Seguidores

segunda-feira, 27 de março de 2017

"BOLSÃO KÁRMICO"

O bolsão kármico é um fenômeno ainda um pouco desconhecido do espiritualismo, mas não menos real. Bolsão kármico pode ser definido como uma coletividade de espíritos ligados por laços de karma comuns. Estes são espíritos que participaram de catástrofes, tortura, mortes, carências ou qualquer circunstância de sofrimento em conjunto.
O bolsão kármico se inicia geralmente com um acontecimento marcante na vida destes espíritos que gera muito sofrimento. Essa dor fica impregnada em sua mente e no plano espiritual, após a morte coletiva, eles ficam vibrando ainda naquela sintonia do mal que lhes foi feito. Os espíritos presos a bolsões não conseguem se desprender daquela situação kármica, e por isso permanecem vibrando juntos, em contato uns aos com os outros naquela mesma frequência, e isso em algumas ocasiões pode se estender por milênios. Os bolsões são prisões espaço-temporais de coletividades de espíritos acorrentados em acontecimentos traumáticos passados. No livro “Energia e Espírito” de José Lacerda de Azevedo há uma série de casos de bolsões que foram tratados pelo autor com a técnica da Apometria.
Os bolsões estão quase sempre ligados a um encarnado. Isso ocorre por que alguns membros ligados a um bolsão específico podem estar encarnados, enquanto outros membros do bolsão estão desencarnados. Na maioria das vezes os bolsões são constituídos de espíritos que estão simultaneamente na Terra e no plano espiritual. Quando encontram-se no plano espiritual, estão quase sempre situados em zonas inferiores do astral. No caso dos encarnados, os espíritos que integram bolsões estão em ressonância com os desencarnados em planos mais densos, e por esse motivo, podem recepcionar as vibrações provenientes dos próprios bolsões e também da zona de consciência na qual o bolsão vibra. Uma pessoa pode estar ligado a um ou mais bolsões. Os bolsões podem vibrar em zonas mais ou menos inferiores, dependendo do karma que eles geraram.
Vamos dar alguns exemplos de bolsões para que fique mais clara a visualização deste tema:
Bolsões de guerra: São formados por espíritos vítimas ou algozes de uma ou mais guerras. Eles se ligam uns aos outros por uma sintonia de ódio e rancor contra seus algozes. Os algozes também estão conectados aos bolsões, e geralmente são o centro por meio do qual giram as conexões de ódio, ressentimento, mágoa, dor, instintos inferiores, etc. Neste caso, assim como em outros, é comum que os algozes estejam no centro dos bolsões, e recebam toda sorte de energias negativas de suas vítimas, conectadas a eles. É muito importante mencionar que os algozes dos bolsões podem ter sido vítimas de suas próprias vítimas em vidas passadas, e as vítimas podem ter sido algozes.
Bolsões de magia negra: Aqui se encontram todos os espíritos que foram prejudicados por trabalhos de magias de diversos tipos. Esses espíritos pedem vingança contra seus algozes, e vibram negativamente contra eles. É muito comum ocorrer que os espíritos vitimados pela goétia se tornem obsessores de encarnados nas vidas seguintes.
Bolsões de desastres coletivos: São bolsões formados a partir de mortes coletivas ou desastres. Esses espíritos podem ficar aprisionados no momento da tragédia e irradiar vibrações de raiva e rancor aos possíveis culpados pela tragédia. Como no universo não funciona o acaso, mas sim a lei de causa e efeito, os espíritos pertencentes a bolsões de desastres coletivos não foram apenas vítimas da catástrofe, há quase sempre uma razão para aquela tragédia ter ocorrido. Por outro lado, uma tragédia pode não ser necessariamente causada por um karma negativo, mas por que a missão daquele espírito se findou na Terra e ele precisa desencarnar.
Uma pessoa que entra em estado meditativo, que faz regressão a vidas passadas, toma alguma erva sagrada, ou realiza qualquer outra prática de estados alterados de consciência pode ter acesso ao bolsão ou bolsões a que pertence. Geralmente a pessoa fecha os olhos e observa vários rostos com aparências estranhas, hostis e por vezes animalizadas. O semblante pode irradiar sentimentos de ódio, vingança, aversão, ojeriza, rancor, tristeza extrema, etc. Por outro lado, nem toda aglomeração de espíritos está presa a bolsões kármicos. Há coletividades de espíritos elevados que mantém laços kármicos positivos, de amor e fraternidade.
É preciso dizer que os espíritos não ficam automaticamente presos aos bolsões. A causa da prisão é quase sempre um apego a situação traumática, alimentado por sentimentos como raiva, rancor, ressentimento, culpa, aversão, tristeza, etc. Um espírito pode viver todas estas e outras situações coletivas e não se prender a um bolsão, para tanto é necessário cultivar o perdão, o amor e a compreensão.

