Seguidores

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

"A POESIA SUAVE DE JESUS"




O evangelho de Jesus é um poema
à simplicidade. Não requer explicações
metafísicas nem elasticidade filosófica
para entendê-lo. 
Olhai as aves do céu; não semeiam nem
ceifam, mas nosso pai celestial as alimenta.
= É a lição do desprendimento = 
Aquele que põe a mão no arado e olha
para trás não está apto ao reino de Deus.
= É a lição da perseverança = 
Aquele que estiver sem pecado que atire
a primeira pedra.
= É a lição da auto-análise = 
Quando fordes convidados para um
banquete senta no último lugar.
= É a lição da humildade = Aquele que quer ser o maior que seja o que mais serve.
= É a lição da caridade = 
Vinde a mim todos vós que estás aflitos e sobrecarregados e eu vos aliviarei.
= É a lição do acolhimento = 
Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração.
= É a lição da delicadeza = 
Reconcilia-te com o teu inimigo enquanto estás a caminho.
= É a lição da paz = 
Saiu o semeador a semear sua semente.
= É a lição do trabalho = 
Para entrar no reino do céu é necessário nascer de novo.
= É a lição da volta = 
O filho do homem veio para servir e não ser servido.
= É a lição da nobreza = 
Seja o vosso falar sim, sim e não, não.
= É a lição da firmeza = 
Tratai a todos como gostarias de ser tratado.
= É a lição da justiça = 
Lázaro, levanta-te e anda!
= É a lição da fé = 
Procure Jesus nas coisas simples; na lágrima, no afago, na alegria pura, no trabalho honesto, no gesto fraterno, no poema à vida, enfim, em tudo que eleva e ilumina. Por isso é tão difícil para a ciência e para filosofia encontrá-lo.


(Luiz Gonzaga Pinheiro).

"A POESIA SUAVE DE JESUS"




O evangelho de Jesus é um poema
à simplicidade. Não requer explicações
metafísicas nem elasticidade filosófica
para entendê-lo. 
Olhai as aves do céu; não semeiam nem
ceifam, mas nosso pai celestial as alimenta.
= É a lição do desprendimento = 
Aquele que põe a mão no arado e olha
para trás não está apto ao reino de Deus.
= É a lição da perseverança = 
Aquele que estiver sem pecado que atire
a primeira pedra.
= É a lição da auto-análise = 
Quando fordes convidados para um
banquete senta no último lugar.
= É a lição da humildade = Aquele que quer ser o maior que seja o que mais serve.
= É a lição da caridade = 
Vinde a mim todos vós que estás aflitos e sobrecarregados e eu vos aliviarei.
= É a lição do acolhimento = 
Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração.
= É a lição da delicadeza = 
Reconcilia-te com o teu inimigo enquanto estás a caminho.
= É a lição da paz = 
Saiu o semeador a semear sua semente.
= É a lição do trabalho = 
Para entrar no reino do céu é necessário nascer de novo.
= É a lição da volta = 
O filho do homem veio para servir e não ser servido.
= É a lição da nobreza = 
Seja o vosso falar sim, sim e não, não.
= É a lição da firmeza = 
Tratai a todos como gostarias de ser tratado.
= É a lição da justiça = 
Lázaro, levanta-te e anda!
= É a lição da fé = 
Procure Jesus nas coisas simples; na lágrima, no afago, na alegria pura, no trabalho honesto, no gesto fraterno, no poema à vida, enfim, em tudo que eleva e ilumina. Por isso é tão difícil para a ciência e para filosofia encontrá-lo.


(Luiz Gonzaga Pinheiro).

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

"APRENDIZ DA VIDA"


