Seguidores

quarta-feira, 11 de abril de 2012

"ESPIRITISMO, ATEÍSMO E MATERIALISMO"

O ateísmo surge na Europa na Antigüidade e ganha força a partir do declínio do feudalismo, e do surgimento da civilização humanista durante o Renascimento. Está ligado ao racionalismo e à exaltação da ciência empírica no contexto de uma nova economia, fruto dos interesses da burguesia emergente. Enfatiza o ideal de autonomia da razão e a recusa de explicações de origem sobrenatural. Identifica-se com o iluminismo e o processo de secularização da sociedade e do estado em oposição ao antigo regime. O ateísmo é o inverso do Espiritismo, pois, em sua doutrina nega a existência de Deus. Daí a sua perniciosidade para a sociedade humana. Figurando a questão poderíamos dizer que o ateísmo é o veneno e o espiritismo o remédio. Só o Espiritismo é capaz de rechaçar o ateísmo, corroendo-o em suas próprias bases.
O Espiritismo também prioriza a razão, não são apenas os materialistas e ateístas. Kardec deixa claro essa questão na conclusão de “O Livro dos Espíritos” no penúltimo parágrafo, quando declara que “o argumento supremo deve ser a razão.”
Bem sabemos das patuscadas das religiões que promovem o sobrenatural através dos milagres, mas, religião e sobrenatural não são sinônimos; o Espiritismo deixa claro isso quando fala de uma religião natural baseada nas leis naturais e na consciência da própria criatura, que traz em sua casa mental a herança ou, como diria René Descartes, “a marca do Criador”.
A propagação do ateísmo e do materialismo é preocupante e nos dias atuais cresce o número de pessoas que declaram-se sem religião. Até os anos 70, elas eram menos de 1% da população. Nos anos 90, 5,1% e atualmente chegam a 7,3% segundo dados do IBGE.
Segundo dados da Enciclopédia Britânica, em 1994 cerca de 240 milhões de pessoas declaravam-se ateístas (ativamente contrárias a qualquer religião) e mais de 900 milhões diziam-se não-religiosas (sem nenhum tipo de crença).
A Doutrina Espírita é sem dúvida, a saída deste labirinto confuso e vazio em que o homem se meteu; precisamos divulgar cada vez mais a Doutrina dos Espíritos superiores. O vazio espiritual deve ser preenchido com fé raciocinada. A fé e a razão são faces da mesma moeda.
Os materialistas têm alergia ao sobrenatural, bem sabemos, mas, fiquem tranqüilos, Kardec não foi um místico exaltado, como pensam alguns; foi, além de professor e escritor, um pensador profundo que viveu intensamente sua época. Kardec quando foi convidado pelo Sr. Fortier para assistir o fenômeno das “mesas girantes”, que além de se moverem, também falavam quando magnetizadas; agiu da mesma forma que agiria um incrédulo rigoroso: “Só acreditarei quando o vir e quando me provarem que uma mesa tem cérebro para pensar, nervos para sentir e que possa tornar-se sonâmbula. Até lá, permita que eu não veja no caso mais do que um conto para fazer-nos dormir em pé.” Grifei algumas palavras para melhor entendimento da questão em análise.
Depois de muito estudo e observação o Codificador Espírita conclui:
“As comunicações entre o mundo espírita e o mundo corpóreo estão na ordem natural das coisas e não constituem fato sobrenatural, tanto que de tais comunicações se acham vestígios entre todos os povos e em todas as épocas. Hoje se generalizaram e tornaram patentes a todos.”
Kardec que também era avesso as carolices da religião tem uma advertência para os ateístas e materialistas:
“Com efeito, a religião se funda na revelação e nos milagres. Ora, que é a revelação, senão um conjunto de comunicações extraterrenas? Todos os autores sagrados, desde Moisés, têm falado desse espécie de comunicações. Que são os milagres, senão fatos maravilhosos e sobrenaturais, por excelência, visto que, no sentido litúrgico, constituem derrogações das leis da Natureza? Logo, rejeitando o maravilhoso e sobrenatural, eles rejeitam as bases mesmas da religião. Não é deste ponto de vista, porém, que devemos encarar a questão.”
Depois da advertência vem a orientação com a segurança de quem mergulhou nas águas profundas do conhecimento espiritual:
“Somente o Espiritismo, bem entendido e bem compreendido, pode remediar esse estado de coisas e tornar-se, conforme disseram os Espíritos, a grande alavanca da transformação da Humanidade. A experiência deve esclarecer-nos sobre o caminho a seguir. Mostrando-nos os inconvenientes do passado, ela nos diz claramente que o único meio deles serem evitados no futuro consiste em assentar o Espiritismo sobre as bases sólidas de uma doutrina positiva que nada deixe ao arbítrio das interpretações.”
Dito isto conclui:
“A doutrina materialista é, pois, a sanção do egoísmo, origem de todos os vícios; a negação da caridade – origem de todas as virtudes e base da ordem social – e seria ainda, a justificação do suicídio.”
Diante das instruções arroladas pelo insigne Codificador Espírita, devemos cada vez mais, estudar e divulgar a Doutrina Espírita, para não darmos motivos aos que pensam que ela é estéril e vazia.
Bernardino da Silva Moreira

(Publicado na REVISTA INTERNACIONAL DE ESPIRITISMO, Ano LXXVII, Nº 07, pág. 371, Agosto de 2002 e republicado na Revista AURORA, Ano XXIII, Nº 88, Outubro/Novembro/Dezembro de 2002).