Autor: Hugo Lapa

‘PARENTES DESENCARNADOS EM VISITAS A ENTES ENCARNADOS. ”


Quando um Espírito, já harmonizado na vida espiritual, recebe uma autorização superior para nos visitar na Terra, naturalmente, não trará qualquer malefício aos encarnados. Sua presença carinhosa poderá apenas
despertar “lembranças” nos familiares mais sensíveis que poderão sentir-lhe a presença.
Mas a questão é que muitos dos nossos entes queridos, após desencarnarem, não se desvinculam do ambiente doméstico, podendo afetar negativamente aqueles que permanecem na experiência física.
Há no Movimento Espírita um fato muito interessante, que comprova essa afirmação. Um dos nossos mais queridos oradores, o conhecido médium e tribuno baiano Divaldo Franco, na adolescência, após a morte de um irmão biológico, foi tomado por uma repentina paralisia nas pernas. Durante seis meses, recebeu toda a assistência médica sem qualquer resultado positivo. Os médicos não conseguiam sequer diagnosticar o que exatamente ocorria com o jovem, já que não encontravam quaisquer problemas no campo orgânico. Até que um prima de Divaldo decidiu recorrer a uma senhora espírita que, prontamente, atendeu ao pedido. A experiente trabalhadora do Cristo estendeu as mãos sobre o rapaz acamado, aplicando-lhe o “passe magnético”, enquanto orava ao Senhor da Vida. Através da mediunidade, percebeu também a presença do irmão desencarnado de Divaldo que, inconscientemente, se lhe vinculara magneticamente, tirando-lhe o movimento das pernas.
Imediatamente após o passe e o afastamento do Espírito enfermo, a senhora gentilmente informou o que estava acontecendo, pedindo ao jovem que se levantasse e andasse, o que, para surpresa de todos, ocorreu com desenvoltura. Divaldo Franco, na época, ainda não era espírita, mas já possuía uma acentuada sensibilidade mediúnica. Após o ocorrido, foi conduzido pela família a uma Casa Espírita, onde iniciou seus estudos doutrinários e seu ministério de amor. E até hoje, aos 85 anos, prossegue viajando pelo mundo, já tendo visitado mais de 60 países, divulgando as diretrizes seguras e abençoadas do Espiritismo.
Como se vê, muitos desencarnados não são conduzidos imediatamente às colônias espirituais; ficam apegados aos plano físico, podendo gerar “obsessões inconscientes”, desconfortos e até desequilíbrios orgânicos, pela lei de sintonia.
A terapêutica da oração, do passe e, principalmente, a renovação do campo mental e emocional do encarnado, através de leituras e palestras edificantes, são recursos preciosos para que os vínculos energéticos sejam retirados e o equilíbrio psicofísico retorne à pessoa espiritualmente afetada.
Aproveitando o ensejo da pergunta, é importante informar, de forma mais generalizada, que somente pode haver um real processo de desobsessão ou libertação espiritual, quando o obsediado (quem sofre a influência) suplantar o obsessor (quem influencia) com sua vibração pessoal, que deve ser alcançada principalmente através da transformação moral e comportamental, proposta pelo Evangelho do Cristo.
Esperando der oferecido algumas singelas “sementes” para reflexão sobre esse tema tão significativo, envio meu fraterno abraço aos queridos leitores, com votos de muita paz em Jesus.

Rossano Sobrinho-Fonte: Portal espera feliz

“REENCARNAÇÃO: 10 COISAS QUE TODOS DEVERIAM SABER. ”

