Seguidores

segunda-feira, 1 de maio de 2017

A REENCARNAÇÃO É INCOMPATÍVEL COM O AUMENTO POPULACIONAL?

Seguramente todos os pesquisadores da tese reencarnacionista já se depararam com a oportunidade de escutar este questionamento, que é um dos primeiros a serem efetuados por parte dos neófitos em estudos do gênero. Da mesma forma, também ouvimos esta indagação dos costumazes contestadores que se comprazem na negação sistemática e que não possuem maior interesse em admitir ou avaliar outros conceitos que possam por em risco sua acomodada estabilidade filosófica. Colocam-nos então o seguinte raciocínio:
"Se houvesse reencarnação os espíritos de hoje seriam os mesmos de ontem que voltariam a renascer no planeta, Sendo assim, não haveria explicação para o aumento populacional, já que seriam os mesmos espíritos que retornam".
Consideraremos três fatores básicos e simples para responder esta questão: A população do mundo espiritual, a migração de espíritos entre os diversos mundos habitados e a eterna criação de Deus.
Com relação a população do mundo espiritual, lembramos que as entidades espirituais ao se comunicarem por via mediúnica, psicográfica ou psicofonicamente, informam-nos que a população de espíritos, ligada a Terra é superior a 30(trinta) bilhões de almas (no caso, almas mesmo!). Verificando atualmente que o número de habitantes do mundo físico terrestre se aproxima aos 7 (sete) bilhões, não há como deixarmos de compreender o aumento populacional. Diríamos até, que uma "bolsa de estudos na escola da Reencarnação" deve ser bem selecionada em função da relação, número de candidatos por vaga disponível. ..
Embora esta explicação seja eficiente para alguns indivíduos, vejamos outros ângulos do problema.
Também contribui para a elucidação da questão proposta, ou seja do aumento populacional, a migração de espíritos entre astros habitados. Conforme disse o mestre Jesus: "Há muitas moradas na casa do meu Pai"; entendemos como casa do Pai não um céu de anjos alados ou beatos rosados apoiados com suas grossas sandálias nas fofas nuvens do além, harpejando sonoros hinos ao Senhor. A casa do Pai é o Universo infinito e multidimensional.
Na pluralidade dos mundos habitados, há planetas "jovens" onde reencarnam espíritos primitivos, aquém do estágio evolutivo da nossa Terra, como também existem astros, na incomensurabilidade das galáxias, nos quais renascem espíritos de elevado nível evolutivo ético e intelectual. Em determinadas circunstâncias, ocorrem transmigrações de espíritos que são deslocados para outros orbes mais adequados ao seu processo de lenta evolução.
Muitas são as razões que determinam as transmigrações de espíritos, mas a primeira e mais objetiva poderia ser resumida no seguinte conceito: não haveria mais sintonia entre o seu padrão energético vibratário com o padrão correspondente do astro em que vinham renascendo. Significa dizer que passariam a atrapalhar o progresso dos demais, caso permanecessem no mesmo orbe. Em virtude de seu atraso, não encontrariam também no referido astro, o campo de provas mais afinizado com suas características.
Ao serem deslocados, para mundos mais primitivos, passariam a ser verdadeiros missionários (paradoxalmente), nestes globos de expressão rudimentar quanto a vida intelecto-moral. Nos novos mundos, seriam também aquinhoados com novos e vigorosos estímulos educativos, tendo em vista as dificuldades encontradas.
A sabedoria universal, portanto, através de suas leis onipresentes e sábias, determina, pelas forças naturais e consciências superiores e responsáveis, as migrações periódicas de grupos ou povos que ocasiona um benefício amplo a todos os envolvidos. Além do benefício direto aos transmigrados, há que se considerar o alívio da sua ausência para os habitantes do astro que deixaram. Os que lá permaneceram estarão livres de sua ação nefasta a perturbadora da paz. Favorecidos ainda são os habitantes do astro que os recebe, onde os recém chegados pelas portas da Reencarnação serão, no meio primitivo, impulsionadores do progresso.