"ESPIRITISMO, ATEÍSMO E MATERIALISMO"

O ateísmo surge na Europa na Antigüidade e ganha força a partir do declínio do feudalismo, e do surgimento da civilização humanista durante o Renascimento. Está ligado ao racionalismo e à exaltação da ciência empírica no contexto de uma nova economia, fruto dos interesses da burguesia emergente. Enfatiza o ideal de autonomia da razão e a recusa de explicações de origem sobrenatural. Identifica-se com o iluminismo e o processo de secularização da sociedade e do estado em oposição ao antigo regime. O ateísmo é o inverso do Espiritismo, pois, em sua doutrina nega a existência de Deus. Daí a sua perniciosidade para a sociedade humana. Figurando a questão poderíamos dizer que o ateísmo é o veneno e o espiritismo o remédio. Só o Espiritismo é capaz de rechaçar o ateísmo, corroendo-o em suas próprias bases.
O Espiritismo também prioriza a razão, não são apenas os materialistas e ateístas. Kardec deixa claro essa questão na conclusão de “O Livro dos Espíritos” no penúltimo parágrafo, quando declara que “o argumento supremo deve ser a razão.”
Bem sabemos das patuscadas das religiões que promovem o sobrenatural através dos milagres, mas, religião e sobrenatural não são sinônimos; o Espiritismo deixa claro isso quando fala de uma religião natural baseada nas leis naturais e na consciência da própria criatura, que traz em sua casa mental a herança ou, como diria René Descartes, “a marca do Criador”.
A propagação do ateísmo e do materialismo é preocupante e nos dias atuais cresce o número de pessoas que declaram-se sem religião. Até os anos 70, elas eram menos de 1% da população. Nos anos 90, 5,1% e atualmente chegam a 7,3% segundo dados do IBGE.
Segundo dados da Enciclopédia Britânica, em 1994 cerca de 240 milhões de pessoas declaravam-se ateístas (ativamente contrárias a qualquer religião) e mais de 900 milhões diziam-se não-religiosas (sem nenhum tipo de crença).
A Doutrina Espírita é sem dúvida, a saída deste labirinto confuso e vazio em que o homem se meteu; precisamos divulgar cada vez mais a Doutrina dos Espíritos superiores. O vazio espiritual deve ser preenchido com fé raciocinada. A fé e a razão são faces da mesma moeda.
Os materialistas têm alergia ao sobrenatural, bem sabemos, mas, fiquem tranqüilos, Kardec não foi um místico exaltado, como pensam alguns; foi, além de professor e escritor, um pensador profundo que viveu intensamente sua época. Kardec quando foi convidado pelo Sr. Fortier para assistir o fenômeno das “mesas girantes”, que além de se moverem, também falavam quando magnetizadas; agiu da mesma forma que agiria um incrédulo rigoroso: “Só acreditarei quando o vir e quando me provarem que uma mesa tem cérebro para pensar, nervos para sentir e que possa tornar-se sonâmbula. Até lá, permita que eu não veja no caso mais do que um conto para fazer-nos dormir em pé.” Grifei algumas palavras para melhor entendimento da questão em análise.
Depois de muito estudo e observação o Codificador Espírita conclui:
“As comunicações entre o mundo espírita e o mundo corpóreo estão na ordem natural das coisas e não constituem fato sobrenatural, tanto que de tais comunicações se acham vestígios entre todos os povos e em todas as épocas. Hoje se generalizaram e tornaram patentes a todos.”
Kardec que também era avesso as carolices da religião tem uma advertência para os ateístas e materialistas:
“Com efeito, a religião se funda na revelação e nos milagres. Ora, que é a revelação, senão um conjunto de comunicações extraterrenas? Todos os autores sagrados, desde Moisés, têm falado desse espécie de comunicações. Que são os milagres, senão fatos maravilhosos e sobrenaturais, por excelência, visto que, no sentido litúrgico, constituem derrogações das leis da Natureza? Logo, rejeitando o maravilhoso e sobrenatural, eles rejeitam as bases mesmas da religião. Não é deste ponto de vista, porém, que devemos encarar a questão.”
Depois da advertência vem a orientação com a segurança de quem mergulhou nas águas profundas do conhecimento espiritual:
“Somente o Espiritismo, bem entendido e bem compreendido, pode remediar esse estado de coisas e tornar-se, conforme disseram os Espíritos, a grande alavanca da transformação da Humanidade. A experiência deve esclarecer-nos sobre o caminho a seguir. Mostrando-nos os inconvenientes do passado, ela nos diz claramente que o único meio deles serem evitados no futuro consiste em assentar o Espiritismo sobre as bases sólidas de uma doutrina positiva que nada deixe ao arbítrio das interpretações.”
Dito isto conclui:
“A doutrina materialista é, pois, a sanção do egoísmo, origem de todos os vícios; a negação da caridade – origem de todas as virtudes e base da ordem social – e seria ainda, a justificação do suicídio.”
Diante das instruções arroladas pelo insigne Codificador Espírita, devemos cada vez mais, estudar e divulgar a Doutrina Espírita, para não darmos motivos aos que pensam que ela é estéril e vazia.
Bernardino da Silva Moreira

(Publicado na REVISTA INTERNACIONAL DE ESPIRITISMO, Ano LXXVII, Nº 07, pág. 371, Agosto de 2002 e republicado na Revista AURORA, Ano XXIII, Nº 88, Outubro/Novembro/Dezembro de 2002).