Em todo o mundo, muitas pessoas, talvez a maioria absoluta, aceitam a crença na reencarnação, como parte de sua religião. Não são muitas as pessoas no Ocidente que acreditam nela, no entanto. Na verdade, muitos zombam da ideia e consideram-na como um absurdo.
Isso porque, no Ocidente estamos enamorados com os benefícios do conhecimento científico e cada vez mais céticos em relação à espiritualidade e religiões. A ciência fornece o conhecimento que pode ser verificado de forma sistemática, para garantir que ele seja válido e confiável. Por isso que é de tão grande valor. Mas não é necessariamente a única fonte de conhecimento que seja válido e confiável.
Além disso, o que a ciência pode ver se limita ao que é físico e objetivo. A realidade em si não é necessariamente muito limitada. Se limitarmos a nossa compreensão de que a realidade pode ser apenas o que a ciência pode ver , estamos nos deixando meio cegos.
Graças a uma combinação de ensinamentos canalizados, comunicações pós-morte, ideias a partir das experiências de quase-morte, relatos de regressão hipnótica e pesquisa científica, mesmo em vidas passadas, agora é possível montar uma imagem muito clara da reencarnação.
Curiosamente, em função desse acúmulo de conhecimento, agora podemos ver que mesmo dentro dessas culturas orientais que acreditam na reencarnação, a compreensão de muitas pessoas se confunde com todos os tipos de doutrinas religiosas que são simplesmente erradas.
Então, aqui estão dez coisas sobre a reencarnação, que eu acho que são válidos e confiáveis ​​e que eu acredito que todos, Leste ou Oeste se beneficiaria de saber:
10 coisas que todos devem saber sobre a reencarnação
1. A alma existe
Todos os seres humanos são uma combinação de corpo físico, mortal e não-físico, a alma imortal. A alma não é apenas um mito ou uma ilusão ou uma relíquia da superstição pré-científica. Sua alma é a essência absoluta de você - a única verdadeira resposta para a pergunta: "Quem sou eu?" O que você sempre é, independentemente de como você se sente, ou o que você acredita, ou como você se percebe.Do ponto de vista do corpo, a alma é  a força da vida animando o consciente dentro dele. Do ponto de vista da alma, o corpo é um veículo para habitar o mundo físico e experimentar a existência física.
A alma é a consciência pura, pura energia, puro ser. É o nosso eu mais íntimo. Ela existe em um nível atemporal, não-físico da realidade. É um pedaço de Espírito, ou Deus, ou fonte, uma centelha de luz divina e amor, um fragmento de perfeição absoluta.
2. A alma evolui
Todas as almas estão em uma missão para evoluir (crescer, desenvolver), através de suas próprias experiências e esforços. Evoluir como uma alma é tornar-se cada vez mais autossuficiente e adquirir conhecimento, como uma expressão única do Espírito. Ao evoluir, a Alma sofre mudanças em seu nível de existência e da consciência, da inocência do recém-nascido a maiores níveis de amor, poder e sabedoria. Com efeito, aquilo que é criado reencontra o Criador - depois de séculos de evolução.
3. A alma evolui de forma mais eficaz na forma física
A evolução da alma vem através da escolha - fazer escolhas grandes e pequenas, e experimentar os efeitos de cada escolha.
A alma evolui de forma mais eficaz, enfrentando e fazendo escolhas como um indivíduo separado, uma forma física diferente. Para isso, a alma encarna - ou seja, une-se alma com um corpo humano para uma vida inteira, do nascimento à morte. Ao fazê-lo, a alma começa a experimentar ser limitado fisicamente, e fisicamente separados dos outros.
Esta é realmente uma ilusão, um truque dos sentidos, como a própria alma nunca é realmente limitada ou separada. Mas a ilusão cria o desejo suficiente, medo e outras pressões para que a alma possa experimentar conflitos e dilemas ao fazer suas escolhas. Ela também coloca percepções próprias da alma, sentimentos e decisões sob o microscópio.
As experiências e escolhas de uma vida servem como lições para a alma, uma vez que a vida está completa. Após a morte (saída da alma do reino físico), o espírito e seus guias reveem o que aconteceu durante a vida, e que lições podem ser aprendidas. A alma não só revisa suas próprias experiências e escolhas, mas também descobre os efeitos de suas próprias escolhas sobre os outros durante a vida. Por exemplo, a decisão de roubar uma quantia em dinheiro em um ponto pode ter causado a vítima sofrimento e ansiedade significativa. A alma descobre que todas as escolhas têm consequências, não só para o próprio, mas para todos.
4. A alma sofre toda a gama de experiências humanas significativas e escolhas por reencarnar
Uma vida humana não é suficiente para experimentar toda a gama de circunstâncias de vida e fazer todas as escolhas. Por exemplo, a alma precisa experimentar a vida como macho e fêmea, como vítima e o agressor, tanto como aluno e professor... Por isso, a alma reencarna muitas vezes, a fim de experimentar o espectro completo de vida. Ser humano de novo e de novo com um corpo diferente (e diferentes circunstâncias da vida), cada vez que permite a alma para experimentar a gama completa de possíveis perspectivas e relacionamentos e todas as lições que estes acarretam. Através de muitas experiências humanas diferentes, a alma torna-se gradualmente mais autoconsciente, aos poucos descobre mais das suas verdadeiras capacidades e, gradualmente, aprende a superar as limitações ilusórias de estar no mundo físico.
Geralmente, a alma aprende melhor através de um processo de "comparar e contrastar", não através da repetição cega. Por isso, os dados dessa vida podem ser completamente diferentes da anterior. Do ponto de vista da alma, há pouco valor em repetir o mesmo tipo de vida de novo e de novo (a menos, ou seja, há uma lição específica dentro desse estilo de vida que ainda tem de ser aprendida). Cada vida humana é uma oportunidade para aprender lições específicas. Uma vida, por exemplo, pode se concentrar em aprender uma maior auto responsabilidade, enquanto a próxima pode se concentrar em ser gentil com os outros. Se em uma vida a alma experimenta ser um homem com uma grande quantidade de poder sobre as mulheres, por exemplo, seria então de valor para contrastar isso com a experiência de ser uma mulher impotente. A alma não tem preferência por um dos lados da equação ou outro, uma vez que ambos os lados ajudam a tirar os diferentes aspectos da alma.
5. A alma não tem nacionalidade, credo, raça ou sexo
Não existe tal coisa como uma alma judaica, ou uma alma chinesa, ou qualquer outra coisa. Somos apenas almas, como almas, somos livres para experimentar toda a variedade de culturas humanas em todo o planeta. Nós escolhemos o nosso local de nascimento, raça e nacionalidade para atender os nossos propósitos para qualquer vida. Às vezes, raça e credo é uma escolha deliberada, em outros momentos eles são meramente acessório para o que a vida é. Porque a alma aprende através de um processo de "comparar e contrastar", aquele que apenas experimentou uma vida como (digamos) um soldado israelense pode decidir ser um palestino na próxima.