Queria poder dizer que estou numa idade em que aprendi a viver.
Mas ainda não cheguei a este ponto.
Aprendi algumas coisas, sim.
Outras, trazem uma luta enorme dentro de mim,
e não sei quantas quedas e quantos levantares serão necessários para que eu aprenda.
Mas não desisto!
Parece que estou na idade da razão, mas percebo
que não existe idade para isso.
Nem sempre tenho razão.
Nem sempre sei o que fazer.
Sou e serei, até o último minuto,
Um aprendiz da vida.
Dizem que perdoar é esquecer e eu não sei ainda
onde encontrar esta borracha
que apaga vivências doloridas ou curativos
que cubram feridas que nunca se fecham.
No meu ver, perdoar é compreender,
aceitar, e seguir adiante. É poder olhar nos olhos daquela pessoa novamente, e se precisar, dar a mão
sem sentimento de sacrifício.
Raras são as pessoas que alcançam o dom do perdão,
mas não é impossível.
Quando pensamos que sabemos tudo, porque vivemos um certo número de anos, temos
que admitir que vivemos em outra época, com outros valores e que nossas certezas
de antes, nem sempre cabem nos dias de hoje.
Nossos filhos nos lembram disso a cada instante.
São eles nossos melhores mestres,
ao contrário do que se pensa.
Em tudo que fizemos ou dizemos, nosso exemplo
vale mais do que todas as palavras.
As crianças ouvem muito mais que parecemos,
que o que dizemos.
É assim também com os que precisam
de nosso apoio.
Cada um de nós absorve acontecimentos
de maneira diferente.
Porque não vivi algo de um jeito, não obrigo
ninguém a viver da mesma forma.
Aprender a respeitar a dor alheia, é respeitar
a individualidade do ser humano.
O medo do sofrimento do amor, nos afasta das
pessoas que mais nos amam.
Muito do que chamamos de imprevisto e coincidência,
é a mão de Deus interferindo
em nossas vidas.
Devemos pensar então, duas vezes antes de reagir
mal a algo que contraria nossos planos.
O passar do tempo nos traz a experiência, mas a sabedoria vem de maneira diferente.
Ela chega com a vivência, entendimento, compreensão e aceitação das adversidades.
Meu maior medo é acreditar sobre o que dizem a meu respeito. Isso me destruiria.
Devo sempre saber quem sou e nunca me esquecer
daquele que me criou.
Aprender a vida, é reconhecer-se aluno eterno,
com as somas, as diminuições
e ciências do dia a dia.
É chegar no fim do dia e fazer planos para o dia seguinte e, se preciso for, recalcular, rever,
repensar e recomeçar.”


Letícia Thompson

"APRENDIZ DA VIDA"


Queria poder dizer que estou numa idade em que aprendi a viver.
Mas ainda não cheguei a este ponto.
Aprendi algumas coisas, sim.
Outras, trazem uma luta enorme dentro de mim,
e não sei quantas quedas e quantos levantares serão necessários para que eu aprenda.
Mas não desisto!
Parece que estou na idade da razão, mas percebo
que não existe idade para isso.
Nem sempre tenho razão.
Nem sempre sei o que fazer.
Sou e serei, até o último minuto,
Um aprendiz da vida.
Dizem que perdoar é esquecer e eu não sei ainda
onde encontrar esta borracha
que apaga vivências doloridas ou curativos
que cubram feridas que nunca se fecham.
No meu ver, perdoar é compreender,
aceitar, e seguir adiante. É poder olhar nos olhos daquela pessoa novamente, e se precisar, dar a mão
sem sentimento de sacrifício.
Raras são as pessoas que alcançam o dom do perdão,
mas não é impossível.
Quando pensamos que sabemos tudo, porque vivemos um certo número de anos, temos
que admitir que vivemos em outra época, com outros valores e que nossas certezas
de antes, nem sempre cabem nos dias de hoje.
Nossos filhos nos lembram disso a cada instante.
São eles nossos melhores mestres,
ao contrário do que se pensa.
Em tudo que fizemos ou dizemos, nosso exemplo
vale mais do que todas as palavras.
As crianças ouvem muito mais que parecemos,
que o que dizemos.
É assim também com os que precisam
de nosso apoio.
Cada um de nós absorve acontecimentos
de maneira diferente.
Porque não vivi algo de um jeito, não obrigo
ninguém a viver da mesma forma.
Aprender a respeitar a dor alheia, é respeitar
a individualidade do ser humano.
O medo do sofrimento do amor, nos afasta das
pessoas que mais nos amam.
Muito do que chamamos de imprevisto e coincidência,
é a mão de Deus interferindo
em nossas vidas.
Devemos pensar então, duas vezes antes de reagir
mal a algo que contraria nossos planos.
O passar do tempo nos traz a experiência, mas a sabedoria vem de maneira diferente.
Ela chega com a vivência, entendimento, compreensão e aceitação das adversidades.
Meu maior medo é acreditar sobre o que dizem a meu respeito. Isso me destruiria.
Devo sempre saber quem sou e nunca me esquecer
daquele que me criou.
Aprender a vida, é reconhecer-se aluno eterno,
com as somas, as diminuições
e ciências do dia a dia.
É chegar no fim do dia e fazer planos para o dia seguinte e, se preciso for, recalcular, rever,
repensar e recomeçar.”