Encontramos nos relatos dos espíritos, em inúmeras fontes fidedignas, um exemplo clássico de entidades que migraram para a nossa Terra influenciando não só no seu aumento populacional, que é um detalhe secundário, mas no seu desenvolvimento global, falamos dos egípcios primitivos. Além de outros povos, este, constitui um exemplo bastante elucidativo haja visto a disparidade de conhecimento entre eles e as demais civilizações existentes naquela época. Os egípcios assombraram por muitos séculos ou milênios ao homem terreno pelas marcas que deixaram, desde as construções arquitetônicas até os conhecimentos de matemática, física, astronomia, medicina etc. Conhecedores da Reencarnação também possuíam, a nível da iniciação sacerdotal, muitas informações sobre a dinâmica que rege o renascimento.
Os egípcios, conforme dados obtidos por diversas manifestações mediúnicas, foram migrações de um astro, mais precisamente de um planeta ligado a estrela de Capela na constelação do Cocheiro. Pelas razões anteriormente expostas, estes capelinos foram agrupados à medida que desencarnavam e depois enviados para renascer na Terra.
O trauma psicológico do que sucedeu com esse povo se manifestava a nível do inconsciente dos mesmos fazendo-os crer na metempsicose. Como sabemos, a referida doutrina ensinava ser possível renascer em espécies inferiores quando o comportamento do homem não fosse digno perante a lei dos deuses. Acreditavam que uma espécie de punição era imposta aos maus, forçando-os a renascer como animais para expiarem suas faltas. Sabemos hoje, pela doutrina da Reencarnação, não ser possível isto, pois o espírito sempre progride e jamais retrocede. Energeticamente não é possível a sintonia de um espírito humano com o organismo de um animal, devido existir uma grande diferença de freqüência vibratória entre os mesmos. O fato é que os capelinos, ao se sentirem reencarnados como homo sapiens na Terra, achavam-se menos confortavelmente instalados em relação a estrutura corporal que os abrigava no Sistema de Capela. Na realidade não ocorrera retrocesso, mas simplesmente uma adequação a sua realidade interior. A sensação inconsciente desta mudança para uma espécie humana diferente no novo habitat, gerou a crença em ser possível renascer numa espécie inferior, ou Metempsicose.
Além das migrações de espíritos entre mundos habitados, e da notícia que a população nos planos espirituais, ligada ao nosso planeta, é muito maior que a dos encarnados, temos a considerar ainda uma terceira justificativa: a eterna criação de Deus.
A inteligência suprema do Universo, causa primária de todas as coisas, sendo perfeita é imutável. A ação de Deus se faz constante e é eterna. Não há um momento específico de criação pois o que é perfeito há de ser sempre uniformemente atuante. Na simbologia que se encerra nos textos bíblicos, onde se lê: "Deus fez o mundo em sete dias", temos, ao extrair-se o espírito da letra, o verdadeiro sentido da eternidade da criação. O vocábulo sete encerra o sentido esotérico que equivale a : "sempre", "todo", ou "completo". Assim, por exemplo: Perdoar setenta vezes sete, traduz a ideia do perdão pleno para sempre. O vocábulo "dia" também era muito utilizado para designar período, época, estágio ou mesmo, ano. Resumindo, quando estudamos o trecho onde está escrito: "Deus fez o mundo em sete dias" entendemos que é eterna ou contínua a criação.
Não há portanto, razão para preocupações em entender o aumento populacional do(s) planetas(s), considerando a existência da Reencarnação integrada aos conhecimentos do mundo espiritual, da pluralidade dos mundos habitantes e da concepção não estática de Deus.