Não existe tal coisa, como uma alma masculina ou a alma feminina. Sexo é um fenômeno biológico, não espiritual. Os seres humanos são de dois sexos, e por isso temos de escolher qual será antes do início de cada vida.
Porque queremos experimentar, comparar e contrastar todas as perspectivas possíveis, vamos optar por experimentar a vida como homens e mulheres. Podemos ser do sexo masculino ou feminino, quantas vezes o quisermos. Podemos ser do sexo masculino em uma vida e feminino na próxima. Ou podemos ser do sexo masculino para dez vidas, e femininos para as próximas cinquenta vidas. É tudo uma questão de escolha. Mesmo que tenhamos uma forte preferência por um gênero, que ainda tendem a encarnar como o outro sexo de vez em quando, só para manter uma perspectiva equilibrada.
6. A alma adere a uma espécie de cada vez
Ao contrário de certos ensinamentos, as almas dos seres humanos reencarnam apenas como seres humanos. Pode haver raras exceções onde pode-se experimentar uma vida sendo um golfinho, por exemplo, mas como regra, não retornam como insetos, ou vacas ou lâminas de grama, enfim. A missão da alma é a expansão da consciência, e não há nenhum valor para a alma já no nível humano em experimentar a vida em um nível "sub-humano" de consciência. Somos seres espirituais em uma jornada humana, aprender a ser nós mesmos através de experiências humanas, relações humanas e de escolhas humanas.
7. Cada vida é pré-planejada
Antes de vir a nascer no plano físico, a alma (juntamente com seus guias espirituais) vai decidir que experiências e escolhas da vida deve incluir. As circunstâncias e as relações apropriadas serão escolhidas, e criada com o acordo de cooperação com outras almas que estarão envolvidas.
Por exemplo, digamos que a alma quer experimentar ser compassivo para com as crianças. A alma pode decidir que a vida futura deve incluir sua própria experiência de infância de abandono por parte da mãe. Isso ajudaria a conduzir a personalidade na vida adulta a querer ajudar crianças abandonadas. Outra alma, então, concordar, por amor, para ser a mãe que abandona esta alma na infância.
A maioria dos principais eventos na vida são pré-planejados: o nascimento, a família, a escola, os relacionamentos, a carreira e assim por diante. Isso inclui mortes, acidentes e doenças. Há, no entanto, muito espaço para as coisas não planejadas ocorrer. Nenhum plano é imutável. Acordos não têm de ser mantidos. Escolha substitui "destino".
O corpo também é escolhido pela alma antes do nascimento. Almas estão cientes de quais fetos são viáveis ​​e quais não são, e quais vão ser rescindido antes do nascimento. (Portanto, o aborto não é necessariamente 'assassinato', essa questão pode ser relativa).
Algumas vidas são explicitamente definidas para a alma submeter-se a uma experiência particular de aprendizagem (como ser um professor, por exemplo), enquanto que alguns são realmente realizados em benefício de experiências de aprendizagem dos outros. Por exemplo, podemos optar por viver uma vida como uma criança muito amada, que de repente morre ainda jovem, puramente, a fim de ajudar uma outra alma sofrer a experiência da perda trágica.
8. Existe uma lei do carma
... Mas não é como muitas pessoas pensam que é. Se a alma A mata a alma B em uma vida, então em outra vida, a alma B vai matar a alma A. Esse é o efeito do carma. Mas o karma não é (repito, não!) sobre a justiça cósmica ou retribuição Divina. Do ponto de vista do Espírito, não há necessidade de justiça cósmica, porque não existe tal coisa como a injustiça cósmica. Karma é realmente sobre "emaranhamento". Se eu fizer alguma coisa na vida física que viola a sua livre vontade, tornamo-nos embaraçados. Nós dois sentimos a falta de equilíbrio entre nós. É como nós nos tornamos ligados por uma corda. A única maneira de restaurar o equilíbrio é desfazer o emaranhado, por ter você violado o meu livre arbítrio de uma forma similar. Dessa forma, nós dois sabemos por experiência própria o que é ser ao mesmo tempo o infrator e o violado.
Almas tendem a cometer atos cármicos nos estágios iniciais de suas reencarnações, quando eles têm menos experiência da existência humana. Atos cármicos típicos são: assassinato, estupro, mutilação, a prisão, o abandono. Em todos os casos, uma pessoa impõe algo ao outro contra a sua vontade. Não há entrelaçamento cármico por atos que são acidentais.
9. Reencarnação tem um começo e um fim
Ao contrário de certos ensinamentos, não estamos ligados a uma roda de morte e renascimento sem fim, para ser salvo somente por renunciar ao mundo e buscando a libertação espiritual. Toda a jornada da evolução através da reencarnação começa com a gente em um determinado nível e termina assim que chegar a outro nível. É preciso (normalmente) mais de 100 vidas. Da primeira a última vida humana requer milhares de anos, dependendo da disponibilidade de corpos físicos.
Em espírito, todo o caminho está claro para nós e sabemos exatamente o que estamos fazendo. Cada vida é uma aventura deliberada e é realizada por amor e um desejo de evoluir.
10. Não há urgência
Ao contrário do que muitos ensinam sobre o assunto, não há nenhuma urgência para nos tornarmos iluminados, ou para completar o ciclo de reencarnação. Não é "melhor" evoluir rapidamente sobre algumas vidas, que evoluir lentamente ao longo de muitas vidas. Reencarnação não é um desafio para chegar ao fim da evolução, tão rapidamente quanto possível. Nós não somos "apanhados" no ciclo de morte e renascimento humano. O mundo físico não é um inferno-buraco que deva ser escalado fora.
Do ponto de vista do espírito, não existe passagem do tempo. Tempo é apenas um fenômeno perceptual para nós enquanto na forma física. Almas, literalmente, não se importam em quantos milhares de anos se leva para ir de um nível de reencarnação para outra. A passagem do tempo em termos humanos é, para a alma, irrelevante.
Uma palavra final
Eu também gostaria de acrescentar mais uma correção para certos ensinamentos: almas normalmente não reencarnam imediatamente após a morte . Geralmente há um período de vários anos entre uma vida e outra, em que a alma recupera, considera as lições aprendidas a partir da última vida e planeja sua próxima.
Ela não deveria ter nenhuma surpresa ao saber que tivemos uma vida passada, ou mesmo muitas vidas passadas. Os únicos que não viveram uma vida anterior são os que estão no início do ciclo da reencarnação. Os únicos que não estão voltando depois desta vida são aqueles que estão no fim do ciclo.
A reencarnação é a norma para todos os seres humanos. É universal. É o que todos nós estamos fazendo aqui.