Letícia Thompson

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

"A BORBOLETA"


Ninguém passa pelo mundo sem um encontro com o sofrimento. A função deste incômodo companheiro é desgastar o corpo para abrilhantar a alma. O corpo é como umalagarta que se arrasta pelo pântano em busca de detritos.
A borboleta é a alma que busca o céu, pois tem sede de perfume e de liberdade. O sofrimento envolve o corpo com pesado manto de aflição deixando a alma aprisionada em um casulo.
No casulo opera-se a transformação do corpo, que perde camadas inúteis fazendo surgir uma pele brilhante e macia. Utilizando a resignação a alma vai construindo asas para que possa elevar-se aos planos sublimes.
E espera que o tempo opere o milagre da transformação. A vida do espírito é parecida com a vida da lagarta. Partindo da simplicidade e da ignorância, quase sempre com a ajuda do sofrimento, chega ao céu com suas próprias asas
Da alimentação grosseira chega ao néctar; do corpo feio atinge a beleza; da limitação do rastejo alcança o vôo livre. Temos a escolha de apressar ou não a nossa metamorfose.
Voar ou rastejar é uma decisão de cada um. Pisar na lama ou pousar em flores é uma decisão pessoal e intransferível, pois na estrada evolutiva cada um escolhe seu leito.
A vida é feita de escolhas; para ganhar algo perdemos alguma coisa. A sabedoria está em perder sempre aquilo que nos prende. A vida é uma batalha no casulo da eternidade.
A cada existência ficamos mais leves, pois a capa da lagarta vai se transformando nas escamas da borboleta. De repente não mais nos arrastaremos. Nossa leveza será surpreendida pelo vento que nos impulsionará para cima. E quais borboletas, teremos nosso encontro definitivo com Deus.
Luiz Gonzaga Pinheiro.

"A BORBOLETA"


Ninguém passa pelo mundo sem um encontro com o sofrimento. A função deste incômodo companheiro é desgastar o corpo para abrilhantar a alma. O corpo é como uma lagarta que se arrasta pelo pântano em busca de detritos.
A borboleta é a alma que busca o céu, pois tem sede de perfume e de liberdade. O sofrimento envolve o corpo com pesado manto de aflição deixando a alma aprisionada em um casulo.
No casulo opera-se a transformação do corpo, que perde camadas inúteis fazendo surgir uma pele brilhante e macia. Utilizando a resignação a alma vai construindo asas para que possa elevar-se aos planos sublimes.
E espera que o tempo opere o milagre da transformação. A vida do espírito é parecida com a vida da lagarta. Partindo da simplicidade e da ignorância, quase sempre com a ajuda do sofrimento, chega ao céu com suas próprias asas
Da alimentação grosseira chega ao néctar; do corpo feio atinge a beleza; da limitação do rastejo alcança o vôo livre. Temos a escolha de apressar ou não a nossa metamorfose.
Voar ou rastejar é uma decisão de cada um. Pisar na lama ou pousar em flores é uma decisão pessoal e intransferível, pois na estrada evolutiva cada um escolhe seu leito.
A vida é feita de escolhas; para ganhar algo perdemos alguma coisa. A sabedoria está em perder sempre aquilo que nos prende. A vida é uma batalha no casulo da eternidade.
A cada existência ficamos mais leves, pois a capa da lagarta vai se transformando nas escamas da borboleta. De repente não mais nos arrastaremos. Nossa leveza será surpreendida pelo vento que nos impulsionará para cima. E quais borboletas, teremos nosso encontro definitivo com Deus.
Luiz Gonzaga Pinheiro.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

"A GRANDE TRANSIÇÃO"




Opera-se na Terra, neste largo período, a grande transição anunciada pelas Escrituras e confirmada pelo Espiritismo. O planeta sofrido experimenta convulsões especiais, tanto na sua estrutura física e atmosférica, ajustando as suas diversas camadas tectônicas, quanto na sua constituição moral. Isto porque os espiritos que o habitam, ainda caminhando em faixas de inferioridade, estão sendo substituídos por outros mais elevados que o impulsionarão pelas trilhas do progesso moral, dando lugar a uma era nova de paz e de felicidade.
Os espíritos renitentes na perversidade e nos desmandos, na sensualidade e na vileza, estão sendo recambiados lentamente para mundos inferiores onde enfrentarão as conseqüências dos seus atos ignóbeis, assim renovando-se e predispondo-se ao retorno planetário quando recuperados e decididos ao cumprimento das leis de amor.
Por outro lado, aqueles que permaneceram nas regiões inferiores estão sendo trazidos à reencarnação de modo a desfrutarem da oportunidade de trabalho e de aprendizado, modificando os hábitos infelizes a que se têm submetido, podendo avançar sob a governança de Deus. Caso se oponham às exigências da evolução, também sofrerão um tipo de expurgo temporário para regiões primárias entre as raças atrasadas, tendo o ensejo de ser úteis e de sofrer os efeitos danosos da sua rebeldia.
Concomitantemente, espíritos nobres que conseguiram superar os impedimentos que os retinham na retaguarda, estarão chegando, a fim de promoverem o bem e alargarem os horizontes da felicidade humana, trabalhando infatigavelmente na reconstrução da sociedade, então fiel aos desígnios divinos.
Da mesma forma, missionários do amor e da caridade, procedentes de outras Esferas, estarão revestindo-se da indumentária carnal para tornar essa fase de luta iluminativa mais amena, proporcionando condições dignificantes que estimulem ao avanço e à felicidade.
Não serão apenas os cataclismos físicos que sacudirão o planeta como resultado da lei de destruição, geradora desses fenômenos, como ocorre com o outono que derruba a folhagem das árvores a fim de que possam enfrentar a invernia rigorosa, renascendo exuberantes com a chegada da primavera, mas também os de natureza moral, social e humana que assinalarão os dias tormentosos, que já se vivem.
Os combates apresentam-se individuais e coletivos, ameaçando de destruição a vida com hecatombes inimagináveis. A loucura, decorrente do materialismo dos indivíduos, atira-os nos abismos da violência e da insensatez, ampliando o campo do desepero que se alarga em todas as direções.
Esfacelam-se os lares, desorganizam-se os relacionamentos afetivos, desestruturam-se as instituições, as oficinas de trabalho convertem-se em áreas de competição desleal, as ruas do mundo transformam-se em campos de lutas perversas, levando de roldão os sentimentos de solidariedade e de respeito, de amor e de caridade...
A turbulência vence a paz, o conflito domina o amor, a luta desigual substitui a fraternidade.

