Seguidores

sexta-feira, 19 de maio de 2017

“VIDAS SUCESSIVAS”

“Não te maravilhes de te haver dito: Necessário vos é nascer de
novo.”
Jesus. (JOÃO, 3:7.)
A palavra de Jesus a Nicodemos foi suficientemente clara.
Desviá-la para interpretações descabidas pode ser compreensível no
sacerdócio organizado, atento às injunções da luta humana, mas nunca nos
espíritos amantes da verdade legítima.
A reencarnação é lei universal.
Sem ela, a existência terrena representaria turbilhão de desordem e
injustiça; à luz de seus esclarecimentos, entendemos todos os fenômenos
dolorosos do caminho.
O homem ainda não percebeu toda a extensão da misericórdia divina, nos
processos de resgate e reajustamento.
Entre os homens, o criminoso é enviado a penas cruéis, seja pela
condenação à morte ou aos sofrimentos prolongados.
A Providência, todavia, corrige, amando… Não encaminha os réus a
prisões infectas e úmidas. Determina somente que os comparsas de dramas
nefastos troquem a vestimenta carnal e voltem ao palco da atividade humana,
de modo a se redimirem, uns à frente dos outros.
Para a Sabedoria Magnânima nem sempre o que errou é um celerado, como nem sempre a vítima é pura e sincera. Deus não vê apenas a maldade que surge à superfície do escândalo; conhece o mecanismo sombrio de todas as
circunstâncias que provocaram um crime.
O algoz integral como a vítima integral são desconhecidos do homem; o
Pai, contudo, identifica as necessidades de seus filhos e reúne-os,
periodicamente, pelos laços de sangue ou na rede dos compromissos
edificantes, a fim de que aprendam a lei do amor, entre as dificuldades e as
dores do destino, com a bênção de temporário esquecimento.

Francisco Cândido Xavier. Da obra: Caminho, Verdade e Vida. Ditado pelo Espírito Emmanuel.