança a perfeição, que é a sua destinação final”.
A expressão “mediante seus esforços e desejos de melhoria” deixam bem esclarecido, que o livre-arbítrio do ser humano é a sua grande ferramenta evolutiva, inexistindo determinismos e fatalidades.
Ainda com relação ao destino, utilizado como sinônimo de fatalidade, Kardec pergunta aos espíritos, na questão nº 851 do Livro dos Espíritos:” Haverá fatalidade nos acontecimentos da vida, conforme o sentido que se dá a essa palavra, ou seja, todos os acontecimentos são predeterminados? Nesse caso, como fica o livre-arbítrio? – A fatalidade existe apenas na escolha que o Espírito faz ao encarnar e suportar esta ou aquela prova. E da escolha resulta uma espécie de destino, que é a própria consequência da posição  que ele próprio escolheu e em que se acha. Falo das provas de natureza física, porque,  quanto às de natureza moral e às tentações, o Espírito, ao conservar seu livre-arbítrio quanto ao bem e ao mal, é sempre senhor para ceder ou resistir ...”.
Analisando superficialmente a resposta, podemos concluir que o espírito humano escolhe o tipo de vida que irá desfrutar durante sua encarnação – logo, não há destino – e, que o livre-arbítrio é a grande alavanca da evolução, a todos nós que estamos encarnados no planeta.
A liberdade de escolher nosso próprio destino, todos os dias, torna-se o diferencial entre os gênero humano e os animais inferiores, que ainda, não podem discernir entre o bem e o mal, o certo e o errado, o moral e o imoral.
Evoluir é o nosso destino, como evoluir – pelo conhecimento ou através da dor – é sempre uma questão de ESCOLHA.
Victor Sergio de Paula FONTE: http://www.recantodasletras.com.br