Mas essas ocorrências são apenas o começo da grande transição.
A fatalidade da existência humana é a conquista do amor que proporciona plenitude. Há, em toda parte, uma destinação inevitável, que expressa a ordem universal e a presença de uma Consciência Cósmica atuante.
A rebeldia que predomina no comportamento humano elegeu a violência como instrumento para conseguir o prazer que lhe não chega da maneira espontânea, gerando lamentáveis conseqüências, que se avolumam em desaires contínuos.
É inevitável a colheita da sementeira por aquele que a fez, tornando-se rico de grãos abençoados ou de espículos venenosos. Como as leis da vida não podem ser derrogadas, toda objeção que se lhes faz converte-se em aflição, impedindo a conquista do bem-estar.
Da mesma forma, como progresso é inevitável, o que não seja conquistado através do dever, se-lo-á pelos impositivos estruturais de que o mesmo se constitui.
A melhor maneira, portanto, de compartilhar conscientemente da grande transição é através da consciência de responsabilidade pessoal, realizando mudanças íntimas que se tornem próprias para a harmonia do conjunto.
Nenhuma conquista exterior será lograda se não proceder das paisagens íntimas, nas quais estão instalados os hábitos. Esses, de natureza perniciosa, devem ser substituídos por aqueles que são saudáveis, portanto, propiciatórios de bem-estar e de harmonia emocional.
Na mente está a chave para que seja operada a grande mudança. Quando se tem o domínio sobre ela, os pensamentos podem ser canalisados em sentido edificante, dando lugar a palavras corretas e a atos dignos.
O indivíduo que se renova moralmente contribui de forma segura para as alterações que se vêm operando no planeta.
Não é necessário que o turbilhão dos sofrimentos gerais o sensibilize, a fim de que possa contribui eficazmente com os espíritos que operam em favor da grande transição.
Dispondo das ferramentas morais do enobrecimento, torna-se cooperador eficiente em razão de trabalhar junto ao seu próximo pela mudança de convicção em torno de objetivos existenciais, ao tempo em que se transforma num exemplo de alegria e de felicidade para todos.
O bem fascina todos aqueles que o observam e atrai quantos se encontram distantes da sua ação, o mesmo ocorrendo com a alegria e a saúde.
São eles que proporcionam o maior contágio de que se tem notícia e não as manifestações aberrantes e afligentes que parecem arrastar multidões. Como escasseiam os exemplos de júbilo, multiplicam-se os de desepero, logo ultrapassados pelos programas de sensibilização emocional para a plenitude.
A grande transição prossegue e, porque se faz necessária, a única alternativa é examinar-lhe a maneira como se apresenta e cooperar para que as sombras que se adensam no mundo sejam diminuídas pelo Sol da imortalidade.

Nenhum receio deve ser cultivado porque, mesmo que ocorra a morte, esse fenômeno natural é veículo da vida que se manifestará em outra dimensão.
A vida sempre responde conforme as indagações morais que lhe são dirigidas. As aguardadas mudanças que se vêm operando trazem uma ainda não valorizada contribuição que é a erradicação do sofrimento das paisagens espirituais da Terra. Enquanto viceje o mal no mundo, o ser humano tornar-se-lhe-á a vítima preferida em face do egoísmo em que se estorcega, apenas por eleição especial.
A dor momentânea que o fere convida-o, por outro lado, à observância das necessidades imperiosas de seguir a correnteza do amor no rumo do oceano da paz. Logo passado o período de aflição, chegará o da harmonia. Até lá, que todos os investimentos sejam de bondade e de ternura, de abnegação e de irrestrita confiança em Deus.