Ricardo Di Bernardi

“A FILA PARA REENCARNAR ESTÁ ENORME. VÁRIOS ESPÍRITOS DISPUTAM O MESMO CORPO FÍSICO. ”

Neste período de transição planetária em que vivemos, a fila da reencarnação está enorme. Bilhões de espíritos disputam vaga por um corpo físico…
Algumas seitas sempre falam no fim do mundo, no final dos tempos. O Espiritismo explica que estamos vivendo um período de transição. Deixaremos de ser um mundo de provas e expiações para sermos um mundo de regeneração.
Nunca fui chegado a profecias. Até porque o valor da profecia é relativo, a profecia é uma representação do que será o futuro de acordo com o presente. Se tudo continua ocorrendo como o previsto, a profecia se cumpre. Caso contrário, o cenário muda e o futuro é redesenhado.
A fila pra reencarnar está enorme…
Inúmeras mensagens mediúnicas abordam a questão da transição. E muitas delas afirmam que nossa próxima reencarnação não será tão cedo. Entre 400 e 700 anos. Como eu já disse, não ligo muito para essas previsões, mas isso faz algum sentido.
A fila pra reencarnar está enorme. Bilhões de espíritos esperam pela oportunidade de um corpo físico. A estimativa é de que haja em torno de 30 bilhões de espíritos na Terra, entre encarnados e desencarnados. Há espíritos que não reencarnam há séculos, e precisam apressar-se se quiserem permanecer no planeta. Os que não se adequarem às novas diretrizes serão deportados…
Atualmente a média de filho por casal está em torno de 1,5. Ou seja, de 20 pessoas atualmente encarnadas reencarnarão 15 espíritos. Se você considerar apenas os seus antepassados recentes, até os avós dos seus pais, foram necessárias 14 pessoas para que você nascesse. Os avós paternos e maternos do seu pai e os avós paternos e maternos da sua mãe, mais os pais do seu pai e os pais da sua mãe, mais seu pai e sua mãe. Se os avós de seus pais (os seus bisavós) dependerem de você para nascer, são 8 espíritos disputando uma vaga e meia. Viu como isso vai longe?
A ideia de ficar séculos desencarnado, esperando por uma próxima experiência na matéria tem algo de assustador. Assustador talvez não seja o termo mais apropriado, mas não encontrei outra palavra que definisse o que seja viver tanto tempo longe da materialidade. Isto significa que teremos que nos despojar da influência da matéria densa. Um outro tipo de vida nos espera, com mais responsabilidades, com participação direta sobre os destinos daqueles que nos são caros e que ficaram para trás.
Ao longo de séculos e milênios, vamos formando afeições e vínculos de toda espécie com muitos espíritos. Formamos grandes grupos, sobre os quais exercemos influência e pelos quais somos influenciados. Uns progrediram mais, outros menos, alguns estacionaram há tempo. Não conseguiremos usufruir de uma condição melhor sabendo que seres de quem gostamos estão afastados de nós por tempo indeterminado. Também não deve ser agradável constatar que espíritos com quem não simpatizamos estão numa situação muito difícil graças, em parte, aos erros que cometemos em relação a eles no passado.
Que vamos demorar para reencarnar é praticamente certo. Só não sei se é realmente questão de séculos. Por mais que isso pareça apocalíptico, é hora de abandonarmos questões vãs, mágoas, recalques, ódio, sentimento de vingança, ambição desmedida, desejo exacerbado. Tudo o que nos ligue à animalidade é sempre prejudicial, mas num período como o que vivemos não é só prejudicial, é decisivo.
Não acho que corramos o risco de sermos deportados para um planeta inferior. Não que sejamos bons. Mas é fácil perceber que a maioria está abaixo de nós, intelectual e moralmente. Isso não é pretensão nem falta de modéstia. Se de hoje para amanhã ficassem no mundo apenas uma de cada três pessoas, você acha que ficaria? Eu acho que sim. É só olhar a multidão de CBDs (come, bebe e dorme) que enche o mundo. Não precisa nem citar os malfeitores, os criminosos.
Nosso maior esforço será em relação ao nosso próximo. Todos nós conhecemos pessoas que não são exatamente elevadas, mas pelas quais temos algum sentimento que fará com que nos responsabilizemos por elas.
Não temos mais tempo para brincadeiras. Não podemos mais nos dar ao luxo de nutrir magoazinhas ridículas. Se realmente levarmos alguns séculos para reencarnar novamente, encontraremos este planeta mudado. Serão outros valores, outros padrões de pensamento e comportamento para com o próximo.
Morel Felipe Wilkon