Fonte: personalityspirituality.net

“O ESPÍRITO NÃO TEM COR!!!!!"

Racismo, xenofobia: pontos em destaque no quotidiano. Não há diário que se preze que não contenha uma notícia sobre violência racista. Exacerbam-se os nacionalismos. Que se passa com os seres humanos?
Ultimamente temos sido flagelados com notícias de vária ordem abordando o racismo, quer no nosso país quer em outras partes do Mundo. Inclusive parece estar na moda ser racista (veja-se o caso dos imigrantes africanos), ser contra os imigrantes ou pelo menos mostrar um pouco de intolerância para com eles. E, é claro, é chique estar contra os «pretos» como usualmente se designa, em sentido pejorativo, os seres humanos que reencarnaram na raça negra.
O planeta Terra está a passando por uma fase de transição, fase essa que não é estanque, nem será catastrófica, não será rigorosamente  neste século que o mundo vai acabar como apregoam os profetas da desgraça. Bem vistas as coisas, essa fase já começou há muito tempo e por muito tempo se prolongará com a natural e paulatina mudança do estado das coisas: de planeta de expiação e provas, a Terra passará a planeta de regeneração (onde as pessoas evoluirão mais pelo amor que pelo sofrimento). Normal é, por isso, que existam situações conflituosas, forças em descontrolo, sentimentos catárticos nos homens, conflitos sociais, entre outros.
A resposta espírita
No entanto, a doutrina espírita vem dar um grande contributo à Humanidade, explicando os fundamentos do cristianismo, de uma forma clara, aberta e acessível a todos. Sabendo nós que os espíritos não têm cor, que os espíritos têm um corpo temporário para que assim possam atuar no planeta onde reencarnarem, lógico será que esses mesmos espíritos possam nascer (reencarnar) neste ou naquele país, nesta ou naquela situação social, com esta ou aquela cor de pele, conforme as suas necessidades evolutivas.
Muito enganados andam aqueles que pensam que uma coloração lhes pode conferir uma superioridade de qualquer tipo. No futuro, esse mesmo espírito (hoje racista) orgulhoso, poderá reencarnar num outro povo qualquer de raça negra ou não, pois todos os seres humanos fazem parte da grande família universal criada por Deus. Estamos no planeta Terra à semelhança do aluno que é mandado para uma escola para que se aprimore, para que lime as suas arestas no campo dos sentimentos e da inteligência. Uns irão para umas «turmas» (povos), outros para outras. Nada impede que aquele que por preguiça e livre-arbítrio «chumbou» de ano venha a ser transferido para outras «turmas» noutras escolas, com as quais está mais afinizado, assim como aquele que passou de ano fique apto a ingressar em «turmas» condizentes com o seu grau evolutivo.
Proposta antiga
Com o espiritismo, a fraternidade, o amor ao próximo deixam de ser uma quimera, um capricho meramente humano para passarem a ser uma necessidade intrínseca ao desenvolvimento moral do homem e inerente bem-estar interior. Agora, o homem compreende que volta mais vezes à Terra (reencarnação) e que a sua futura existência será o fruto daquilo que semeou em existências anteriores, de acordo com a lei de causa e efeito; que só um masoquista se dará ao luxo de odiar, se dará ao luxo de dar guarida ao egoísmo feroz, à tola vaidade, ao orgulho estéril.
O espiritualista, e mais propriamente o espírita, sabe que que todos os homens são músicos dessa orquestra universal que é o Cosmos infinito, e como tal não deve existir espaço no seu coração para racismos e outros tipos de atitudes hostis para com os seres humanos. A solução para os problemas sociais mantém-se inalterável e foi apresentada por Cristo: o amor ao próximo, fazer aos outros o que quereríamos para nós próprios, a fraternidade, o entendimento, a bondade, a ajuda mútua.
Muitas surpresas esperam aqueles que sonham com a superioridade rácica ou com outro tipo de hegemonia, todas aparentes, pois ao desencarnarem (falecerem) o seu desalento será grande demais ao verem que desperdiçaram uma existência a apostar em projetos falidos.
Depois, é o recomeçar... até que o aprendizado se consolide.
Cada um colherá o que semear e pela colheita será o único responsável. Abrangidos pela lei de causa e efeito, que nos condiciona quer acreditemos nela ou não, os racistas voltam mais tarde, reencarnando num grupo étnico que persigam, aprendendo a dar valor ao que realmente interessa: a pessoa em si, qualquer que seja cor da pele do seu corpo, o veículo de manifestação do ser humano, ou seja, do espírito que é cada um de nós.
Por isso, não surpreende que até haja espíritos racistas, neste ou noutro plano de vida. O fenómeno da morte é apenas o soltarmo-nos do corpo físico, continuando com as paixões, as virtudes que estamos a caminho de adquirir e os defeitos que ainda não burilámos.
Mas todas essas separações se diluirão no tempo, à medida que mais nos identificarmos com o que somos - por dentro - e menos acreditarmos ser aquilo que parecemos.
A espiritualidade latente no íntimo de cada um vai desabrochando, ampliando-se pouco a pouco, dando lugar ao homem de bem, mais ou menos lentamente, conforme o esforço de cada um.

José Lucas-«Revista de Espiritismo» nr. 25, 1994-

“ASSISTÊNCIA ANTES E DEPOIS DO DESENCARNE”