Divaldo Franco-Joanna de Ângelis

"A GRANDE TRANSIÇÃO"




Opera-se na Terra, neste largo período, a grande transição anunciada pelas Escrituras e confirmada pelo Espiritismo. O planeta sofrido experimenta convulsões especiais, tanto na sua estrutura física e atmosférica, ajustando as suas diversas camadas tectônicas, quanto na sua constituição moral. Isto porque os espiritos que o habitam, ainda caminhando em faixas de inferioridade, estão sendo substituídos por outros mais elevados que o impulsionarão pelas trilhas do progesso moral, dando lugar a uma era nova de paz e de felicidade.
Os espíritos renitentes na perversidade e nos desmandos, na sensualidade e na vileza, estão sendo recambiados lentamente para mundos inferiores onde enfrentarão as conseqüências dos seus atos ignóbeis, assim renovando-se e predispondo-se ao retorno planetário quando recuperados e decididos ao cumprimento das leis de amor.
Por outro lado, aqueles que permaneceram nas regiões inferiores estão sendo trazidos à reencarnação de modo a desfrutarem da oportunidade de trabalho e de aprendizado, modificando os hábitos infelizes a que se têm submetido, podendo avançar sob a governança de Deus. Caso se oponham às exigências da evolução, também sofrerão um tipo de expurgo temporário para regiões primárias entre as raças atrasadas, tendo o ensejo de ser úteis e de sofrer os efeitos danosos da sua rebeldia.
Concomitantemente, espíritos nobres que conseguiram superar os impedimentos que os retinham na retaguarda, estarão chegando, a fim de promoverem o bem e alargarem os horizontes da felicidade humana, trabalhando infatigavelmente na reconstrução da sociedade, então fiel aos desígnios divinos.
Da mesma forma, missionários do amor e da caridade, procedentes de outras Esferas, estarão revestindo-se da indumentária carnal para tornar essa fase de luta iluminativa mais amena, proporcionando condições dignificantes que estimulem ao avanço e à felicidade.
Não serão apenas os cataclismos físicos que sacudirão o planeta como resultado da lei de destruição, geradora desses fenômenos, como ocorre com o outono que derruba a folhagem das árvores a fim de que possam enfrentar a invernia rigorosa, renascendo exuberantes com a chegada da primavera, mas também os de natureza moral, social e humana que assinalarão os dias tormentosos, que já se vivem.
Os combates apresentam-se individuais e coletivos, ameaçando de destruição a vida com hecatombes inimagináveis. A loucura, decorrente do materialismo dos indivíduos, atira-os nos abismos da violência e da insensatez, ampliando o campo do desepero que se alarga em todas as direções.
Esfacelam-se os lares, desorganizam-se os relacionamentos afetivos, desestruturam-se as instituições, as oficinas de trabalho convertem-se em áreas de competição desleal, as ruas do mundo transformam-se em campos de lutas perversas, levando de roldão os sentimentos de solidariedade e de respeito, de amor e de caridade...
A turbulência vence a paz, o conflito domina o amor, a luta desigual substitui a fraternidade.

Mas essas ocorrências são apenas o começo da grande transição.
A fatalidade da existência humana é a conquista do amor que proporciona plenitude. Há, em toda parte, uma destinação inevitável, que expressa a ordem universal e a presença de uma Consciência Cósmica atuante.
A rebeldia que predomina no comportamento humano elegeu a violência como instrumento para conseguir o prazer que lhe não chega da maneira espontânea, gerando lamentáveis conseqüências, que se avolumam em desaires contínuos.
É inevitável a colheita da sementeira por aquele que a fez, tornando-se rico de grãos abençoados ou de espículos venenosos. Como as leis da vida não podem ser derrogadas, toda objeção que se lhes faz converte-se em aflição, impedindo a conquista do bem-estar.
Da mesma forma, como progresso é inevitável, o que não seja conquistado através do dever, se-lo-á pelos impositivos estruturais de que o mesmo se constitui.
A melhor maneira, portanto, de compartilhar conscientemente da grande transição é através da consciência de responsabilidade pessoal, realizando mudanças íntimas que se tornem próprias para a harmonia do conjunto.
Nenhuma conquista exterior será lograda se não proceder das paisagens íntimas, nas quais estão instalados os hábitos. Esses, de natureza perniciosa, devem ser substituídos por aqueles que são saudáveis, portanto, propiciatórios de bem-estar e de harmonia emocional.
Na mente está a chave para que seja operada a grande mudança. Quando se tem o domínio sobre ela, os pensamentos podem ser canalisados em sentido edificante, dando lugar a palavras corretas e a atos dignos.
O indivíduo que se renova moralmente contribui de forma segura para as alterações que se vêm operando no planeta.
Não é necessário que o turbilhão dos sofrimentos gerais o sensibilize, a fim de que possa contribui eficazmente com os espíritos que operam em favor da grande transição.
Dispondo das ferramentas morais do enobrecimento, torna-se cooperador eficiente em razão de trabalhar junto ao seu próximo pela mudança de convicção em torno de objetivos existenciais, ao tempo em que se transforma num exemplo de alegria e de felicidade para todos.
O bem fascina todos aqueles que o observam e atrai quantos se encontram distantes da sua ação, o mesmo ocorrendo com a alegria e a saúde.
São eles que proporcionam o maior contágio de que se tem notícia e não as manifestações aberrantes e afligentes que parecem arrastar multidões. Como escasseiam os exemplos de júbilo, multiplicam-se os de desepero, logo ultrapassados pelos programas de sensibilização emocional para a plenitude.
A grande transição prossegue e, porque se faz necessária, a única alternativa é examinar-lhe a maneira como se apresenta e cooperar para que as sombras que se adensam no mundo sejam diminuídas pelo Sol da imortalidade.

