Seguidores

sexta-feira, 12 de maio de 2017

“A MEDIUNIDADE DOS SANTOS”

O livro “Mediunidade dos Santos” do espírita Clóvis Tavares é uma joia preciosa de saber espiritual. Primeiro por que traz uma rica coleção de relatos sobre fenômenos incomuns, geralmente associados à mediunidade, de indivíduos que foram canonizados na Igreja e hoje são reconhecidos como santos.
No entanto, após escrever o livro, Clóvis teve receio das reações conservadoras que esse livro poderia gerar. Avesso a polêmicas e não desejando criar animosidades com espíritas e católicos conservadores, Clovis optou em não publicar esta obra. Mas parece que seu filho, Celso Vicente, não acatou a vontade do pai, que chegou a cogitar queimar as folhas do livro. Por sorte do público ávido pelo melhor entendimento e pelo estudo da universalidade do fenômeno mediúnico, o livro foi mantido e até mesmo publicado pela Editora Prestígio e pela Editora IDE.
Embora ainda permaneça desconhecido pela maior parte dos espíritas, a obra contempla uma ampla gama de casos de santos que apresentavam fenômenos espontâneos de mediunismo. Chico Xavier se referiu a este livro como “uma obra de unificação, e não de sectarismo”. Chico foi um dos que fez de tudo para que o livro fosse publicado e assegurou a família que o livro era “a obra prima do Clóvis”. Ele escreveu na primeira edição da obra que “O Evangelho é um livro de mediunidade por excelência”.
No livro Clóvis cita santos como Santa Teresa D´Ávila, São Pedro de Alcântara, Santa Brígida (1302-1373), Teresa Neumann (1898-1962), Santa Margarida Maria Alacoque, Dom Bosco, São Francisco de Assis, Santa Joana D´Arc, Santo Antônio de Pádua, Vicente de Paulo (1581-1660), etc.
O fato de estes indivíduos serem ícones da Igreja católica não altera em nada a fenomenologia que apresentam, apenas se tem uma interpretação diferente de seus prodígios. Como diz Clóvis Tavares “Nós reconhecemos a existência de Missionários da Luz em todos os tempos e em todas as agremiações filosóficas ou religiosas da Terra. Não importa o nome que os designe: benfeitores espirituais, como comumente os chamamos, Missionários ou Santos, Gurus, Sufis, ou Arhats… Eles se encarnam em todas as pátrias e desfraldam em todos os ambientes humanos a bandeira da espiritualidade superior de que são intérpretes e mensageiros. Naturalmente, condicionam sua linguagem ao seu meio e ao seu tempo, como também é natural que sejam influenciados humanamente pela sua época e pelo seu ambiente”.
Os estudiosos da mediunidade sabem que ela não é um fenômeno restrito de nosso tempo e cultura. Se assim fosse, ela seria apenas um produto da imaginação humana que deseja enxergar o sobrenatural, e não estaria fundada na verdade. Por este motivo, encontramos referências dos fenômenos mediúnicos em praticamente todas as tradições, culturas, civilizações e tribos arcaicas. Essa universalidade, quando avaliada de forma desapaixonada e sem ortodoxias, permite uma apreciação mais clara e pura de como se processam os fenômenos que o Espiritismo associa a mediunidade. Colher e apurar, com mente aberta, relatos tradicionais e oficiais da Igreja sobre a mediunidade dos santos é entender com mais profundidade esse universo gigantesco do potencial transcendente da consciência humana.
Uma das referências mais antigas sobre sonhos e visões pode ser encontrada no Velho Testamento, nos sonhos e visões do profeta Daniel. Vemos escrito que “Quanto a estes quatro jovens, Deus lhes deu o conhecimento e a inteligência em todas as letras, e sabedoria; mas a Daniel deu entendimento em toda a visão e sonhos”. (1:17) e ainda “Então foi revelado o mistério a Daniel numa visão de noite; então Daniel louvou o Deus do céu. Daniel” (2;19). Daniel apresenta também o fenômeno da precognição, visão do futuro, quando prevê a queda do império persa e o destino do povo hebreu. Esta é apenas uma referência de muitas que poderiam ser citadas do fenômeno da profecia, ou conhecimento do futuro, encontrada na Bíblia. Este, porém, não é um fenômeno mediúnico, mas algo produzido pela visão psíquica do próprio indivíduo. Não há aparentemente nenhuma intervenção espiritual na produção dessa visão. As visões que teve em sonhos, por outro lado, pode ser anímica (do próprio espírito) ou mediúnica (de um espírito alheio) dependendo das circunstâncias do sonho.

Hugo Lapa