Nessa oportunidade decidimos explicar como uma pessoa pode prestar assistência a alguém, parente ou amigo, pouco antes de sua morte e também depois dela. A assistência aos moribundos é de extremo valor para a alma antes e depois do desencarne, pois ela contribui muito para duas coisas fundamentais: em primeiro lugar, evitar que a alma fique presa a Terra após o desencarne, e, em segundo lugar, possibilitar uma passagem tranquila para a alma.
A primeira medida que podemos tomar, ao ter contato com alguém próximo que esteja prestes a desencarnar, é conversar com essa pessoa sobre a resolução de todas as suas principais pendências humanas. Chamamos de pendências humanas tudo aquilo que de alguma forma pode prender a pessoa à sua existência atual. Algumas pessoas são muito apegadas a filhos, irmãos, pais, cônjuge ou amigos. Outras são apegadas a bens e patrimônio. Outras são apegadas a títulos, intelecto, crenças, religião, etc. Outras ainda se prendem a sentimentos e processos psicológicos individuais, como mágoas, culpa, vazio, ódio, carência, etc. Tudo isso pode ser conversado com a pessoa em questão sendo objeto de um diálogo franco e aberto. Por exemplo, se o moribundo estiver preso a mágoa com relação a alguém, é preciso mostrar a ele o quanto esse sentimento pode lhe ser prejudicial após a morte. No caso de se tratar de alguém aberto a espiritualidade, é possível mencionar que alguns espíritos podem ficar tão apegadas a suas mágoas e a outros sentimentos que frequentemente ficam presos a Terra, se ligando a um encarnado, e passando a ele toda uma carga de sentimentos negativos e até doenças. Além disso, o espírito preso a emoções inferiores pode tentar prejudicar aqueles que, em vida, supostamente o fizeram mal. Dizemos “supostamente” pois muitas vezes aquilo que consideramos como mal vem para o nosso bem, depende sempre de como a pessoa assimila aquela experiência. Em outro exemplo, uma mãe pode sentir apego, culpa ou outro sentimento relacionado a um filho, e pode sentir preocupação com ele após a sua morte. Por estar preocupada com o filho, ela pode se recusar a seguir ao plano espiritual superior e permanecer no nível da Terra, tentando “ajudar” esse filho em suas problemáticas do dia a dia. Aqui é preciso dizer que a mãe nesse estado errático em nada contribui com seu filho, muito pelo contrário: pode prejudica-lo de diversas formas, até mesmo criando doenças a ele, bloqueando seu profissional, travando seus relacionamentos, etc.
A pessoa deve então conversar com o moribundo e explicar o valor do desapego de todos os assuntos humanos, sejam eles quais forem. É bom dizer que dessa vida nada se leva, a não ser aquilo que existe de mais elevado na alma humana, como o amor, a compaixão, a sabedoria, as virtudes, etc. 
É importante mencionar que pessoas que praticaram o mal durante a vida podem se assustar com a revelação de que seus atos aparecerão diante de si de uma forma nua e crua. Nesse momento, quem auxilia pode explicar que o arrependimento e o perdão são peças fundamentais na busca da paz. O moribundo que se desapega de tudo isso através do arrependimento e do perdão, se liberta de tudo e pode ter um pós-morte tranquilo. Aqui podemos dizer que, mesmo 1000 anos de guerras podem ser amenizados com apenas 1 minuto do verdadeiro arrependimento, aquele que vem de dentro, do mais profundo do nosso ser. É possível fazer nos minutos finais de nossa vida física tudo aquilo que em vários anos não fizemos, principalmente no que diz respeito aos nossos entes queridos. Deixar o amor prevalecer diante do orgulho, do egoísmo, e amar incondicionalmente, soltando-se de todos os nossos bloqueios, mágoas, culpa, etc, é condição sine qua non para uma boa morte. No caso da pessoa se recusar a perdoar, a se arrepender ou a se desprender de suas contingências humanas, devemos respeitar seu livre arbítrio e permitir que ela viva as experiências que está escolhendo. Só podemos ajudar até um certo ponto, além desse ponto somente a própria pessoa pode fazer algo por si mesma. É importante lembrar que, caso a pessoa não possa encontrar-se com alguém fisicamente, ela pode pedir o perdão, perdoar ou se desprender de tudo mentalmente. Para tanto, basta visualizar a pessoa, com toda a vivacidade, e falar tudo o que gostaria que fosse dito, sempre no sentido da reconciliação. O processo do arrependimento e do perdão ajuda não apenas a se conseguir uma transição tranquila, mas também a evitar problemas em vidas futuras. Por outro lado, é importante pedir a pessoa, caso ela esteja consciente e bem mentalmente, que faça uma reflexão sobre a sua vida, com seus erros e acertos. A reflexão sobre nossos erros ajuda também no desenlace e no processo de purificação que o momento da morte exige. A reflexão sobre nossa obra humana não deve gerar jamais culpas pelo que foi feito, mas sim um aprendizado que ficará para sempre gravado em nosso espírito. Não há motivo para culpa se aquela alma aprendeu com os erros e as lições da vida. E lembrem-se: é preciso se arrepender antes de morrer… Como dissemos: mesmo que seja um minuto antes da morte. Após a morte, já será tarde demais… Como disse o filósofo Platão: “Não espere por uma crise para descobrir o que é importante em sua vida”. Portanto, façam o que tiver que ser feito ainda em vida, caso contrário, somente poderá ser feito nas próximas vidas.