Nenhum receio deve ser cultivado porque, mesmo que ocorra a morte, esse fenômeno natural é veículo da vida que se manifestará em outra dimensão.
A vida sempre responde conforme as indagações morais que lhe são dirigidas. As aguardadas mudanças que se vêm operando trazem uma ainda não valorizada contribuição que é a erradicação do sofrimento das paisagens espirituais da Terra. Enquanto viceje o mal no mundo, o ser humano tornar-se-lhe-á a vítima preferida em face do egoísmo em que se estorcega, apenas por eleição especial.
A dor momentânea que o fere convida-o, por outro lado, à observância das necessidades imperiosas de seguir a correnteza do amor no rumo do oceano da paz. Logo passado o período de aflição, chegará o da harmonia. Até lá, que todos os investimentos sejam de bondade e de ternura, de abnegação e de irrestrita confiança em Deus.

Divaldo Franco-Joanna de Ângelis

domingo, 12 de agosto de 2012

"O PODER DO SILÊNCIO"

Pensar antes de reagir é uma das ferramentas mais nobres do ser humano nas relações interpessoais.
Nos primeiros trinta segundos de tensão, cometemos os maiores erros de nossas vidas.
Falamos palavras e temos gestos diante das pessoas que amamos que jamais deveríamos expressar.
Nesse rápido intervalo de tempo, somos controlados pelas zonas de conflitos, impedindo o acesso de informações que nos subsidiariam a serenidade, a coerência intelectual, o raciocínio crítico.
Um médico pode ser muito paciente com as queixas de seus pacientes, mas muitíssimo impaciente com as reclamações de seus filhos.
Pensa antes de reagir diante de estranhos, mas não diante de quem ama.
Não sabe fazer a oração dos sábios, nos focos de tensão, o silêncio.
Se vivermos debaixo da ditadura da resposta, da necessidade compulsiva de reagir quando pressionados, cometeremos erros, alguns muito graves.
Só o silêncio preserva a sabedoria quando somos ameaçados, criticados, injustiçados.
Cada vez as pessoas estão perdendo o prazer de silenciar, de se interiorizar, refletir, meditar.
O dito popular de contar até dez antes de reagir é imaturo, não funciona.
O silêncio não é se agüentar para não explodir, o silêncio é o respeito, pela própria inteligência.
Quem faz a oração dos sábios, não é escravo do binômio do bateu-levou.
Quem bate no peito e diz que não leva desaforo pra casa, não pensa nas conseqüências de seus atos.
Quem se orgulha de vomitar para fora tudo que pensa, machuca quem mais deveria ser amado, não conhece a linguagem do auto controle.
Decepções fazem parte do cardápio das melhores relações.
Nesse cardápio precisamos do tempero do silêncio para preparar o molho da tolerância.
Para conviver com máquinas não precisamos de silêncio nem da tolerância, mas com seres humanos elas são fundamentais.
Ambos são frutos nobres da arte de pensar antes de reagir. Preserva a saúde psíquica, a consciência, a tranqüilidade.
O silêncio e a tolerância são o vinho dos fortes, a reação impulsiva é a embriaguez dos fracos.
O silêncio e a tolerância são as armas de quem pensa, a reação instintiva é a arma de quem não pensa.
É muito melhor ser lento no pensar do que rápido em machucar,
É preferível conviver com uma pessoa simples, sem cultura acadêmica, mas tolerante, do que com um ser humano de ilibada cultura saturada de radicalismo, egocentrismo, estrelismo.
Sabedoria e tolerância não se aprendem nos bancos de uma escola, mas no traçado da existência.
Ninguém é digno de maturidade se não usar suas incoerências para produzí-la.
Todo ser humano passa por turbulências na vida. Para alguns falta o pão na mesa; a outros a alegria na alma. Uns lutam para sobreviver, outros são ricos e abastados, mas mendigam o pão da tranqüilidade e da felicidade.
Os milionários quiseram comprar a felicidade com seu dinheiro, os políticos quiseram conquistá-la com seu poder, as celebridades quiseram seduzi-la com sua fama, mas ela não se deixou achar. Balbuciando aos ouvidos de todos, disse: “...Eu me escondo nas coisas simples e anônimas...”.
Todos fecham os seus olhos quando morrem, mas nem todos enxergam quando estão vivos. 