“ESCOLHEMOS NOSSOS FAMILIARES ANTES DE REENCARNAR? ”

'Antes de encarnar, todos nós obrigatoriamente escolhemos nossos pais e irmãos? Ou podemos nascer em uma família com integrantes com os quais nunca convivemos, em vida alguma?'-
A reencarnação é um processo complexo. Suas variáveis decorrem do nível espiritual de cada um, levando em conta as necessidades de aprendizagem não só do espírito que volta, mas também das pessoas com as quais ele irá conviver nesse período. Quando o espírito possui mais conhecimento, pode ajudar a programar sua próxima encarnação – mas sempre com a supervisão dos espíritos superiores.
Algumas vezes, ele pretende desenvolver algum lado seu que esteja dificultando seu progresso. Então, lhe é facultado reencarnar no meio de pessoas comas quais nunca tenha se relacionado antes, a fim de trocar conhecimento. Ao reencarnar, o espírito sabe que esquecerá do passado e sente-se inseguro com isso. Natural que queira ter, como pais, pessoas amigas de outras vidas, figuras nas quais confia. Mas é bom saber que isso só será possível se elas aceitarem a responsabilidade e se essa união favorecer o processo.
Reencarnar com pessoas com as quais o espírito tem afinidade é sempre muito bom, pois permite que, juntos, eles possam apoiar-se mutuamente e progredir. Tal oportunidade não é concedida a espírito que tenha prejudicado pessoas ou criado inimizades em outras vidas. Em casos assim, a reencarnação é compulsória e quase sempre ele terá de conviver na mesma família, exatamente em meio às pessoas com as quais se desentendeu.
É uma chance que a vida oferece para que ele conheça um pouco melhor seus desafetos e modifique sua maneira de se relacionar com eles. Então, os laços de parentesco servem, a princípio, para suavizar o confronto. A mesma oportunidade é dada aos espíritos que, apesar de terem feito muitos inimigos no passado, se arrependem.
Sentem remorso e necessidade de reparar seus erros. Aí, recebem a chance de programar, com o auxílio dos mentores, a reencarnação junto dos seus inimigos. Portanto, há, ainda no astral, um trabalho de aproximação entre eles, feito pelos por espíritos superiores, para que se entendam e concordem em se relacionar de novo na Terra.
Às vezes, leva muito tempo para que eles aceitem e estejam prontos para essa nova encarnação. E, ainda assim, quando tudo está bem entre eles, podem surgir dificuldades práticas na concretização do projeto.
Em certos casos, a rejeição energética da futura mãe é tão grande que acaba se tornando uma gravidez de risco, que não chega a bom termo, sendo necessárias várias tentativas. Nesse caso, atuam também as energias do espírito reencarnante que, embora queira aproximar-se daquelas pessoas, reage instintivamente ao contato energético, que se torna insuportável para ele.
Pode acontecer que as pessoas com as quais o espírito se desentendeu no passado já a tenham perdoado - e aí elas estão livres, podendo seguir adiante sem precisar recebê-lo na família. Numa situação assim, pode reencarnar em meio a desconhecidos que precisem de ajuda. Ao ajudá-las, ele irá se libertar do remorso.
Quando o espírito progride, a noção da própria maldade lhe faz mal. Só poderá seguir adiante se conseguir livrar-se dela. Pois ninguém é vítima. Todos somos responsáveis pelas nossas escolhas. O respeito às leis cósmicas é fundamental para que nosso espírito prossiga na conquista do bem. Agir com inteligência é evitar sofrimento.


Fonte: "Zibia Gasparetto."