Outro ponto fundamental da assistência pré-morte é falar com o moribundo sobre a luz espiritual. Essa é a famosa “Luz no fim do túnel”. Trata-se de uma vibração cósmica que é uma emanação direta de um poder divino que existe em todo o universo. Pessoas que vivenciaram as chamadas “experiências de quase morte” contam que ser iluminado por essa luz é sentir uma felicidade impossível de descrever, algo que na matéria somos totalmente inaptos a experimentar. A verdadeira felicidade, de fato, não é deste mundo, assim como a paz. Ninguém deve esperar ter a verdadeira felicidade e a verdadeira paz na Terra, pois enquanto estivermos aqui isso será apenas uma ilusão. Mas aqueles que conseguem se integrar nessa luz podem sentir a felicidade no seu estado mais puro, mais essencial, no seu estado cósmico e universal. Todos nós ansiamos, mesmo sem admitir conscientemente, a essa felicidade e paz espirituais durante toda a nossa vida, o grande problema é que sempre a buscamos nos lugares errados, com pessoas, com coisas, com situações que erroneamente cremos que podem nos proporcionar tal felicidade. Alguns espíritos deixam clara a máxima de que: “Quanto mais bem praticarmos no mundo, maior será nossa felicidade e nossa paz no plano espiritual”. E isso será encontrado por todos aqueles que fizeram o bem, e por isso conseguiram se sintonizar com a luz espiritual de Deus. A luz é também um guia. É preciso instruir os moribundos de que eles devem sempre seguir a luz, não importa o que vejam ou pensem. Caso eles não sigam a luz, provavelmente ficarão aprisionados no nível da crosta terrestre, e continuarão participando dos eventos do mundo, presos e apegados ao que já se foi. Portanto, uma das orientações mais preciosas, não apenas para a assistência aos moribundos mas também para nossa própria morte, é se encaminhar para onde esta a luz. Ela irá nos chamar, nos convidar para ir com ela. Mas se a pessoa estiver mais preocupada com o filho, com o marido, com o emprego, com os prazeres materiais, ou com qualquer outra questão humana, ela perderá a chance de se elevar a luz espiritual, e ficará vagando na Terra como um fantasma a procura de um corpo para continuar usufruindo dos prazeres materiais ou para tentar resolver assuntos pendentes que não são mais passíveis se solução.
Outra questão importante de ser dita aqui é o fato de que, muitas vezes, a família acaba prendendo a pessoa a um corpo físico já extremamente debilitado apenas por apego. Muitas vezes a pessoa já sabe que está próxima da morte, e já a aceita como parte de sua condição por sentir que fez tudo o que deveria fazer. No entanto, a família continua insistindo para que a pessoa fique, seja por palavras, seja pelo magnetismo de todos, seja por procedimentos médicos que vão apenas adiar o inevitável. Não estamos aqui dizendo que os procedimentos médicos devem ser evitados; estamos apenas afirmando que a família precisa aceitar a morte, e assim permitir a partida do seu ente querido. Por outro lado, quando uma pessoa está a beira da morte, a melhor medida a ser tomada é leva-la para a sua casa e tira-la do hospital. É preciso que ela venha a sair do seu corpo físico num ambiente agradável e acolhedor, e não num ambiente hospitalar. Muitos já podem ter percebido esse fato que agora vamos relatar: muitas vezes acontece de alguém falecer somente após dizer ou fazer algo que para ela era necessário. Por exemplo, uma moça brigou por anos com sua irmã, e antes da morte se reconcilia com ela, ambos declarando-se mutuamente que se amam. Logo após a reconciliação, a pessoa pode vir a desencarnar, pois ela estava apenas esperando, em seu corpo físico, por esse momento para poder se despedir da vida física. 
Algumas pessoas perguntam: a oração pode ser um instrumento de ajuda para a alma recém desencarnada? A resposta é sim. Mas a oração pode ser feita uma vez, duas vezes ou no máximo três vezes. Mais do que isso já se torna um sinal claro de apego. Ficar toda hora orando para a pessoa, além de ser um sinal de dependência emocional, pode representar também um total desperdício, pois se a pessoa já está na luz, ela não precisa a todo momento de nossas orações. Mas se ela escolheu a escuridão, escolheu não ascender ao plano espiritual, nossas orações não poderão chegar até ela, somente quando ela se abrir para o bem. Portanto, a melhor oração que podemos fazer por aqueles que acabaram de partir é encaminha-los para a luz e nos despedirmos deles. 
Lembrando sempre… Essa despedida da pessoa que amamos não é um “adeus”, mas apenas um “até breve meu irmão”.
Autor: Hugo Lapa