Código da Inteligência (Augusto Cury)

_

"O PODER DO SILÊNCIO"

Pensar antes de reagir é uma das ferramentas mais nobres do ser humano nas relações interpessoais.
Nos primeiros trinta segundos de tensão, cometemos os maiores erros de nossas vidas.
Falamos palavras e temos gestos diante das pessoas que amamos que jamais deveríamos expressar.
Nesse rápido intervalo de tempo, somos controlados pelas zonas de conflitos, impedindo o acesso de informações que nos subsidiariam a serenidade, a coerência intelectual, o raciocínio crítico.
Um médico pode ser muito paciente com as queixas de seus pacientes, mas muitíssimo impaciente com as reclamações de seus filhos.
Pensa antes de reagir diante de estranhos, mas não diante de quem ama.
Não sabe fazer a oração dos sábios, nos focos de tensão, o silêncio.
Se vivermos debaixo da ditadura da resposta, da necessidade compulsiva de reagir quando pressionados, cometeremos erros, alguns muito graves.
Só o silêncio preserva a sabedoria quando somos ameaçados, criticados, injustiçados.
Cada vez as pessoas estão perdendo o prazer de silenciar, de se interiorizar, refletir, meditar.
O dito popular de contar até dez antes de reagir é imaturo, não funciona.
O silêncio não é se agüentar para não explodir, o silêncio é o respeito, pela própria inteligência.
Quem faz a oração dos sábios, não é escravo do binômio do bateu-levou.
Quem bate no peito e diz que não leva desaforo pra casa, não pensa nas conseqüências de seus atos.
Quem se orgulha de vomitar para fora tudo que pensa, machuca quem mais deveria ser amado, não conhece a linguagem do auto controle.
Decepções fazem parte do cardápio das melhores relações.
Nesse cardápio precisamos do tempero do silêncio para preparar o molho da tolerância.
Para conviver com máquinas não precisamos de silêncio nem da tolerância, mas com seres humanos elas são fundamentais.
Ambos são frutos nobres da arte de pensar antes de reagir. Preserva a saúde psíquica, a consciência, a tranqüilidade.
O silêncio e a tolerância são o vinho dos fortes, a reação impulsiva é a embriaguez dos fracos.
O silêncio e a tolerância são as armas de quem pensa, a reação instintiva é a arma de quem não pensa.
É muito melhor ser lento no pensar do que rápido em machucar,
É preferível conviver com uma pessoa simples, sem cultura acadêmica, mas tolerante, do que com um ser humano de ilibada cultura saturada de radicalismo, egocentrismo, estrelismo.
Sabedoria e tolerância não se aprendem nos bancos de uma escola, mas no traçado da existência.
Ninguém é digno de maturidade se não usar suas incoerências para produzí-la.
Todo ser humano passa por turbulências na vida. Para alguns falta o pão na mesa; a outros a alegria na alma. Uns lutam para sobreviver, outros são ricos e abastados, mas mendigam o pão da tranqüilidade e da felicidade.
Os milionários quiseram comprar a felicidade com seu dinheiro, os políticos quiseram conquistá-la com seu poder, as celebridades quiseram seduzi-la com sua fama, mas ela não se deixou achar. Balbuciando aos ouvidos de todos, disse: “...Eu me escondo nas coisas simples e anônimas...”.
Todos fecham os seus olhos quando morrem, mas nem todos enxergam quando estão vivos. 

Código da Inteligência (Augusto Cury)

_

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

"O ERRO"