“COMO AJUDAR SEUS ENTES QUERIDOS DESENCARNADOS E SE AJUDAR TAMBÉM. ”

Fiquei alguns dias aborrecida, entediada. Acordava de manhã e só conseguia focar os problemas. Já percebeu que se você marca um problema ele aumenta? Aparece uma grande lente de aumento que torna tudo mais penoso e sofrido.
E, quando você está pensando no problema vem outros muito mais importantes: o jeito de encarar a dificuldade. Dificuldade- difícil. O que parece difícil pode ficar intransponível. É como trombar com um monte de pedras enormes na estrada. E você não vê que o caminho tem flores também. As pedras machucam e , nem sempre dá para pular as pedras. E, correr para tomar banho de rio ou de cachoeira. E, quando a cachoeira está longe e as pedras grandes a frustração dá um baque no corpo. Aí, a gente faz drama. Senta na pedra e faz cara de coitado. Chora; chama os guias e, nem sempre uma oração para fortalecer a alma.
Mal sabe que, após as pedras haverá um caminho mais leve se você enfrentar. Se parar nas pedras vai sentar e chorar. Ou vai voltar e perder a linda paisagem.
Reconhecer o problema é ser realista, mas é melhor não chamar de problema e, sim, desafio. O desafio é uma palavra mais bonita. Chega a ser chique, não é? Problema - é chato.
E, quando estou assim, tudo fica mais chato. Aí, eu me lembro da casa do meu pai. E, quando tocava a campainha e ele atendia. Sempre sorrindo. A sala era mágica. E, lá conversávamos sobre Espiritismo. Na verdade, tinha vontade de chorar, reclamar da vida mas seria muito egoísmo da parte. Meu pai estava atravessando problemas sérios de saúde que limitavam sua vida bastante. Mesmo assim, conversávamos muito e eu gostava dos seus conselhos. E, se eu chegava durante à tarde, íamos para a cozinha onde a Ana Luiza, sua esposa preparava um delicioso café. E, sempre havia bolo. E, se eu estava com vontade de chorar a vontade passava logo. A casa do meu pai era um lugar seguro  e aconchegante. Visitá-lo não era uma fuga ; era uma saída, sentir a sensação familiar de aconchego.
E, sempre chegava mais alguém, meu irmão, minha irmã. E, quando estou com problemas e, passo perto da casa dele sinto um aperto:
" - Meu pai não vai mais atender à porta!"- é sempre um pensamento saudoso egoístico. Procuro não relembrar os oito meses de doença grave enfrentados por ele. Não me regozijo da liberdade espiritual merecida que ele deve estar desfrutando. Na minha saudade egoística um dia clamei:
"- Pai, o senhor pode me ajudar?"- nos primeiros meses os sonhos eram frequentes. Cheguei a ouvir sua voz grave me chamar. E, numa noite, tive um sonho memorável que pode ter sido um desdobramento espiritual. Estava num local cheio de gente e uma senhora me chamou:
-  Sandra, seu pai quer falar com você!- ele veio e me abraçou. E me deu um beijo no rosto. Foi tão bom! E, agora, mesmo sendo espírita, umbandista a verdade é essa:
- Sua presença física não mais
-  Poder ligar para ele?- sem chances
- Sentar e tomar café com ele junto com  a família toda. Sem chances.
-  Almoços e festas de aniversário- sem ele. ( sem a presença física)
A gente sabe que eles estão presentes e mais  vivos do que nunca mas temos que enfrentar essa ilusória falta. E, quando temos problemas queremos o colo materno, o colo paterno ,um lugar seguro onde possamos descansar das lutas.
E, se eu ficar nessa onda frustrante de nostalgia posso entrar em depressão ou sufocar meu pai de pensamentos negativos. E, tentando ser feliz, você ajuda seu ente querido a melhorar, a viver em outro plano. Olhar para o nosso umbigo traz mais pesar.
Quantas perdas  você já sofreu? Se for a morte de um filho o pesar pode durar a encarnação toda. No entanto, Deus costuma dar uma compensação para que você enfrente uma provação ou seja um novo desafio. Manda sempre energias positivas, um pouco mais de consolo, novos amigos, novas sensações e fluidos regeneradores. E, você acaba enfrentando o vazio inevitável através de um novo projeto de vida, da caridade, de um recomeço.
Perdas físicas são inevitáveis, mas as piores são as espirituais. Deixar de amar, brigar, fazer conflitos. São marcas de sofrimento.  Uma consulente perdeu o irmão há quinze dias. Numa consulta comentou sobre o luto e disse que estava triste, mas sentia que o irmão estava bem. Ás vezes, sentia vontade de chorar e ficava triste. A tristeza faz parte desse processo. O seu irmão não estava doente e era relativamente jovem. Enfarto fulminante. Minha consulente viajou uns quatro dias, mas disse que estava enfrentando o luto  com muita força. E disse que se sentia relativamente bem, apesar da tristeza. Voltou às tarefas domésticas e ao trabalho. E, me contou que, saber que a vida não acaba com a morte era um grande consolo.
Quando estou de mal com a vida procuro orar mais e pedir o apoio dos meus guias.
Converso com minha mãe espiritualmente e sei que ela me ouve. Converso com meu pai espiritualmente. Eles também precisam de paz e refrigério. E, também, precisam de nossas preces.
Morrer em vida é muito pior do que perder alguém fisicamente.
Se você acreditar no movimento da vida e no fluir da esperança, estará preparado para enfrentar as prováveis perdas que não são perdas.
Algumas pessoas vão à campa dos entes queridos orar ou adorná-la com flores. Sim; seu ente querido sentirá o aroma das flores e sua energia amorosa. Outros, rezam em templos, olhando para o porta-retratos ou mesmo num choro dorido de saudade. Eles gostam de ser lembrados, mas o desespero os aflige.
Outras pessoas querem recados e mensagens espirituais. Há uma profusão de médiuns habilitados para tal mas, de repente, você dorme e vai ao encontro deles. Sem tensão; sem cobranças. Acorda revitalizado e otimista. E mal sabe que bateu um longo papo com seu filho, seu ente querido ou amigo.
A vida sempre nos oferece a semente da esperança, da fé e da luz. Não procure luz olhando para as trevas. Acenda o candeeiro. A vida vai achar um jeito de lhe ajudar de acordo com sua crença e seu jeito de funcionar diante dos momentos.
Seu filho, seu namorado, seu pai, sua avó, estão todos vivos. E, não estão num céu fictício e, nem mesmo num inferno incandescente. Estão vibrando pela sua felicidade. Ouvem seu pranto ou sua risada. Não há distancia para a eternidade. Mesmo que seu filho tenha partido pelas portas do suicídio não acredite na voz da sombra e de eterno sofrimento. Jesus é misericordioso.
As folhas caem e começa tudo de novo! As flores voltam!
E, pare de pensar tanto no "morto" e olhe em volta! Os "vivos" precisam de você e, você precisa deles.
Depois das pedras vem uma estrada florida e, quiçá, você nem precise das pedras para aprender a caminhar.
A verdade é inevitável: um dia você vai partir dessa para melhor. Nem pense nisso e viva um dia de cada vez. Seu ente querido precisa de paz, silêncio e repouso nos primeiros tempos, mas de repente, se você ficar chamando muito por ele poderá assustá-lo ou confundi-lo. Cada ser tem seu processo evolutivo!
Dedico esse texto ao meu querido meu pai Sinval e minha querida Mãe Leny e tantos outros que já se foram.
E todos que amam e vivem o frescor da esperança!

Sandra Cecilia- Blog: Relax Mental