Quem é que nunca fez nada de errado?
Naturalmente, todos nós, algumas vezes na vida, cometemos erros, seja intencionalmente ou não.
O erro faz parte do aprendizado.
Por trás de todo erro está a ignorância, o orgulho, ou o egoísmo.
O ignorante erra por desconhecer, o orgulhoso por se julgar mais importante do que as demais pessoas e o egoísta por pensar somente em si.
O que caracteriza o erro não são os padrões sociais ou as diretrizes éticas estabelecidas, mas sim suas conseqüências sobre o indivíduo e a sociedade.
O que torna algum gesto desacertado são os seus efeitos malignos.
Erramos quando nossos atos ferem alguém. Quando invadimos o direito à felicidade do próximo. Quando destruímos, ao invés de construir.
Numa palavra, erramos sempre que geramos sofrimento para os outros ou para nós mesmos.
Por estar vinculado ao sofrimento, vemos que o erro não é um bom negócio.
Entretanto, se formos sábios, saberemos tirar frutos dele.
De uma forma muito especial, Deus sempre cuida para que, dos nossos equívocos, tiremos algo de bom.
Isto acontece por meio da Lei de Causa e Efeito, que faz com que todo o bem, como todo o mal realizado retorne ao seu realizador.
No campo dos sofrimentos isto se chama expiação.
Mas para tornar o processo menos penoso, podemos recorrer ao arrependimento e à reparação.
Arrepender-se é, portanto, o primeiro passo na correção de um desatino.
Existem pessoas que só se arrependem dos seus erros quando estão colhendo as conseqüências.
Quanto mais demoramos a nos arrepender, mais sofremos.
O arrependimento deve provocar um desejo de reparação, que consiste em fazer o bem a quem se havia feito mal.
Mas nem todas as faltas implicam em prejuízos diretos e efetivos.
Quer dizer, nem sempre teremos de expiar, ou sofrer.
Nesses casos, a reparação se opera fazendo-se o que deveria e foi negligenciado. Cumprindo deveres desprezados, missões não preenchidas.
Quem tem sido orgulhoso, buscará tornar-se humilde. O rude procurará ser amável. O ocioso passará a ser útil e o egoísta, caridoso.
Costuma-se dizer que errar é humano.
Nós poderíamos inverter o raciocínio dizendo que corrigir erros é que é humano, pois o homem não pode desprezar a sua fantástica capacidade de racionalização ao persistir em atitudes que somente o infelicitam.
Reconhece-se, então, o homem de bem pela capacidade com que ele substitui seus defeitos por virtudes superiores.            
Os efeitos dos nossos atos se estendem, muitas vezes, para além da existência atual.
Isso explica os sofrimentos atuais, cujas causas não se encontram no presente.
Várias vezes estamos recebendo hoje os efeitos de nossos atos de vidas passadas.
Nenhum Espírito atinge a perfeição, sem antes reparar os erros do seu caminho evolutivo.
Por isso, hoje é o dia de fazer o melhor!
Redação do Momento Espírita


 
 

"O ERRO"

Quem é que nunca fez nada de errado?
Naturalmente, todos nós, algumas vezes na vida, cometemos erros, seja intencionalmente ou não.
O erro faz parte do aprendizado.
Por trás de todo erro está a ignorância, o orgulho, ou o egoísmo.
O ignorante erra por desconhecer, o orgulhoso por se julgar mais importante do que as demais pessoas e o egoísta por pensar somente em si.
O que caracteriza o erro não são os padrões sociais ou as diretrizes éticas estabelecidas, mas sim suas conseqüências sobre o indivíduo e a sociedade.
O que torna algum gesto desacertado são os seus efeitos malignos.
Erramos quando nossos atos ferem alguém. Quando invadimos o direito à felicidade do próximo. Quando destruímos, ao invés de construir.
Numa palavra, erramos sempre que geramos sofrimento para os outros ou para nós mesmos.
Por estar vinculado ao sofrimento, vemos que o erro não é um bom negócio.
Entretanto, se formos sábios, saberemos tirar frutos dele.
De uma forma muito especial, Deus sempre cuida para que, dos nossos equívocos, tiremos algo de bom.
Isto acontece por meio da Lei de Causa e Efeito, que faz com que todo o bem, como todo o mal realizado retorne ao seu realizador.
No campo dos sofrimentos isto se chama expiação.
Mas para tornar o processo menos penoso, podemos recorrer ao arrependimento e à reparação.
Arrepender-se é, portanto, o primeiro passo na correção de um desatino.
Existem pessoas que só se arrependem dos seus erros quando estão colhendo as conseqüências.
Quanto mais demoramos a nos arrepender, mais sofremos.
O arrependimento deve provocar um desejo de reparação, que consiste em fazer o bem a quem se havia feito mal.
Mas nem todas as faltas implicam em prejuízos diretos e efetivos.
Quer dizer, nem sempre teremos de expiar, ou sofrer.
Nesses casos, a reparação se opera fazendo-se o que deveria e foi negligenciado. Cumprindo deveres desprezados, missões não preenchidas.
Quem tem sido orgulhoso, buscará tornar-se humilde. O rude procurará ser amável. O ocioso passará a ser útil e o egoísta, caridoso.
Costuma-se dizer que errar é humano.
Nós poderíamos inverter o raciocínio dizendo que corrigir erros é que é humano, pois o homem não pode desprezar a sua fantástica capacidade de racionalização ao persistir em atitudes que somente o infelicitam.
Reconhece-se, então, o homem de bem pela capacidade com que ele substitui seus defeitos por virtudes superiores.            
Os efeitos dos nossos atos se estendem, muitas vezes, para além da existência atual.
Isso explica os sofrimentos atuais, cujas causas não se encontram no presente.
Várias vezes estamos recebendo hoje os efeitos de nossos atos de vidas passadas.
Nenhum Espírito atinge a perfeição, sem antes reparar os erros do seu caminho evolutivo.
Por isso, hoje é o dia de fazer o melhor!
Redação do Momento Espírita